Início do conteúdo
    Notícias
  • AgriNews: O Processo Produtivo da Banana

    Para assegurar uma boa produção, é necessário um planejamento bem estruturado da mesma, uma vez que vários fatores influem na produtividade de um bananal.  O primeiro passo é escolher uma cultivar que se adapte a região de cultivo e avaliar a disponibilidade de tecnologia para a produção.

    Áreas planas favorecem o plantio do bananal, pois permitem maior mecanização da produção, como aplicação de fungicidas e colheita, entretanto há cultivo em regiões mais acidentadas também, como no interior de Santa Catarina. (mais…)

  • AgriNews: Agricultura Digital: a revolução tecnológica do campo

    A agricultura digital ou Agricultura 4.0 é um conjunto de ferramentas tecnológicas que auxiliam o produtor nas atividades rurais. Isso inclui softwares e dispositivos que coletam e analisam dados sobre a lavoura para viabilizar a automação e fornecer informações para a correta tomada de decisão.

    Através dessas ferramentas é possível gerenciar, de forma mais detalhada, todo o sistema de produção, desde a identificação de pontos mais produtivos do solo ao incremento da capacidade de previsão das condições climáticas, passando pela produção de dados estratégicos sobre aplicação de insumos, fertilizantes e defensivos. (mais…)

  • AgriNews: Estiagem atrapalha produção de Goiaba em São Paulo

    Produtores de Goiaba da região central de São Paulo sofrem com a falta de chuva nas lavouras, o problema com o clima seco atrapalha o estado que é o maior produtor da fruta no Brasil, com baixos preços oferecidos pelo fruto em outras safras proprietários temem que a grande aposta em irrigação não dê retorno rápido necessário para que não ocorra prejuízo nas plantações.

    Seu Gilmar, produtor de Taquaritinga, possui 40 hectares com 14 mil pés de Goiaba e se preocupa com a baixa na produção: “Ano passado chegamos a produzir dois mil toneladas de goiaba em natura, esse ano estamos esperando uma queda de aproximadamente 20% decorrente da falta de chuvas nos meses em que a fruta mais precisa que são novembro, dezembro e janeiro. (mais…)

  • AgriNews: Embrapa Soja lança cultivar de soja na Tecnoshow

    Embrapa, o Centro Tecnológico para Pesquisas Agropecuárias (CTPA) e a Emater lançam a cultivar de soja BRSGO 7654RR. O lançamento ocorrera no dia 8 de abril de 2019 na abertura da Tecnoshow comigo, que ocorre dos dias 8 a 12 de abril em Rio Verde (GO). A cultivar BRSGO 7654RR é uma soja transgênica com tolerância ao glifosato, produtiva e com excelente resistência ao acamamento.

    A nova cultivar tem como diferencial a boa sanidade, a resistência ao acamamento e a excelente plasticidade. A plasticidade é importante porque garante o potencial produtivo da cultivar, mesmo quando a população de plantas fica aquém do planejado, elogia o pesquisador Roberto Zito, da Embrapa Soja. (mais…)

  • AgriNews: Novo cultivar de arroz que é capaz de diminuir o consumo de água

    O novo cultivar desenvolvido por pesquisadores da Embrapa Clima Temperado necessita 15% a menos de água, quando comparado a cultivares de ciclos mais longos, além disso ele tem alta produtividade em solos mais pobres. Outra vantagem é a necessidade de apenas uma aplicação de fungicida, visto que outros cultivares necessitam de duas ou até mais aplicações. Isso se deve ao fato do BRS Pampa CL, assim batizado, ter resistência genética a fungos. Então R$ 130,00 por hectare serão economizados do bolso do agricultor.

    O cereal pode ser classificado como um arroz de grão nobre ou premium, devido ao fato de ser ambientalmente mais sustentável, visto que reduz o uso de água e também de defensivos agrícolas. Além disso, se for manejado de forma (mais…)

  • AgriNews: Energia solar como aliada da agricultura

     

    Os sistemas de irrigação que utilizam energia solar são uma forma acessível e amiga do meio ambiente para agricultores gerarem energia em países em desenvolvimento. Porém, eles devem ser administrados de forma adequada, para evitar o uso desnecessário e o desperdício de água.

    A queda dos valores dos painéis fotovoltaicos dá novo ímpeto à fonte de energia renovável como forma de aumentar a capacidade de irrigação, a rápida expansão da irrigação utilizando energia solar oferece soluções viáveis que abrangem o tripé água-energia-alimento, proporcionando uma grande oportunidade para os pequenos produtores melhorarem a sua subsistência. (mais…)

  • AgriNews: Bioeletricidade é a terceira fonte mais importante no Brasil

     

    A bioletricidade fechou 2018 como a terceira fonte mais importante na Oferta Interna de Energia Elétrica (OIEE) no país, quase empatando com o gás natural. A informação é do Boletim Mensal de Energia – referente a dezembro/2018 – divulgado nesta terça-feira (7) pelo Ministério de Minas e Energia (MME).
    De acordo com a publicação, em 2018, a OIEE foi estimada em 632,1 TWh, mostrando um aumento de 1,3% sobre 2017. A geração hídrica permanece na liderança com 67% do total da OIEE, seguida pelo gás natural com 8,5%. A fonte biomassa gerou 52,5 TWh, incluindo a geração destinada ao autoconsumo, representando 8,3% de toda a oferta interna. Embora a fonte eólica continue aumentando sua participação, ainda ficou na 4ª posição, representando 7,7% da OIEE em 2018.
    No ano passado, do total de bioeletricidade ofertada para a rede, 82% foram produzidos a partir da biomassa disponível no setor sucroenergético brasileiro.
    Para o gerente em Bioeletricidade da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Zilmar Souza, o relatório mostra como a bioeletricidade é estratégica para o setor elétrico brasileiro. “Em 2018, a produção de bioeletricidade significou 54% da geração total da Usina Itaipu, a segunda maior hidrelétrica do mundo em geração, superada apenas pela produção da usina chinesa de Três Gargantas.” (mais…)

  • AgriNews: Qual a diferença entre ovo caipira e ovo de granja? Conheça as principais diferenças entre os tipos de ovos

     

    A grande diferença entre os tipos de ovos encontra-se na qualidade de vida da galinha. O modo como as galinhas são criadas e alimentação que recebem, interferem na textura, cor e sabor dos ovos que produzem.

    Ovo industrial (ou “de granja”): é o ovo de galinhas de linhagens geneticamente melhoradas. O ambiente, nutrição e sanidade dessas aves são controlados. As galinhas são criadas em gaiolas e recebem uma alimentação balanceada, com ração à base de insumos como milho e soja transgênicos.

    Ovo caipira: é ovo da galinha caipira, que é uma ave de raça rústica, criada em ambiente com instalação fechada, mas que também tem acesso à uma área aberta. A ração da galinha caipira não contém nenhum pigmento artificial. Por comer folhas verdes e milho, a galinha ingere naturalmente um pigmento que deixa a gema do ovo mais alaranjada.

    Ovo orgânico: é o ovo da galinha criada de forma similar à galinha caipira. Entretanto, só pode ser alimentada com insumos sem nenhum agrotóxico ou ingredientes transgênicos, e não recebem medicamentos como antibióticos e promotores de crescimento.

    Ovo “cage free”: são os ovos de galinhas industriais. Essas galinhas possuem ninhos, poleiros e recebem uma alimentação balanceada. A ideia é prover um sistema de confinamento, mas que permita à ave expressar seu comportamento natural.

    Qual a diferença entre a casca desses ovos?

    A cor e a espessura da casca podem variar conforme a raça das galinhas. O sistema de criação não influencia nessas características.

    Por que alguns ovos têm gemas mais alaranjadas?

    A cor da gema do ovo muda conforme a alimentação da galinha. Se ela recebe alimentos ricos em pigmentos carotenoides, naturais (presentes em folhas verdes e milho) ou artificiais, a gema ficará mais alaranjada.

    Há diferença nutricional entre os ovos?

    Não. Os valores nutricionais de todos esses ovos são similares, segundo pesquisas.

     

    Fonte: Globo Rural

    (https://g1.globo.com/economia/agronegocios/globo-rural/noticia/2018/10/14/ovo-de-galinha-caipira-e-organico-nao-necessariamente-aprenda-a-diferenciar-os-varios-tipos.ghtml)

  • AgriNews: Descobertas bactérias que podem contribuir para a agricultura sustentável

    A agricultura sustentável é cada dia mais escassa no Brasil, devido ao fato de que o uso de agrotóxicos e fertilizantes químicos vem sendo muito utilizados com o objetivo de alcançar maior produtividade. Porém, esses produtos agridem o meio ambiente, e até mesmo o trabalhador que lida com eles. Uma solução quanto a isso é o uso de produtos ecologicamente corretos.

    Uma equipe de biólogos da Universidade de Aveiro descobriu um grupo de bactérias que ajuda no fortalecimento de plantas e as ajudam a suportar períodos de seca. Estas bactérias foram descobertas em raízes de plantas nativas em Portugal, como o Trevo-Branco, a Serradela-Amarela, a Ervilhaca-Mansa ou o Cornilhão-Esponjoso. Elas ajudam no crescimento da planta através da produção de Hormonas e compostos voláteis que impulsionam o desenvolvimento dos tecidos vegetais e contribuem na absorção de nutrientes.

    Os biólogos, agora, buscam alguma forma de utilizar estas bactérias na agricultura, sendo assim uma alternativa para o uso de fertilizantes.

     

    Fonte: http://www.agrotec.pt/noticias/descobertas-bacterias-que-podem-contribuir-para-a-agricultura-sustentavel/?fbclid=IwAR1hJlF15eyNL7WW8WgRPmbxjp1v3BJFQ7pebTtSUrOUk7PRapwbAbdiV2E

  • AgriNews: Conheça mais sobre compostagem

    De acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, mais da metade de todo o lixo que produzimos em casa é orgânico, ou seja, mais da metade do resíduo que produzimos é formado por cascas de frutas, verduras e outros rejeitos alimentares, como a borra de café, sachês de chá, erva mate e outros.

    Todo esse resíduo, quando descartado em aterros e lixões, junto com materiais tóxicos como pilhas e remédios, acabam produzindo efluentes que contaminam solos, lençóis freáticos e a atmosfera, agravando a qualidade de vida. Além de ocuparem uma grande quantidade de espaços, os resíduos sem tratamento acabam produzindo gás metano, que é cerca de 25 vezes mais prejudicial para o efeito estufa do que o gás carbônico.

    Se todo o resíduo orgânico que é produzido no Brasil fosse tratado com compostagem seria possível evitar emissões de gás metano, produzir cerca de 37,5 toneladas de húmus por ano, reduzir os espaços ocupados em aterros e lixões e também a poluição de solos, lençóis freáticos e da atmosfera.

    Compostagem é o processo biológico de valorização da matéria orgânica, seja ela de origem urbana, doméstica, industrial, agrícola ou florestal, e pode ser considerada como um tipo de reciclagem do lixo orgânico. Trata-se de um processo natural em que os micro-organismos, como fungos e bactérias, são responsáveis pela degradação de matéria orgânica, transformando-a em húmus, um material muito rico em nutrientes e fértil.

    A compostagem ajuda na redução das sobras de alimentos, tornando-se uma solução fácil para reciclar os resíduos gerados em nossa residência. Por incrível que pareça, já é possível decompor naturalmente os restos de alimentos em sua própria casa (mesmo morando em apartamento) de um jeito prático e higiênico.

    Nos últimos anos, algumas marcas de composteiras (também conhecidas como minhocários) chegaram ao mercado com a missão de realizar essa tarefa. Nesses equipamentos, é possível colocar frutas, verduras, legumes, sementes, borra de café, sobras de alimentos cozidos ou estragados (sem exageros) e cascas de ovo. Materiais como saquinhos de chá, serragem, gravetos, papelão, papel jornal e palitos de fósforo também podem entrar na composteira sem problemas. Porém, o mais indicado para jornal e papelão é a reciclagem. Carnes de qualquer espécie, cascas de limão, laticínios, óleos, gorduras, papel higiênico usado, fezes de animais domésticos, frutas cítricas em excesso e sal em excesso não podem ser compostados.

    Mais detalhes do que deve ir ou não deve ir na composteira no link: https://www.ecycle.com.br/component/content/article/35-atitude/849-saiba-o-que-deve-e-o-que-nao-deve-ir-para-a-composteira.html

    Fonte: eCycle Sua pegada mais leve.     <https://www.ecycle.com.br/>