Início do conteúdo

Mestrado em Antropologia realiza visita técnica ao Museu Histórico Farroupilha de Piratini

Capturar museu DSC06449 DSC06429

O Museu, fundado em 1953, tem como missão a preservação e valorização das memórias da Revolução Farroupilha; e ocupa um prédio construído em 1819, no qual funcionou o Ministério da Guerra. No dia 16 de abril um grupo de discentes do Mestrado em Antropologia da UFPel  visitaram as instalações do Museu Histórico Farroupilha na cidade de Piratini, como parte das atividades da disciplina de “Patrimônio Arqueológico e Estratégias de Conservação”, ministradas pelo Dr. Jaime Mujica Sallés. A saída teve como objetivos realizar um diagnóstico do ambiente das coleções históricas e arqueológicas e do estado de conservação das mesmas, contemplando também as estratégias comunicacionais e a gestão institucional.

Constatou-se que o Museu teve grandes avanços no que se refere a aspectos de conservação preventiva e externalização, com relação a anos anteriores. Esta mudança de gestão, a nosso entender, teve como principal protagonista a atual responsável da Instituição, a Conservadora/restauradora Consuelo Vaz Robe, natural de Piratini, formada no Curso de Conservação e Restauro da nossa Universidade.

As atividades abrangeram a identificação e quantificação dos potencias fatores de deterioro das coleções salvaguardadas, como a intensidade de luz, a temperatura, umidade relativa, manipulação; dissociação, agentes biológicos, etc. Estas informações, além de formar parte da estratégia didática da disciplina, servirão de base para a elaboração de um relatório técnico a ser enviado à Instituição, visando a identificação das oportunidades de melhora na gestão das coleções.

Como contribuição do Instituto de Ciências Humanas da UFPel, parte dos artefatos históricos com processos de deterioro importantes serão encaminhados ao Laboratório Multidisciplinar de Investigação Arqueológica (LÂMINA) para sua identificação, tratamento e restauro. Logo destes trabalhos, as peças já estabilizadas retornarão ao Museu, com a documentação dos processos de conservação curativa e de restauro realizados, a pesquisa histórica  correspondente e sugestões de museografia dos artefatos.

Publicado em 17/04/2015, em Antropologia e Arqueologia, Veja aqui todas as Notícias. Marcado com as tags Antropologia e Arqueologia.