Notícias
  • ICH discutirá hoje a minuta sobre carga horária docente

    O Instituto de Ciências Humanas realizará uma reunião no dia de hoje, segunda-feira, 24/07/17, para discutir a proposta de minuta do COCEPE que visa estabelecer normas para distribuição da carga horária em atividades de ensino para o quadro docente

    A reunião será às 17 H, no Auditório da FaE no terceiro andar do prédio do CCHS, na rua Alberto Rosa, 154.

    Abaixo, uma cópia da referida proposta para fomentar o debate.

    minuta de resolução do Cocepe Carga Horária docente _para discussão

    Discussão da Minuta COCEPE sobre Carga Horária Docente

    ICH, no Auditório da FaE, HOJE: 24/07/17, às 17 H

    PARTICIPE

  • Hospedagem de convidados está em licitação

    Atualmente o contrato de hospedagem está em processo de licitação pela UFPel. Portanto, a hospedagem que antes era efetuada pela unidade para receber palestrantes, membros de bancas de concursos, pós-graduação e outros convidados no momento não pode ser feita. Como não se sabe quem irá ser contratado para tal serviço não há também a possibilidade de que se faça reserva para eventos futuros.

    Pelas regras atuais, as despesas de hospedagens, quando possíveis, serão encargo da própria unidade. Assim, no Instituto de Ciências Humanas, cada departamento deverá contabilizar essa despesa no seu próprio orçamento.

  • Reitoria esclarece sobre a situação da vigilância

    Recebemos do Gabinete do Reitor uma nota explicativa sobre a situação da vigilância nos prédios da UFPel. Até o momento, temos a certeza de que o posto de vigilância continuará no Campus II da Rua Alm. Barroso, 1202. Com relação ao prédio da Rua Alberto Rosa, 154 a previsão é de que permaneçam apenas os vigilantes do quadro da universidade.

    NOTA DE ESCLARECIMENTO DA REITORIA

    SOBRE VIGILÂNCIA UNIVERSITÁRIA

    A Universidade Federal de Pelotas – UFPel vem a público prestar esclarecimentos a respeito da prestação de serviços terceirizados, e reafirmar o compromisso da gestão de garantir a segurança da comunidade universitária.
    Recentemente, circularam nas redes sociais notícias distorcidas sobre o serviço de vigilância da Universidade Federal de Pelotas, expondo possíveis pontos de fragilidade e vulnerabilidade que comprometeriam a segurança da comunidade acadêmica e da instituição. Essas notícias não têm base na realidade. Em primeiro lugar, porque toda movimentação na vigilância é cuidadosamente analisada, alicerçada na segurança da comunidade acadêmica e no zelo do patrimônio público. E, em segundo lugar, porque a universidade ampliou a área de cobertura da vigilância eletrônica.
    A UFPel tem a previsão de despender R$ 31 milhões nos contratos de serviços terceirizados, em 2017, o que representa 58% do orçamento provável de custeio do ano. Para racionalizar a prestação desses serviços e a aplicação dos recursos, houve a necessidade de redimensionamento dos postos de vigilância e portaria.
    E esse processo todo foi tratado de maneira humana e responsável. Inicialmente, com duas reuniões com os trabalhadores terceirizados, envolvendo quase 300 pessoas, em que se colocou a necessidade de readequação dos postos de trabalho com o mínimo de impacto sobre o número de profissionais contratados. No segundo momento, o tema foi tratado com as Unidades Acadêmicas e Administrativas envolvidas para dar ciência aos gestores sobre essa necessidade.
    Como resultado dessas medidas, a qualidade do serviço será mantida, garantindo-se a segurança da comunidade universitária e alcançando-se maior economia de recursos, o que certamente terá impacto positivo para as atividades fins da Universidade.
    Prof. Dr. Luís Centeno do Amaral
    Reitor em exercício da UFPEL

  • Eleita a nova diretoria da Associação dos Conservadores Restauradores do Rio Grande do Sul (ACOR-RS)

    No sábado, dia 15 de julho de 2017, nas dependências do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS) em Porto Alegre professores do Departamento de Museologia e Conservação e Restauro (DMCOR) do Instituto de Ciências Humanas (ICH) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) assumiram a direção da Associação dos Conservadores e Restauradores do Rio Grande do Sul (ACOR-RS) para biênio 2017-2019.

     

    A diretoria é composta pelas professoras Mariana Gaelzer Wertheimer e Andréa Lacerda Bachettini que foram eleitas presidente e vice-presidente. A restauradora da UFPel Keli Cristina Scolari assumiu como tesoureira e a conservadora-restauradora autônoma, Caroline Peixoto Pires, egressa do Bacharelado em Conservação e Restauração de Bens Culturais da UFPel, ficou responsável pela secretaria. Ainda fazem parte como membros do Conselho Consultivo: a conservadora-restauradora do Museu da Baronesa Fabiane Rodrigues Moraes, a professora da UFPel Luiza Fabiana Neitzke de Carvalho, a conservadora-restauradora autônoma Mara Denise Nizolli Rodrigues egressa da UFPel, a diretora do Museu da Cidade de Rio Grande a conservadora Marisa Gonçalves Beal e doutoranda do PPGMP/ICH/UFPEL conservadora-restauradora Micheli Martins Afonso egressa da UFPel. O Conselho Fiscal ficou a cargo da técnica em restauração da FURG Ângela Marina Macalossi, e os conservadores-restauradores autônomos Isabel Halfen da Costa Torino e Ricardo Jaekel dos Santos egressos do Bacharelado em Conservação e Restauração da UFPel. A Coordenação Técnica ficou sob responsabilidade da restauradora do MARGS Naida Maria Vieira Corrêa.

     

    A ACOR-RS foi fundada em 08 de julho de 2003, é uma sociedade civil, de direito privado, sem fins lucrativos, com sede provisória no Torreão I do MARGS na cidade de Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul. A Associação foi criada para dignificar a prática da conservação e restauração e proteger os profissionais Conservadores e Restauradores de Bens Culturais do Rio Grande do Sul tendo como objetivos:

    • Criar, incentivar e promover meios adequados ao desenvolvimento das técnicas de conservação e restauro dos bens culturais, através do entrosamento com entidades públicas ou privadas, nacionais ou internacionais e seus associados.
    • Promover a valorização, o aperfeiçoamento e a difusão dos trabalhos de conservação e restauração, organizando convenções, congressos, ciclos de estudos, conferências, cursos, seminários e outras reuniões dos profissionais da classe.
    • Incentivar o processo para o reconhecimento da profissão de Conservador/restaurador, bem como sua regulamentação.
    • Colaborar com entidades culturais, públicas ou privadas, com colecionadores e outros interessados, em planejamento, orientação, consultoria e assistência técnica relativa aos trabalhos de conservação e restauração.
    • Amparar e defender os interesses gerais da classe, bem como representá-la perante os Poderes Públicos Federais, Estaduais e Municipais, associações, entidades e órgãos privados no que possa fomentar a coesão, o fortalecimento e a expansão da classe.
    • Incentivar o aprimoramento técnico dos associados orientando-os e encaminhando-os para cursos de especialização, estágios e bolsas de estudos.
    • Manifestar-se em casos de provimento, admissão, contratação ou eventual exercício da profissão de conservador/restaurador, em entidades públicas e privadas, para que sejam respeitados os direitos dos profissionais da categoria que decorram da lei.
    • Questionar, utilizando os instrumentos legais vigentes, situações e procedimentos administrativos inadequados para conservação-restauração.
    • Manter o intercâmbio com organizações nacionais e internacionais, para alcance dos objetivos da Associação, resguardados sempre os interesses nacionais.

     

    A diretoria eleita terá grandes desafios, em especial considerando a conjuntura nacional. A gestão eleita pretende manter parcerias firmadas pelas gestões anteriores e ainda realizar novas, a ACOR-RS deverá junto com as demais associações retomar as discussões referentes à regulamentação da profissão.

    Dentro dos objetivos da diretoria eleita está o aumento do número de associados, divulgação da ACOR-RS através das novas mídias que buscam aproximar-se mais dos profissionais ligados a área da preservação do patrimônio e da sociedade em geral. Além de promover encontros e debates que possam enriquecer a atuação dos associados.

    Pretende-se que a ACOR continue sendo um espaço de discussão alicerçado na ética e na construção de propostas para dignificar a prática da conservação e restauração e proteger, como órgão da categoria, os profissionais Conservadores e Restauradores de Bens Culturais do Rio Grande do Sul como está previsto no nosso estatuto.

    A ACOR-RS continua sediada nas dependências do MARGS em Porto Alegre e qualquer contato pode ser feito a partir do endereço eletrônico acorrs.rs@gmail.com ou arqmgw@gmail.com .

     

  • Professor Caetano Sordi palestra na Antropologia

    A professora Renata Menasche, do Departamento de Antropologia e Arqueologia, encaminhou o seguinte cartaz para divulgação da palestra do professor Caetano Sordi, da Universidade de Caxias do Sul. O evento ocorrerá no dia 26 de julho, quarta-feira, na Sala 316 do Campus do ICH, na Rua Alberto Rosa, 154.

     

  • IFISP promove evento sobre Laclau

    O Instituto de Filosofia, Sociologia e Política, que funciona no mesmo prédio do Instituto de Ciências Humanas, na Rua Alberto Rosa, 154, promove, por iniciativa do PPG da Ciência Política, PPG de Sociologia e do Grupo de Pesquisa Ideologia e Análise do Discurso o II Simpósio sobre Pós-Estruturalismo e Teoria Social, com o tema sobre Laclau e seus interlocutores.

    Veja mais informações no site do evento: http://wp.ufpel.edu.br/legadolaclau/pt/cronograma/

     

  • PIBID/Geografia com evento de 19 a 21 de julho

    A Comissão de Divulgação da V Mostra e Seminário do PIBID Geografia divulga o convite do evento para a comunidade estudantil.
     
    O evento é realizado anualmente pelo PIBID Geografia – UFPel, e nesse ano terá como tema “Reformas e Desmontes: Por que temer a Geografia?”. Ocorrerá nos dias 19, 20 e 21 de Julho, contando com a conferência do Prof. Dr. Rafael Straforini. A palestra será realizada no Auditório da Faculdade de Direito.
     
    As inscrições estarão sendo efetuadas até o primeiro dia do evento no Campus II do ICH, pela parte da noite, no valor de 10 reais. A participação do evento garante um certificado de 30 horas complementares.
     
    Segue em anexo o cronograma com as atividades e os locais em que serão realizadas.

  • CONSUN aprova pedido de Moção encaminhado pelo ICH que repudia a criminalização de antropólogos e antropólogas

    O Instituto de Ciências Humanas encaminhou ao Consleho Universitário da Universidade Federal de Pelotas o pedido de aprovação de uma Moção de repúdio à criminalização de antropólogos, antropólogas e outros profissionais envolvidos em processos de demarcação de terras coletivas. O próprio Conselho Departamental do ICH já havia emitido uma moção semelhante divulgada anteriormente. O Conselho Universitário, órgão máximo da UFPEL, aprovou na reunião de 23/06/2017. Segue a Moção aprovada no CONSUN/UFPEL.
    O Conselho Universitário da Universidade Federal de Pelotas vem somar-se às manifestações de entidades científicas nacionais e internacionais, em repúdio à criminalização de indígenas, antropólogos, procuradores, missionários, servidores públicos do INCRA e da FUNAI e outros profissionais relacionados à demarcação de terras coletivas, em cumprimento ao que determina a Constituição Federal.
    O pedido de indiciamento de 21 antropólogos e antropólogas, num total de 118 pessoas que estão sendo igualmente criminalizadas através da Comissão Parlamentar de Inquérito da FUNAI e do INCRA 2, evidencia claro interesse no retrocesso e bloqueio na demarcação constitucional de terras coletivas.  Esta CPI, implementada em 2015 por lideranças da Frente Parlamentar Agropecuária, e encerrada sem nenhuma conclusão, foi reaberta em 2016, sob alegação de supostas irregularidades no processo demarcatório. Promove denúncias infundadas, como a acusação de “conluios” e “fraudes” com as lideranças tradicionais, “parcialidade” e “falsidades ideológicas” dos profissionais. Demonstra, desta forma, um profundo desconhecimento das metodologias histórica e mundialmente conhecidas de pesquisas em Ciências Humanas, que não podem ser guiadas pelos princípios positivistas de uma relação objetificadora com os sujeitos pesquisados, mas implicam no relacionamento dialógico com os mesmos.
     
    Neste sentido, a aprovação do Relatório desta CPI, votada em 17 de maio do ano corrente, é motivo de indignação desta instituição acadêmica, na medida em que afronta o exercício da prática antropológica e da produção do conhecimento científico, além de contribuir para a desregulamentação dos direitos territoriais de povos tradicionais em favor de interesses ruralistas.
     
                                                                                       Pelotas, 23 de junho de 2017.

    Fonte da fotografia: http://racismoambiental.net.br/2017/05/04/em-criminalizacao-historica-cpi-da-funai-denuncia-procuradores-antropologos-e-indigenas/. Acessado em 27/06/2017.

  • Mostra De Olhos no Chão, de 26 à 29 de junho

    Prezados e Prezadas,

    Convidamos a todos e a todas à “Mostra De Olhos no Chão – cinema, arqueologia, ambiente e sociedade”, a ser realizada entre os dias 26 e 29 de junho de 2017, na Agência Lagoa Mirim/UFPel, na Rua Lobo da Costa, 447 – Pelotas/RS.

    A mostra exibirá filmes (médias e curtas) com temáticas relacionadas à arqueologia, questões ambientais e conflitos sociais. Além da exibição, contaremos com a participação de debatedores e debatedoras convidadas, e abriremos uma roda de conversa logo após a exibição.

    Contamos com a presença de vocês!

    Saudações,

    Comissão Organizadora.

  • Ponto Facultativo dia 16/06, Sexta-Feira

    O Reitor Pedro Curi Hallal emitiu em 12/06/2017 a Portaria UFPEL Nº1202/2017, determinando PONTO FACULTATIVO no dia 16 de junho de 2017, sexta-feira. Portanto, o Instituto de Ciências Humanas não terá expediente na referida data.