Perfil do Egresso

Considere-se o extrato do Projeto Pedagógico do Curso:

Todas as inovações tecnológicas globais, que a sociedade atual vem passando, levam a um processo contínuo de mudança estrutural em direção à sociedade da informação e do conhecimento, uma época de grande agregação desse último. Paralelamente, os avanços da ciência e da indústria criada pelo homem, extraem recursos naturais, geram produtos, serviços e conforto, mas fazem da qualidade ambiental a sua grande vítima devido aos resíduos contaminantes lançados no ar, na água e no solo, colocando em risco várias formas de vida. Frente a todos esses desafios ao desenvolvimento sustentável na produção e transformação de alimentos, fibras e energia surge a necessidade de uma reflexão quanto:

  1. A atual formação acadêmica prepara o futuro profissional para esta nova realidade?
  2. Há uma formação profissional continuada, permanente e articulada com a pós-graduação?
  3. O futuro profissional será capaz de se transformar em protagonista de parte de sua formação profissional?
  4. O que é ser Engenheiro Agrônomo frente a este novo paradigma de agricultura?
  5. É possível fazer uma agricultura sustentável sem um comportamento ético, que deve ser cultivado e ser referência no dia a dia da formação acadêmica?

 

Certamente, a definição clara desses pontos nos levará ao entendimento de que o Engenheiro Agrônomo formado pela FAEM, deve ter o perfil de: “um profissional eclético, proativo, criativo, crítico e ético, com visão holística e empreendedora, fundamentada em conhecimentos humanísticos, científicos e tecnológicos, contemplando aspectos de sustentabilidade social, econômica, cultural e ambiental, dentro das atribuições que a legislação profissional lhe confere.”

Pretende ainda que este profissional seja capaz de identificar e resolver problemas, tomar decisões de forma integrada e harmônica, seja detentor de conhecimentos, habilidades cognitivas e atitudes; tenha o talento de absorver e desenvolver tecnologias tanto no aspecto social quanto relacionado à competência científica e tecnológica; tenha capacidade não somente de se adaptar à sociedade que vive, mas de transformá-la e de reinventá-la, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais. Identificar, compreender e traduzir as necessidades de indivíduos, grupos sociais e comunidade, na busca contínua por soluções relativas à produção de alimentos, bens, serviços, fibras e energia necessárias ao desenvolvimento da sociedade com relação aos problemas tecnológicos, sócio-econômicos, gerenciais e organizativos. Utilizar racionalmente os recursos disponíveis, de modo a conservar e/ou recuperar os recursos naturais, com equilíbrio ecológico, respeito e comprometimento com a fauna, flora e homem. Contribuir, no exercício de suas atividades profissionais, para as expectativas de desenvolvimento agrícola sustentável.