Início do conteúdo

O Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter celebra 50 anos

  

                O Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter completa 50 anos nesta quinta-feira, dia 21 de maio. O museu está em uma nova sede desde o ano passado, junto à Praça Cel. Pedro Osório, no coração do centro histórico da cidade de Pelotas. Esta mudança foi muito importante para o museu, que passou a ter maior visibilidade e um aumento considerável no número de visitantes. Desde a mudança de sede, o museu teve uma série de novidades e é possível perceber muitas mudanças positivas tanto na organização geral do acervo, exibições e mesmo em relação ao público. A mudança de prédio foi fundamental para a manutenção do acervo, que agora está em um espaço mais adequado, que oferece melhores condições para a conservação das coleções. Junto com a mudança física de espaço, houve também uma mudança de conceitos e expografia no Museu, sob coordenação do Prof. João Iganci e da Profa. Raquel Lüdtke, do Departamento de Botânica, Instituto de Biologia, da UFPel, buscando uma modernização da coleção e das exibições do acervo ao público visitante. O Museu passou a integrar um circuito junto de outros elementos culturais da cidade, que incluem o Museu do Doce, o MALG, o Mercado Público, dentre outros. Entre maio e dezembro de 2019 o Museu Carlos Rittter teve o dobro do número de visitantes que costumava ter em um ano, no antigo endereço. O principal público do museu permanece sendo de estudantes e professores de escolas de ensino fundamental de Pelotas e região, entretanto houve um grande aumento de visitantes individuais, que encontram no museu mais uma atração turística na cidade de Pelotas. O museu tem, desde sua reinauguração, três exposições permanentes principais, que são compostas por um diorama, que representa uma paisagem natural do bioma Pampa, com animais e plantas típicos da região e que convidam para um diálogo sobre biodiversidade e conservação da natureza. A sala principal do museu apresenta um painel sobre evolução das aves, junto da principal coleção, que são as aves taxidermizadas, a maior parte originais da coleção de Carlos Ritter. O destaque desta exposição está no diálogo sobre as relações evolutivas, de parentesco, entre as diferentes espécies de aves apresentadas e sobre as adaptações ecológicas em espécies típicas de distintos ambientes naturais da região. A terceira exposição é sobre a coleção de borboletas de Ceslau Maria Biezanko, que também ganhou maior destaque no prédio novo. Além destas exposições permanentes, o Museu Carlos Ritter teve diversas exposições temporárias e eventos abertos ao público durante este primeiro ano de casa nova. Assim, o museu se consolida como mais um atrativo cultural de Pelotas.

                           Um museu de ciências naturais tem um papel fundamental para a divulgação científica e para a educação ambiental. O Museu Carlos Ritter, na qualidade de um museu universitário, tem uma grande importância na promoção do diálogo entre a Universidade e a comunidade de Pelotas e região. Esta ligação é capaz de levar o conhecimento acadêmico até a comunidade, de forma acessível e inclusiva, despertando o interesse pelas ciências e a consciência sobre a importância de conhecer e preservar a biodiversidade local. Além dos visitantes escolares, o museu é também um espaço de formação para os alunos da UFPel, onde diversos projetos de ensino, pesquisa e extensão são desenvolvidos. O museu estava preparando uma série de atividades para comemorar os 50 anos. A primeira destas atividades foi uma exposição temporária sobre a cervejaria C. Ritter & Irmão, que conta um pouco sobre a história da indústria de Carlos Ritter na cidade de Pelotas e sobre os processos biológicos envolvidos na produção da cerveja. Infelizmente o museu precisou ser fechado, por conta da quarentena, logo depois de inaugurar esta exposição, que será exibida novamente ao público assim que as atividades da UFPel retornarem ao normal. Buscando atender ao público do museu de forma remota, algumas atividades estão programadas para acontecer de forma virtual nas redes sociais e celebrar a data. Na terça-feira, dia 19 de maio, às 19h, acontecerá o lançamento do selo comemorativo dos 50 anos do museu e na quinta-feira, dia 21 de maio, também às 19h, o Prof. Iganci participará do programa Pinheiro Nativo, que vai ao ar pelo Youtube, onde o tema será o dia internacional da Biodiversidade e a comemoração do aniversário do Museu Carlos Ritter. No mesmo dia o Prof. Iganci receberá uma homenagem da PREC UFPel, através de um título de Mérito em Extensão, pelo trabalho realizado junto ao Museu Carlos Ritter. Outras atividades virtuais estão sendo preparadas e serão divulgadas através das redes sociais do museu.

 

                Parabéns ao professor João Iganci pelo mérito em Extensão da UFPEL merecido pela sua atuação com sua equipe frente a administração do MCR.

Publicado em 19/05/2020, em Sem categoria.
Translate »