“The Love Hypothesis”: Romance e Ciência

Por Evelise Goulart Soares    

Complicações amorosas no meio científico fazem de obra literária sucesso nos Estados Unidos

Neurocientista e professora, Ali Hazelwood também escreve romances           Foto: Divulgação

“The Love Hypothesis” é o primeiro livro de romance publicado pela autora Ali Hazelwood. Lançado em setembro de 2021, pela Berkley Books, o livro é um dos best sellers destacados pelo jornal estadunidense New York Times. Em pouco tempo, tornou-se um fenômeno no TikTok. Sua versão traduzida será publicada ainda em 2022 pela editora Arqueiro no Brasil.

O livro conta a história de Olive, uma estudante de Biologia, em seu terceiro ano de PhD, e Adam Carlsen, o professor mais severo de Stanford. A jovem não acredita muito no amor, e tem várias hipóteses sobre isso. O problema dela é sua amiga Ahn, uma romântica incurável. Ahn é apaixonada por Jeremy, ex-namorado de Olive, mas as duas têm uma regra, nunca namorar o ex da outra.

Sabendo que Jeremy e Ahn são perfeitos um para o outro, Olive decide mentir, e dizer para a amiga que não tem interesse em Jeremy e que eles podem ser um casal, porque ela já está namorando outra pessoa. O que ela não esperava é que Ahn fosse precisar de provas.

É isso que faz com que ela beije um completo estranho em um momento de pânico nos corredores do laboratório. Para o seu desespero, esse homem não é ninguém menos que o Dr. Carlsen, o professor mais ranzinza de toda Stanford.

E é aqui que o romance começa, depois de muita discussão, os dois entram em um acordo, fingir estar em um relacionamento. Olive faz isso para convencer a amiga e Adam, bom, ele tem seus próprios motivos.

Capa faz do livro uma atração nas redes sociais

Quando se depara com as pessoas no TikTok falando sobre esse livro, o que mais chama atenção é a capa. Sim, não devemos julgar um livro pela capa, mas esse tem a capa mais fofa. E mesmo que a beleza não seja tudo, deve-se dar uma chance e, pasmem, é, sem dúvida, uma das melhores leituras que o booktok já indicou. As pequenas definições das hipóteses no começo de cada capítulo são simplesmente perfeitas.

Mesmo sendo uma leitura leve e engraçada, a autora aborda temas importantes como o tratamento das mulheres no meio científico, mostrando o quão difícil e preconceituoso o contexto dos e das cientistas consegue ser. Mas também o que a persistência e a força de vontade podem alcançar.

O livro tem conteúdo para todos os gostos, romance slowburn, com o envolvimento entre as personagens aumentando aos poucos, relacionamento falso, uma pitadinha de conteúdo adulto, uma protagonista demisexual (quando a pessoa só sente atração por quem ela já tem algum tipo de ligação emocional ou intelectual), romance, romance e mais romance. Porém vale a pena ressaltar que, além de toda a parte divertida, também aborda temas como assédio, morte e violência. Então, se você é sensível a algum desses conteúdos, esteja avisado.

O romance é muito bem construído, toda a história em si é muito bem pensada, os personagens são cativantes, fazendo com que o livro não gire apenas em torno dos protagonistas, dando uma certa profundidade à história, o que acaba realmente prendendo o leitor. Se prepare para sofrer com Ahn, rir muito com Malcolm e, é claro, apaixonar-se junto com Olive e Adam. Enfim, esse livro vai te fazer rir, chorar e corar de vergonha. É, sem dúvida, uma das experiências mais divertidas e faz jus à fama que tem.

Além disso, Ali Hazelwood merece toda o hype em cima do seu trabalho, afinal além de ser neurocientista e professora, no seu tempo livre, ela ainda escreve livros de romance sobre garotas empoderadas que conquistaram seu lugar no meio científico. E, não só isso, como também encontraram o amor sem precisarem abrir mão dos seus sonhos. Afinal as garotas podem, sim, ter tudo.

Saiba mais sobre a autora e sua obras neste site na língua inglesa.

PRIMEIRA PÁGINA

COMENTÁRIOS

 

Comments

comments

%d blogueiros gostam disto: