Início do conteúdo
Apresentação

O Mestrado em História da Universidade Federal de Pelotas, lotado no Instituto de Ciências Humanas, foi aprovado e recomendado pela CAPES em 2009 e teve sua primeira turma em 2010. Tem como área de concentração “Fronteiras e Identidades”. Conta com três linhas de pesquisa: “Estado: entre poder, tensões e autoritarismo”, “Imagens: entre iconografia, cultura visual e intermedialidade” e “Trajetórias: entre identidades, memória e conflito social”.

O PPGH/UFPel foi o segundo programa de pós-graduação stricto sensu sediado em instituição pública a ser criado no Rio Grande do Sul, e o primeiro programa em História na metade Sul do estado, pavimentando caminho para a expansão do estudo da história nesta região, em uma perspectiva acadêmica e permanente. Até junho de 2018, o programa totalizou 87 dissertações defendidas.

O curso é resultado do esforço coletivo de professores com formação em História da Universidade Federal de Pelotas em busca de ensino de qualidade e pesquisa inovadora. É composto, no momento, por dezoito professores permanentes, quinze dos quais pertencendo ao quadro docente da própria instituição, dois a outras universidades (FURG e UFRGS) e um vinculado na condição de pós-doutorando (FAPERGS). O programa conta ainda com dois professores colaboradores. Os professores da instituição vinculam-se a cinco unidades acadêmicas distintas (Centro de Artes, Centro de Letras e Comunicação, Instituto de Ciências Humanas, Faculdade de Administração e Turismo e Centro de Integração do Mercosul), configurando um conjunto de historiadores com formação interdisciplinar, envolvendo, além da História, Arqueologia, Artes Visuais, Educação, Letras, Sociologia e Turismo. Em 2018 o programa passa a contar com um Professor Visitante estrangeiro, mediante programa institucional.

Muito embora Pelotas, localizada que está no extremo sul do Brasil a pouco mais de cem quilômetros da fronteira, possua vocação histórica e geográfica para desenvolver os estudos atinentes a “fronteiras nacionais”, a problematização da área de concentração não se limita a um entendimento geográfico do tema, açambarcando amplo espectro de reflexões concernentes aos conceitos de fronteira e identidade, entendidos em suas múltiplas possibilidades de interpretação e aplicações, e com abertura para diferentes regiões e períodos da história.

O programa associa-se a quatro periódicos: a Ofícios de Clio, que é a revista discente dos cursos de História da UFPel; a História em Revista, publicação do Núcleo de Documentação Histórica da UFPel, editada desde 1994; os Cadernos do LEPAARQ – Textos em Antropologia, Arqueologia e Patrimônio, publicação do Laboratório de Antropologia e Arqueologia da UFPel, editada desde 2004; e a revista Interfaces Brasil/Canadá, publicação oficial da Associação Brasileira de Estudos Canadenses (ABECAN), editada desde 2001.

    Notícias
  • ATENÇÃO!!!

    Primeiras informações acerca dos Processos de Seleção para aluno/aluna regular de Mestrado e Doutorado. Datas possíveis das seleções:

    Mestrado: 05 a 14/02/2020

    Doutorado: 10 a 20/02/2020

    Os cronogramas detalhadas serão publicados a posteriori. Bibliografia para a prova escrita, nível Mestrado:

    1 – CARVALHO, José Murilo. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1990.
    2 – CLÜVER, Claus. Intermidialidade. Pós: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes da EBA/UFMG, 1 (2), p. 8-23, 2011.
    3 – FICO, Carlos. Ditadura militar brasileira: aproximações teóricas e historiográficas. Revista Tempo & Argumento. Florianópolis, v. 9, n. 20, jan./ abr., 2017, p. 5-74.
    4 – JENKINS, Keith. A História repensada. Tradução de Mario Vilela. São Paulo: Contexto, 2013.
    5 – REVEL, Jacques. Microanálise e construção do social. IN: REVEL, Jacques (org.) Jogos de escala: a experiência da micro-análise. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998. p. 15-38.

    6 – LEPETIT, Bernard. Sobre a escala na história. IN: REVEL, Jacques (org.) Jogos de escala: a experiência da micro-análise. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998. p. 77-102.

    7 – SILVA, Tomaz T. da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 4ª Ed.Petrópolis:
    Vozes, 2005.
    8 – SOIHET, Rachel; PEDRO, Joana Maria. A emergência da pesquisa da história das mulheres e das relações de gênero. Rev. Bras. Hist.[online]. 2007, vol.27, n.54, pp.281-300.

     

    Mais informações: aguardar publicação do Edital.

  • Convite: Seminário “Anistia: 40 anos de uma luta inacabada”

    O Núcleo de Pesquisa sobre Políticas de Memória – NUPPOME/UFPel convida para o Seminário “Anistia: 40 anos de uma luta inacabada”.
    Realizado com o apoio do CNPq, do PPGCPOL e do Grupo de Estudos sobre a Ditadura Brasileira, o evento tem por objetivo realizar um debate sobre a passagem dos 40 anos da edição da Lei da Anistia (Lei 6.683/1979), completados em agosto deste ano.
    O evento conta com a realização de duas mesas com a presença de pesquisadoras/es que estudam o impacto da lei no passado e no presente, com a apresentação do relato de uma pessoa que participou da luta pela anistia empreendida na década de 1970, bem como com a realização de uma sessão comentada de documentário sobre o tema.
    Programação:
    Dia 26/09/2019, 19h
    Abertura do evento
    Palestra “O Movimento Feminino pela Anistia”, Profa. Dra. Mariluci Cardoso de Vargas (UFRGS)
    Relato de Suzana K. Lisbôa, integrante da CFMDP e ex-integrante do CBA
    Mediadora: Profa. Dra. Alessandra Gasparotto (UFPel)
    Local: Auditório do CEHUS
    Dia 27/09/2019, 15h
    Exibição de documentário sobre a luta pela anistia seguida de debate
    Local: Mini-Auditório 2 do CEHUS
    Dia 27/09/2019, 19h
    Palestra “A anistia no Sistema Interamericano de Direitos Humanos”, Prof. Dr. Bruno Boti Bernardi (UFGD)
    Palestra “Poder Judiciário e crimes da ditadura”, Profa. Dra. Vanessa Dorneles Schinke (Unipampa)
    Mediador: Prof. Dr. Carlos Artur Gallo (UFPel)
    Local: Auditório do CEHUS
    O evento é gratuito. Ouvintes poderão se inscrever nos dias/locais do evento.
  • PPGH fechado!

    O PPGH estará fechado nos dias 12 e 13 de setembro, pois passará por reformas.

  • VIII ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA E SAÚDE

     

    Saúde e enfermidade em perspectivas plurais

    DATAS: 21 e 22 de novembro de 2019

    ONDE: Universidade Federal de Pelotas – UFPel.
    Auditório do CEHUS (Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Ciências Humanas, Sociais, Sociais Aplicadas, Artes e Linguagens). Universidade Federal de Pelotas – UFPel. R. Cel. Alberto Rosa, 117. Centro. Pelotas – Rio Grande do Sul

    INSCRIÇÕES:
    https://gthistoriaesaude.wixsite.com/viiiencontroestadual

    Ouvintes: até o 1º dia do evento, se houver vagas
    Apresentadores de trabalhos: até **27 de outubro de 2019**
    Valor da inscrição para ouvintes e apresentadores: R$ 30,00

    POSSIBILIDADE DE PUBLICAÇÃO – Existe possibilidade de publicação futura de trabalhos apresentados no evento no formato e-book, condicionada ao número de participantes interessados.

    INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS – Mesmo que o tema do Encontro seja “Saúde e Enfermidade em Perspectivas Plurais”, os trabalhos podem ter temas variados, desde que dialoguem com questões que envolvam história e saúde.

    Realização: GT História e Saúde (Anpuh-RS), Programa de Pós-Graduação em História da UFPel; Programa de Pós-Graduação Memória Social e Patrimônio Cultural da UFPel
    Apoio: Memória e Cultura – Unimed Federação/RS; Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul