Início do conteúdo
    Notícias
  • Aluna do curso de Conservação e Restauro é premiada no IV Salão de Extensão da UFPel.

    Nos dias 25, 26 e 27 de abril foi realizado no Campus Capão do Leão da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) o IV Salão de Extensão e Cultura. Sete alunos do curso de Conservação e restauro participaram do evento apresentando suas atividades extensionistas.

    Dentre os trabalhos apresentados estavam os resultados de projetos de restauração do acervo do Museu da Baronesa e de conservação e restauração de estuques e escaiolas de monumentos e prédios históricos da cidade de Pelotas e região.

    O trabalho “GEPE – grupo de estudo e pesquisa em estuques” foi premiado em 1º lugar na categoria “Educação, Arte e Cultura”. A apresentação do projeto foi realizada pela aluna do 4º semestre do curso, Micheli Martins Afonso. Micheli relatou que o projeto objetiva auxiliar na proteção do Patrimônio Cultural de Pelotas e região mais especificamente dos bens integrados a monumentos edificados visando o estudo de estuques lustrados, aqui mais conhecidos por “escaiolas”. A criação da disciplina de conservação e restauro de estuques e o projeto de ensino “Restauro do estuque lustrado do corredor do prédio sede da Antiga Escola de Belas Artes”, bem como a criação do site do grupo, foram às primeiras ações executadas pelo GEPE, que articula para 2011 a inserção dos seus participantes em projetos de ensino, pesquisa e extensão que envolvam a comunidade local e acadêmica de forma interdisciplinar, visando a proteção desse patrimônio histórico integrado através do conhecimento, registro e divulgação das suas particularidades. O grupo realiza reuniões quinzenais para discussão de textos, com objetivo de nivelar conhecimentos, ampliar o vocabulário técnico e manter sempre atualizada a pesquisa bibliográfica enquanto mantém direcionadas as ações das pesquisas que já estão envolvidas neste projeto de extensão.

    Os professores coordenadores do GEPE, Profa. Daniele Fonseca e Prof. Pedro Sanches salientam que o grupo é aberto à participação da comunidade acadêmica em geral, e convidam os alunos dos cursos de graduação e pós-graduação da UFPel a participarem das reuniões e projetos.
    Mais informações sobre o GEPE, no site do grupo:  https://wp.ufpel.edu.br/estuques/

    Alunos do Curso de Conservação e Restauro: Ângela Macalossi, Fábio Galli, Karen Caldas, Isabel Tourino, Fabiane Moraes, Micheli Afonso e Eduardo Medeiros

    O Curso de Conservação e Restauro parabeniza a todos pela participação e os resultados importantes obtidos pelos docentes e discentes na extensão universitária!

  • VISITAS TÉCNICAS EM INSTITUIÇÕES DO RIO DE JANEIRO

    Entre os dias 11 e 15 de abril um grupo de oito alunos, o Técnico em Restauração Jeferson Salaberry e a Professora Silvana Bojanoski, do curso de Conservação e Restauro de Bens Culturais Móveis, realizaram visitas técnicas em instituições culturais da cidade do Rio de Janeiro.

    A viagem teve como objetivo conhecer as instituições e seus acervos, presenciar atividades práticas e procedimentos de digitalização e microfilmagem, visitar espaços de preservação, laboratórios de conservação e restauração, áreas de exposição, de guarda e reservas técnicas.

    O roteiro, previamente programado e agendado pela Professora Silvana Bojanoski, incluiu as seguintes instituições: Fundação Biblioteca Nacional, Arquivo Nacional, Real Gabinete Português de Leitura, Museu de Arte Contemporânea de Niterói, Museus de Astronomia e Ciências Afins – MAST, Fundação Casa de Rui Barbosa, Instituto Moreira Salles. Também foram feitas visitas a um atelier particular, o Atelier de Pintura de Marilka Mendes, e ao o projeto “Atelier Aberto de Restauro”, localizado no Palácio Capanema, que está restaurando os Painéis Guerra e Paz do artista Candido Portinari.

    Essas visitas técnicas possibilitaram uma experiência importante e enriquecedora para a formação profissional dos alunos e profissionais envolvidos, pois tiveram a oportunidade de conhecer e interagir com inúmeros profissionais que atuam na preservação, organização e recuperação de acervos diversos.

    Os alunos que participaram da viagem pretendem compartilhar com os colegas do curso as suas experiências com as instituições visitadas, através de um seminário que deverá ser apresentado nos próximos dias.

    Biblioteca Nacional, conversa com o Coordenador de Preservação Jayme Spinelli.

    Biblioteca Nacional, visitando a seção de preparo dos documentos para microfilmagem.

    O grupo do Curso de Conservação e Restauro no Real Gabinete Português de Leitura.

    Projeto Guerra e Paz – Atelier Aberto de Restauro – conversa com os coordenadores técnicos, os Restauradores Edson Motta Jr e Cláudio Valério Teixeira.

    Atelier Marilka Mendes, as Restauradoras Ana e Teresa mostrando obra em processo de restauração.

  • Viagem de estudos a Porto Alegre

    Alunos e professores do Curso de Conservação e Restauro realizaram viagem de estudos em Porto Alegre-RS no dia 20 de novembro do presente ano.  Pela manhã participaram do curso promovido pela ABRACOR “Conservação e Restauro – Conceitos e práticas”, onde assistiram palestra sobre a conservação e o restauro de artefatos em metal e outros tipos de objetos. Pela tarde, guiados pela professora do Curso de Conservação e Restauro Luiza Fabiana Neitzke de Carvalho, o grupo visitou os cemitérios de Porto Alegre, onde pode conferir a diversidade de esculturas que compõe este patrimônio ao ar livre, na cidade de Porto Alegre. Desta visita foram conseqüentes diversos questionamentos, tais como a pertinência da arte funerária como tipologia de patrimônio cultural, sua preservação, e possíveis metodologias para a sua conversação, além das diversas leituras de cunho iconológico e iconográfico, que foram exercitadas in loco.

  • Conservação e Restauro de Estuques

    Através das atividades propostas pela disciplina de conservação e restauro de estuques, sob responsabilidade da Profa. Daniele Fonseca, os alunos aprendem técnicas tradicionais de execução desses bens integrados. Neste semestre, a disciplina deu especial atenção ao estuque lustrado, muito utilizado no casario histórico da cidade de Pelotas.
    A disciplina conta com o apoio do GEPE (Grupo de estuques e pesquisa em estuques) e do restaurador Fábio Galli, como ministrante do projeto de ensino que é executado paralelamente à disciplina, através do qual será restaurada parte da parede de estuque lustrado do prédio da Antiga Escola de Belas Artes, hoje sede dos cursos de Conservação e Restauro, Museologia e do mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural.

  • O estudo dos agentes biológicos de deterioração no Curso de Conservação e Restauro.

     

    Em agosto de 2010, o professor do curso de Conservação e Restauro Jaime Mujica e seus alunos, realizaram visitas a Biblioteca de Ciências e Tecnologia da UFPel, localizada no Campus de Capão de Leão, objetivando a consulta de sua documentação. Lá se depararam com uma grande coleção de livros e, também, encontraram exemplares de meados do século XVIII, que apresentavam indícios de ataque recente de Coleópteros (“brocas”).

    Preocupados com a possibilidade de perda dos objetos, o grupo somou-se ao pessoal responsável pelo acervo (os bibliotecários Maria Beatriz Vaghetti Vieira e Ubirajara Cruz), o que permitiu a elaboração de algumas frentes de ação, dentre elas, tarefas executáveis dentro da disciplina de “Agentes Biológicos de Deterioração”, ministrada pelo Prof. Jaime Mujica.

    Esta disciplina integra o currículo do Curso de Conservação e Restauro de Bens Culturais Móveis do ICH/UFPEL e, objetiva, o estudo dos fatores biológicos de degradação dos Bens Culturais.

    Iniciado o semestre com a oferta desta disciplina, realizaram-se novas visitas. Os discentes foram enfrentados com os problemas do acervo e, neste momento, o grupo priorizou a análise da coleção de obras de referência, em decorrência da necessidade de conjugar o pouco tempo de trabalho disponível com a importância histórica dos objetos, que eram aqueles que apresentavam os maiores problemas de conservação. Constataram-se a partir de registros e fotografias, diversas patologias decorrentes da atividade de agentes biológicos e ambientais, como, por exemplo, a existência de ootecas de Blattarias (“baratas”), colônias de fungos, adultos de Lepisma saccharina (“traça-de-livro”), adultos e larvas de anobiideos (“brocas”), dentre outros.

    O prof. Jaime explica que, por meio das discussões realizadas, verificou-se que o local apresentava boas condições de luminosidade e umidade, porém, a falta de prateleiras suficientes, determinou uma disposição inapropriada dos livros, o que facilitou o ataque das brocas e os demais danos físicos, também observados. A turma voltou ao local e revisou todo o material restante da biblioteca. Foi feita uma limpeza localizada nas prateleiras (onde se encontrou material infestado) e a limpeza das próprias obras comprometidas. O material que apresentou somente evidências de ataques biológicos passados foi higienizado e posteriormente retornou as prateleiras de guarda. Já o material com evidencias de agentes biológicos recentes, foi higienizado e segregado para tratamento posterior, onde cada livro foi embalado em saco plástico, removido para outra sala, e congelado durante duas semanas. Esse foi o método adotado para a sua desinfestação biológica.

    Passada estas etapas de identificação e tratamento dos agentes biológicos dos objetos da Biblioteca, as obras mais comprometidas deverão passar por um processo de restauro, objetivo este, que ainda deverá ser acordado entre ambas as partes.

    Tendo como exemplo esta disciplina, o prof. Jaime Mujica explica que tem empregado uma metodologia inversa à tradicional: em vez de dar soluções a situações hipotéticas durante as aulas, confronta os alunos com situações problemáticas reais, para que, posteriormente, eles possam buscar soluções para estes problemas observados e naturalmente se direcionem a procurar nas aulas subseqüentes e na bibliografia específica, informações que subsidiem possíveis soluções para os problemas encontrados. Mujica também destaca o engajamento e comprometimento dos alunos envolvidos nos trabalhos e todo o apoio fornecido pelos bibliotecários e demais funcionários da referida Biblioteca.

    Alunos junto a biblioteca

    Professor Jaime Mujica

    Alunos realizaram higienização dos documentos pertencentes ao acervo

    Algumas das patologias encontradas nos documentos

    Danos encontrados nos documentos.

  • Disciplinas de Conservação e Restauro de Bens Culturais em Madeira

    Nas disciplinas de Conservação e Restauro de Bens Culturais em Madeira (I e II) os alunos aprendem a lidar com as especificidades da intervenção em objetos desta natureza. A proposta da disciplina é o trabalho com objetos variados que tenham a madeira como suporte, de maneira a possibilitar vivências de problemas distintos no campo da conservação e do restauro, o que permite aos alunos  diferentes situações de aprendizado. A troca de experiências é estimulada a partir de seminários realizados como atividades previstas das disciplinas.
    Ministradas pela Profa. Daniele Fonseca, também é disponibilizado aos alunos nestas disciplinas, a participação da restauradora Keli Scolari, para o auxilio e orientação nos procedimentos de intervenção.
    Dentre a variedade de objetos, alguns alunos trabalham com peças que fazem parte do acervo do Museu Etnográfico da Colônia Maciel. Este museu possui importante acervo relacionado a cultura da imigração italiana na região sul do estado do Rio Grande do Sul, já sendo foco de outras atividades de ensino, pesquisa e extensão da UFPel.

  • Projeto de restauro do acervo do Museu da Baronesa em Pelotas

    Tradicional instituição cultural e ponto turístico da cidade de Pelotas, o Museu da Baronesa tem recebido alunos do Curso de Conservação e Restauro do ICH/UFPEL, que lá realizam a restauraçao de peças do acervo da instituição, através do Projeto de Extensão coordenado pela professora Andréa Bachettini e supervisionado pela restauradora Keli Scolari.

    Integram esta equipe as alunas Ângela Marina Macalossi e Isabel Halfen Torino, que participam de etapa do projeto que restaura três molduras de espelhos de cristal, com ornatos em madeira e gesso. As peças em estilo Luis XV- Rococó, têm moldura em pinho de riga laminadas em folhas de ouro e pertencem a um acervo que representa o modo de vida das famílias tradicionais de Pelotas no século XIX e início do século XX.

    O processo de intervenção por elas realizado segue critérios internacionais para conservação e restauração de bens culturais. Foram feitos levantamentos fotográficos e gráficos, registro do estado de conservação das peças e registro de todos os tratamentos que estão sendo realizados, em fichas catalográficas, desde a higienização, desmontagem das peças, desinfestação, limpeza mecânica e química, até a remoção de intervenções anteriores, complementação de partes faltantes, reintegração cromática e aplicação de camadas protetoras. Para este trabalho foi necessária a realização de pesquisas históricas sobre os objetos, e sobre as técnicas e materiais que os constituem, de maneira a subsidiar os procedimentos realizados no trabalho.

    Uma das peças já foi restaurada. O término para a restauração das outras duas está previsto para dezembro de 2010. Após isso, os objetos estarão disponíveis para exposição no museu.

    Também participam deste projeto os alunos Flávia Silva Faro, Claudia Fontoura Lacerda, Fabiane Rodrigues Moraes e Marcelo Hansen Madail, que estão realizando a restauração de quatro molduras das seguintes pinturas: Retrato de Filisbina da Silva, Retrato de Anibal Antunes Maciel (pai do Barão dos Três Serros), Retrato da Baronesa dos Três Serros e Cena de Interiorv – Quarto da Baronesa. As pinturas estão sendo restauradas por Andréa Bachettini e Keli Scolari.

    As atividades do projeto têm permitido atividades práticas que contribuem para a área em formação no curso de graduação, permitindo a comparação e discussão de metodologias para a conservação e restauração de Bens Culturais a partir de exercícios práticos. Os alunos, além de participarem do restauro destes Bens Culturais, discutem diversos temas vinculados a sua área de atuação, dirigidos pelos docentes e especialistas envolvidos no projeto.

    Integrante da equipe realiza higienização de um dos espelhos

    Detalhe do espelho antes da restauração, com várias avarias

    Detalhe do espelho restaurado

    Espelho restaurado

    Equipe realiza análises da estrutura de um dos espelhos.

    Detalhes da moldura do espelho têm partes perdidas reconstituídas.

    Reconstituição volumétrica de elementos faltantes da moldura do espelho (detalhe).

  • Código de Ética do ICOM

    No link abaixo é possível baixar o código de ética do ICOM (International Council of Museums).

    O texto aborda os “princípios básicos da ética profissional do trabalho em museus”.

    Este Código “foi aprovado por unanimidade na 15ª Assembléia Geral do ICOM realizada em Buenos Aires, Argentina, em 4 de novembro de 1986, modificado na 20ª Assembléia Geral em Barcelona, Espanha, em 6 de julho de 2001, sob o título Código de ética ICOM para Museus  e revisto pela 21ª Assembléia Geral realizada em Seul, Coréia do Sul, em 8 de outubro de 2004;.”

    “Esta tradução foi organizada pelos comitês brasileiro e português do ICOM – Conselho Internacional de Museus, ouvidos outros representantes da comunidade lusófona.

    Código_de_ética_ICOM

  • Bem-vindos!

    Sejam todos bem-vindos ao site do curso de Conservação e Restauro da UFPel! Aqui você encontrará notícias, informações sobre o curso e sobre esta profissão tão nova no Brasil. Dentro de alguns dias estaremos com todas as seções funcionando. Aguarde!