Início do conteúdo
    Notícias
  • Mostra de trabalho interno realizado pela equipe do MCNCR

    Equipe prepara  material  do Museu para exposição em ação proposta por alunos da disciplina Arqueologia Extensionista, do curso de Arqueologia da UFPel.
    Os preparativos para a atividade envolvem a seleção e organização dos exemplares, a produção de legendas e da documentação necessária.

    Fique ligado também em nossas redes sociais para saber mais sobre os bastidores do museu e sobre as atividades que realizamos ao longo do ano.

  • Bioma Pampa

    Bioma é um termo utilizado para definir uma região que possui características semelhantes apresentando um tipo principal de vegetação.

    No Brasil existem sete biomas principais: Amazônia, caatinga, Cerrado, mata atlântica, campos do Sul (Pampa), Pantanal e zonas costeiras.

    O Pampa foi reconhecido como bioma somente em 2004, sendo restrito, no Brasil, apenas ao estado do Rio Grande do Sul, porém transpassa a fronteira e ocorre também no Uruguai, Argentina e Paraguai.

    Com a ocupação dos campos para atividades econômicas, principalmente a pecuária, agricultura e mineração, que começaram com a invasão dos portugueses e espanhóis à região, esse ambiente vem sofrendo com a grande perda de sua biodiversidade. A introdução de espécies exóticas, que acabam se tornando invasoras dos ambientes, também se configura como uma ameaça.

    Insetos, répteis, aves, mamíferos e a meso e microfauna que vivem no solo, dependem desta formação vegetacional para a sua sobrevivência e todos têm um papel interligado na dinâmica do sistema.

    A presença de nascentes de arroios e rios formadores das principais bacias hidrográficas do estado também é fundamental para a conservação do Pampa com destaque para a bacia do Jacuí e do Ibicuí, as quais devem ser protegidas para manutenção da quantidade e da qualidade desses mananciais.

    Para a manutenção da biodiversidade do Pampa, a pecuária deve ser desenvolvida com responsabilidade, associando produção e conservação.

    No dia 17 de dezembro celebramaos o Dia do Bioma Pampa.

     

    Você sabia que o bioma Pampa é um dos mais ameaçados do Brasil?

    Com a ocupação dos campos para atividades econômicas, principalmente a pecuária, agricultura e mineração, que começaram com a invasão dos portugueses e espanhóis à região, esse ambiente vem sofrendo com a grande perda de sua biodiversidade. A introdução de espécies exóticas, que acabam se tornando invasoras dos ambientes, também se configura como uma ameaça.

    Insetos, répteis, aves, mamíferos e a meso e microfauna que vivem no solo, dependem desta formação vegetacional para a sua sobrevivência e todos têm um papel interligado na dinâmica do sistema.

    A presença de nascentes de arroios e rios formadores das principais bacias hidrográficas do estado também é fundamental para a conservação do Pampa com destaque para a bacia do Jacuí e do Ibicuí, as quais devem ser protegidas para manutenção da quantidade e da qualidade desses mananciais.

    Para a manutenção da biodiversidade do Pampa, a pecuária deve ser desenvolvida com responsabilidade, associando produção e conservação.

     

    Referências:

    Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária).

     

  • Colóquio de encerramento do Questões Ecológicas de 2023

     

     

     

     

     

     

    PROGRAMAÇÃO:

    Quarta-feira, 6 de dezembro de 2023
    ​08h30 – Abertura

    Prof. Clademir Araldi, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Filosofia
    Prof. Cristiano Agra, Diretor do Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter
    Prof. Nuno Castanheira, Coordenador do Projeto Questões Ecológicas (PPG Filosofia)

    Manhã
    Moderação: Lavínia Leal Pereira 
    • Sessão 1
      09h00 – 09h20: Camila von Holdefer, “O ecofeminismo de Coetzee e Tokarczuk”
      09h20 – 09h40: Luis Barboza, “Ecologías cuir en América Latina: hacia una ampliación de lo sensible”
      09h40 – 10h00: Larissa Lunkes de Souza, “A subversão da potencialidade do ecoturismo”
      10h00 – 10h30: Debate
      10h30 – 10h40: Intervalo
    • Sessão 2
      10h40 – 11h00: Antonio Santos, “As experiências de justiça ambiental para alunos em vulnerabilidade social do colégio Santo Inácio-Rio”
      11h00 – 11h20: Miriam Cristina Gulin, “Projeto Integrador na educação básica: articulando saberes em práticas de letramento científico”
      11h20 – 11h40: Renan Mascarenhas, “Redescubram o louvor: apelos e propostas ecoteológicas em documentos do Papa Francisco”
      11h40 – 12h10: Debate
      12h10: Fim das sessões da manhã
    Tarde
    Moderação: Henrique Maciel e Stefanie Kurz
    • Sessão 3
      14h00 – 14h20: André Luiz Paiva, “Ciência, ética e ontologia para uma outra política no Antropoceno”
      14h20 – 14h40: Alexandre de Lima Castro Tranjan e Lucas de Oliveira Menditi do Amaral, “Ambientalismo radical contra desterritorialização capitalista”
      14h40 – 15h00: Letícia Caroline de Andrades, “Bioética, sustentabilidade e meio ambiente na perspectiva de Hans Jonas”
      15h00 – 15h30: Debate
      15h30 – 15h40: Intervalo
    • Sessão 4
      15h40 – 16h00: Bárbara Geovana Mello Hepp, “As espécies ameaçadas de extinção presentes no Pontal da Barra (RS), sua fragilidade ambiental e sua relação com as unidades de conservação do estado do Rio Grande do Sul”
      16h00 – 16h20: Messias Uaissone, “Severino Ngoenha e a perspectiva filosófico-africana do problema ecológico”
      16h20 – 16h40: Maria Petrucci, “Autobiografia de um polvo e dupla captura: escrevendo linhas de fuga no Antropoceno”
      16h40 – 17h00: Douglas Antônio Posso e Helena Chaves Tasca, “Inteligência: uma propriedade emergente das plantas como agentes nas interações ecológicas”
      17h00 – 17h40: Debate
      17h40: Encerramento das sessões virtuais

     

    Sessões presenciais

    Local do Evento: MUSEU DE CIENCIAS NATURAIS CARLOS RITTER 

    Moderação: Arlindo Tavares Martins Júnior e Nuno Pereira Castanheira

    ​Manhã

    • Sessão 1
      09h00 – 09h20: Augusto de Ávila, “Nietzsche um proto-ambientalista? Não, um Aristocrata da montanha”
      09h20 – 09h40: Nathan Silva, “Uma crítica ao evolucionismo neoliberal: ecodestrutividade e dualismo”
      09h40 – 10h00: Carolina Moreira Paulsen, “O ser humano e a natureza na filosofia kantiana: uma ética de compartilhamento da Terra”
      10h00 – 10h30: Debate
      10h30 – 10h40: Intervalo
    • Sessão 2
      10h40 – 11h00: Daniel da Rosa Eslabão, “Antropoceno: divergências de periodização”
      11h00 – 11h20: Luis Felipe Strapazon, “Autorreconhecimento e auto/não-auto discriminação em plantas: Um caminho para entender a capacidade cognitiva das plantas”
      11h20 – 11h40: Debate
      Fim das sessões da manhã

    Tarde

    • Sessão 3
      14h00 – 14h20: Reinaldo Lopes, “A razão hegemônica e a crise ecológica da razão: uma análise crítica de crises ambientais no mundo atual”
      14h20 – 14h40: Bruna Schneid, “Ignorância branca e suas correlações com o racismo ambiental no Brasil”
      14h40 – 15h00: Andrei Thomaz Oss-Emer, “Ecofeminismo e uma filosofia do trabalho na perspectiva dos comuns”
      15h00 – 15h30: Debate
      15h30 – 15h40: Intervalo
    • Sessão 4
      15h40 – 16h00: Robledo Lira, “Harmonia e responsabilidade: paralelos entre a ética ambiental de Aldo Leopold e os rituais na natureza segundo Confúcio”
      16h20 – 16h40: João Barboza, “O problema da misantropia e a ecologia profunda”
      16h40 – 17h00: Debate
    • 17h10: Encerramento
    • 17h40: Confraternização

     

     

    FONTE: QUESTÕES ECOLÓGICAS

     

     

  • Exposição “Fósseis do Araripe: um testemunho da história da vida na Terra”.

    Convidamos para a inauguração da exposição “Fósseis do Araripe: um testemunho da história da vida na Terra”.

    A Bacia do Araripe é a maior bacia sedimentar do Nordeste brasileiro. Nela localiza-se o Geopark Araripe, local que é guardião de um importante patrimônio natural, que permite uma melhor compreensão da história do planeta Terra a partir das formações geológicas e dos vestígios paleontológicos que preservam formas de vida que viveram aqui no passado.

    Venha conhecer uma amostra destes fósseis e saber um pouco mais sobre esses fascinantes materiais que são um verdadeiro testemunho da história da vida na Terra.
    A exposição inaugura no dia 05 de dezembro de 2023, às 18h, no Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter.
  • Venha para a oficina “O colorido das plantas secas”.

    Com realização do Herbário PEL – IB/UFPel e do Departamento de Fitotecnia – FAEM/UFPel, a atividade irá abordar técnicas e diferentes formas de uso de plantas desidratadas.
    A oficina ocorrerá no Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter, no dia 01 de dezembro, das 14h às 17:30. A atividade é gratuita e não é necessário inscrição prévia.
    Aguardamos vocês!
    Descrição da imagem: card com fundo cinza com as informações sobre a oficina em azul. À direita há uma imagem com ramos de flores e folhas secas em vasos de vidro.
  • 9ª Semana Integrada de Inovação, Ensino, Pesquisa e Extensão (SIIEPE) da UFPel

    Na 9ª Semana Integrada de Inovação, Ensino, Pesquisa e Extensão (SIIEPE) da UFPel. tivemos apresentação do trabalho da aluna Luana Spagiari, do curso de Museologia da UFPel, Processo de documentação do acervo do Museu de Ciências Naturais Carlos Ritter”. O trabalho foi escrito em coautoria com a egressa do curso de Museologia,Gabriela Ferreira, e teve orientação da museóloga do MCNCR Lisiane Gastal.
     
    Acompanhe nossas redes para saber mais sobre o  que acontece no Museu.
    Descrição da imagem: o primeiro card mostra uma foto em ambiente interno em que Luana aparece em pé, ao lado de sua apresentação que está sendo reproduzida em uma tela de projeção. Diante de Luana aparecem algumas pessoas sentadas assistindo a apresentação. A segunda imagem mostra Luana sentada com os demais apresentadores diante da plateia. Nas duas fotos Luana usa blusa verde e calça bege.
  • Treinamento de estagiários e voluntários extensionistas

    No último sábado (11/11/2023) tivemos o nosso treinamento de estagiários e voluntários extensionistas para atuação no Museu ao longo do semestre que se inicia.
    A oficina contou com os seguintes temas:
    – Acessibilidade, ministrado por Leandro Pereira, estudante do curso de Museologia da UFPel;
    – Biossegurança, ministrado por Felipe Diehl, Biólogo do Instituto de Biologia da UFPel;
    – Taxidermia, ministrado por Amanda Neumann, aluna do curso de Biologia da UFPel;
    – Mediação de visitas, ministrado pelos professores Jéferson Bugoni e Cristiano Agra, do Instituto de Biologia da UFPel e pelos alunos Lucas Candiota, Daniel Dias, Arthur Tavares, do curso de Biologia da UFPel.
    Acompanhe as nossas redes para mais novidades sobre o museu.
    Descrição da imagem: O primeiro card mostra o hall de entrada do museu, os alunos acompanham as instruções sobre o processo de mediação no museu. O segundo card mostra palestra de acessibilidade em que aparece o Leandro com sua bengala na sala de aula do museu. O terceiro card mostra o biólogo Felipe Diehl na sala de aula explicando aos alunos sobre biossegurança entre conversas a partir de exemplos na tela.
  • Exposição A beleza das plantas secas

    Convidamos a comunidade para a inauguração da exposiçãoA beleza das plantas secas.

    Com realização do Herbário PEL e do Departamento de Fitotecnia, ambos da UFPel, a exposição irá discutir o emprego de plantas desidratadas como perspectiva para o mercado de trabalho alinhando conhecimentos botânicos e criatividade.

    A exposição ocorrerá de 6 de novembro a 2 de dezembro de 2023, de segunda a sábado, das 13:00 às 18:30.

    Aguardamos a sua visita!
  • Resultado do processo seletivo para estágios curriculares e extensionistas voluntários

    Administração
    Não houve inscritos

    Arqueologia
    Ana Laura Vernetti Ferreira
    Letícia Adam
    Miriam Cristina Alves Avila
    Nayara Gomes Pereira

    Ciências Biológicas
    Ana Luísa Heller Silva
    Amanda Victoria Neumann
    Arthur Rodrigues Tavares
    Caroline da Silva Abraão
    Daniel Dias Quadro
    Henrique Radmann Scaglioni
    Isabelle Franck Koschier
    Lucas Mattos Candiota
    Lucca Lilles Galvão Machado
    Stephane Ramos Idalgo

    Conservação e Restauração
    Lucas de Souza Lima Pereira
    Priscila dos Santos Tavares

    Museologia
    Iuri Moraes Brahm
    Luana de Ávila Spagiari

    Demais cursos
    Andrea Jorge do Amaral Dominguez
    Diego Henrique Barboza
    Lígia Poliana de Oliveira
    Lucas Anderson de Carvalho
    Nicolas Vieira Gerber
    Sacha Dettmann Zarnott
    Sheron Hartwig Megeato