Início do conteúdo
    Notícias
  • Nota da Faculdade de Educação/Universidade Federal de Pelotas sobre a educação em tempos de pandemia

    A Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas, diante do seu compromisso histórico e político com a educação pública, gratuita, popular, democrática, laica e socialmente referenciada e considerando o momento de pandemia, se manifesta:
    1 – contrária ao uso do chamado “ensino remoto” e outros similares na Educação Básica (Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio) das redes públicas e privadas, bem como se posiciona em contrariedade ao retorno das aulas presenciais sem que existam condições sanitárias seguras e recomendadas pela Organização Mundial da Saúde e pela Comunidade Científica.
    A partir do Princípio da Precaução, defendemos o adiamento do início das aulas por tempo indeterminado, uma vez que as pesquisas científicas estão acenando para o agravamento da pandemia nos meses de junho e de julho. No Rio Grande do Sul esta situação se agrava e se complexifica com o advento do inverno. Os números de infectados e de mortos por COVID-19 estão aumentando a cada dia. Só poderemos cogitar uma data de retorno às aulas quando as condições de segurança puderem ser garantidas para todos. Qualquer hipótese de data para um possível retorno, no presente cenário, causa uma insegurança na comunidade escolar e atenta contra a vida humana. Toda a discussão, neste sentido, deve ser efetivamente democrática e baseada em dados produzidos pela Organização Mundial da Saúde e pela Comunidade Científica. Quanto ao ensino remoto, no âmbito da Educação Básica, análises evidenciam que, quando usado indistintamente, fragiliza o processo educativo das crianças e jovens. O currículo das escolas está organizado para desenvolver-se de modo presencial e é inaceitável a sua simples transposição para um modo remoto, o que acarretaria precarização das práticas pedagógicas e das condições de aprendizagem, bem como aprofundaria as desigualdades de acesso e permanência na Educação Básica.
    Diante do cenário apresentado, o ensino remoto: a) não garante a universalização do direito à educação; b) constitui-se uma “imposição” de normalidade pelo capital; c) está associado à lógica de mercantilização e privatização da educação pública; d) não assegura uma educação de qualidade para as classes populares.
    Em se tratando especificamente da Educação Infantil, mas compreendendo que a similaridade com os demais níveis é evidente, torna-se inaplicável qualquer protocolo que oriente o distanciamento criança/criança e criança/adulto em um possível retorno às atividades presenciais. Deve-se considerar, especialmente: a) as características socioemocionais das crianças e suas necessidades de cuidado (higiene, alimentação, afeto, bem-estar); b) a estrutura física das escolas de educação infantil (públicas e privadas), uma vez que os espaços estão organizados para o convívio coletivo, a
    interação, a experiência corporal, sensorial, criativa; c) as características do trabalho das profissionais da educação, que exigem contato físico, mobilidade e agilidade corporal, habilidades que seriam inviabilizadas pelo uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para sua segurança.

    2 – em defesa das trabalhadoras e dos trabalhadores em educação, de condições dignas e seguras para o exercício profissional e de uma formação continuada crítica e comprometida com um projeto educativo a favor das classes populares. As análises sobre o ensino remoto, desenvolvido neste cenário de pandemia, indicam um quadro de aprofundamento da precarização das condições de trabalho para as educadoras e os educadores. Cabe destacar que investigações sobre o mundo do trabalho registram que, majoritariamente, a profissão docente na Educação Básica é desenvolvida por mulheres, o que gera uma sobrecarga das atividades produtivas desenvolvidas por essas mulheres-trabalhadoras em suas residências em tempos de
    pandemia. Trata-se de mais uma evidência para a não realização das atividades remotas na Educação Básica.
    As condições objetivas para o desenvolvimento de um trabalho docente digno são imprescindíveis para a efetivação de uma educação de qualidade social. Portanto, torna-se necessária a manutenção dos postos de trabalho nas redes públicas e privadas, a garantia de pagamento dos salários (sem cortes e parcelamentos). A Faculdade de Educação se coloca à disposição para construir um amplo e substancial espaço de diálogo e de organização de propostas de formação continuada sustentada em elementos que permitam a compreensão da conjuntura social, histórica, cultural, política, educacional e que deem conta das novas exigências (subjetivas e profissionais). É relevante considerar ainda sobre a questão das formações continuadas que projetos apresentados de maneira célere e que estejam subsidiados a partir de uma lógica de mercado precarizam os processos de ensino e de aprendizagem, desqualificam a natureza da ação educativa, criam um ambiente favorável para o controle do trabalho docente e a
    privatização dos sistemas educacionais.

    3 – pela produção de outras relações entre escolas e comunidades. A escola é um espaço de encontro entre pessoas, culturas e saberes. É um lugar importante para as crianças e os jovens das classes populares, de acesso a diferentes visões de mundo e ao conhecimento historicamente organizado, o qual precisa ser constantemente reconstituído e ressignificado mediante a participação democrática de todos. É fundamental que existam aproximações das escolas com as suas comunidades. Na Educação Infantil, por exemplo, podem ser construídas redes de apoio virtual às famílias com a finalidade de auxiliar no estabelecimento de um clima de segurança e proteção das crianças. As pesquisas do campo pedagógico e das culturas infantis indicam que não se justifica a preocupação expressa por algumas famílias sobre uma possível perda no processo de aprendizagem que as crianças estariam sofrendo por não frequentarem a escola neste momento. Aprendizagens diversas, mas igualmente importantes, estão ocorrendo agora com a convivência mais intensa com a família. A urgência da proteção da vida e da saúde configurou outras formas de desenvolver o processo educativo das crianças, assim como enfatizou o papel social do trabalho docente, realizado não só em sala de aula, mas também na gestão e orientação das relações com a comunidade escolar.
    A defesa, acima exposta, também se aplica ao Ensino Fundamental e Médio, salvaguardando, evidentemente, as especificidades desses níveis. Ouvir a comunidade, os profissionais da educação, as crianças, os jovens e suas famílias, a partir das redes estabelecidas através de diferentes mecanismos, pode configurar-se como uma importante estratégia para repensar as propostas político-pedagógicas das escolas. De maneira muito criativa e reflexiva, várias experiências de diálogo entre escolas e comunidades estão acontecendo e precisam ser socializadas para que outras relações surjam nesse contexto de pandemia. Os saberes e conhecimentos produzidos nessa interação são essenciais para o enfrentamento das questões objetivas que se apresentam na atualidade.

    4 – pela defesa e necessidade de um projeto popular e humanista, com políticas públicas sólidas e uma educação gratuita, democrática, laica e que atenda aos princípios da qualidade social.
    A análise das questões conjunturais, que envolvem o contexto educacional, político, econômico e social, aponta que é imprescindível defender:
    – a imediata revogação da Emenda Constitucional 95, que instituiu em 2016 o teto dos gastos públicos prejudicando a ampliação de investimentos na saúde e na educação;
    – a proteção das famílias trabalhadoras, de seus empregos e rendas, através de políticas públicas e sociais, para que possam ficar em casa com seus filhos e em segurança;
    – o maior controle sobre as medidas de isolamento social, considerando que as aglomerações (tanto ligadas às atividades laborais, como associadas aos deslocamentos via transporte público e para o lazer) estão se acentuando;
    – a garantia da merenda escolar através de cestas básicas com os recursos estatais;
    – a realização do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) somente quando existirem condições igualitárias e justas para que todos os estudantes possam prestar o exame; do contrário, haverá um acirramento das desigualdades sociais, impactando ainda mais as classes populares e se contrapondo com as políticas de justiça social de acesso ao Ensino Superior;
    – a prorrogação da Lei do FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), posto que estamos no último ano de vigência;
    – a elaboração e aprovação de um Projeto de Lei que garanta os recursos necessários para a implementação do Plano Nacional de Educação e de políticas para a qualificação da educação pública;
    – uma discussão ampla e democrática, envolvendo as entidades acadêmicas, científicas, sindicais, estudantis, com as representações de classe e os pesquisadores da área sobre as políticas educacionais implementadas pelo atual governo federal.

    Pelotas, 27 de maio de 2020.

  • Mesa 1 – III SENPE

    Divulgamos a Mesa Temática 1, que acontecerá no dia 1º de Dezembro de 2020, a partir da 9h. A mesa é intitulada “Formação Docente e as novas diretrizes: projetos em disputa” e contará com a Dra. Olinda Evangelista (UNOESC) e com a Dra. Suzane Vieira Gonçalves (FURG/ANFOPE), sob coordenação da Prof.ª Dr.ª Ângela Maria S. Portelinha (UNIOSTE – Francisco Beltrão).

  • Conferência: Pesquisa, Docência e Conhecimento: desafios para a pós-graduação em tempos de conservadorismo reacionário


    Divulgamos a conferência de abertura do III SENPE, que acontecerá no dia 30 de Novembro de 2020, às 19h.
    A conferência é entitulado “Pesquisa, Docência e Conhecimento: desafios para a pós-graduação em tempos de conservadorismo reacionário” e será apresentada pelo Dr. Luciano Mendes de Faria Filho, Professor Titular da UFMG e mediada pelo Prof. Dr. Álvaro Moreira Hypolito (FaE/UFPel).

  • Nota de Falecimento de Aluno

    Informamos, com muito pesar, o falecimento do aluno Pedro Henrique Correia Andrade, estudante de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da UFPel, com ingresso neste semestre. O jovem estudante iniciava seu curso e já obtinha o respeito de seus professores, que anteviam seu futuro promissor como pesquisador na área de Educação. Assim, lamentamos, profundamente, esta perda.

  • Eleições para a direção da FaE: link do debate e instruções de votação

    Prezada comunidade da FaE,

    A Comissão Eleitoral encaminha o link de acesso ao 2º debate entre as chapas que concorrem à direção da Faculdade de Educação:

    O 2º debate acontecerá hoje, 16/10, às 18h.

     

    Confira o tutorial para votar nos dias 19,20 e 21:

    https://votacao.ufpel.edu.br/ajuda/como-votar.html

     

    Atenção: Caso não encontres o e-mail de votação na caixa de entrada, confira se ele não pode ter sido encaminhado para sua caixa de spams ou outras abas do seu gerenciador de e-mails.

     

    A COE recomenda que a comunidade procure votar até às 12:00 do dia 20/10/2020, para poder manifestar caso haja algum problema no sistema de votação.

    Atenciosamente,

    Comissão Eleitoral

  • Terceira mensagem das chapas para a direção da FaE

    Estamos na terceira e última etapa dos envios das chapas que concorrem à direção da FaE, em espaço disponibilizado pela Comissão Eleitoral.

    Lembramos a todos que amanhã teremos o segundo debate entre as chapas, às 18h, que acontecerá no Facebook (O link poderá ser acessado mesmo por que não possui conta na rede social). Contaremos com intérpretes de LIBRAS, deixando o debate acessível para todas(os).

    Segue primeiro a mensagem da Chapa 1, e logo em sequência a mensagem da Chapa 2:

    CHAPA 1 FAE +COLETIVA +LOCAL +GLOBAL

    Estudantes da FaE de Pedagogia, Especialização em Educação, Pós-Graduação em Educação e Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática, docentes e TAES

    Hoje é um dia especial para lembrar das lutas e resistências que professoras, professores e estudantes realizam em defesa da educação pública e da carreira docente.

    A CHAPA 1 FAE +COLETIVA +LOCAL +GLOBAL quer seguir com a força de Antonieta de Barros, mulher negra, eleita deputada, criadora do dia do Professor, que tinha como bandeira política o poder revolucionário e libertador da educação para todas e todos. Também com o legado de nosso patrono, Paulo Freire, o qual nos lembra que o trabalho docente tem uma implicação ética que exige consciência de classe e compromisso social.

    Queremos reforçar que a Chapa 1, composta por Álvaro Hypolito e Aline Accorssi, representa um coletivo que seguirá lutando em favor da formação humana, ampliando espaços de formação docente e articulação com as redes públicas de ensino, pois acreditamos que é possível um mundo mais justo e solidário porque podemos com nossos gestos e ideias adiar o fim do mundo. Nossas propostas por + Participação + Qualificação + Formação + Diversidade têm esse sentido e essa vontade coletiva.

    Paulo Freire nos ensinou a força do ato de ler, força transformadora que também pode ser exercida por meio do voto. Sigamos leitores e leitoras do mundo e das palavras, e também com a condição que temos de ser eleitores e eleitoras da Chapa 1.

    Juntes temos mais força para qualificar a educação!

    Entre os dias 19 e 21 de outubro VOTE CHAPA 1!

    Acompanhe nossas redes sociais: https://linktree.com.br/new/faemaisufpel

    Siga discutindo conosco as propostas para uma FAE +COLETIVA +LOCAL +GLOBAL! Contamos com teu apoio!


    CHAPA 2 FAE DIALÓGICA E INCLUSIVA

    À toda comunidade da Faculdade de Educação,

    Nesse 15 de outubro a Chapa 2 – Fae Dialógica e Inclusiva, deseja que a amorosidade ganhe o espaço da arrogância, que a liberdade ganhe do autoritarismo e a democracia se sobreponha a toda e qualquer ditadura, seja ela de direita ou de esquerda!

    Nas palavras do grande educador Paulo Freire, desejamos felicidades nesse dia:

    “Sou professor a favor da decência contra o despudor, a favor da liberdade contra o autoritarismo, da autoridade contra a silenciosidade, da democracia contra a ditadura de direita ou de esquerda. Sou professor a favor da luta constante contra qualquer forma de discriminação, contra a dominação econômica dos indivíduos ou das classes sociais. Sou professor contra a ordem capitalista que inventou esta aberração: ‘a miséria na fartura’. Sou professor a favor da esperança que me anima apesar de tudo. Sou professor contra o desengano que me consome e imobiliza. Sou professor a favor da boniteza de minha própria prática, boniteza que dela some se não cuido do saber que devo ensinar, se não brigo por este saber, se não luto pelas condições materiais necessárias […] Boniteza que se esvai de minha prática se, cheio de mim mesmo, arrogante e desdenhoso dos alunos, não canso de me admirar” (FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996).

    Agradecemos as manifestações de carinho e apoio a nossa candidatura e convidamos a quem ainda não se decidiu, que leiam nossa proposta, conversem conosco e, se desejar, nos confie seu voto!

    Agradecemos à COE pela dedicação nessas eleições e aos colegas Álvaro e Aline pela oportunidade de criarmos esse espaço democrático na disputa da direção da Faculdade de Educação, pautado do diálogo e no respeito mútuo.

    Por uma FaE pautada no diálogo e na inclusão. Vote Chapa 2!

    Convidamos para o 2º debate, que será dia 16 de outubro as 18h.

    Venha conhecer nossas propostas:
    https://www.facebook.com/chapa2fae/


    Atenciosamente,
    A Comissão Eleitoral

  • Mensagem das Chapas para a Direção da FaE

    Estamos na segunda etapa dos envios das chapas que concorrem à direção da FaE, em espaço disponibilizado pela Comissão Eleitoral. Segue primeiro a mensagem da Chapa 1, e logo em sequência a mensagem da Chapa 2:

    CHAPA 1 FAE +COLETIVA +LOCAL +GLOBAL

    Estudantes da FaE de Pedagogia, Especialização em Educação, Pós-Graduação em Educação e Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática, docentes e TAES

    Hoje falaremos um pouco mais sobre a CHAPA 1 FAE +COLETIVA +LOCAL +GLOBAL.

    Nossa chapa, composta por Álvaro Hypolito e Aline Accorssi, representa não apenas a história da Faculdade de Educação, mas o compromisso com a educação de qualidade, com a formação docente e com a transformação social, visando um mundo mais justo e solidário, menos intolerante e desigual.

    • Por que somos a Chapa 1?

    Porque estamos comprometidos com as lutas e conquistas da Faculdade de Educação em torno da educação pública e gratuita de qualidade socialmente referenciada, que a tornaram uma referência local e global na formação de professores, na produção científica e na relação com as redes públicas de educação. Não somos a chapa de situação, mas temos comprometimento com a história de lutas da FaE.

    • Por que o nome da nossa Chapa é FaE Mais (+)?

    Porque temos como uma de nossas grandes referências o educador Paulo Freire, que utiliza o conceito de Ser Mais. Sua ideia de Ser Mais está embasada, antropologicamente, no estar sempre em busca de algo maior, que nos faça crescer como ser humano e como educador. Ser Mais, para nós, é renovar a FaE!

    Nosso programa tem como pontos principais:

    • PARTICIPAÇÃO;

    • QUALIFICAÇÃO acadêmica;

    • QUALIFICAÇÃO dos processos de trabalho;

    • QUALIFICAÇÃO do local de trabalho;

    • FORMAÇÃO continuada;

    • DIVERSIDADE na formação.

    Seguimos abertos a discussão e aprimoramento de nossas ideias! Vem ver as nossas propostas aqui: https://wp.ufpel.edu.br/fae/files/2020/09/CHAPA_proposta.pdf?fbclid=IwAR0UpJScjFhtYIMGQaGgDiZecChF5BHVu1GHgVwOyQDyPqMVvmDPHRLAi7s

    Nos acompanhe nas redes sociais:

    Facebook: https://www.facebook.com/FaE-Mais-Coletiva-Local-Global-101657221705189/

    Instagram: https://www.instagram.com/faemaisufpel/

    Venha conosco por uma FaE + Coletiva, + Local e + Global! Entre os dias 19 e 21 de outubro vote Chapa 1!

    CHAPA 2 FAE DIALÓGICA E INCLUSIVA

    Olá, pessoal!
    Desejamos que todas(os) estejam bem.

    Queremos, Antonio Maurício e Vania, Chapa 2 – FaE Dialógica e Inclusiva,
    Agradecer aos múltiplos apoios que temos recebido de tod@s!
    Hoje aproveitamos para divulgar mais alguns pontos de nossa proposta para a direção da Faculdade de Educação (2020-2024).

    Nos disponibilizamos a exercer a função de diretor e vice-diretora da Faculdade de Educação, entre outros objetivos, para (i) promover uma gestão dialógica e inclusiva em que todas as vozes sejam consideradas; (ii) fomentar e investir na formação inicial dos estudantes dos cursos de Pedagogia (diurno e noturno); (iii) contribuir com os processos de formação continuada de professores da Educação Básica de Pelotas e região, em especial no que se refere aos Programas de Pós-graduação em Educação (lato e stricto sensu) da FaE/UFPel – Especialização em Educação, PPGE e PPGECM; (iv) investir na interlocução da FaE com as demais unidades da UFPel, contribuindo mais efetivamente na formação de professores das diferentes áreas; (v) fortalecer o diálogo com a Educação Básica e com outras instituições de formação de Pelotas e região; (vi) garantir a transparência e a democracia no uso dos recursos públicos.

    Nessa perspectiva destacamos hoje três das nossas pautas:
    ü  Promover a ampliação dos espaços de diálogo que envolvam permanentemente discentes, docentes e técnicos administrativos;
    ü  Apoiar ações de existência e resistência junto ao Diretório Acadêmico da Faculdade de Educação (DAFE), bem como junto aos representantes dos cursos de pós-graduação;
    ü  Garantir o diálogo nas diferentes instâncias da FaE, como colegiados, departamentos e conselho departamental na tomada de decisão, atualizando o regimento interno da Faculdade de Educação, com transparência e de forma democrática.

    Contamos com o teu voto para a construção de uma FaE pautada no diálogo e na inclusão. Vote Chapa 2!

    Venha conhecer nossas propostas:

    https://www.facebook.com/chapa2fae/

    Atenciosamente,
    A Comissão Eleitoral

  • Divulgação do vídeo do debate entre as chapas para a direção da FaE

    A Comissão Eleitoral disponibiliza o vídeo do primeiro debate entre as chapas que concorrem à direção da FaE.

    O debate também pode ser acessado no Facebook, onde foi transmitido originalmente, abaixo:

    https://www.facebook.com/fae.ufpel/videos/336099124317071/?xts[0]=68.ARA5oJh1_T7Tvv5ytLQF2e1pU3ILEX-L5i8Cq_JgCLpPhvi9fP2m05xUbFzXx6rQHxat2fFosHBX7kJrhz9-5CZVW_q40Haf2Em_pv5y9esK9-bTMuR_h1dZbml7cqC4KtGi_Ovz5beDihfeMJcvSkNt8SNaMELpSJQUw00NlxYcYcOJncb5a0hTOEE6ZQkoLyVPPcfdEQs_T8kbxO_z49Lf_HqMwLyjGGMWlxT_u4VOcxQxpraU2nDwOF1tUwHssM4IiBV3qWmLxIBchfJEeBpaRnsvmTVJsJbdDsdtlmlSBPrDlS8zaPftQ9TWhyY92e7pY-PK4J6NlEHJXDN9sec7LUbghdv3lms&tn=-R

     

     

  • Mensagem das Chapas para a Direção da FaE e primeiro debate

    Prezadas(os) alunas(os),

    A Comissão Eleitoral para a direção da FaE disponibilizou espaço para as chapas que concorrem ao pleito encaminharem textos de apresentação. Isso ocorrerá em três etapas, sendo a primeira na data de hoje. Aproveitamos para convidar todos para o debate que acontecerá amanhã, às 10:00.
    O debate ocorrerá de forma online, podendo ser acessado através do link: https://www.facebook.com/fae.ufpel/posts/166156415122262?notif_id=1601923338004282&notif_t=live_video_schedule_broadcaster
    Não é necessário ter conta no Facebook para acessar o debate.
    Contaremos com intérpretes de LIBRAS, deixando o debate acessível para todas(os).

    A seguir mensagem da Chapa 1, em seguida a mensagem da Chapa 2.


    CHAPA 1 FAE +COLETIVA +LOCAL +GLOBAL


    Estudantes da FaE dos cursos de Pedagogia, Especialização em Educação, Pós-Graduação em Educação e Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática: estamos em um processo de eleição para Direção da FaE.
    Hoje, viemos apresentar para vocês a CHAPA 1 FAE +COLETIVA +LOCAL +GLOBAL.

    Nossa chapa é composta por…

    Alvaro Hypolito:

    ” Como diretor, quero contribuir para uma FaE que, fortalecendo o que já foi feito até o momento, seja mais coletiva, mais local e mais global.”

    Aline Accorssi:

    ” Como vice, contribuirei com a construção coletiva de uma importante unidade acadêmica que tem muito a dizer e a propor nos tempos sombrios que vivemos.”

     

    Para a FaE seguir avançando, propomos uma:

    FaE + COLETIVA porque achamos que é preciso aprofundar e valorizar ações, espaços e coletivos que se orientem por atos democráticos.

    FaE + LOCAL porque é importante valorizar e dedicar ações da faculdade e de seus cursos para estimular práticas educativas nas escolas, nos movimentos e sociedade em geral.

    FaE + GLOBAL porque consideramos que a comunidade da FaE deve ser estimulada a um olhar mais global, no sentido de articular o contexto global com o local, ampliando nosso olhar.

     

    Nosso programa está disponível pelo link: https://wp.ufpel.edu.br/fae/files/2020/09/CHAPA_proposta.pdf?fbclid=IwAR0UpJScjFhtYIMGQaGgDiZecChF5BHVu1GHgVwOyQDyPqMVvmDPHRLAi7s.

     

    Queremos contar com teu apoio e tuas sugestões para nosso projeto. Escreva para a gente em nossas páginas nas redes sociais:

     

    Facebook: https://www.facebook.com/FaE-Mais-Coletiva-Local-Global-101657221705189/

    Instagram: https://www.instagram.com/faemaisufpel/

     

    Esperamos por ti no debate que ocorrerá nos dias 8/10 (quinta-feira) às 10h e 16/10 (sexta-feira) às 18h. O link para participação será enviado por e-mail um pouco antes de debate.

     

    Venha conosco por uma Fae + Coletiva, + Local e + Global!

    Entre os dias 19 e 21 de outubro vote Chapa 1!


    CHAPA 2 FAE DIALÓGICA E INCLUSIVA


    Olá, pessoal!
    Esperamos que, dentro do possível, todas(os) estejam bem.
    Em tempos de distanciamento social, viemos nos apresentar!

    Nós somos os professores Antonio Maurício e Vania, somos a Chapa 2 – FaE Dialógica e Inclusiva. Nossa chapa é construída coletivamente, envolvendo estudantes, docentes e técnicos da FaE! Estamos concorrendo para a direção da Faculdade de Educação para o período 2020-2024.
    Somos docentes comprometidos com a formação de professores, com o diálogo e a inclusão. Nessa perspectiva destacamos, aqui, uma das nossas pautas: Contribuir com o desenvolvimento de ações afirmativas e de inclusão, por meio do fortalecimento do diálogo com os coletivos organizados, bem como a Coordenação de Inclusão e Diversidade (CID) da UFPel e os núcleos que a compõem: Núcleo de Gênero e Diversidade (NUGEN), Núcleo de Acessibilidade e Inclusão (NAI) e Núcleo de Ações Afirmativas e Diversidade (NUAAD);

    Educar é, para nós…
    Promover situações que permitam a construção de conhecimentos a partir de uma relação dialógica e inclusiva, em que diferentes saberes são considerados.
    Para que isso se efetive, acreditamos em alguns princípios, que permeiam nossa ação e pensamento, nos quais baseamos nossa proposta: (i) diálogo, (ii) inclusão, (iii) democracia, (iv) resistência, (v) pluralidade, (vi) acolhimento e (vii) qualificação.

    Contamos com o teu voto para a construção de uma FaE pautada no diálogo e na inclusão. Vote Chapa 2!

    Venha conhecer nossas propostas:
    https://www.facebook.com/chapa2fae/

    Convidamos à tod@s para o debate que acontecerá amanhã (08/10/2020) às 10 horas.

    Atenciosamente,
    A Comissão Eleitoral

  • Nota da COE: Isonomia às Chapas por parte da Comunidade Acadêmica

    Isonomia às Chapas por parte da Comunidade Acadêmica

    Neste período eleitoral para a direção da Faculdade de Educação, solicitamos que todos os grupos organizados, cursos e chefias da comunidade acadêmica da Faculdade de Educação apresentem oportunidades iguais às duas chapas que concorrem ao pleito para a realização de apresentações do programa à comunidade.

    A Comissão Eleitoral.