Documentário da UFPel no Canal Brasil

Reportagem de Vitória Trescastro –

“Casa de Pompas” estreou dia 13 de outubro na televisão –

O entrevistado Loir Louzada conta com naturalidade no filme o dia a dia dos serviços funerários

Um dos belos prédios que mais desperta a curiosidade de quem passa na Praça Coronel Pedro Osório, no centro de Pelotas, não é muito grandioso como outras construções históricas ali perto. Inclusive, é um tanto mórbido pelos caixões e fotografias antigas. Esse prédio é a Empreza de Pompas Fúnebres Moreira Lopes, que fica na rua Félix da Cunha, quase esquina com a Deodoro. O cachorro chowchow na entrada, que mais parece um leão negro, talvez colabore para o clima de mistério do local. O documentário “Casa de Pompas” conta um pouco da história de Loir Louzada, dono da empresa, que foi passada de pai para filho. A obra foi produzida por alunos da UFPel e estreou no Canal Brasil dia 13 de outubro. Feito para uma cadeira da faculdade, o filme foi orientado pela professora Cintia Langie. Nasceu da curiosidade de conhecer o local, como nos contou uma das diretoras, a estudante carioca Bruna Fortes. “A ideia de fazer o documentário veio realmente da curiosidade de conhecer o lugar e também pela informação de que a casa de pompas fúnebres seria a funerária mais antiga em funcionamento do Brasil! A partir daí, fomos pesquisar, conhecemos o seu Loir e gravamos o doc”, disse.

Com duração de 10 minutos aproximadamente, o documentário é, basicamente, uma conversa com o proprietário do local, que revela alguns aspectos da “vida de quem veste quem morre”. Quem fez a exibição do filme foi o programa Pausa pro Café, do Canal Brasil, através de um edital lançado pela produção, que apresenta e fomenta a discussão sobre o cinema universitário brasileiro. Com o trabalho selecionado, os diretores Bruna Fortes e Gabriel Paixão foram ao Rio de Janeiro gravar a entrevista.

A diretora também conta que as histórias envolvendo mortes e sepultamentos de “Seu Loir” os deixavam assustados, mas ao mesmo tempo encantados, o que colaborou para a ambientação misteriosa do doc. “Acho que essa atmosfera nos foi apresentada com a personalidade do Seu Loir, seu dia a dia e suas histórias. Reflete um pouco do que passamos em set com ele e as curiosidades que nos contava”, disse. A diretora ainda conta que, mesmo o tema sendo um tabu em nossa sociedade, a gravação foi tranquila, e acabou mudando a forma como eles próprios encaravam a morte. “O que talvez tenha nos parecido mais bizarro foi a própria rotina do seu Loir, ele tinha sempre afazeres mórbidos para os dias e ao mesmo tempo isso se naturalizou de tal forma que ainda assim ele é uma pessoa vivaz e um super contador de histórias”, explicou.

Além dos diretores, o filme teve a participação de Adriana Yamamoto e Mateus Neiss na pesquisa, roteiro de Francine Müller, direção de fotografia de Lucas Neris, direção de arte de Eduarda Jacobs, som de Guilherme M., edição de Jacqueline Almeida e Marcos Hass, finalização de Isis Lamas, produção de Jacob Mattos, e teve como orientadora a professora Cintia Langie. A arte de divulgação é da Camila Cuqui. O filme é distribuído pela Maga.

PRIMEIRA PÁGINA

COMENTÁRIOS

Comments

comments

%d blogueiros gostam disto: