Início do conteúdo
    Notícias
  • Estudantes do curso de Engenharia Geológica reivindicam pagamento de diárias de saídas de campo

    Estudantes da UFPel em atividade de campo em Caçapava do Sul

    O Diretório Central dos Estudantes recebeu, na última semana, uma demanda de estudantes do Curso de Bacharelado em Engenharia Geológica referente às diárias das saídas de campo. Por meio do Diretório Acadêmico Francisco de Paula Oliveira (DAFPO), os estudantes da Geológica reivindicam o pagamento de diárias de campo nas atividades práticas obrigatórias das disciplinas que fazem parte do PPC do Curso.

    Conforme as diretrizes curriculares do curso (Resolução CNE/CES 01, de 06 de janeiro de 2015), o Bacharelado em Engenharia Geológica possui um total de 720 horas de atividades de campo obrigatórias, o que corresponde a 20% da carga horária do curso. Na UFPel, a Eng. Geológica tem um total de 22 disciplinas obrigatórias que em seu processo avaliativo necessitam de atividades práticas de campo. Estas atividades são realizadas em localidades como os municípios de Caçapava do Sul, Santana da Boa Vista, Lavras do Sul, Dom Pedrito dentre outras localidades com ambientes geológicos e exposições de feições geológicas preservadas e didaticamente propícias para as práticas de campo. Embora ofereça transporte para os locais, a estadia e alimentação do período que pode variar de dois dias a mais de uma semana tem sido bancada pelos próprios estudantes.

    Segundo o DAFPO, sucessivas gestões de Coordenação do Curso têm apresentado, no Conselho do Centro de Engenharias, solicitação para pagamento de diárias de campo nas atividades práticas obrigatórias. Atualmente, no entanto, o pagamento não tem ocorrido nem de forma parcial.

    Um levantamento realizado pelo DAFPO aponta que a UFPel é atualmente uma das únicas universidades federais do país dentre os 35 cursos de Geologia e Engenharia Geológica que não vem oferecendo nenhum suporte às atividades práticas obrigatórias de campo em termos de auxílio alimentação e hospedagem. O ofício encaminhado pelo Diretório Acadêmico destaca ainda a prerrogativa de gratuidade do ensino público. Ao “obrigar” que estudantes paguem os custos de atividades previstas no currículo do curso, a instituição não está promovendo a inclusão e permanência dos estudantes previstos no Plano de Desenvolvimento Institucional, o que tem contribuído para o grande número de evasão de estudantes no curso.

    O DCE UFPel entende como extremamente legítima a reivindicação apresentada pelos estudantes do curso de Engenharia Geológica, via DAFPO, e se compromete em levar a demanda às instâncias superiores da instituição como Pró-Reitoria de Ensino, ao mesmo tempo que se coloca à disposição dos estudantes do curso para ações que visem pressionar por uma solução mais breve possível.

  • DCE UFPel realiza reunião de balanço e debate de ações para acompanhamento do retorno presencial

    O DCE UFPel, gestão DCE é pra Lutar, realizou uma reunião presencial na última sexta-feira (13), em sua sede, para debater algumas ações dos últimos meses de gestão, com balanço financeiro, informes sobre carteirinhas e sobre melhorias estruturais da sede. No encontro ainda foram debatidos ações para acompanhamento do retorno presencial e planejamento de atividades para as próximas semanas.

    A confecção da Carteira de Identificação Estudantil (CIE) do DCE UFPel teve início em novembro passado e se intensificou a partir do início do semestre 2021/2 da UFPel, em março deste ano. Atualmente, as carteirinhas são a principal fonte de política financeira do DCE e o saldo positivo têm possibilitado dar suporte e estrutura a lutas estudantis (Saiba mais sobre CIE do DCE).

    No ponto de balanço foi ainda reforçado a importância do esforço feito pela gestão em organizar um cronograma de horários que garanta abertura da sede diariamente (confira horários). A  respeito das melhorias estruturais reivindicadas para a sede, foi informado que há previsão, que nesta semana, seja realizado o recolhimento de materiais de descarte como madeiras, canos e vidros, pela SUINFRA. Para o dia 19 de maio está marcado o serviço de desinsetização e desratização no local. Com a instalação de um ponto de internet, no início de abril, a gestão deve concentrar seus esforços agora na reivindicação pela instalação de banheiro e manutenção e aquisição de novos computadores.

    Sobre os recentes casos de racismo na UFPel (nota sobre os casos), houve como proposta o convite aos coletivos negros que atuam na UFPel para uma reunião conjunta, a fim de que a partir deste encontro seja encaminhada alguma ação e/ou atividade conjunta.

    O DCE planeja ainda a realização de uma série de ações e atividades para as próximas semanas, entre elas uma plenária sobre o retorno presencial e uma festa de rua. Sobre o acompanhamento do retorno presencial, a gestão do DCE participará de uma audiência no gabinete da reitoria, na próxima quinta-feira (19).

    Na reunião, o DCE recebeu ainda a demanda dos estudantes do curso de Engenharia Geológica, referente às diárias das saídas de campo. Por meio do Diretório Acadêmico Francisco de Paula Oliveira (DAFPO), os estudantes deste curso reivindicam o pagamento de diárias de campo nas atividades práticas obrigatórias de campo das disciplinas que fazem parte do PPC do Curso. O DCE UFPel se comprometeu em levar a demanda as instâncias competentes e construir junto aos estudantes deste curso ações que visem pressionar por uma solução.

    Por fim, o DCE UFPel deliberou por fixar reuniões presenciais abertas a cada 14 dias, que devem ocorrer nas terças-feiras, a partir das 18h. A próxima reunião será, portanto, no dia 25 de maio. Aproveitamos para relembrar que a sede está disponível para DAs, CAs, Atléticas, Coletivos e movimentos sociais que necessitem de espaço físico para realizar reuniões e/ou atividades.

     

  • Contra o racismo institucional na UFPel! As ações afirmativas e educação antirracista precisam ser prioridade na universidade! 

    O DCE UFPel, gestão DCE é pra Lutar, vem se manifestar sobre os recentes casos de racismo institucional vivenciados por estudantes nas últimas semanas.

    Conforme exposto em nota pelo Coletivo Negro das Ciências Sociais, um colega nosso, estudante negro da pós graduação em ciência política da UFPel foi contemplado com uma bolsa de mestrado destinada a pessoas negras dentro do programa de ações afirmativas de pós-graduação da Universidade. Atualmente ele reside no Ceará e precisa começar a receber essa bolsa para custear a sua mudança para Pelotas/RS, programada para agosto de 2022, quando as aulas presenciais retornam em sua totalidade na UFPel.

    Em março deste ano ele recebeu uma convocação da UFPel para comparecer em Pelotas em 05 dias para realizar a banca de heteroidentificação, sob pena de perder a bolsa. Sem recursos financeiros, naquele momento, ele enviou e-mails a vários setores da UFPel, incluindo o DCE, solicitando que sua banca fosse realizada de forma online ou em alguma outra universidade pública no Ceará, ou, ainda, postergada para agosto/2022 quando terão início suas aulas presenciais na Universidade.

    Em todas suas manifestações, o estudante mostrou nítido comprometimento em cumprir o protocolo da instituição e realizar a banca de heteroidentificação, mas devido a sua atual situação financeira, ficaria inviável sua locomoção a Pelotas somente para fazer a banca. O aluno, no entanto, recebeu como resposta que não seria possível a realização da banca de forma remota pela “possibilidade de manipulação de imagens por meio de filtros” e que existiria uma “determinação superior” vedando esse procedimento, sem que a Universidade em suas várias manifestações tenha ao menos indicado o fundamento jurídico onde constaria essa vedação. Também não foi realizado, por parte da UFPel, nenhum esforço no sentido de realizar a banca em uma outra instituição.

    “Mesmo sendo um estudante de fenótipo incontestavelmente negro, a UFPel não atendeu a nenhum de seus apelos, pelo contrário, representantes da Universidade aconselharam que ele “tomasse um crédito” para comprar a passagem e vir a Pelotas somente para fazer a banca, recomendação essa que evidencia a falta de sensibilidade com a situação do estudante, com os propósitos reparatórios das políticas de ações afirmativas e, ao mesmo tempo, reforça a cultura de racismo institucional enraizada na UFPel”, pontua a nota do Coletivo Negro das Ciências Sociais.

    Casos no Hospital Escola e Faculdade de Odonto

    O racismo institucional na UFPel foi também evidenciado em outras duas denúncias que dão conta de estudantes negros sendo barrados em prédios da instituição. O primeiro caso ocorreu na portaria do Hospital Escola UFPel, gerido pela Ebserh – Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares em março. Conforme nota divulgada pelo Diretório Acadêmico da Medicina e Coletivo NegreX, um estudante negro foi impedido de acessar as dependências do hospital que frequenta diariamente, enquanto colegas brancos acessaram o prédio sem precisar mostrar qualquer identificação (confira nota completa). Caso semelhante foi denunciado no fim de abril por uma professora de Odontologia. Um estudante negro que precisava ingressar o prédio da faculdade de Odontologia para o atendimento em uma das clínicas sendo barrado por um atendente da portaria (leia relato completo).

    O DCE UFPel vem por meio desta nota se colocar, publicamente, à disposição dos coletivos, movimentos, entidades e indivíduos que vêm realizando estas e outras denúncias. Estamos abertos e vigilantes para acompanhar estes casos e receber novas denúncias. Acreditamos na importância de ampliarmos estas denúncias a toda comunidade acadêmica e na necessidade de seguirmos realizando debates entre estudantes, demais categorias e movimentos sociais para construção de ações que visem que situações como as citadas não se repitam!

    Para além disso, o DCE cobra por parte da reitoria e gestão geral da Universidade uma atuação com mais transparência nestes casos, tomando ação que levem em consideração as vozes do movimentos negro que atuam na universidade. Que as ações afirmativas sejam efetivamente cumpridas na prática! Que a educação antiracista seja pautada em todos espaços da universidade para que nenhum estudante, trabalhador técnico administrativo, professor ou terceirizado tenha que passar por situações constrangedoras e discriminatórias.

  • Conselho de DAs e CAs realiza primeira reunião ordinária do ano

    O Diretório Central dos Estudantes participou, na última quinta-feira (30), do primeiro Conselho de Diretório e Centros Acadêmicos (DAs e CAs) da UFPel realizado neste ano. Estiveram em pauta: troca de representantes da mesa do Conselho, qualidade no serviço dos Restaurantes Universitários,  obrigatoriedade do passaporte vacinal na UFPel, entre outros assuntos.

    O Conselho foi convocado pelos centros acadêmicos que estavam na atual Mesa do Conselho: Centro Acadêmico Ferreira Vianna (CAFV), Centro Acadêmico do Curso de Terapia Ocupacional (CATO) e Diretório Acadêmico de Nutrição (DAN). As duas primeiras pautas diziam a respeito justamente da troca de dois representantes nos assentos da mesa do Conselho. Para o assento do Anglo da mesa, atualmente ocupada pelo DAN, não houve inscrição de interessados e a pauta foi adiada para apreciação na próxima sessão.

    Na eleição para o assento Capão/Unidades Dispersas da mesa do Conselho, ocupada até então pelo CATO, houve a inscrição e aprovação, por unanimidade, do Diretório Acadêmico Naum Keiserman – Medicina (DANK), representado pelos estudantes Vinicius Queiroz e Cleomar da Silva. Deste modo, o DANK assume assento Capão/Unidades Dispersas da mesa do Conselho pelos próximos seis meses.

    No segundo item da pauta, sobre a qualidade do serviço prestado pela Norte Sul, empresa terceirizada que gerencia os Restaurantes Universitários da UFPel, foi solicitado ao DCE que fizesse um repasse o tema. O coordenador do DCE, Cassio Lilge,  reforçou a importância do ato no dia 11 de abril em frente do RU da Santa Cruz, relembrando as reivindicações de itens previstos no contrato que não vinham sendo cumprido pela NorteSul, como: a quantidade mínima de proteína por refeição e a variedade no cardápio. Foi enfatizado a importância dos estudantes seguirem em vigilância e cobrar para que se cumpra este direito que é o oferecimento de alimentação digna para todas e todos.

    A respeito do retorno do buffet, em substituição ao sistema de marmita, foi informado que a Pró Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) implementou esse sistema como um medida emergencial para o período de pandemia. Na medida que o retorno das aulas presenciais ocorresse já era previsto que esse sistema de marmita seria abandonado. O DCE considera, no entanto, que se for uma demanda ampla dos estudantes pode-se construir um movimento que reivindique um sistema híbrido, de transição nos próximos meses, que inclua tanto buffet quando marmitas para casos específicos.

    Por fim, foi aprovada pelo Conselho de Centros e Diretórios Acadêmicos ser favorável a pleitear frente à PRAE, em conjunto ao DCE, que continuem sendo disponibilizadas as marmitas para utilização dos alunos que assim desejarem.

    O tópico sobre a obrigatoriedade do passaporte vacinal na UFPel foi colocado em pauta após um procurador do Ministério Público Federal (MPF) ingressar com uma ação civil pública na 2ª Vara da Justiça Federal de Pelotas visando derrubar a exigência do passaporte vacinal na instituição (veja notícia). Foi aprovado, por unanimidade, a posição do Conselho de Centros e Diretórios Acadêmicos ser favorável à obrigatoriedade do passaporte vacinal na UFPel, bem como repudiar a ação proposta pelo MPF; também que seja assinada uma nota conjunta com o DCE para divulgar esse posicionamento.

    A respeito da reivindicação de um RU na FAMED – Faculdade de Medicina, Psicologia e Terapia Ocupacional foi exposto por alunos dos cursos de Medicina e Psicologia o problema estrutural e histórico que é a questão da alimentação para os estudantes do câmpus da FAMED. Há um movimento pleiteado junto à Universidade um Restaurante Universitário que atenda a região do bairro Fragata. Foi aprovado por unanimidade o posicionamento do Conselho de Centros e Diretórios Acadêmicos ser favorável e apoiar a solicitação de criação de um RU no Fragata e atender a FAMED e cursos próximos.

    Confira ata do Conselho 01-2022.

     

  • Em defesa da vacina! Passaporte vacinal fica, negacionismo científico sai!

    O Diretório Central dos Estudantes da UFPel gestão DCE é pra Lutar vem a público repudiar a absurda tentativa do Ministério Público Federal, por meio de ação Civil Pública, de impedir que a Universidade exija a apresentação do comprovante vacinal para a circulação em seus ambientes. Essa ação é irresponsável!

    Em primeiro lugar, relembramos que foi o Conselho Universitário da UFPel (CONSUN) que deliberou sobre a exigência do comprovante, de modo que deve ser respeitado por sua legitimidade para a manutenção da autonomia universitária na tomada de suas decisões.

    Em segundo lugar, sabemos que a vasta maioria dos brasileiros corretamente decidiu tomar a vacina porque preza pela vida e entendeu o recado da ciência brasileira de que as vacinas são eficazes e seguras! É desnecessário trazer aqui os inúmeros resultados de pesquisas que indicam em todo mundo a segurança das vacinas. A realidade expressa esse avanço quando o número de casos e mortes diminui possibilitando o retorno de nossas atividades. O papel da vacina é evidente. Por isso, o argumento do procurador Max Palombo de que a eficácia das vacinas não foi comprovada é desconectado da realidade. O procurador ainda chega a pedir que a universidade pague 10 mil reais em caso de descumprimento se a liminar for concedida, outro absurdo por onerar ainda mais os recursos da Universidade, já tão atacados pelo governo Bolsonaro.

    A contradição fica ainda mais escancarada se levarmos em conta que o MP ao tenta impedir que a UFPel exija o comprovante, ao mesmo tempo em que o ele próprio exige o comprovante para frequentarmos suas dependências.

    Por fim, sabemos que o maior representante desse tipo de ideia é o próprio presidente Bolsonaro, irresponsável, que NÃO TOMOU A VACINA, e o bolsonarismo que prega e dissemina o negacionismo científico. Não aceitamos que as instituições do estado sejam aparelhadas por essas ideias.

    A Universidade deve recorrer a esse absurdo, e nós da comunidade acadêmica devemos pressionar a justiça para deliberar em defesa da vacina e em defesa da vida, contra o negacionismo! Porque de negacionista e irresponsável já basta o presidente Jair Bolsonaro.

    Leia mais detalhes sobre a ação nesta reportagem do jornal Diário Popular.

  • Por alimentação de qualidade! Estudantes levam reivindicações sobre Restaurantes Universitários para Reitoria e PRAE 

    Após a forte manifestação realizada no último dia 11 de abril na frente do RU da Santa Cruz, e a elaboração de um abaixo-assinado online reivindicando melhorias nos Restaurantes Universitários da UFPel, integrantes do DCE e estudantes que construíram a manifestação levaram as reivindicações para a gestão da Universidade na última quarta-feira (20). Estamos vigilantes para cobrar o cumprimento de nossas reivindicações!

    A reunião foi realizada no gabinete da reitoria onde foram apresentadas as principais reivindicações do movimento.

    Na reunião entregamos o abaixo assinado impresso com 1173 assinaturas e o resultado da pesquisa realizada pelo DCE em dezembro de 2021, quando houveram as primeiras manifestações quanto a baixa na qualidade da comida entregue pela empresa que presta o serviço nos Restaurantes Universitários da UFPel (NorteSul). Confira os resultados aqui.

    Relatamos os principais pontos que os estudantes vêm denunciando, os quais a empresa NorteSul têm descumprido com relação ao contrato, como a não garantia de 120 gramas de proteína de origem animal por refeição, a falta de variedade do cardápio, como exige o contrato, falta de opções nos pratos vegetarianos, além do mau acondicionamento das marmitas que vem acarretando em diversos relatos de comida azeda. Salientamos que nos últimos meses se multiplicaram os relatos e que diariamente estudantes fotografam a pouca quantidade de proteína animal. Chegamos a mostrar fotos para os presentes na reunião.

    Como encaminhamentos, a Reitoria e a Pró-Reitoria de Assuntos estudantis (PRAE) se comprometeram em:

    1) Notificar nessa semana a empresa quanto ao descumprimento de exigências contratuais com base em nossa denúncia;

    2) Fiscalizar os itens previstos no contrato que dizem respeito a variedade de cardápio e a garantia das 120 gramas de proteína animal por refeição;

    3) A PRAE informou que o RU do Capão do Leão já substituiu o sistema de marmitas para buffet e que está trabalhando pra retornar o buffet também nos restaurantes do Anglo e Santa Cruz o que está indicado para ocorrer na primeira semana de maio.

    4) Será criada uma comissão permanente, com a participação estudantil, para o acompanhamento da situação dos Restaurantes Universitários da UFPel ao longo dos próximos meses.

    5) Reivindicamos a criação de uma canal da universidade par receber reclamações e denúncias de irregularidades no serviço dos RUs e que a universidade se comprometa a realizar pesquisas de satisfação periódicas informando amplamente por meio do boletim “Informa Estudante”. Atualmente as reclamações devem ser enviadas para: ru.praeufpel@gmail.com.

    6) Queremos a participação estudantil nas discussões sobre o novo contrato que está sendo formulado para o próximo edital. O atual contrato dos RUs tem vigência até março de 2023.

    Estiveram presentes na reunião a reitora Prof.ª Isabela Fernandes Andrade, o pró-Reitor Paulo Roberto Ferreira Jr., a pró-reitora de Assuntos Estudantis Rosane Brandão, a nova nutricionista responsável pelo acompanhamento dos RUs, Silvana Orlandi, a coordenadora de Diversidade e Inclusão Airi Sacco e as(os), representantes do DCE, Isabela Agostini, Fabricio Sanches e Cassio Lilge e representantes da organização da manifestação, Milena Senem e Vinicius Eichenberg.

    A luta continua. Devemos manter o canal de mobilização no WhatsApp e no Facebook e continuar denunciando com relatos e fotos que devem ser enviados para o DCE e para o email: ru.praeufpel@gmail.com.

    Qualquer dúvida ou sugestão entre em contato com a gente!

  • Sobre a Nota da Gestão e a legítima reivindicação dos estudantes por melhorias nos Restaurantes Universitários

    O DCE UFPel, gestão DCE é pra Lutar, vem a público manifestar-se sobre a nota divulgada nesta última quarta-feira (13) pela gestão da Universidade. Vem ainda reforçar que reconhece e apoia a legítima mobilização e manifestação das/os estudantes que lutam por melhorias nos serviços prestados nos Restaurantes Universitários da UFPel.

    Foto: Jonathan Feijó

    Em um primeiro ponto, o DCE faz questão de reforçar o que já foi exposto em outras publicações e no próprio texto petição: um grupo de estudantes articulados via redes sociais resolveu realizar um ato e manifestar publicamente o descontentamento quanto a qualidade das marmitas oferecidas nos Restaurantes Universitários da UFPel. Por entender como justa e legítima a reivindicação, o DCE se colocou à disposição destes estudantes para oferecer o suporte necessário e fortalecer a construção de uma mobilização em torno da pauta.

    Foi deliberado pelo movimento em realizar uma manifestação pública, que ocorreu nesta quinta-feira (14) entre 11h30 e 13h, em frente ao Restaurante Universitário da Santa Cruz. Na última segunda-feira (11), também foi divulgado o abaixo-assinado online, que já conta com mais de 1100 assinaturas. Este movimento e denúncias feitas em grupo de facebook fizeram com que a reivindicação ganhasse uma matéria no jornal Diário Popular (confira aqui).

    Após esta repercussão, na terça pela manhã, integrantes da atual gestão do DCE foram contatados via whats para uma reunião no gabinete da reitoria na manhã do dia seguinte. Por uma questão de agenda (visto que a reunião foi chamada de um dia para o outro), mas também pelo entendimento que o tema deveria ser, primeiramente, melhor debatido entre os estudantes que participaram da construção da mobilização, o DCE sugeriu que esta reunião fosse remarcada para outra data. Além disso, foi proposta que uma comissão de estudantes que participam da mobilização seja também convidada para esta conversa.

    Dito isso, o DCE UFPel reafirma que está sempre disposto ao diálogo, em especial quanto trata-se de pautas que estão diretamente ligadas à permanência e garantia de direitos estudantis. Os estudantes querem ser ouvidos! Reforçamos a importância da reitoria ouvir os estudantes, ouvir as vozes da manifestação. O DCE está em contato com a PRAE para a conversa seja realizada o quanto antes.

    Na nota da gestão é citada uma pesquisa realizada pela PRAE em dezembro passado com os usuários do RU da Santa Cruz, no intuito de suspender as marmitas e abrir os buffets dos RUs. Na mesma época, o DCE realizou uma pesquisa, via formulário, após receber reivindicações de estudantes em relação à qualidade do serviço prestado. O resultado deste levantamento foi apresentado em reunião com o PRAE e pode ser conferido aqui. Resumidamente, as duas principais reivindicações diziam respeito à insuficiência de proteína e ao mal acondicionamento das marmitas.

    Os meses de janeiro e fevereiro, quando o fluxo de estudantes é menor no Restaurante Universitário devido às férias, não chegaram novas reclamações ao DCE. No entanto, desde o início do semestre letivo 2021/2, em março deste ano, tivemos um considerável aumento de circulação de estudantes da UFPel na cidade, o que se deve ao aumento nas aulas práticas, estágios e outras atividades que já ocorrem de forma presencial. Com esse maior fluxo de estudantes e as marmitas sendo distribuídas nos RUs do Anglo, Capão do Leão e Casa dos Estudantes, vários relatos sobre a queda na qualidade da comida voltaram a serem compartilhados nas redes sociais e chegarem ao conhecimento do DCE, o que desencadeou o movimento acima citado.

    Direitos Estudantis são fruto da luta do movimento!

    A atual gestão do DCE da UFPel reforça a importância em recordarmos que direitos estudantis são fruto da luta no movimento estudantil, dificilmente garantidos apenas por benevolência de quaisquer gestão de reitoria. Um exemplo disso é a própria garantia de refeição no Restaurante Universitário pelo valor de R$ 2,00, direito que foi garantido após uma ocupação da reitoria em dezembro de 2013 (veja notícia da época).

    Em abril de 2018, por outro lado, a comunidade acadêmica da UFPel sofreu uma derrota com o início da terceirização total do Restaurante Universitário. A mudança, de convênio com a Fundação de Apoio Universitário (FAU) para contrato com uma empresa, foi realizada sem a amplo debate com a comunidade acadêmica da época, como denunciou o DCE naquela ocasião (nota da época).

    Por fim, o DCE UFPel reforça a importância da participação estudantil nos próximos passos que dizem respeito ao acompanhamento da elaboração de novos editais e contrato com as empresas prestadoras de serviço nos Restaurantes Universitários.

  • Alimentação de qualidade já! Estudantes em defesa da segurança alimentar na UFPel

    Após uma série de relatos sobre a qualidade precária da comida oferecidas pelo Restaurante Universitário da UFPel, um grupo de estudantes articulados via redes sociais, com apoio do DCE, resolveu organizar um manifestação pública em defesa da segurança alimentar dos estudantes. O ato está marcado para ocorrer nesta quinta-feira (14) a partir das 11h30 em frente ao Restaurante Universitário da Santa Cruz.

    Desde o início do semestre letivo 2021/2, em março deste ano, tivemos um considerável aumento de circulação de estudantes da UFPel na cidade, o que se deve ao aumento nas aulas práticas, estágios e outras atividades que já ocorrem de forma presencial. Com esse maior fluxo de estudantes e as marmitas sendo distribuídas nos RUs do Anglo, Capão do Leão e Casa dos Estudantes, temos nos deparado com inúmeros relatos sobre a qualidade da comida, desde a temperatura, quantidade, até o absurdo de alunos recebendo comida estragada.

    Apesar dos estudantes pagarem apenas R$2,00, a Universidade subsidia o restante da marmita e a empresa terceirizada, segundo o contrato, recebe R$ 9,09 no almoço e R$ 9,17 na janta, valor suficiente para oferecer uma alimentação de qualidade.

    As marmitas entregues pelo RU são, para muitos estudantes, as principais (quando não única) refeições do dia. Em um momento de crise com o preço dos alimentos e outros itens essenciais nas alturas, não podemos mais aceitar esse descaso com a assistência estudantil.

    É hora de ouvirem a voz dos estudantes! Por isso, estamos mobilizados para a construção de uma manifestação nesta quinta 14/04 às 11h30 no RU da Santa Cruz, 1705. BASTA DE DESCASO COM A NOSSA ALIMENTAÇÃO! Vem construir com a gente. Organizado por um grupo de estudantes articulados via redes sociais, com apoio do DCE.

    Ajude a aumentar a pressão também participando do abaixo-assinado online (assine aqui).

    Principais demandas são:

    • O cumprimento do contrato, com variedade do cardápio servido pela empresa terceirizada NorteSul;
    • O preparo das refeições mais próximo do horário do serviço e melhor condicionamento;
    • Cumprimento da quantidade de proteína em cada refeição – no mínimo 120g;
    • Maior fiscalização pela PRAE em relação à qualidade da comida;
    • Maior variedade no cardápio vegetariano;
    • Higienização correta das saladas;
    • Pesquisas de satisfação em relação ao serviço prestado nos RUs;
    • Melhor ventilação no ambiente físico do RU da Santa Cruz (janelas e ventiladores);
    • Disponibilização de pratos na casa do estudante
    • Aumento na quantidade de alimentos orgânicos, oriundos da agricultura familiar.
  • Visando estimular doação de sangue, campanha Trote Solidário é prorrogada até dia 22

    A campanha solidária de doação de sangue realizada pelo Diretório Central dos Estudantes da UFPel, gestão DCE é Pra Lutar, em conjunto com diversos Centros e Diretórios Acadêmicos (CAs e DAs), teve seu prazo prorrogado. A Campanha agora ficará aberta até o dia 22 de abril.

    A prorrogação ocorre devido ao fato dos estoques do Hemocentro Regional de Pelotas (HemoPel) ainda estarem em baixa. Segundo notícia publicada no início deste mês de abril, o estoque de sangue do HemoPel encontrava-se, novamente, em situação crítica, isso é, 80% abaixo do necessário para ser considerado seguro.

    Desde já o DCE UFPel agradece à todas e todas estudantes que já participaram da ação realizando doação. Para garantir o certificado de participação é necessário solicitar um atestado no local de doação e depois preencher o seguinte formulário (clique aqui).

    Quem pode doar?

    – Pessoas de 18 a 69 anos (16 anos com autorização);

    – Peso maior que 50kg;

    – Boa saúde geral;

    – Última doação há mais de 2 meses (homens) ou 3 meses (mulheres).

    Onde doar em Pelotas? O que levar?

    O Hemocentro de Pelotas fica na Avenida Bento Gonçalves, 4569. Funciona de Segunda-feira à sexta-feira, das 07:30 às 17:30. É necessário levar documento oficial com foto; estar bem alimentado (evite alimentos gordurosos nas 3 horas anteriores); caso seja após o almoço, aguardar 2 horas; Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas.

    Centros e Diretório Acadêmicos que apoiam esta campanha:

  • #DicaDCE – Cine UFPel retorna atividades presenciais nesta quarta-feira

    A mostra “Cinema de Mulheres” marcará o retorno presencial do projeto Cine UFPel na sala de cinema da Universidade, localizada na Agência da Lagoa Mirim, na Rua Lobo da Costa, 447. A programação é alusiva ao 08 de março, Dia Internacional das Mulheres, com a exibição de vários curtas dirigidos por mulheres. A mostra ocorre em três dias, quarta (30), quinta (31) e sexta (01/04), sempre a partir das 17h, com entrada gratuita!

     

    “As mulheres foram sistematicamente ignoradas ou invisibilizadas ao longo da história, não só no cinema, como em quase todas as áreas. Porém, são muitas as mulheres que estão à frente de projetos cinematográficos – e cada vez o número aumenta, como aumenta também a diversidade de realidades que elas compartilham”, defende a organização do Cine UFPel.

    A volta presencial será feita mantendo todos os cuidados, com metade da lotação (41 lugares) e seguindo as normas da UFPel para convivência em espaços fechados, o que inclui apresentação do comprovante vacinal e uso de máscara. A entrada para o Cine UFPel será pela rua Álvaro Chaves, do prédio da Agência da Lagoa Mirim (esquina com rua Lobo da Costa). A abertura do portão e entrega das senhas começa às 16h40. Confira programação completa da Mostra: