A joia da Bibliotheca Pública Pelotense

Por Ronaldo Luis   

Álbum “Brazil Pittoresco” requer cuidados e foi alvo de roubo em 1944

A Bibliotheca Pública Pelotense (BPP), situada no Centro Histórico da cidade, conta com uma joia da literatura brasileira em seu acervo, o álbum “Brazil Pittoresco”, de 1861. Trata-se de peça rara, ainda sem nenhuma outra edição encontrada no território nacional. Este item de acervo não está disponível ao público devido à sua fragilidade e à grande possibilidade de furto, fato que ocorreu no ano de 1944.

A BPP, fundada oficialmente em 14 de novembro de 1875, está localizada na Praça Coronel Pedro Osório, ao lado do prédio sede da Prefeitura Municipal. Possui em seu acervo mais de 235 mil obras catalogadas, conforme relato do secretário Eder Oliveira. Conta também com um Museu Histórico. Este acervo é administrado e conservado pelo assessor e historiador Ueslei da Cruz Goulart, que, junto à bibliotecária Anelise Silva Rosa e a pedagoga Camila Correa Pierzckalski, controlam esse imenso acervo público.

Bibliotheca Pública Pelotense é mantida pela comunidade desde 1875

O álbum “Brazil Pittoresco” de 1861, a “Joia da Bibliotheca” é uma autêntica preciosidade bibliográfica de caráter raro. Trata-se de um álbum histórico produzido na França, encomendado pelo Imperador Dom Pedro II. Este item habitualmente só pode ser manuseado por funcionários da Bibliotheca providos de luvas e máscaras para evitar sua deterioração.

O historiador Ueslei da Cruz Goulart, responsável pela manutenção e restauro do acervo da Instituição, confirma que é uma das obras mais raras da Bibliotheca.  Diz que a peça é tratada com muito carinho. Seu manuseio é feito somente com luvas especiais e em dias secos. Sua leitura não é permitida aos usuários, conservando assim sua integridade física.

Obra é álbum histórico produzido na França, encomendado pelo Imperador Dom Pedro II

Roubo ocorre em 1944

A bibliotecária Anelise Silva Rosa, responsável pelo acervo, destaca que há muitas outras joias na instituição. “São milhares que possuímos, das mais diversas origens. Livros em latim, espanhol, inglês, árabe, alemão e inclusive em português, [risos].” Ela enfatiza que é difícil escolher uma única joia da casa. Mas observa que o “Brazil Pittoresco” está guardado a sete chaves e não é disponibilizado ao público. “Teve uma parte furtada em 1944, por uma pessoa que vivia na cidade de São Paulo, e que veio aqui para conhecê-la. Conseguiu burlar nossa segurança e levou o álbum, tendo inclusive o desmembrado totalmente da capa e separado suas páginas para melhor transportá-lo, devido ao peso, algo em torno de vinte quilos”.

Hoje em dia, a BPP, destina uma boa parte de seu orçamento em segurança voltada para a preservação do acervo público. O autor do furto, em 1944, foi Manoel Vilanova Santos. As autoridades informaram que Santos havia sido localizado a bordo de uma aeronave que seguia para a cidade de Jaguarão onde foi detido. Alegou estar rumando para a Argentina onde tinha negócios a tratar.  Todas as 63 lâminas furtadas medindo 50 centímetros de largura por 64 de comprimento foram recuperadas na cidade de Porto Alegre e devolvidas pela polícia local. A BBP passou a exigir profundas restrições para seu manuseio, sendo que a obra não está disponível aos usuários como qualquer outro item do acervo.

A pedagoga Camila Correa Pierzckalski descreve detalhes do álbum cuidadosamente conservado em ambiente e sala especial. “É composto com três volumes litografados na França. Foi encomendada pelo Imperador Dom Pedro II em 1859”. Camila expressa sua admiração pela peça: “Seu conteúdo, apropriado à época do Império e à tecnologia então disponível para sua diagramação, nos remonta ao período cultural em que a língua portuguesa se fundia com o caboclo brasileiro”. Sabe-se pouco sobre sua origem, apenas que chegou a BPP por doação.

Bibliotheca disponibiliza acervo e realiza eventos frequentes

A Instituição teve sua instalação física em março de 1876, no térreo do prédio cedido pelo então Visconde da Graça, e localizado na esquina das ruas General Neto com Padre Anchieta. Contava então com acervo inicial de 960 volumes. Esses volumes ainda fazem parte do acervo e alguns são mantidos sobre condições especiais.

Na história da BPP, consta que seu nascimento aconteceu, de acordo com a ata da sua primeira reunião, em um prédio cedido por João Simões Lopes, o Visconde da Graça – avô do escritor João Simões Lopes Neto.  Idealizada por Fernando Luís Osorio, filho do General Osório, a Bibliotheca Pública Pelotense, surgiu a partir de uma assembleia que reuniu 45 ilustres colaboradores, lançando as bases da sociedade civil sem fins lucrativos, cujo padrão nome e estilo são conservados até os dias de hoje. Antônio Joaquim Dias, diretor do Correio Mercantil, em jornal datado de 12 de novembro de 1875, publicou um convite geral à sociedade pelotense para a “Fundação da nova instituição cultural”.

PRIMEIRA PÁGINA

COMENTÁRIOS

Ótima matéria!

Graça

Comments

comments

%d blogueiros gostam disto: