Cidades

Cidades

Esta pesquisa realiza uma análise internacional de estudos de caso. Pesquisas locais envolvendo idosos já foram conduzidas principalmente como estudos em um único país. Embora esses estudos tenham dado uma importante contribuição para as pesquisas neste tema, há uma tendência em generalizar resultados e assumir ferramentas e recursos aplicáveis em diferentes contextos nacionais. Para isso, é necessário, portanto uma abordagem de estudo de caso comparativa, múltipla e transnacional para entender a diversidade de experiências de idosos em cada local, e como isso é influenciado pelo bairro, contextos sociais, condições de bem-estar e processos de governança e planejamento urbano.

Foram selecionadas três cidades como estudos de caso no Brasil (Pelotas, Belo Horizonte e Brasília), três cidades como estudos de caso no Reino Unido (Edimburgo, Manchester e Glasgow) e três cidades na India (Hyderabad,Calcutta e Delhi). As cidades de estudo foram selecionadas para representar um amplo espectro de áreas urbanas, em termos demográficos (faixas por idade), desigualdade (saúde e desigualdades sociais entre grupos de alta e baixa renda), topografia (diferentes tipos de densidades e forma urbana) e desenvolvimento urbano (diferentes níveis de transformação física e mudança).

Dentro de cada uma das cidades, três bairros foram selecionados refletindo diferentes níveis de afluência, distância da cidade e composição demográfica. A análise de nível de vizinhança foi escolhida porque: (i) o maior tempo gasto pelos idosos em aposentadoria é em casa e na vizinhança imediata; (ii) os idosos são cada vez mais dependentes das relações sociais da vizinhança a medida que envelhecem; e (iii) os idosos têm vínculos psicológicos e emocionais importantes e de associação com o bairro.

A análise do estudo de caso colocará ênfase em como diferentes condições no nível local afetam as experiências de sentido de lugar de adultos mais velhos. Em outras palavras, como os fatores físicos, sociais e culturais interagem para afetar o senso de lugar e as experiências de senso de lugar entre os idosos nas diferentes áreas de cada estudo de caso? Como vários ambientes urbanos atualmente suportam (ou inibem) a participação social e o engajamento significativo na velhice? Como seria o ambiente urbano se ele apoiasse o envelhecimento bem-sucedido dos idosos? A análise comparativa dos diferentes estudos de caso é conduzida a nível nacional e internacional para estabelecer as semelhanças e diferenças nas experiências dos idosos em diferentes contextos socioculturais. As análises comparativas concentram-se na identificação de variações entre as localidades e as razões para tais diferenças. Uma introdução de cada cidade é apresentada abaixo:

Edimburgo, Reino Unido

População total: 464.990 hab
Densidade: 1.786 hab./km2
Idosos (60 +): 92.06 hab. (19,8%)
A expectativa de vida ao nascer: 77,9 anos
Localização: mapa
Área de estudo

Breve História: Edimburgo tem sido a capital da Escócia desde o século 15 e é a casa do Parlamento Escocês. É considerada o maior centro financeiro do Reino Unido depois de Londres. Edimburgo é a segunda cidade mais populosa da Escócia e a sétima mais populosa do Reino Unido (estimativas de população de meados do ano de 2014 são de 492.680 pessoas). Semelhante a muitas outras cidades, a densidade populacional em Edimburgo é mais alta nas áreas suburbanas internas ao redor do centro da cidade, particularmente nas áreas de Leith Walk e South Side. O primeiro compreendendo quase 26.000 pessoas residentes dentro de um raio de 800 metros. Esta é uma densidade de população mais alta do que em qualquer outro lugar na Escócia, incluindo Glasgow. Atualmente, 55% da população da cidade vive a menos de 4 km do centro de Edimburgo, contrastando com 48% em 1981 (Cidade de Edimburgo, 2013). As características mais evidentes da paisagem da cidade são o Castelo de Edimburgo, Arthur Seat, Catedral de St Giles e Holyrood Park. A cidade tem duas áreas distintas, a Cidade Velha medieval e a Cidade Nova neoclássica. Segundo a UNESCO, “a justaposição harmoniosa destas duas áreas históricas contrastantes, cada uma com muitos edifícios importantes, é o que dá à cidade o seu carácter único” (Centro do Património Mundial da UNESCO, 2016), características que concederam as cidades antiga e nova a serem declaradas património mundial da UNESCO em 1999. As atrações históricas e culturais da cidade tornaram-na um destino turístico muito popular (cerca de 13 milhões de pessoas visitam a cidade todos os anos), especialmente durante o Festival Internacional de Edimburgo e o Festival Fringe, considerado o maior evento anual Internacional de Artes no mundo. As pessoas com 60 anos ou mais representam 19,8 por cento da cidade de Edimburgo; este dado é menor do que a Escócia, onde as pessoas com 60 anos e mais representam 24,2 por cento da população (National Records Scotland, 2016). Edimburgo integrou a Rede Mundial de Cidades e Comunidades Amigáveis para a Organização Mundial de Saúde em 2012.

Glasgow, Reino Unido

População total: 606.340 hab
Densidade: 3.333.8 hab./km2
Idosos (60 +): 112.17 hab. (18.5%)
A expectativa de vida ao nascer: 73.4 anos
Localização: mapa
Áreas de estudo

Breve História: Situada no Rio Clyde, na costa oeste do país, Glasgow é a maior cidade da Escócia e a terceira maior cidade do Reino Unido (estimativas de população de meados do ano de 2014 são 599.640 pessoas), depois de Londres e Birmingham. Quando comparada a Edimburgo, Glasgow é uma área metropolitana muito maior, com vários grandes ‘satélite; cidades próximas (A cidade de Edimburgo, 2013). Uma vez considerada o maior porto marítimo da Grã-Bretanha e principal centro do Iluminismo escocês no século XVIII; a história rica e diversificada de Glasgow é toda em torno da cidade e os Glaswegians são orgulhosos de sua história diversa, dando-lhes uma sensação de orgulho e de identidade para sua cidade” (As pessoas fazem Glasgow, 2016). Em comparação com outras grandes cidades da Escócia (Edimburgo, Aberdeen e Dundee), Glasgow tem a maior porcentagem de grupos étnicos minoritários (12%). O maior grupo de minorias étnicas é o paquistanês, e uma maior percentagem da população registou o seu grupo étnico como paquistanês em Glasgow (4%) em comparação com Edimburgo, Aberdeen e Dundee (cerca de 1%). A cidade de Glasgow é agora o segundo destino turístico mais popular na Escócia e oferece o maior centro de varejo do país. A catedral medieval de St Mungo, em Glasgow, é uma das atrações mais famosas da cidade e tem sido um lugar de culto dedicado nos últimos 800 anos. Muitas vezes considerado um dos melhores da Grã-Bretanha, St Mungo é uma característica arquitetônica icônica da cidade e distingue-se dos outros pela sua extensa e impressionante coleção de vitrais do pós-guerra (História, 2015). A universidade de Glasgow constitui uma parte importante do património histórico e cultural da cidade. Fundada em 1451, é a quarta universidade mais antiga do mundo de língua inglesa e produziu talentos como o cientista Lord Kelvin, o economista Adam Smith e o famoso inventor John Logie Baird (History, 2015). A recuperação de Glasgow de um período de declínio econômico tem sido dramática, com uma intensa transformação que começou na década de 1980; no final da década, foi declarada “Cidade Europeia da Cultura”, seguida pela “Cidade da Arquitetura e do Design” e a primeira cidade britânica a ser nomeada Cidade da Música pela UNESCO como parte da Rede de Cidades Criativas em 2008. Os adultos mais velhos com 65 anos ou mais representam 13,9% da população da cidade de Glasgow (Understanding Glasgow, 2016). Glasgow juntou-se à Rede Mundial de Organizações de Cidades e Comunidades Amigáveis em Março de 2015.

Manchester, Reino Unido

População total: 514.414 hab
Densidade: 4,571 hab./ km2
Idosos (60 +): 142.49 hab. (27.7%)
A expectativa de vida ao nascer: 75 anos
Localização: mapa
Áreas de estudo

Breve história: A cidade de Manchester alcançou o status de cidade em 1853 e é considerada a primeira cidade industrial do mundo. Tem um rico e histórico legado de industrialização que remonta a dois séculos, que declinou após a Segunda Guerra Mundial. Manchester encontra-se dentro de uma das áreas metropolitanas mais populosas no Reino Unido (as estimativas 2014 são de 514, 417 pessoas) e é a terceira cidade mais visitada da Inglaterra. O centro da cidade de Manchester foi destruído em 1996 pelo exército republicano irlandês provisório (IRA), mas a tragédia conduziu ao investimento e a regeneração extensiva (a cidade recebeu em torno de £583 milhões de financiamento público e privado) dando o caminho a um próspero Cidade moderna (BBC, 2016). Em 2014, a Globalização e o World Cities Research Network (www.lboro.ac.uk/gawc/) classificou Manchester como uma cidade beta mundial, a mais alta cidade britânica, com exceção de Londres. O transporte público é uma das principais características do património da cidade. Manchester foi o lugar da primeira linha ferroviária do mundo que abriu em 1830 e Victoria Station é uma das mais antigas estações de exploração contínua do mundo e ainda é a segunda maior estação no Reino Unido. Emmeline Pankhurst, mãe do movimento Suffragette, liderou a campanha pelo direito das mulheres de votar. O Guardian, atualmente um dos jornais mais respeitados no Reino Unido e também no mundo, foi fundado em 1821 como The Manchester Guardian. Hoje Manchester é também conhecida por ser uma cidade gay-friendly; A área ao redor do Canal Street tornou-se uma das comunidades gay mais prósperas e ativas do Reino Unido no início dos anos 1990, fazendo questão de se referir a si mesma como uma “aldeia gay”. Manchester também é bem conhecida por ser uma cidade de esporte com dois clubes de futebol da Premier League: Manchester United e Manchester City. Pessoas com 65 anos ou mais representam 9,4% da população total de Manchester, de acordo com a estimativa de meados de 2015 (Manchester City Council, 2016). Os esforços do conselho de Manchester para uma cidade amiga do idoso estão em vigor desde 2003 através do programa Valuing Older People (Manchester City Council, 2016). Em 2010, Manchester foi a primeira cidade do Reino Unido a aderir à Rede Mundial de Organizações de Cidades e Comunidades Amigáveis e em 2014 obteve a acreditação da OMS como Cidade Amiga do Idoso.

Brasília, Brasil

População total: 2.977, 216 hab (IBGE, 2016)
Densidade: 444.66 hab./km²
Idosos (60 +): 198.012 hab. (7,7%)
A expectativa de vida ao nascer: 77,3 anos (2013)
Localização: mapa
Áreas de estudo

Breve História:  A aspiração para a construção da nova capital do Brasil iniciou quando o país ainda era uma colônia portuguesa. As razões para justificar o projeto foram a busca por segurança contra possíveis ataques do mar, uma melhor integração da imensa terra e uma motivação para criar um novo homem brasileiro. Quando Juscelino Kubtitschek (JK) chegou à Presidência, fixou um prazo para a construção da nova capital: três anos e dez meses. Combinando a tenacidade de um sonhador audacioso e a ajuda de artistas visionários e operários comprometidos, a cidade foi inaugurada no dia marcado: 21 de abril de 1960. A forma futurista e inovadora de Brasília vem, principalmente, dos trabalhos de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer. Lúcio Costa, urbanista, ganhou o concurso para projetar Brasília, apresentando alguns esboços, uma descrição de sua proposta e uma perspectiva da cidade de 5 milhões de habitantes. Segundo Lúcio Costa, o plano refletiu o gesto de quem quer mantem uma marca ou assumir o controle: duas linhas que se cruzam em ângulo reto, um eixo designado para os monumentos, o outro para uma área residencial, seus serviços e instalações. O projeto exigiu um arquiteto qualificado e JK, que foi prefeito de Belo Horizonte e havia convidado Niemeyer para projetar um plano para o subúrbio de Pampulha, convidou Niemeyer mais uma vez. Atualmente, após mais de cinco décadas, com 2.500.000 habitantes, a saga de Brasília continua. De tempos em tempos como vitórias são comemoradas, como derrotas são lamentadas e o sonho de dar forma a um homem novo no país do futuro continua.

Pelotas, Brasil

População total: 343.651 hab (IBGE, 2016)
Densidade: 203.89 hab./km²
Idosos (60 +): 49.794 hab. (15,17%)
A expectativa de vida ao nascer: 75,64 anos (IBGE, 2010)
Localização: mapa
Áreas de estudo

Breve História: A cidade de Pelotas, no Estado do Rio Grande do Sul, localiza-se a 249 km da cidade de Porto Alegre, capital do Estado, e a 150 km da fronteira uruguaia, com 328.275 habitantes, onde 15% da população tem 60 anos ou mais (Censo, 2010). É uma das cidades históricas mais importantes do Rio Grande do Sul e é reconhecida pelo seu papel cultural e histórico no desenvolvimento urbano deste Estado. A história da cidade começa em junho de 1758. Em 1943 Pelotas foi reconhecida como cidade, mas antes disso, este lugar já era bem conhecido em todo o país. No século XIX, Pelotas era conhecida como um dos centros mais prósperos de atividades culturais e comerciais no Brasil, e a cidade mais rica do Estado. Durante este período, vários edifícios notáveis foram construídos na cidade, e hoje eles ainda retratam o caráter visual de Pelotas. A maioria dos imigrantes veio de Portugal, e a sua influência determinou muitas características do carácter local, cultura e arquitetura da cidade. Os imigrantes alemães também vieram para Pelotas, assim como outros grupos europeus, mas em menor número. O desenvolvimento econômico crescente da cidade foi travado pelas circunstâncias econômicas criadas após a Primeira Guerra Mundial. Atualmente, Pelotas tem uma indústria florescente de pêssegos e é conhecida pela produção de doces tradicionais portugueses. Esta cidade abriga duas universidades responsáveis por uma parte importante do desenvolvimento econômico local e é o maior e mais desenvolvido centro comercial da região sul do Rio Grande do Sul. Em termos de paisagem urbana, o centro da cidade de Pelotas é caracterizado por edifícios contemporâneos e históricos, os últimos datando do século XIX são em geral prejudicados por anúncios comerciais (poluição visual). Muitos poucos edifícios históricos ainda são preservados e não cobertos por essa mídia.

Belo Horizonte, Brasil

População total: 2.513.451 hab (IBGE, 2016)
Densidade: 7.167,00 hab./km²
Idosos (60 +): 299.177 hab. (12,6%)
A expectativa de vida ao nascer: 70,52 anos (IBGE, 2010)
Localização: mapa
Área de estudo

Breve História: Belo Horizonte é a sexta maior cidade do Brasil, a décima terceira maior cidade da América do Sul e a décima oitava maior cidade das Américas. A metrópole está ancorada na região metropolitana de Belo Horizonte, classificada como a terceira região metropolitana mais populosa do Brasil e a décima-sétima mais populosa das Américas. Belo Horizonte é a capital do Estado de Minas Gerais, o segundo estado mais populoso do Brasil. É a primeira cidade moderna planejada no Brasil. A região foi inicialmente instalada no início do século XVIII, mas a cidade, como se sabe hoje, foi planejada e construída na década de 1890, para substituir Ouro Preto como a capital de Minas Gerais. A cidade apresenta uma mistura de edifícios contemporâneos e clássicos, e é lar de vários ícones arquitetônicos brasileiros modernos, mais notavelmente o do Complexo da Pampulha. Ao planejar a cidade, Aarão Reis e Francisco Bicalho buscaram inspiração no planejamento urbano de Washington, D.C. A cidade tem empregado programas notáveis de revitalização urbana e de segurança alimentar, para que foi concedido financiamentos internacionais. A cidade é construída em várias colinas e é completamente cercada por montanhas. Existem vários grandes parques nas imediações de Belo Horizonte. O Parque das Mangabeiras, localizado a 6 km a sudeste do centro da cidade, nas colinas de Curral (Serra do Curral), tem uma visão muito ampla da cidade. Tem uma área de 2.35 km2 (580 acres), dos quais 0.9 km2 (220 acres) é coberto pela floresta nativa. A reserva natural da Mata do Jambeiro se estende por 912 hectares, com vegetação típica da Mata Atlântica. Mais de 100 espécies de aves habitam a reserva, bem como 10 espécies diferentes de mamíferos (Wikipedia, 2016).

Delhi, Índia

População total: 26 milhões de habitantes (2016)
Densidade: 18.480 hab./km²
População de idosos (60+): 6,8% dos hab. (2011)
Expectativa de vida: 73,2 anos
Localização: mapa
Áreas de estudo.

Breve história: Delhi é a segunda maior e mais importante cidade da Índia, atrás apenas de Bombaim. Situada no norte do país, engloba a região de Nova Deli, a capital do país. Com uma população estimada em 2011 em pouco mais de 11 milhões de habitantes, a cidade de Delhi figura a segunda maior cidade da Índia, e a oitava maior do mundo — porém se consideramos seu complexo metropolitano expandido, conhecido como a Região da Capital Nacional (TCN), que engloba partes dos estados de Haryana, Uttarakhand, Utar Pradexe e Rajastão, a população da cidade sobe para 23,2 milhões de habitantes, a maior do país e a segunda maior do mundo, distribuída por uma área estimada em 1 483 km². Delhi tornou-se a capital do Império Mogol em 1638. Quando o Império Britânico passou a dominar grande parte da Índia, com Delhi conquistada em 1803, Calcutá se tornou a capital. Voltou a ser capital administrativa do Reino Unido em 1912. Em 1947, quando a Índia declarou-se independente do domínio britânico, Nova Deli, nova cidade construída ao Sul da antiga cidade, reurbanizada sobre antigas partes da cidade, foi declarada capital e sede administrativa do governo indiano, passando a sediar o Parlamento Indiano e outros órgãos importantes do governo do país. Os idiomas principais são o hindi, o urdu, o panjabi e o inglês.

Hyderabad, Índia

População total: 8,7 milhões hab.
Densidade: 18.480 hab./km²
População de idosos (60+): 7% dos hab.
Esperança de vida: 68,5 anos
Localização: mapa
Áreas de estudo.

Breve História: Hyderabad é a capital do estado indiano de Telangana, ocupando 650 quilômetros quadrados (250 m²) ao longo das margens do rio Musi. Quando o GHMC foi criado em 2007, a área ocupada pelo município aumentou de 175 km2 (68 sq mi) para 650 km2 (250 sq mi). De acordo com o censo de 2001, a população aumentou de 3.637.483 para 6.809.970 (aumento de 87%) no censo de 2011, dos quais 24% são migrantes de outras partes da Índia. Hyderabad é a quarta cidade mais populosa da Índia. A partir de 2011, a densidade populacional é de 18.480 / km2 (47.900 / sq mi). Ao mesmo tempo, (censo de 2011), a Aglomeração Urbana de Hyderabad tinha uma população de 7.749.334, tornando-se a sexta aglomeração urbana mais populosa do país. No início de 2013, a população de Hyderabad foi estimada por funcionários eleitorais em 9,1 milhões, mas espera-se que ultrapasse 10 milhões até o final do ano. Há 3.500.802 cidadãos do sexo masculino e 3.309.168 do sexo feminino com uma proporção sexual de 945 mulheres por 1000 homens, superior à média nacional de 926 por 1000. A alfabetização é de 82,96% (8,96% do sexo masculino; 79,79% do sexo feminino), superior à média nacional de 74,04%. Os estratos socioeconômicos consistem em 20% da classe alta, 50 da classe média e 30% da classe trabalhadora. Os habitantes de Hyderabad são predominantemente falantes de língua télugo e urdu, com minorias como bengali, gujarati (incluindo Memon), kannada (incluindo Nawayathi), malayalam, marathi, marwari, odia, punjabi, tâmil e uttar pradesh. O transporte mais comum em Hyderabad inclui serviços de propriedade do governo, como ferrovias e ônibus, bem como táxis operados privadamente e auto-riquixás.

Calcutá, Reino Unido

População total: 4,6 milhões de habitantes
Densidade: 22.000 hab / km²
População dos idosos (60+): 37, 30.276 hab. (F), 37, 60.238 hab. (M)
População dos idosos (80+): 3, 87.000 hab. (F), 3, 38.000 hab. (M)
Esperança de vida: 70,1 anos (F), 67,6 anos (M)
Mapa de localização
Áreas de estudo.

Breve História: Calcutá, também conhecida como Calcutá, é a capital do estado indiano de Bengala Ocidental, com uma população de 4,5 milhões de habitantes. A cidade e os subúrbios têm uma população de 14,1 milhões, tornando-se a terceira área metropolitana mais populosa da Índia. Kolkata é conhecida por sua herança literária, artística e revolucionária; como a antiga capital da Índia, foi o berço do pensamento literário e artístico indiano moderno. A proporção entre os sexos é de 899 mulheres por 1000 homens – menor que a média nacional. Os hindus bengalis formam a maioria da população de Kolkata; Marwaris, Biharis e muçulmanos compõem grandes minorias. De acordo com o censo de 2011, 76,51% da população é hindu, 20,60% muçulmana, 0,88% cristã e 0,47% jainista. O transporte público é fornecido pela Ferrovia Suburbana de Kolkata, o Metrô de Kolkata, bondes, riquixás e ônibus. O percentual total da população idosa em Bengala Ocidental é de 8,2%, com 8,2% do sexo masculino e 8,2% do sexo feminino. O percentual total de idosos nas áreas rurais é de 7,5%, com o sexo masculino sendo 7,4% e o feminino 7,6%. O percentual total de idosos no meio urbano é de 7,6%, com o masculino 10,3% e o feminino 10,0%.