O solo e a esponja

No espaço “O solo e a esponja” o professor pode trabalhar algumas funções do solo como a retenção e infiltração de água no solo, e a aeração, ao comparar o solo com uma esponja.

Nesta atividade mergulha-se uma esponja em uma vasilha com água, ao elevar a esponja da vasilha com água, parte da água vai descer dos poros da esponja. Esta água sai principalmente dos poros maiores da esponja, responsáveis pela infiltração de água no solo e aeração. Ao cessar a saída de água da esponja, deve-se apertá-la de modo que mais água seja expulsa da esponja. Esta água retirada estava em poros menores, e é a água que fica retida no solo para que a planta possa utilizar. Nota-se que ainda resta água na esponja, mas esta água permanecerá, sendo perdida por evaporação. Esta água que fica na esponja é uma água que a planta não consegue utilizar, pois ela está fortemente aderida às partículas do solo.

Estimula-se o aluno, com esta atividade, a ver o solo como um sistema poroso, responsável pelo armazenamento de água para as plantas, recarga de águas subsuperficiais pela infiltração da água e atuante como um filtro, podendo reter materiais que podem contaminar as águas.

Pode-se questionar o aluno sobre o caminho da água das chuvas quando chega ao solo, para onde vai a água que infiltra no solo, o motivo de alagamentos em algumas áreas.