Início do conteúdo
    Notícias
  • UFPel faz Vestibular com 217 vagas para residentes na Zona Sul

    A UFPel abriu inscrições, de 25 de fevereiro a 11 de março, a processo seletivo específico para o provimento de 217 vagas remanescentes em cursos de graduação presenciais, para alunos residentes em municípios integrantes da Azonasul e que concluíram o ensino médio em escolas localizadas nestas cidades. As vagas são para ingresso já no primeiro semestre de 2019, sendo divididas para Pelotas, cerca de 30 por cento, e para os demais municípios da Zona Sul, cerca de 70 por cento. O ingresso será por ampla concorrência e cotas. Os municípios são Amaral Ferrador, Arroio do Padre, Arroio Grande, Candiota, Canguçu, Capão do Leão, Cerrito, Chuí, Herval, Jaguarão, Morro Redondo, Pedras Altas, Pedro Osório, Pelotas, Pinheiro Machado, Piratini, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, Santana da Boa Vista, São José do Norte, São Lourenço do Sul e Turuçu. Veja o edital, onde constam todas as informações sobre o processo e os cursos oferecidos, em http://concursos.ufpel.edu.br/wp/, em Vestibular Vagas Remanescentes.

     

     

  • Estudantes da UFPEL comemoram final de ano com idosos do Lar São Francisco

     

    POR  · PUBLICADO EM 17/12/2018

    Por Giordanna Benkenstein Vallejos

    No dia 08 de dezembro, os alunos da UFPEL visitaram o Lar São Francisco de Assis, em Pedro Osório, fazendo trabalho voluntário na área da saúde e celebraram o final de ano com os vinte e oito idosos residentes do lar.

    Às dez horas de sábado, o grupo de estudantes começou cantando músicas de natal, e deram início as atividades como: checagem de pressão, diálogo sobre hipertensão, avaliação bucal e dinâmica de grupo.

    Haviam voluntários dos cursos de farmácia, nutrição, enfermagem, química, psicologia, gestão ambiental, odontologia, terapia ocupacional e jornalismo e cada um deles auxiliou além da saúde, com a atenção transmitida no tratamento com os idosos.

    “Eu acho que esse projeto é importante por que os jovens trazem uma vida para o lar, e dão uma atenção que nem sempre os funcionários têm tempo de dar. Eles (os idosos) têm muita carência, de família e de carinho”, relata Carla Rodrigues Borges, técnica de enfermagem do Lar São Francisco.

    O curso de gestão ambiental plantou uma muda da árvore Aroeira no pátio do Lar São Francisco, com auxílio de alguns idosos entusiasmados com a atividade, para simbolizar o vínculo de amizade entre os estudantes da universidade e o Lar.

    O Papai Noel apareceu e entregou presentes doados pelos estudantes para higiene pessoal. Depois da dinâmica de grupo organizada pela psicologia, que fazia os estudantes conhecerem mais sobre os idosos em forma de brincadeira, a visita foi encerrada com mais uma música de clima natalino e agradecimentos.

  • Barraca da saúde na Festa do pêssego

                                   Na Festa do Pêssego, Barraca da Saúde marca presença

    Por Jessica Alves e Jéssica Lopes

    No último sábado, dois de dezembro, a barraca da saúde esteve presente na festa municipal do pêssego em Pelotas, que ocorreu no 8° distrito, tendo como finalidade integrar ensino e prevenção aos visitantes. Mais uma vez contou com a participação dos cursos de nutrição, psicologia, enfermagem, medicina, odontologia, entre outros.

    O cultivo do pêssego é de grande importância histórica e econômica em Pelotas e região sul, sendo produtor de 90% da produção nacional. De acordo com Jair Sairon, secretário de desenvolvimento cultural da cidade, a festa tem como objetivo promover o aumento da produção da fruta, facilitar a comercialização e aumentar seu consumo. “Dentre as culturas que nós temos hoje em nosso meio rural, o pêssego é a cadeira produtiva mais importante do nosso agronegócio. Seja pela questão econômica ou seja pela mão de obra que utiliza. São mais de 25.000 pessoas envolvidas”, acrescenta.

    Interação de visitantes e alunos na barraca da saúde.

    A PREC (Pró-Reitoria de Extensão e Cultura) tem proporcionado oportunidades de crescimento de projetos de extensão da universidade. A barraca da saúde é um destes. O estudante e integrante Cesar Greco, de 19 anos, afirma que: “A descentralização do conhecimento da universidade promove socialização entre alunos e comunidade”. Desconstruindo, assim, a ideia de ensino elitizado e viabilizando a sensação de pertencimento da comunidade com a faculdade.

     

     

    “A arte de praticar o bem, mobilizar pessoas para promover ações sociais e transformar vidas, traz em si um sentimento de satisfação imensurável. Só vamos conseguir fazer a diferença se tivermos a capacidade de se colocar verdadeiramente no lugar do outro, de ver o mundo como ele o vê.” (Angélica Prado – Pensadora moderna)

  • Festa quilombola no Rincão da Faxina recebe Barraca da Saúde

    Por Jessica Alves, Rafaela Dutra e Gisele Moraes

    A Barraca da Saúde, projeto de extensão do curso de enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), esteve em Piratini-RS, mais uma vez, no sábado (24), promovendo atividades sociais com a Comunidade Quilombola Rincão da Faxina, a qual tinha o intuito de evidenciar a semana da consciência negra e a cultura afro brasileira, juntamente com estudantes de outros cursos, como Odontologia, Psicologia, Nutrição, Medicina, Enfermagem, entre outros, que realizaram atendimentos ao público presente.
    Por localizar-se distante do centro da cidade, os moradores do quilombo possuem dificuldade de acesso a consultas periodicamente, por esse motivo a coordenadora do Rincão, Maria Emília Soares, alega: “É o máximo dos máximos, porque não existe uma casa de quilombola que não tenha um problema de saúde na área, todas precisam de atendimento, porque quando as pessoas mais novas trabalhavam em serviços muito pesados, quando velhas não conseguem mais fazer isso e vão parando nas atividades físicas e se acomodando”.

    O professor adjunto da faculdade de Odontologia da UFPel, Otávio D’avila, acredita que o projeto acrescenta muito no aprendizado dos alunos e no papel institucional da universidade: “Eu acho fundamental! As universidades federais tem a missão de levar a academia não só para as comunidades do município onde está situada e estabelecida, mas para a região. Esse projeto de extensão ajuda muito a universidade a cumprir seu papel institucional, trazendo benefícios e serviços também para as comunidades”.

    Dando continuidade, a aluna de Enfermagem, Kássia Guedes, concorda que é importante as comunidades de pouco acesso a uma saúde de qualidade, tenha um acompanhamento: “Eu acho muito importante ter uma unidade nesses locais que são mais distantes porque a gente pode ficar mais perto deles, saber o que está acontecendo, prestar um
    cuidado maior, e caso aconteça alguma coisa a gente saiba. Isso é muito importante para nós da enfermagem pois precisamos saber um início, meio e fim para poder prestar um cuidado”.
    Além disso, a festa contou com atrações da cultura local e regional e evidenciou a importância da presença dos projetos de extensão da universidade chegarem até esses lugares.

  • Projeto Bailar e Grupo Baila Cassino apresentam, em Morro Redondo, A Galeria

    Por: CCS, em 22/11/2018

    Com direção geral da professora Daniela Castro, dramaturgia de Alex Almeida e vídeo-arte de Rowan Romeiro, o Grupo Baila Cassino e o projeto de extensão Bailar: Núcleo de Dança na Maturidade, coordenado pela professora Carmen Anita Hoffmann, apresentam “A Galeria”, nesta sexta-feira (23), às 20h, no Centro Cultural de Morro Redondo. A entrada é franca.

    Baseando-se em obras famosas dos séculos XIX e XX, são reverenciados grandes pintores que revolucionaram a arte clássica. Para isso, o grupo conta com uma equipe de profissionais envolvidos na montagem, os quais deram suas contribuições variadas para a construção do sétimo espetáculo do Baila Cassino. Nomes como Ana Júlia do Carmo (arte das sombrinhas) e Vinícius Diniz (criação de cenas) colaboraram neste processo, enriquecendo a criação.

    O projeto Bailar existe há seis anos no Centro de Artes e visa realizar montagens de espetáculos de dança para um grupo de maturidade ao mesmo tempo em que oportuniza aulas de dança a este público. A criação de um Núcleo de Maturidade dentro do curso de Licenciatura em Dança vem sendo importante para desmistificar a imagem do bailarino, que geralmente aparece como jovem, com um corpo atlético e técnica avançada. Vivenciar esta formação pelos estudantes de graduação permite o aprimoramento de suas práticas docentes, ao mesmo tempo em que uma maior compreensão do idoso em nossa sociedade, desenvolvendo o exercício da cidadania em todos envolvidos.

    A ação integra as comemorações dos dez anos do Curso de Dança Licenciatura da Universidade, bem como a parceria entre a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura e a Prefeitura Municipal de Morro Redondo. Mais informações pelo fone 999439074.

    Além do Espetáculo, está sendo preparada pelo Curso de Artes Visuais Licenciatura, do Centro de Artes da UFPel uma exposição de artes do período Moderno, Coordenada pela professora Clarice Magalhães e Nadia Senna.

    A ação faz parte de uma parceria que está sendo estruturada entre a PREC e o Município de Morro Redondo, via Programa de Desenvolvimento Social dos Municípios da Zona Sul. O Programa tem o objetivo de estimular a sinergia entre a universidade e o poder público, em colaboração com outras entidades, com a finalidade de atendimento às demandas sociais do público regional dos municípios da Zona Sul do RS.

    Busca-se ainda a confluência de recursos que possam produzir a médio prazo, mudanças efetivas para o alcance de melhores índices de desenvolvimento e qualidade de vida nos municípios da Região Sul do Rio Grande do Sul. A maior parte dos discentes participantes do Programa são oriundos das cidades da Zona Sul, assim, sendo agentes ativos dos projetos de extensão e de pesquisa da Universidade nos municípios.

  • Outubro rosa: valorização da saúde da mulher em barro duro

    Campanha do Outubro Rosa realizada pela Unidade Básica de Saúde Barro Duro. Foto: Jessica Alves

    Por Jessica Alves e Jéssica Lopes

    No sábado (27) a equipe integrante da Barraca da Saúde, projeto de extensão da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), esteve presente em uma Unidade Básica de Saúde no bairro Barro Duro, auxiliando os profissionais da área na realização de um evento em homenagem ao Outubro Rosa, mês dedicado à prevenção do câncer de mama, realizando consultas e oferecendo informações sobre a saúde da mulher.

    O evento teve como um dos principais objetivos o empoderamento das mulheres e orientações de cuidados com a saúde. “O outubro rosa tem como objetivo trazer orientações sobre o câncer de mama e o câncer de colo de útero. Nós da universidade fomos convidados para dar ajuda e acolhimento às pessoas do bairro”, contou Gabriel Moura Pereira, estudante de enfermagem e um dos organizadores do projeto Barraca da Saúde.

    A equipe contou com a formação de alunos dos cursos de jornalismo, nutrição (que realizou medida do IMC e cuidados com a alimentação), enfermagem (atuando no Pronto atendimento, orientação de exame de mama e colo de útero, exame citopatológico e teste rápido de HIV, sífilis e hepatites A e B), odontologia (levando cuidados odontológicos), farmácia (com orientações sobre doenças transmissíveis), gestão ambiental e engenharia geológica (promovendo conhecimento acerca das plantas medicinais e cuidados ao viver junto à natureza).

    O evento contou também com o apoio de uma profissional da beleza da marca Avon, no qual abraçou a causa em que acredita, promovendo consultorias de estética para as pacientes que ali se encontravam. Valorizando a mulher como um todo, e também enaltecendo sua auto-estima.

    Integrar o aluno desde o início de sua jornada acadêmica com a comunidade é muito importante, frisou Francieli Lima, enfermeira da unidade, incentivando os alunos a se envolverem com as questões sociais de sua comunidade e promover conversas e orientações  àqueles que precisam de informação.

    A barraca da saúde tem alcançado muitas vidas com seu projeto, não apenas levando orientações, mas se prontificando em aprender com a realidade da comunidade, abraçando causas e cultivando sonhos.

  • Barraca da Saúde contra o bullying

    Crianças no combate ao bullying. Foto: Micael Carvalho

    Por Jéssica Lopes, Micael Carvalho e Rafaela Dutra

    No dia 8 de outubro foi realizada uma atividade da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PREC) em parceria com estudantes do curso de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e profissionais da área da saúde. A ação que aconteceu na escola agrícola Maria Joaquina, localizada no distrito de Pelotas, Cerrito Alegre, teve como principal objetivo levar até os alunos uma conscientização do bullying, a maneira de lidar com ele, e as formas de combatê-lo.

    O bullying se refere à prática de atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, cometidos por um ou mais agressores contra uma determinada vítima. É comum dentro das escolas de todo o mundo e atinge, geralmente, pessoas mais introvertidas ou consideradas “fora do padrão”.

    As atividades foram realizadas com os alunos da pré-escola ao 9° ano do ensino fundamental, no formato de roda de conversa, no qual os acadêmicos e profissionais de Enfermagem falaram com os alunos sobre os perigos do bullying, como ele pode afetar a vida do oprimido ou ser um problema pessoal do opressor. Também conversaram a respeito da identificação de problemas mais graves, como, por exemplo, automutilação e depressão. A professora e coordenadora do projeto Michele Mandagara reafirmou a importância de buscar o auxílio necessário caso o aluno esteja passando por esse tipo de situação: “Existe ajuda para isso, ajuda para dor. A gente não precisa passar por isso sozinho e nem deixar chegar ao ponto de achar que tirar a vida é a única solução”.

    Jogos online como o Baleia Azul são um exemplo de perigo virtual, entre seus objetivos estão uma série de desafios, que colocam em risco a vida dos jogadores e que já ocasionou vários casos sérios.

    Para a coordenadora educacional da escola, Alessandra Rivaroli debater sobre esse assunto em ambiente escolar é fundamental: “A gente lida no dia a dia na parte de relacionamento entre eles (alunos), a parte emocional está totalmente ligada a aprendizagem também, então a gente precisa que eles estejam bem para poder aprender”.

    Palestras foram realizadas para diversas faixas etárias. Foto: Jéssica Lopes

    Durante o mês de setembro foi promovido o “Setembro Amarelo”, uma campanha de prevenção ao suicídio, no qual visava-se alertar a sociedade sobre esse mal que nos cerca, mas que muitas vezes passa desapercebido, por falta de informação em identificar sintomas de depressão ou afins. Por isso é válido ressaltar que quanto mais atentos e informados estivermos sobre os danos que o bullying pode causar a uma pessoa, menos famílias iram chorar a perda de entes queridos. A luta continua, e a informação permanece como uma ferramenta poderosa contra qualquer tipo de violência, seja física ou psicológica.

    Existe ajuda pra isso, ajuda pra dor. A gente não precisa passar por isso sozinho e nem chegar a se matar por causa disso” – Michele

    “A gente tem que estar sempre aberto a ouvir o que o outro esta sentindo e ajudar” – Nathalia

    Qual a importância de abordar esse tema dentro da escola?

    Alessandra: É fundamental, a gente lida no dia a dia na parte de relacionamento entre eles (alunos), a parte emocional está totalmente ligada a aprendizagem também então a gente precisa que eles estejam bem pra poder aprender. Na verdade, a escola é o segundo lugar que eles se relacionam com as pessoas então também é um aprendizado de relacionamento, as vezes eles não sabem se relacionar muito bem, tu tem que ensinar o que é certo e o que é errado porque as vezes isso não vem da família,  tu dizer, por exemplo, que determinado relacionamento não é legal ou te colocar no lugar do outro.. Essa temática hoje vem bem de encontro a isso, a gente passou o dia inteiro falando dessa temática da importância do respeito, de se colocar no lugar do outro e dos malefícios que isso pode gerar pra quem tá sofrendo com o bullying.

    Você considera importante essas atividades que a Universidade traz para dentro das escolas?

    Alessandra: Com certeza, na verdade é uma parceria que só vem a agregar. A gente já tinha uma parceria com o posto de saúde que já tinha com as coisas que eles atendem la no posto de saúde, então eles traziam fala pra nos tanto a respeito de bullying quanto a respeito de drogas, mas eu acho que a Universidade ela traz essa parte de pesquisa é uma outra abordagem que só vem complementar na verdade um  trabalho que já vem sendo feito…. completar um pouco mais o trabalho que já vem sendo feito vem mais pra colaborar e agregar mais valor.

  • Mateada da Saúde: Universidade + Comunidade

    Alunos de medicina da UFPel participaram da atividade. Foto: Jéssica Lopes

  • Não há idade para ser feliz

    Por Jéssica Lopes

    Através das mudanças do tempo e da idade vamos descobrindo novos caminhos, nos quais, consistem num turbilhão de experiências e aprendizado. Contudo a nossa disposição e fugacidade vai ficando mais amena, exigindo do nosso corpo mais tranquilidade e descanso para o próprio bem estar.

    Na Associação Beneficente Lar São Francisco de Assis nos deparamos com 28 idosos que usufruem de um espaço no qual é proporcionado todo o cuidado necessário e atenção de toda uma equipe bem preparada e capacitada para o seu cuidado.

    No dia 17 de setembro, alunos de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas contribuíram com a Barraca da Saúde no Lar de idosos, localizada na cidade de Pedro Osório, com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura e a participação dos cursos de Odontologia e Gestão Ambiental.

    A proposta da barraca da saúde teve como objetivo instruir os velhinhos a como cuidar da saúde higiênica e bucal, além disso foi conversado sobre as mudanças ambientais que vêm ocorrendo com o passar do tempo e a geração de consumo. A atividade durou toda uma manhã e foi realizada por meio de um cronograma de iniciação que conteve uma mensagem de reflexão e música cantada por uma das graduandas de enfermagem.

    Marlene Maria Machado (62), domiciliada no lar, não deixou de expressar a sua alegria em receber os alunos:

    “Eu gostei muito! É sempre muito bom aprender coisas novas. É muito legal, ver o trabalho que vocês fazem para a comunidade, aqui no caso foi de grande ajuda para nós, pois muitos aqui não falam mais, e receber essa atenção nos dá muita alegria”.

    Marlene também compartilhou que sente muita vontade de voltar a estudar: “Ser técnica em enfermagem, quem sabe? Eu adoro muito aprender”. É importante ressaltar o quanto é importante desenvolver esses trabalhos na comunidade, pois não leva apenas conhecimento aos ouvintes, mas acaba culminando em uma troca de experiências entre nós, alunos, e aqueles que abrem as portas para o projeto.

    A visão do lar é tornar todos ali uma grande família. Milene Lima, de 46 anos é auxiliar administrativa e compartilhou que ali o trabalho realizado é feito com o coração.

    “Nós aprendemos muito com eles. É uma troca de experiências, de amor, de aprendizados e carinho. Quando você passa pela rua você tem uma visão. No entanto quando se tem a oportunidade de conhecer nosso trabalho de perto, aí você vê que não é apenas uma casa de idosos. Eles estão abrigados, têm amor, têm carinho. Nós tentamos ser o suficiente pra eles, como filhos, eu me sinto filha deles muitas vezes”.

    É fundamental entendermos que o respeito pelo idoso não está relacionado a sua idade, mas a trajetória vivida e os caminhos percorridos pela vida. Estamos aqui de passagem, e amanhã é a nossa vez de viver a velhice. Então vamos abraçá-los e tratá-los com apreço, que os conhecimentos adquiridos na corrida acadêmica possam ser transcorridos de forma afortunada.

  • Pedro Osório : UFPel realiza ações em lar de idosos

    A partir de demanda da Promotoria de Justiça de Pedro Osório, a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), junto com o Centro de Artes e o curso de Terapia Ocupacional realizaram ações de avaliação de desempenho ocupacional e socialização junto ao Lar de Idosos São Francisco de Assis em Pedro Osório.

    As atividades contaram com a participação de 25 alunos, que dividiram suas ações ao longo de três dias.

    As intervenções foram inseridas dentro do Programa de Desenvolvimento Social dos Municípios da Zona Sul. O Programa prevê a inserção e a mobilidade dos projetos de extensão, ensino e pesquisa junto aos municípios da Zona Sul do Rio Grande do Sul.

    A primeira ação ocorreu com a participação dos acadêmicos do curso de Terapia Ocupacional vinculados ao Projeto de Extensão em Tecnologia Asssistiva. Eles realizaram a avaliação de desempenho ocupacional dos idosos do Lar. O parecer permite que futuras atividades de integração e mobilidade possam considerar as ações resultantes do método. A avaliação utilizou uma medida individualizada, realizada por meio de entrevista semiestruturada, em que o sujeito pontuou as atividades mais importantes em seu cotidiano em que se encontra em dificuldade. As áreas com potencial de ações a serem trabalhadas foram: autocuidado (cuidados pessoais, mobilidade funcional e funcionamento na comunidade) e atividades de lazer (ação tranquila, recreação ativa e socialização).

    Lar de Idosos de Pedro OsórioNesse sentido, outra inserção foi a participação dos acadêmicos do Centro de Artes, que realizaram Oficina de Arte. A proposta incluiu atividades de dança e artesanato, alinhadas com o perfil extensionista da Unidade, que considera o respeito aos costumes e saberes da comunidade, contemplando diferenças e multiplicidades culturais em busca da valorização pessoal e expressiva propiciadas pelas diversificadas vivências artísticas.

    O encontro coincidiu com as festividades juninas e a oportunidade foi aproveitada para rememorar com o grupo os aspectos culturais relacionados com o evento: cantos, santos, decorações, comidas e bebidas típicas. O Centro de Artes organizou uma oficina de construção de estandartes religiosos, para os quais disponibilizaram materiais de colagem, corte e costura, e também fizeram oficinas de bandeirinhas. Além disso, ainda realizaram dinâmicas de interação, oficina de dança, e finalizaram com a distribuição de brindes e exibição de um vídeo com as imagens dos participantes nas atividades. Do Centro de Artes participaram do encontro os integrantes do grupo Programa de Educação Tutorial (PET) Artes Visuais, do projeto Arte na Escola e do Núcleo de Dança.

    O Programa de Desenvolvimento Social dos Municípios da Zona Sul está organizando outras atividades similares em cidades da região, prevendo ações de socialização dos idosos e formação de gestores e cuidadores de asilos.

    AVALIAÇÃO de desempenho ocupacional e socialização teve a participação de 25 alunos