Breve história do cine nacional

 

Texto de Camila Porto

Cinema – Crítica

Glauber Rocha, grande nome do Cinema Novo, orienta filmagens

     O Brasil deve suas primeiras empresas cinematográficas por volta de 1930, que produziam o gênero chanchada, filmes que predominam o humor ingênuo, burlesco, de caráter popular. O cinema nacional cresceu mesmo foi na década de 1960, com o chamado “Cinema Novo”. O lançamento do filme “O Pagador de Promessas”, escrito e dirigido por Anselmo Duarte, é considerado o marco inicial da prosperidade cinematográfica nacional, o filme foi premiado com a Palma de ouro no festival de cinema de Cannes. No ano passado foi lançado o excelente documentário Cinema Novo, com imagens de arquivo de vários filmes que marcaram a época e constituem grandes momentos do cinema brasileiro.

     Os filmes deste período retratavam a vida real, enfatizando a pobreza, a miséria e os problemas sociais. A perspectiva era critica, contestadora e cultural. Ganham destaque aqui filmes como “Terra em Transe” do diretor Glauber Rocha.

     As décadas de 1970 e 1980 são marcadas pela queda na qualidade do cinema nacional, as críticas aos problemas sociais são deixados de lado para dar espaço às obras de consumo fácil, temáticas banais e de cunho sexual, caracterizadas como pornochanchada. Alguns cineastas não seguiram essa tendência e seguiram produzindo filmes de maior caráter artístico e social, como “Vai trabalhar Vagabundo”, de Hugo Carvana, e o famoso “Dona Flor e seus dois maridos”, de Bruno Barreto. Ainda em 1973, o Brasil cria o Festival de Gramado, realizado anualmente na Serra Gaúcha. O troféu, conhecido como “kikito” é uma figura risonha, esculpida em bronze, que virou um símbolo da produção brasileira e latino-americana.

     A chegada da década de 1990 marca a diversidade de produção. O cinema passa a ser um produto rentável. Neste momento, as produções brasileiras procuram atender todos os gostos. Comédias, dramas, política e filmes de caráter policial são produzidos no país. Com políticas de incentivo e empresas patrocinadoras, o Brasil começa a produzir filmes que geram grande bilheteria. E o filme nacional que teve a maior bilheteria de todos os tempos foi Tropa de Elite 2 (2011) com público de 11 milhões de pessoas. Há vários títulos para todos os gostos, do mais requintado, como a biografia da psiquiatra Nise da Silveira, responsável pela valorização das artes como forma de terapia, ao mais popular, como as comédias com atores da TV Globo.

 

PRIMEIRA PÁGINA

COMENTÁRIO

Comments

comments

%d blogueiros gostam disto: