Arte do grafite brota nas ruas de Pelotas

As cores e formas artísticas de diversos autores dão mais vida ao contexto urbano e à zona portuária

Por Paulo Lopes Marques

Não é difícil andar pelas ruas de Pelotas e deparar-se com gravuras coloridas emoldurando muros e paredes que, na maioria das vezes, estavam degradados e abandonados. Essa arte de transformar o que antes era sem vida, trazendo cores e formas para as ruas é conhecida como grafite. Seu estilo de arte contemporâneo possibilita a revitalização de locais da cidade abandonados. Também vem ganhando espaço em galerias de arte e museus, sendo incorporado ainda em estabelecimentos comerciais. É facilmente visível no cotidiano de Pelotas e tem como um dos seus principais artistas, Vinicius Moraes, conhecido como Bero. A cidade sedia nos dias 16 e 17 de novembro o evento Meeting of Styles.

Derivado da expressão italiana “graffiti”, essa forma de expressão referia-se inicialmente às inscrições ou desenhos pré-históricos em rochas. Atualmente é uma arte de desenhar, essencialmente em paredes e muros, com a utilização de sprays. Durante a década de 1960, na França, foi usada como forma de contestação política do movimento estudantil e manifestação de liberdade de expressão. Depois, expandiu-se para os Estados Unidos, principalmente em bairros da periferia de Nova Iorque, onde os jovens, principalmente ligados a movimentos hip hop, escreviam e pintavam paredes com spray para passar mensagens à sociedade. No Brasil, os movimentos estudantis, ainda sob a forma de pichação, utilizavam o spray para manifestar contrariedade à opressão militar durante a ditadura. O grafite ganhou força na década de 1990, articulado com movimentos musicais de hip hop e rap, bem como de praticantes do skate.

Esse estilo de arte é uma forma de expressar toda a opressão que a humanidade vive, principalmente os menos favorecidos, refletindo a realidade das ruas. De desvalorizado e marginalizado, passou a ser considerado como expressão social cultural, chegando às galerias de arte contemporânea. Hoje é reconhecido pela maioria das pessoas como uma arte que transforma muros e paredes abandonadas da cidade, transformando em espaços revitalizados mais atraentes e bonitos, ganhando cor e quebrando a monotonia e o acinzentado urbano. O grafite possibilita uma democratização da arte ao trazê-la diretamente ao público, podendo aumentar o interesse por outras obras e levando as pessoas a explorar o mundo da arte.

Os estabelecimentos comerciais estão aderindo ao movimento e compartilhando seu espaço com a arte

Em Pelotas, podem ser identificados diversos espaços onde o grafite é encontrado: muros, tapumes de reformas prediais, na parte interna de canalizações, caixas de telefonia, praças públicas e, cada vez mais, residências e espaços privados. A área das instalações portuárias é o principal local onde as gravuras podem ser encontradas. O grafite transformou essa área da cidade um tanto abandonada em um local com mais vida, ganhando um novo público e um outro olhar sobre o local, numa verdadeira galeria a céu aberto. A Princesa do Sul, além de ser considerada cidade histórica, com sua rica arquitetura e prédios tombados, origem das charqueadas e conhecida nacionalmente pela culinária dos doces, pode, com a arte das ruas em contato com a população, ser reconhecida também como um polo cultural através do grafite, podendo, inclusive, essa manifestação artística ser explorada como potencial turístico.

Uma das principais referências artísticas da cidade é Vinicius Moraes, ou “Bero”, como é simplesmente conhecido. Formado no curso de Artes Visuais da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), criou várias obras espalhadas pela cidade e considera que, aos poucos, a população está reconhecendo o grafite como forma de expressão artística. O artista foi personagem do documentário “Sprayssionismo” veiculado pela TV Educativa (TVE) em maio de 2016.

O artista pelotense Bero teve o seu trabalho valorizado com a produção do documentário Sprayssionismo (Foto: Divulgação/TVE) 

Evento reunirá vários artistas em novembro

O Meeting of Styles é uma plataforma de intercâmbio entre artistas, que já organizou mais de 250 eventos desde 2002 em 25 países. Em 2019 o calendário do Meeting of Styles passará por 24 cidades ao redor do mundo, sendo que Pelotas receberá o evento nos dias 16 e 17 de novembro, em que cerca de 40 artistas nacionais e internacionais realizarão seus trabalhos na zona do porto da cidade, num grande encontro de diversidade cultural. Na etapa do ano passado, o evento contou ainda com aulas gratuitas de grafite, atrações musicais e food trucks gastronômicos.

PRIMEIRA PÁGINA

COMENTÁRIOS

Comments

comments

%d blogueiros gostam disto: