Festival Varilux celebra cinema francês

Até o dia 8 de dezembro, uma variada programação diária em Pelotas com dramas, comédias e documentário

Catherine Deneuve está no elenco de “Enquanto Vivo”  e traz reflexões sobre a maternidade e o sentido da existência humana

Começou ontem o Festival Varilux de Cinema Francês, que tem continuidade até o dia 8 de dezembro nas salas do Cineflix Shopping Pelotas. É a décima segunda edição nacional do evento, que apresenta 17 longas-metragens inéditos e recentes, com drama, romance, comédia, animação e documentário. Dentre os títulos em cartaz, estão histórias de época, filmes com inspiração literária, enredos tratando de problemas atuais e visões divertidas das grandes questões humanas.

A programação traz uma seleção de gêneros e temáticas variadas, estreladas por astros e jovens talentos, com a direção de nomes novos e já consagrados. Entre os títulos, estão obras premiadas e participantes de festivais internacionais. Do diretor François Ozon, que é uma presença recorrente no evento, será apresentado o filme “Está Tudo Bem”. Outros destaques são “Ilusões Perdidas”, de Xavier Giannoli; “Enquanto Vivo”, de Emmanuelle Bercot; “@Arthur  Rambo – Ódio nas Redes”, de Laurent Cantet; “Adeus, Idiotas”, de Albert Dupontel;  e, “Paris, 13 Distrito”, de Jacques Audaiard.

Há atrizes e atores consagrados nos elencos, como Catherine Deneuve, Vincent Lacoste, Sophie Marceau, Virginie Efira, Jérémie Renier, Pierre Niney e Pio Marmai. Também estão presentes novos nomes do cinema francês como Noémie Merlant, Benjamin Voisin, Sami Outalbali e Rabah Naït.

Presença constante do festival, François Ozon traz sua mais nova obra, “Está Tudo Bem”, que integrou a seleção oficial da última edição de Cannes. O longa-metragem discute a eutanásia e o suicídio assistido quando um homem, em uma cama de hospital, pede ajuda de sua filha para morrer. A temática da morte também aparece no filme “Enquanto Vivo”, com a aclamada atriz Catherine Deneuve. Sob direção de Emmanuelle Bercot, ela vive a história de uma mãe que sofre com a doença incurável do filho.

 

O filme “Ilusões Perdidas” é inspirado na obra literária de Honoré de Balzac    Fotos: Divulgação

 

Temas atuais da sociedade mediada por novas tecnologias aparecem em “@Arthur Rambo – Ódio nas Redes”, dirigido  por Laurent Cantet. O enredo reflete sobre os julgamentos que se fazem nas redes sociais. As questões ecológicas aparecem no documentário “Nosso Planeta, Nosso Legado”, a mais recente produção do  diretor e fotógrafo Yann Arthus-Bertrand. Entre as suas produções  memoráveis, está “Home: Nosso planeta, nossa casa”.

Já o drama “Ilusões Perdidas”, com referência literária, traz no elenco principal os atores Benjamim Voisin, Cécile de  France e Vincent Lacoste. Inspirado no romance homônimo de Honoré de Balzac e dirigido por  Xavier Giannoli, o filme é ambientado no século XIX. Lucien, um jovem poeta  desconhecido, ávido por abrir caminho na vida, deixa sua cidade natal para tentar a sorte em  Paris. A produção foi indicada ao Leão de Ouro, além de outras duas categorias no Festival de  Veneza.

Entre as comédias, um dos destaques é “Adeus Idiotas”, escrita, dirigida e interpretada por Albert Dupontel. O longa-metragem ganhou sete Prêmios César – concorreu a 12 – e já foi visto por mais de um milhão de espectadores na França. Ao descobrir aos 43 anos que está seriamente doente, a personagem Suze Trappet embarca em uma missão surpreendente.

Entre a comédia e a tragédia, “Adeus Idiotas” traz uma visão humorada de alguns desafios

Já “Pequena lição de amor”, de Eve Deboise, mostra seus  protagonistas numa jornada por Paris por causa de uma inquietante carta de amor. “Mentes  Extraordinárias”, codirigida por Bernard Campan e Alexandre Jollien, – atores que também  assinam a direção do longa – conta a história de duas pessoas que se dirigem para o sul da França  num carro funerário.

Integrante da seleção oficial de Cannes e codirigida por Arnaud e Jean  Marie Larrieu, a comédia musical “Tralala” acompanha um cantor de ruas de Paris que,  milagrosamente, se reinventa na cidade de Lourdes.

Marca presença, com o longa-metragem de animação “A Travessia”, a diretora francesa Florence Miaihe. É uma das mais consagradas animadoras do mundo, com obras cheias de intensidade dramática. O veterano Jacques Audiard apresenta sua última produção “Paris, 13 Distrito”, que mira em três personagens jovens na busca de seus caminhos.

Um dos atores franceses mais populares, François Cluzet, está em “Um Intruso no Porão”,  no papel de um  homem de passado conturbado, que transforma a vida de um casal ao comprar um porão de um  imóvel na cidade de Paris.

O thriller psicológico “Caixa Preta”, de Yann Gozlan, conquistou o  Prêmio do Público no 38º Festival Reims Polar e busca a verdade sobre o que aconteceu a bordo  do voo Dubai-Paris antes de bater no maciço alpino, através da análise minuciosa das caixas  pretas. No elenco está Pierre Niney, que viveu o costureiro no consagrado filme biográfico “Yves Saint Laurent”. Já “Madrugada em Paris” retrata a  saga de Mikaël, um médico vivido pelo ator Vincent Macaigne, que tem uma noite para decidir  seu próprio destino.

E, para deixar os amantes da gastronomia com água na boca, a mostra apresenta “Delicioso: da  Cozinha para o mundo”. O filme de época conta um pouco dos primórdios da culinária francesa, bem como a criação do primeiro restaurante do país, antes mesmo da revolução francesa acontecer.

“Um Conto de Amor e Desejo” é o segundo longa-metragem de Leyla Bouzid O personagem principal é Ahmed, um jovem crescido nos subúrbios parisienses que, na universidade, conhece Farah, uma  jovem tunisiana cheia de energia e recém-chegada de Túnis. O longa mostra, com delicadeza e audácia, o despertar para a sexualidade e o ardor dos sentimentos e fantasias. A produção  integrou a Semana da Crítica de Cannes de 2021 e ganhou o prêmio de Melhor Filme no Festival  Du Film Francophone d’Angoulême 2021.

A edição 2021 traz de volta às telonas um filme memorável da cinematografia francesa para  compor os clássicos homenageados da mostra. A  comédia “O Magnífico”, de 1973, é dirigida por Philippe de Broca e conta com Jean-Paul  Belmondo no papel principal, além de Jaqueline Bisset, Vittorio Caprioli e Jean Lefebvre. A reexibição homenageia Belmondo, um dos mais populares atores franceses, que esteve no elenco de filmes hoje considerados clássicos e que faleceu no mês de setembro deste ano.

Em “O Magnífico”, de Philippe de Broca, François é um escritor de romances de espionagem, cuja figura principal é Bob Saint Clair, um espião muito esperto, inteligente e sedutor. Sua obra  desperta o interesse acadêmico de Christiane, uma estudante inglesa de Sociologia. Aos poucos,  o estudo e o relacionamento entre eles começam a se confundir com trechos do novo livro do  escritor. O filme cult é uma hilariante e feroz sátira dos filmes de aventura, espionagem, dos  super-heróis, sendo os filmes de James Bond o alvo mais específico. Com um humor ácido, a  comédia usa e abusa de todos os excessos do gênero com alegria contagiante e explora com  maestria o tema da vida dupla, real e sonhada.

O Festival Varilux de Cinema Francês é realizado pela produtora Bonfilm e tem como  patrocinador principal a Essilor/Varilux, além do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da  Cultura, Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Cultura e Economia Criativa e Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. É uma parceria com  as unidades das Alianças Francesas de todo o Brasil; a Embaixada da França; empresas Club Med, Air France, Fairmont e Ingresso.com. As distribuidoras dos filmes desta edição são Bonfilm, California Filmes, Mares Filmes, PlayArte, Synapse e Vitrine Filmes; além de exibidores de cinema independente e de arte.

Veja aqui a programação dia após dia no Cineflix Shopping Pelotas.

Para assistir aos filmes, é necessário usar máscara e mostrar comprovante de vacinação com identidade.

PRIMEIRA PÁGINA

COMENTÁRIOS

 

 

Comments

comments

%d blogueiros gostam disto: