Sobre

Sobre

A pesquisa PlaceAge atualmente é constituída por dois projetos financiados pelo ESRC. Entre os países envolvidos, participam o Reino Unido, o Brasil e a Índia. Um dos projetos da pesquisa intitulado “Projetando lugares com os idosos: Rumo a comunidades amigas do envelhecimento” tem como foco explorar como os idosos enfrentam o envelhecimento em diferentes contextos urbanos, sociais e culturais. É uma Pesquisa de £808.289 libras esterlinas entre o Reino Unido e Brasil financiado pelo Fundo Newton e o ESRC (Conselho de Pesquisa Econômica e Social) que iniciou em Maio 2016 e será concluída em 2019. Já o outro projeto de pesquisa é intitulado “Bom Envelhecimento em Ambientes Urbanos: Projetando cidades e comunidades com idosos”. Esse tem parceira entre o Reino Unido, Índia e Brasil e é financiado pelo ESRC-ICSSR (Conselho Indiano de Pesquisa em Ciências Sociais). Começou em maio de 2018 e durará mais de 24 meses num total de £404.827 libras esterlinas. Ambos projetos mencionados têm parceria internacional entre as Universidades Heriot-Watt em Edimburgo, no Reino Unido; pela Universidade Federal de Pelotas, em Pelotas, no Brasil; e pela Universidade Sri Venkateswara, em Tirupati, na Índia.

As populações envelhecidas no Reino Unido, Brasil e India geraram novos desafios em como projetar melhores ambientes urbanos que apoiem e promovam o envolvimento social cotidiano e a vida urbana saudável para os idosos. À medida que envelhecem, as pessoas enfrentam limitações em suas capacidades físicas e cognitivas, mudanças nos arranjos de vida e perda de apoios sociais. Em resposta a isso, a Agenda do Envelhecimento Local tornou-se uma questão importante na redefinição de políticas para idosos. A Agenda do Envelhecimento Local postula que o ambiente preferido pelos idosos é a comunidade, onde eles podem permanecer ativos, engajados, socialmente conectados e independentes. No entanto, as cidades urbanas contemporâneas podem ser “hostis” aos idosos, agindo como uma barreira ao acesso a oportunidades sociais, econômicas e cívicas. Esta pesquisa reconhece que simplesmente mudar a forma construída não é suficiente para criar um ambiente mais inclusivo para o envelhecimento, pois os lugares são mais do que espaços físicos. Ambientes viáveis são articulados através de um forte sentido de lugar, definido como os vínculos sociais, psicológicos e emocionais que as pessoas têm com seu ambiente. Um forte senso de lugar resulta do acesso a apoios para participação ativa, oportunidades para construir e sustentar redes sociais e assumir um papel significativo na comunidade. Em contraste, um sentimento de exclusão ou “falta de oportunidades de participação na comunidade” está associado à alienação, ao isolamento e à solidão, muitas vezes resultando em problemas adversos de saúde e bem-estar, particularmente entre os idosos vulneráveis. Socialmente, a criação de ambientes urbanos amigáveis ao envelhecimento que apoiam o sentido de lugar são parte integrante do envelhecimento bem-sucedido, garantindo que os idosos possam continuar a contribuir positivamente na velhice, atrasando a necessidade de cuidados institucionais e reduzindo os custos de saúde e assistência social. Através do desenvolvimento de uma compreensão de experiência transcultural do envelhecimento no local certo, que leva em conta transformações da pessoa e lugar. A Pesquisa PlaceAge reconhece a importância de desenvolver espaços urbanos amigáveis para os idosos que respondam a diferentes impactos ambientais, sociais, culturais e estrutura política.