Início do conteúdo
    Notícias
  • Nota da Faculdade de Educação/Universidade Federal de Pelotas sobre a educação em tempos de pandemia

    A Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas, diante do seu compromisso histórico e político com a educação pública, gratuita, popular, democrática, laica e socialmente referenciada e considerando o momento de pandemia, se manifesta:
    1 – contrária ao uso do chamado “ensino remoto” e outros similares na Educação Básica (Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio) das redes públicas e privadas, bem como se posiciona em contrariedade ao retorno das aulas presenciais sem que existam condições sanitárias seguras e recomendadas pela Organização Mundial da Saúde e pela Comunidade Científica.
    A partir do Princípio da Precaução, defendemos o adiamento do início das aulas por tempo indeterminado, uma vez que as pesquisas científicas estão acenando para o agravamento da pandemia nos meses de junho e de julho. No Rio Grande do Sul esta situação se agrava e se complexifica com o advento do inverno. Os números de infectados e de mortos por COVID-19 estão aumentando a cada dia. Só poderemos cogitar uma data de retorno às aulas quando as condições de segurança puderem ser garantidas para todos. Qualquer hipótese de data para um possível retorno, no presente cenário, causa uma insegurança na comunidade escolar e atenta contra a vida humana. Toda a discussão, neste sentido, deve ser efetivamente democrática e baseada em dados produzidos pela Organização Mundial da Saúde e pela Comunidade Científica. Quanto ao ensino remoto, no âmbito da Educação Básica, análises evidenciam que, quando usado indistintamente, fragiliza o processo educativo das crianças e jovens. O currículo das escolas está organizado para desenvolver-se de modo presencial e é inaceitável a sua simples transposição para um modo remoto, o que acarretaria precarização das práticas pedagógicas e das condições de aprendizagem, bem como aprofundaria as desigualdades de acesso e permanência na Educação Básica.
    Diante do cenário apresentado, o ensino remoto: a) não garante a universalização do direito à educação; b) constitui-se uma “imposição” de normalidade pelo capital; c) está associado à lógica de mercantilização e privatização da educação pública; d) não assegura uma educação de qualidade para as classes populares.
    Em se tratando especificamente da Educação Infantil, mas compreendendo que a similaridade com os demais níveis é evidente, torna-se inaplicável qualquer protocolo que oriente o distanciamento criança/criança e criança/adulto em um possível retorno às atividades presenciais. Deve-se considerar, especialmente: a) as características socioemocionais das crianças e suas necessidades de cuidado (higiene, alimentação, afeto, bem-estar); b) a estrutura física das escolas de educação infantil (públicas e privadas), uma vez que os espaços estão organizados para o convívio coletivo, a
    interação, a experiência corporal, sensorial, criativa; c) as características do trabalho das profissionais da educação, que exigem contato físico, mobilidade e agilidade corporal, habilidades que seriam inviabilizadas pelo uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para sua segurança.

    2 – em defesa das trabalhadoras e dos trabalhadores em educação, de condições dignas e seguras para o exercício profissional e de uma formação continuada crítica e comprometida com um projeto educativo a favor das classes populares. As análises sobre o ensino remoto, desenvolvido neste cenário de pandemia, indicam um quadro de aprofundamento da precarização das condições de trabalho para as educadoras e os educadores. Cabe destacar que investigações sobre o mundo do trabalho registram que, majoritariamente, a profissão docente na Educação Básica é desenvolvida por mulheres, o que gera uma sobrecarga das atividades produtivas desenvolvidas por essas mulheres-trabalhadoras em suas residências em tempos de
    pandemia. Trata-se de mais uma evidência para a não realização das atividades remotas na Educação Básica.
    As condições objetivas para o desenvolvimento de um trabalho docente digno são imprescindíveis para a efetivação de uma educação de qualidade social. Portanto, torna-se necessária a manutenção dos postos de trabalho nas redes públicas e privadas, a garantia de pagamento dos salários (sem cortes e parcelamentos). A Faculdade de Educação se coloca à disposição para construir um amplo e substancial espaço de diálogo e de organização de propostas de formação continuada sustentada em elementos que permitam a compreensão da conjuntura social, histórica, cultural, política, educacional e que deem conta das novas exigências (subjetivas e profissionais). É relevante considerar ainda sobre a questão das formações continuadas que projetos apresentados de maneira célere e que estejam subsidiados a partir de uma lógica de mercado precarizam os processos de ensino e de aprendizagem, desqualificam a natureza da ação educativa, criam um ambiente favorável para o controle do trabalho docente e a
    privatização dos sistemas educacionais.

    3 – pela produção de outras relações entre escolas e comunidades. A escola é um espaço de encontro entre pessoas, culturas e saberes. É um lugar importante para as crianças e os jovens das classes populares, de acesso a diferentes visões de mundo e ao conhecimento historicamente organizado, o qual precisa ser constantemente reconstituído e ressignificado mediante a participação democrática de todos. É fundamental que existam aproximações das escolas com as suas comunidades. Na Educação Infantil, por exemplo, podem ser construídas redes de apoio virtual às famílias com a finalidade de auxiliar no estabelecimento de um clima de segurança e proteção das crianças. As pesquisas do campo pedagógico e das culturas infantis indicam que não se justifica a preocupação expressa por algumas famílias sobre uma possível perda no processo de aprendizagem que as crianças estariam sofrendo por não frequentarem a escola neste momento. Aprendizagens diversas, mas igualmente importantes, estão ocorrendo agora com a convivência mais intensa com a família. A urgência da proteção da vida e da saúde configurou outras formas de desenvolver o processo educativo das crianças, assim como enfatizou o papel social do trabalho docente, realizado não só em sala de aula, mas também na gestão e orientação das relações com a comunidade escolar.
    A defesa, acima exposta, também se aplica ao Ensino Fundamental e Médio, salvaguardando, evidentemente, as especificidades desses níveis. Ouvir a comunidade, os profissionais da educação, as crianças, os jovens e suas famílias, a partir das redes estabelecidas através de diferentes mecanismos, pode configurar-se como uma importante estratégia para repensar as propostas político-pedagógicas das escolas. De maneira muito criativa e reflexiva, várias experiências de diálogo entre escolas e comunidades estão acontecendo e precisam ser socializadas para que outras relações surjam nesse contexto de pandemia. Os saberes e conhecimentos produzidos nessa interação são essenciais para o enfrentamento das questões objetivas que se apresentam na atualidade.

    4 – pela defesa e necessidade de um projeto popular e humanista, com políticas públicas sólidas e uma educação gratuita, democrática, laica e que atenda aos princípios da qualidade social.
    A análise das questões conjunturais, que envolvem o contexto educacional, político, econômico e social, aponta que é imprescindível defender:
    – a imediata revogação da Emenda Constitucional 95, que instituiu em 2016 o teto dos gastos públicos prejudicando a ampliação de investimentos na saúde e na educação;
    – a proteção das famílias trabalhadoras, de seus empregos e rendas, através de políticas públicas e sociais, para que possam ficar em casa com seus filhos e em segurança;
    – o maior controle sobre as medidas de isolamento social, considerando que as aglomerações (tanto ligadas às atividades laborais, como associadas aos deslocamentos via transporte público e para o lazer) estão se acentuando;
    – a garantia da merenda escolar através de cestas básicas com os recursos estatais;
    – a realização do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) somente quando existirem condições igualitárias e justas para que todos os estudantes possam prestar o exame; do contrário, haverá um acirramento das desigualdades sociais, impactando ainda mais as classes populares e se contrapondo com as políticas de justiça social de acesso ao Ensino Superior;
    – a prorrogação da Lei do FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), posto que estamos no último ano de vigência;
    – a elaboração e aprovação de um Projeto de Lei que garanta os recursos necessários para a implementação do Plano Nacional de Educação e de políticas para a qualificação da educação pública;
    – uma discussão ampla e democrática, envolvendo as entidades acadêmicas, científicas, sindicais, estudantis, com as representações de classe e os pesquisadores da área sobre as políticas educacionais implementadas pelo atual governo federal.

    Pelotas, 27 de maio de 2020.

  • Homologação das Inscrições para a Eleição da Direção 2020

    Homologação das Inscrições

    Na data de hoje, 24/09/2020, a Comissão Eleitoral do processo de consulta para Eleição da Direção da Faculdade de Educação, reuniu-se e homologou as chapas inscritas.

    Chapa 1

    Chapa FaE + Coletiva + Local e + Global
    Direção: Álvaro Moreira Hypolito
    Vice-Direção: Aline Accorssi

    Chapa 2

    Chapa “FaE – dialógica e inclusiva”
    Direção: Antonio Mauricio Medeiro Alves
    Vice-direção: Vania Grim Thies

    Observação: As chapas foram numeradas conforme ordem de inscrição.

    Programas de Ação das Chapas

    As chapas precisavam encaminhar seu programa de ação para a inscrição. Assim, desde já divulgamos os programas das chapas abaixo:

    Programa de Ação da Chapa 1 – FaE + Coletiva + Local e + Global

    Programa de Ação da Chapa 2 – FaE – dialógica e inclusiva

    Regulamento das Eleições

    As eleições são regidas pelo Edital, elaborado pela comissão eleitoral, com apoio da Seção de Participação Comunitária (SPC/CDIT/PROPLAN).

    Período de campanha eleitoral

    Informamos desde já que o período de campanha eleitoral começa no dia 28 de setembro de 2020. Mais informações sobre a campanha eleitoral serão divulgadas neste site.

    Quem pode votar?

    Podem votar todos os docentes, técnicos administrativos e estudantes da FaE. Isso inclui todos os servidores docentes e técnicos administrativos, inclusive afastados, lotados e/ou em exercício na FaE.

    Os estudantes que podem votar são todos aqueles regularmente matriculados nos cursos de Pedagogia (diurno e noturno), na Especialização em Educação, nos Mestrados (do Programa de Pós-Graduação em Educação e no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática) e no Doutorado (do Programa de Pós-Graduação em Educação).

    As listas de eleitores serão disponibilizadas no dia 2 de outubro de 2020 para conferência até o dia 6 de outubro de 2020.

    Orientações para a votação

    A votação utilizará o sistema Helios Voting. Desde já solicitamos a todos os servidores (técnicos e professores) que verifiquem se possuem acesso ao e-mail institucional, uma vez que a cédula de votação será encaminhado por ele.

    Aos alunos, solicitamos desde já que verifiquem se possuem acesso ao e-mail principal cadastrado no cobalto (a informação pode ser verificada clicando em “Perfil” no canto superior direito do cobalto). Como as cédulas de votação serão encaminhadas diretamente pelo e-mail principal cadastrado, quem não possuir acesso a este e-mail estará impossibilitado de votar.

    Eleições

    As eleições estão previstas para ocorrerem entre os dias 19 e 21 de outubro de 2020.

    Além disso, qualquer problema encontrado no sistema de votação deverá ser comunicado até as 12:00 do dia 20 de outubro.

    Contato com a Comissão Eleitoral

    Para mais informações, entre em contato com a comissão eleitoral pelo e-mail coefaeufpel2020@gmail.com

  • Edital 01/2020 – Eleições para Diretor(a) e Vice-Diretor(a) da Faculdade de Educação

    Publicação do Edital

    A Comissão Eleitoral vem por meio deste divulgar o edital que rege a eleição para Diretor(a) e Vice-Diretor(a) da Faculdade de Educação de 2020 a 2024. O edital foi elaborado pela comissão eleitoral, e contamos com apoio da Seção de Participação Comunitária (SPC/CDIT/PROPLAN).

    SEI:UFPel – 1054925 – Edital

    A autenticidade do documento pode ser verificada no SEI usando o código verificador 1054925 e o código CRC 5C151C70.

    Informamos que o edital foi elaborado em conjunto com toda a comissão eleitoral, mas não tem a assinatura dos alunos em virtude de eles não terem acesso ao SEI.

    Inscrição das chapas

    Informamos que a inscrição das chapas se dará conforme o edital, nos dias 21 e 22 de setembro de 2020.

    A homologação das inscrições se dará no dia 24 de setembro de 2020, e será divulgada neste site.

    Período de campanha eleitoral

    Informamos desde já que o período de campanha eleitoral começa no dia 28 de setembro de 2020. Mais informações sobre a campanha eleitoral serão divulgadas neste site.

    Quem pode votar?

    Podem votar todos os docentes, técnicos administrativos e estudantes da FaE. Isso inclui todos os servidores docentes e técnicos administrativos, inclusive afastados, lotados e/ou em exercício na FaE.

    Os estudantes que podem votar são todos aqueles regularmente matriculados nos cursos de Pedagogia (diurno e noturno), na Especialização em Educação, nos Mestrados (do Programa de Pós-Graduação em Educação e no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática) e no Doutorado (do Programa de Pós-Graduação em Educação).

    As listas de eleitores serão disponibilizadas no dia 2 de outubro de 2020 para conferência até o dia 6 de outubro de 2020.

    Orientações para a votação

    A votação utilizará o sistema Helios Voting. Desde já solicitamos a todos os servidores (técnicos e professores) que verifiquem se possuem acesso ao e-mail institucional, uma vez que a cédula de votação será encaminhado por ele.

    Aos alunos, solicitamos desde já que verifiquem se possuem acesso ao e-mail principal cadastrado no cobalto (a informação pode ser verificada clicando em “Perfil” no canto superior direito do cobalto). Como as cédulas de votação serão encaminhadas diretamente pelo e-mail principal cadastrado, quem não possuir acesso a este e-mail estará impossibilitado de votar.

    Eleições

    As eleições estão previstas para ocorrerem entre os dias 19 e 21 de outubro de 2020.

    Além disso, qualquer problema encontrado no sistema de votação deverá ser comunicado até as 12:00 do dia 20 de outubro.

    Contato com a Comissão Eleitoral

    Para mais informações, entre em contato com a comissão eleitoral pelo e-mail coefaeufpel2020@gmail.com

  • Recomposição da Comissão Eleitoral – 2020

     Timbre
    Universidade Federal de Pelotas
    Faculdade de Educação

    PORTARIA Nº 9, DE 20 DE AGOSTO DE 2020

     

    O DIRETOR DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO no uso das atribuições previstas na Portaria n.º 1115, de 15 de agosto de 2016,

    RESOLVE:

    SUBSTITUR a pedido, a Profª. Rita de Cássia Tavares Medeiros, da Comissão Eleitoral para a Eleição da Direção da Faculdade de Educação, pela Profª. Georgina Helena Lima Nunes.

    CONSOLIDAR a Comissão Eleitoral para a Eleição da Direção da Faculdade de Educação, com a seguinte composição:

    Representantes Docentes

    Titular: Profª. Maria Cecilia Lorea Leite

    Suplente: Profª. Georgina Helena Lima Nunes

    Representantes dos Técnicos-Administrativos em Educação

    Titular: Ass. Adm. Gustavo Hoffmann Moreira

    Suplente: Ass. Adm. Gabriela Pereira de Pereira

    Representantes Discentes

    Titular: Acad. Alisson Castro Batista

    Suplente: Acad. Josiane Jarline Jäger


    logotipo Documento assinado eletronicamente por ROGERIO COSTA WURDIG, Diretor, Faculdade de Educação, em 20/08/2020, às 13:34, conforme horário oficial de Brasília, com fundamento no art. 6º, § 1º, do Decreto nº 8.539, de 8 de outubro de 2015.

    QRCode Assinatura A autenticidade deste documento pode ser conferida no site http://sei.ufpel.edu.br/sei/controlador_externo.php?acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador 1030428 e o código CRC 71DE1BAF.

     


    Referência: Processo nº 23110.020449/2020-02 SEI nº 1030428

  • Constituição da Comissão Eleitoral – 2020

     Timbre
    Universidade Federal de Pelotas
    Faculdade de Educação

    PORTARIA Nº 8, DE 13 DE AGOSTO DE 2020

    O DIRETOR DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO no uso das atribuições previstas na Portaria n.º 1115, de 15 de agosto de 2016,

    RESOLVE:

    CONSTITUIR Comissão Eleitoral para a Eleição da Direção da Faculdade de Educação, composta por:

    Representantes Docentes

    Titular: Profª. Rita de Cássia Tavares Medeiros

    Suplente: Profª. Maria Cecilia Lorea Leite

    Representantes dos Técnicos-Administrativos em Educação

    Titular: Ass. Adm. Gustavo Hoffmann Moreira

    Suplente: Ass. Adm. Gabriela Pereira de Pereira

    Representantes Discentes

    Titular: Acad. Alisson Castro Batista

    Suplente: Acad. Josiane Jarline Jäger


    logotipo Documento assinado eletronicamente por ROGERIO COSTA WURDIG, Diretor, Faculdade de Educação, em 13/08/2020, às 14:23, conforme horário oficial de Brasília, com fundamento no art. 6º, § 1º, do Decreto nº 8.539, de 8 de outubro de 2015.

    QRCode Assinatura A autenticidade deste documento pode ser conferida no site http://sei.ufpel.edu.br/sei/controlador_externo.php?acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador 1024057 e o código CRC 00ACFE7A.

     


    Referência: Processo nº 23110.020449/2020-02 SEI nº 1024057

     

  • Inscrições abertas para projetos durante o calendário alternativo

    A Faculdade de Educação está com inscrições abertas para os projetos que serão desenvolvidos ao longo do Calendário Alternativo da UFPel.
    O quadro abaixo apresenta todos os projetos que serão oferecidos durante o período letivo:
    Na lista dos projetos estão indicadas suas linhas gerais, carga horária semanal e total, turnos das atividades síncronas (quando houver), número de vagas para estudantes da Pedagogia, para os demais cursos da UFPel e para o público externo.
    As inscrições vão de 15/06 até 18/06 às 18h.
    Para a realização da inscrição é necessário preencher o Formulário On-line disponibilizado AQUI, indicando o curso desejado.
  • Horário de Disciplinas Universais – 2020/1

    Departamento de Fundamentos da Educação

    Disciplina Código Horário Professor Sala
    Fundamentos Psicológicos da Educação T1 17360021 Quinta-feira Noite Rosária CCHS 256
    Fundamentos Psicológicos da Educação T2 17360021 Quinta-feira Noite Junior Anglo 249
    Fundamentos Psicológicos da Educação T3 17360021 Quinta-feira Tarde Simone Anglo 246
    Fundamentos Psicológicos da Educação T4 17360021 Quinta-feira Tarde Denise Anglo 247
    Fundamentos Psicológicos da Educação T5 17360021 Quinta-feira Tarde Rosária Salis 207
    Fundamentos Psicológicos da Educação T6 17360021 Quinta-feira Tarde Síglia Conde 004
    Fundamentos Psicológicos da Educação T7 17360021 Quarta-feira Manhã Denise CCHS 254
    Fundamentos Psicológicos da Educação T8 17360021 Terça-feira Noite Lui Anglo 310
    Fundamentos Psicológicos da Educação T9 17360021 Terça-feira Tarde Simone Campus II 214
    Fundamentos Psicológicos da Educação T10 17360021 Terça-feira Manhã Simone CCHS 204
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T1 17360022 Quinta-feira Tarde Paulo Campus II 214
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T2 17360022 Quarta-feira Noite  Luiza Anglo 252
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T3 17360022 Quarta-feira Noite Renata CCHS 256
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T4 17360022 Quarta-feira Tarde  Junior CCHS 313
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T5 17360022 Quarta-feira Tarde Paulo Salis 202
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T6 17360022 Terça-feira Noite Luiza Anglo 232 D
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T7 17360022 Terça-feira Noite Junior Campus II 302
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T8 17360022 Terça-feira Noite Renata Salis 102
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T9 17360022 Terça-feira Noite Paulo Salis 201
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T10 17360022 Terça-feira Noite Francisco Anglo 252
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T11 17360022 Terça-feira Tarde Junior CCHS 311
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T12 17360022 Terça-feira Tarde Luiza CCHS 313
    Fundamentos Sócio-Histórico-Filosóficos da Educação T13 17360022 Terça-feira Manhã Renata CCHS 203
    Educação Inclusiva: Pedagogia da Diferença T1 17360009 Terça-feira Tarde Madalena Salis 207
    Filosofia da Ciência T1 17360006 Quarta-feira Tarde Neiva Anglo 429
    Estudos sobre gênero e trabalho feminino 17360045 Sexta-feira Tarde Márcia CCHS 252

    Departamento de Ensino

    Disciplina Professor(a) Horário Sala
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T1 Valdelaine da Rosa Mendes Segunda – Manhã FaE (CCHS/ICH) – 254
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T2 Carmen Regina Segunda – Noite Anglo – 250
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T3 Eugênia Antunes Dias Terça – Tarde Conde 004
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T4 Maria Eloísa da Silva Terça – Tarde Anglo – 235
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T5 Leonardo Dorneles Terça – Noite  Salis – 205
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T6 Valdelaine da Rosa Mendes Quarta – Tarde ESEF-9
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T7 Alvaro Hypolito Quarta – Tarde ESEF-10
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T8 Maria Eloísa da Silva Quarta – Noite Anglo-120
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T9 Maria Eloísa da Silva Quinta – Tarde Salis – 102
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T10 Carmen Regina Quarta – Tarde  ESEF-2
    Ed. Brasileira: Organização e Políticas Públicas – T11 Carmen Regina Quarta – Noite Campus II – 106
    Teoria e Prática Pedagógica – T1 Helenara Plaszewski Terça – Manhã FaE (CCHS/ICH) – 255
    Teoria e Prática Pedagógica – T2 Mauro Del Pino Terça – Tarde Campus II – 202
    Teoria e Prática Pedagógica – T3 Carmen Regina Terça- Noite Odonto – 603
    Teoria e Prática Pedagógica – T4 Caroline Terra de Oliveira Quarta – Tarde Conde P. Alegre – 004
    Teoria e Prática Pedagógica – T5 Helenara Plaszewski Quinta – Tarde Salis 202
    Teoria e Prática Pedagógica – T6 Caroline Terra de Oliveira Quinta – Noite Odonto – 603
    Profissão Docente – T1 (Química)  Mauro Del Pino Quarta – Manhã FaE (CCHS/ICH) – 252
    Profissão Docente – T2 (Matemática) Mara Rejane Osório Terça – Manhã  FaE (CCHS/ICH) – 252
    Profissão Docente – T3 (Matemática) Maria das Graças Pinto Terça – Manhã FaE (CCHS/ICH) – 254
    Profissão Docente – T4 (Matemática) Mara Rejane Osório Terça – Noite FAURB – 205
    Gestão Educacional Marica Cecilia Quinta – Tarde Campus II – Sala 107

     

  • Edital 01/2019

    A Direção da Faculdade de Educação torna público que estão abertas as inscrições, de 15 de outubro a 23 de outubro de 2019, para saídas de campo, transporte por contrato e pagamento de diárias e passagens para docentes, técnicos e convidados para participação em eventos com ônus custeado pela UGR da Faculdade de Educação.

    Segue em anexo o edital.

    Edital nº 01

  • Docentes da Faculdade de Educação manifestam-se em defesa da Universidade Pública e repudiam o “Future-se”!

    A crise na Universidade Pública Brasileira é um projeto de governo. Depois dos cortes no orçamento da educação e da produção de um discurso de aversão e animosidade contra as Universidades, o governo federal, através do MEC, lançou, em 18 de julho deste ano, o “Programa Institutos e Universidades Empreendedoras e Inovadoras – FUTURE-SE”. Nenhuma instituição de ensino e nenhuma entidade representativa da comunidade acadêmica ou da sociedade civil foi consultada sobre qualquer aspecto deste programa. 

    Desde então, têm sido numerosas as manifestações e mobilizações que denunciam o caráter destrutivo da proposta para a Universidade Pública Brasileira. É evidente a intenção de privatizar o ensino superior, retirando da Universidade sua autonomia garantida na Constituição Federal por meio da adoção de “diretrizes de governança” a serem ditadas por organizações sociais externas à vida acadêmica.

    As professoras e professores da Faculdade de Educação vêm a público se somar às vozes e ações contrárias ao “Future-se”. Assim, reafirmamos a história de luta da FaE/UFPel em prol de uma educação pública, gratuita, laica e de qualidade socialmente referenciada.

    Estamos dizendo NÃO a este programa!

    Consideramos que o “Future-se” é mais uma ação deste governo que cumpre uma agenda de retirada de direitos sociais, de destruição da democracia e de desmonte da educação, da ciência, da tecnologia, do patrimônio e dos serviços públicos.

    Estamos sob um governo que prioriza e defende os interesses empresariais e do mercado financeiro. Os efeitos destrutivos da agenda governamental extrapolam a pauta da educação e agravam a crise ambiental.

    A permissividade com queimadas na Amazônia e a produção de um discurso que criminaliza ONGs e indígenas são indícios claros dessa política de governo. Assim, nos mobilizamos: para a defesa do patrimônio brasileiro, da terra, do solo, do subsolo, do ar, da água, de nossas riquezas e da biodiversidade! 

    Entendemos que é urgente que a UFPel, a exemplo de tantas outras comunidades acadêmicas, rejeite imediatamente o “Future-se”, posto que se trata de um programa que pretender acabar com o caráter público das Universidades Federais Brasileiras, dos CEFETs e dos Institutos Federais.

    Entregar o futuro da Universidade nas mãos dos interesses de mercado prejudicará não apenas a Pesquisa, a Ciência, a Tecnologia, a Extensão e a formação de profissionais qualificados. Comprometerá, irremediavelmente, o desenvolvimento do país, reproduzindo as desigualdades e agravando as diversas formas de violência, opressão e exploração que vemos crescer dramaticamente em todo o país.

    Docentes da Faculdade de Educação da UFPel.

    Pelotas, 29 de agosto de 2019.