Pelotas tem sua 17ª Parada da Diversidade

Público lotou Avenida no início do mês  em evento que celebra a diversidade com música e alegria

Naiara Kasthasmokia

        

     O primeiro final de semana de dezembro foi marcado pela 17ª Parada da Diversidade de Pelotas, que contou com centenas de pessoas que prestigiaram apresentações artísticas. O evento congrega os movimentos sociais e apresenta os concursos Miss Drag e Mister Diversidade. Mais uma vez a edição foi ao longo da Avenida Bento Gonçalves, com o palco de show localizado em frente ao Altar da Pátria.

A Parada Gay já é um evento tradicional na cidade, e fez parte da programação da Semana da Diversidade na tarde do domingo, dia 3 de dezembro. O tempo ensolarado colaborou para o sucesso da programação.

Este ano, a Parada foi organizada pelo Grupo Também, ONG Gesto, Vale a Vida, Núcleo de Gênero da Universidade Federal de Pelotas e o Grupo Juntos. O evento também foi um momento para reforçar a discussão de gênero para as escolas, de acordo com o projeto de lei votado e aprovado por diferença de um voto na Câmara dos Vereadores de Pelotas, que possibilitará às escolas a tratarem sobre gênero dentro da sala de aula. Segundo Marcos Fernandes, um dos organizadores que faz parte do Grupo Também, afirma que a Parada da Diversidade tem um papel importantíssimo para a comunidade LGBT, que precisa mostrar sua identidade para a população. Se diz feliz pela aprovação da discussão de diversidade e gênero a serem pautados nas escolas, dentro do Plano de Educação. Para ele, as crianças precisam muito dessa discussão nas escolas, para serem preparados para a integração social.

Marcos Fernandes ressalta que Parada cumpre papel fundamental para afirmação da comunidade LGBT

Não bastasse a discriminação, a cada 25 horas um homossexual é assassinado no Brasil, apesar de ser um País formado pela mistura de raças e crenças. Segundo dados de uma pesquisa divulgada no início do ano pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), o ano de 2016 foi recorde de mortes LGBT  no Brasil, foi o ano mais violento desde 1970. Foram registradas 343 mortes de janeiro a dezembro do ano passado, fazendo o Brasil ser o campeão mundial na violência contra as minorias sexuais, segundo o Blog do Correio 24 horas.

Movimentos como a Parada da Diversidade de Pelotas possibilitam um espaço de fala para essa camada da sociedade, que muitas vezes não é ouvida e respeitada. Apesar das diferenças das orientações sexuais de cada indivíduo, todos somos iguais e possuímos o dever de respeitar as diferenças do outro, para uma sociedade que preze pela boa convivência entre as pessoas que fazem parte das diferentes camadas da população.

PRIMEIRA PÁGINA

COMENTÁRIOS

 

Comments

comments

%d blogueiros gostam disto: