Início do conteúdo
    Notícias
  • Conectando Conhecimento – Nº8

    O trabalho intitulado como “Conhecimento dos consumidores sobre sementes e grãos crioulos foi publicado no I Congresso de Inovação em Alimentos no ano de 2021.

    As sementes ou grãos crioulos são aquelas que não sofreram melhoramento genético e somente os agricultores fazem essa seleção. Essas sementes apresentam maior rusticidade, resistência a doenças causadas no campo e maior capacidade de adaptação às condições do ambiente em que são plantadas ou cultivadas, elas garantem o sustento das famílias e assim possibilitam os plantios das próximas safras sem necessidade de aquisição de novas sementes, pois os agricultores familiares cultivam essas sementes durante vários anos, adquirindo conhecimento sobre as práticas de manejo mais adequadas. Objetivou-se neste estudo verificar o conhecimento dos consumidores sobre os grãos e sementes crioulas. O estudo foi realizado pelo Laboratório de Análise Sensorial da Universidade Federal de Pelotas, onde foi desenvolvido um questionário online, utilizando a plataforma Googleform. Os participantes foram convidados a responder questões sobre hábitos, formas de consumo e comercialização sobre sementes e grãos crioulos. Foram 296 respondentes, sendo 50% deles do gênero masculino, 49,3% do gênero feminino e apenas 0,6% não quiseram se identificar. Em relação à idade dos respondentes 57,4% deles tinham entre 35 a 59 anos, 19,2% entre 25 a 34 anos, 16,6% disseram ter 60 anos ou mais e 6,8% tem menos de 24 anos. Quando questionados se conhecem sementes crioulas, o número foi alto, pois 79% dos respondentes disseram conhecer, onde, os três grãos ou sementes mais citados foram o milho (69,3%), uma vez que, a maioria dos respondentes (75%) dizem que o milho crioulo tem melhores propriedades nutricionais, o feijão (43%) e o arroz (11%). Quando questionados se as sementes ou grãos crioulos são mais nutritivos, 74% concordam que são mais nutritivos, 17% talvez e apenas 9% discordam dessa afirmação. Em relação ao sabor e qualidade das sementes ou grãos crioulos, 77% dos respondentes dizem que as sementes conferem melhor sabor e qualidade aos produtos, 17% dizem que talvez possa conferir e 6% discordam disso. Portanto, podemos concluir que as sementes de milho crioulo são mais conhecidas pelos respondentes, juntamente com o feijão e o arroz, que pode estar relacionado às propriedades nutricionais apresentadas pelas sementes e grãos crioulos, como também por acreditarem que podem proporcionar um melhor sabor e qualidade aos produtos.

  • Homologação das inscrições do Edital 01/2021 para seleção de bolsista

    O Laboratório de Análises Sensoriais – UFPel torna público o resultado das inscrições homologadas no Concurso Seletivo para o preenchimento de vaga no Edital 01/2021 para projeto de pesquisa.

    As entrevistas serão realizadas amanhã (14/10/2021) de acordo com os horários dispostos abaixo:

    11:00 – Daniela Sanches Medeiros

    11:10 – Karolina Xavier Folha

    11:20 – Katiele Furtado Silva

    11:30 – Marcos Euclides Dures de Araujo

    Através do google meet.

    Pelotas, 13 de outubro de 2021

  • EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA

    O Laboratório de Análise Sensorial da Universidade Federal de Pelotas torna público o Concurso Seletivo para preenchimento de vaga do Edital 01/2021 para projeto de pesquisa.

    LEIA O EDITAL ATENTAMENTE RESPEITANDO OS REQUISITOS

    Edital completo em: Edital seleção bolsista

    Área: Tecnologia de Alimentos
    Períodos de Atividades: Outubro de 2021 á outubro de 2022
    Número de vagas: 01 (uma) vaga.
    Período das inscrições: De 07 de outubro a 12 de outubro de 2021
    Local das inscrições: https://forms.gle/HYDbKGdkdB5pMWcS9

    Requisitos para a inscrição:
    – Estar regularmente matriculado e frequentando o curso Ciência e Tecnologia de Alimentos ou Química de Alimentos na UFPel;
    – Ter cursado, no mínimo, 1 (um) semestre do seu curso na UFPel;
    – Possuir, preferencialmente, experiência em laboratório e análises físico-químicas;
    – Não ser aluno formando no semestre acadêmico de ingresso no programa;
    – Não ter outras modalidades de bolsa, exceto aquelas vinculadas à Pró-Reitoria de Assistência Estudantil – PRAE (moradia, alimentação e transporte);
    – Não apresentar mais do que 3 (três) reprovações ou infrequências.
    Tipos de provas: Currículo e entrevista (Será feita uma análise preliminar do currículo, de caráter eliminatório, e posteriormente serão agendadas entrevistas via e-mail, para serem realizadas de forma online).

    Resultado: A partir do dia 15/10/2021 via site do LabSensorial – UFPel e e-mail dos candidatos.

    Contato para informações: alicelourenzon@gmail.com ou marciagularte@hotmail.com.

  • Conectando Conhecimento – Nº7

    O trabalho intitulado como “Compreendendo a percepção dos consumidores de vinho usando a técnica de associação de palavras livres” foi publicado na revista Journal of Culinary Science & Technology.

    Os últimos anos vêm se mostrando promissor para a indústria de vinhos, a compreensão da avaliação do consumidor, devido às mudanças significativas na tendência e ao aumento de consumo, sendo cada vez mais importante. As atitudes e preferências dos consumidores no mercado de vinhos estão em constante evolução, e o que antes era considerado tendência para pequenos nichos de mercado, agora está se expandindo para outros segmentos. Variedade da uva, país de origem, teor alcoólico e preço são alguns dos atributos considerados na hora da compra de um vinho, porém o comportamento do consumidor não é racional, diversos processos inconscientes também influenciam na decisão de consumo. Um método rápido que avalia as percepções dos consumidores é a técnica de associação de palavras, por oferecer informações cognitivas partindo da ideia de que a primeira associação que vem à mente dos participantes pode ser a mais relevante no momento da decisão de consumo. Neste contexto, o objetivo do trabalho foi identificar a percepção dos consumidores brasileiros sobre o consumo de vinho, através do método de associação de palavras. O trabalho foi realizado por alunos e professores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), através de questionário do google forms que ficou disponível por 30 dias. O teste consistiu na apresentação de uma palavra estímulo que era vinho e nenhuma descrição ou imagem do vinho foi fornecida. Foram obtidas 524 respostas e as palavras foram agrupadas em 8 categorias: “Atributos/características”, “confraternização”, “alimentos”, “cultura”, “curiosidade”, “inovação”, “saúde” e “sentimento/prazer”. A categoria mais citada pelos consumidores foi “sentimento/prazer”, com uma frequência de 47% e está associada a alegria, felicidade, paixão, amor, tranquilidade, frio e prazer, palavras que se referiam a momentos românticos ou de relaxamento. Observou-se também que mesmo sendo uma avaliação sobre vinho, alguns participantes mencionaram pessoas como referência, como as palavras pai, avó, ex-marido e sogro, possivelmente por estes participantes consumirem vinho na companhia destas pessoas, gerando nostalgia, lembranças e experiências, possibilitando ações de marketing. Neste trabalho não foram mencionadas palavras negativas. O uso da técnica de associação de palavras possibilitou identificar como o consumidor percebe e se identifica, sendo o “sentimento/prazer” decisivos na escolha do vinho e contribuem para a sua aceitação e utilização nos momentos de convívio. Além disso, estudos futuros são necessários com os não consumidores para entender sua percepção e propor alternativas de novos desenvolvimentos para ampliar o público consumidor.

  • Conectando Conhecimento – Nº6

    O trabalho intitulado como “Indicadores de Alimento Seguro para Cereal Matinal Extrusado” foi publicado no Congresso on-line Brasileiro de Tecnologia de Cereais e Panificação, realizado entre os dias 05 à 09 de outubro de 2020.

    Cereais matinais são produtos extrusados de alto teor de carboidratos e proteínas e estão no mercado a décadas, o seu consumo tem aumentado devido às novas tendências alimentares que estão surgindo. Os alimentos atuam como substrato de microrganismos e estão sujeitos à contaminação por diferentes agentes microbiológicos provenientes de manipulação inadequada, higiene pessoal, superfícies e utensílios, contato com equipamentos, e pela atmosfera ambiental. Objetivou-se com o estudo desenvolver cereais matinais extrusados, elaborado a partir de farinhas de arroz com diferentes teores de amilose e de farinha de milho e avaliar seus indicadores de conformidade para alimento seguro. O fornecimento de um alimento seguro ao consumidor envolve o conhecimento e uso de manipulação adequada, seguindo os princípios de Boas Práticas de Fabricação (BPF). Os ingredientes foram pesados na proporção 70% farinha de arroz e 30% farinha de milho, acrescentado de 2% de adoçante e acondicionadas a umidade de 17%. Foi utilizado extrusor de Laboratório mono-rosca (Brabender). Para avaliar a microbiologia e atividade de água, foram utilizadas as formulações do cereal matinal com farinha de arroz. A formulação com maior atividade de água foi a elaborada com farinha de arroz de média amilose. Os valores microbiológicos foram inferiores ao estabelecido na legislação. Pode-se concluir que as três formulações dos cereais matinais extrusados são microbiologicamente seguras para o consumo e tem baixa probabilidade de deterioração.

  • Conectando Conhecimento – Nº5

    O livro intitulado como “Descomplicando a Análise Sensorial: Grãos e Derivados”, foi publicado em agosto de 2021 e neste e-book você encontrará todas as ferramentas necessárias para a análise sensorial de grãos e derivados.

    A análise sensorial é uma ciência de relevante importância no setor de alimentos, permitindo correlacionar padrões de tecnologia de processamento, controle de qualidade e desenvolvimentos de novos produtos, com as impressões que o produto causa no consumidor.

    Conhecer os cereais, pseudocereais e plant based e entender as alterações sensoriais oriundas de diferentes processamentos ou condições de armazenamento é de fundamental importância. Aliado a isto, estabelecer uma relação para entender os anseios sensoriais dos consumidores se torna cada vez mais importante para ampliar o mercado consumidor. É importante destacar que a qualidade sensorial de um produto e a manutenção da mesma é imprescindível para a aceitação e a fidelização do consumidor em um mercado cada vez mais competitivo. Cereais, pseudocereais, plant based e seus derivados, já presentes na alimentação cotidiana de muitos, apresentam atributos próprios específicos exigidos pelos consumidores no momento da compra e consumo. Devido a necessidade de estabelecer padrões de qualidade sensorial de um produto, entender o anseio dos consumidores e estabelecer uma relação entre o estilo de consumo de cada população, surgiu a necessidade da criação deste livro com cunho teórico-prático, com intuito de abordar os métodos sensoriais mais adequados para análise sensorial em cereais, pseudocereais e plant based. Explanar de forma clara e objetiva os principais pontos de cada teste sensorial a ser aplicado, entender como tabular e interpretar os dados de forma correta, as formas mais corretas de preparo de amostra e de como realizar o treinamento de uma equipe serão abordados neste livro.

    Este livro de análise sensorial é destinado a discentes e profissionais da área de alimentos e agronômica, que buscam grãos com melhor qualidade tecnológica, nutricional e sensorial.

    Link para acesso ao e-book: https://bit.ly/3jdqbTO

  • Conectando Conhecimento – Nº4

    Efeito do covid-19 nos sentidos sensoriais

    No final do ano de 2019 um vírus de potencial pandêmico foi anunciado e posteriormente no ano de 2020 declarado causador da doença COVID-19, altamente transmissível e que acabou trazendo consequência aos mais diversos nichos da sociedade. O que seria apenas um resfriado, transmitido por contato com perdigotos de um indivíduo infectado, em pouco tempo pode evoluir para a síndrome respiratória aguda grave e sendo fatal em muitos casos. A peculiaridade deste coronavírus é que causa perda da gustação e olfato, sintomas cientificamente conhecidos como ageusia e anosmia, mas sem apresentar coriza, sintoma característico de gripes e resfriados causados por coronavírus. Neste sentido a anosmia e ageusia foram declarados sintomas de COVID-19 na metade de 2020. Se tratando de análise sensorial, a anosmia e ageusia preocupam, pois, a recuperação é ainda uma incógnita e são sentidos essenciais a esta ciência. Muitas pessoas ao contrair COVID-19 não apresentam anosmia e ageusia, outras ficam durante meses sem sentir ou apresentando disgeusia que é a distorção do paladar. O estímulo do odor começa pela cavidade nasal, moléculas voláteis que produzem o odor são sentidas pelo sistema olfativo. Os aromas dos alimentos são sentidos na região nasofaringea, parte posterior do nariz, onde se conecta com a faringe até o epitélio olfativo (Palermo 2015; Dutcosky 2019). Os receptores do olfato correspondem a neurônios com evaginação que se encontram na mucosa olfativa. A percepção de aroma ou odor se dá quando o axônio, parte da célula nervosa, transmite o estímulo através da lâmina crivosa (estrutura onde diversos conjuntos de nervos passam e formam o nervo olfativo) para as sinapses nos bulbos olfativos, diferenciando os odores. Ao captar um odor ou aroma as células receptoras enviam impulsos elétricos para o bulbo olfativo, sendo capaz de despertar a memória olfativa. Esse fenômeno fisiológico pode ser justificado pelas curtas conexões do bulbo olfativo, que se ligam ao cérebro, onde se conecta ao sistema límbico, responsável pelas emoções (Dutcosky 2019). Em relação ao enfermo de COVID-19 a anosmia e ageusia podem ser explicadas pela disseminação do vírus e comprometimento do nervo olfatório, ocasionando também dor de cabeça, provocada pela invasão do COVID-19 no sistema nervoso central (Rocha-Filho and Magalhães 2020; Lee et al, 2020). O comprometimento da gustação e olfação pode estar relacionada a forma que o vírus entra no organismo, ou seja, pela boca e nariz e se replica na mucosa orofaríngea e epitélio do sistema respiratório. Em estudos com camundongos a disseminação do SARS-CoV-2 se dá pelo bulbo olfatório onde chega ao neurônio olfativo e áreas interligadas ao sistema nervoso. A angiotensina 2 (ACE2) é uma proteína que tem função vasodilatadora no organismo humano, cujo principal receptor se torna também receptor do SARS-CoV-2 para a entrada nas células (NCBI  2021). Tais fatos reforçam a hipótese de que a angiotensina pode facilitar o acesso do COVID-19 no organismo (Lee et al, 2020). Outra hipótese da causa de anosmia por COVID-19 é que o vírus ataca as células que circundam os neurônios olfativos, que por sua vez não produzem a ACE2. As células que estruturam os neurônios olfativos podem desencadear um processo inflamatório no sistema imune e essa inflamação acaba por bloquear os sinais do sistema olfativo, ocasionando a anosmia. Essa resposta inflamatória causada pelo COVID-19 pode resultar em danos às células tronco olfativas que fazem a substituição das células danificadas, justificando o porquê de muitas pessoas terem anosmia durante meses (Brann et al. 2020). Como dito anteriormente, a recuperação da olfação e gustação após infecção por COVID-19 pode ser lenta e dependente de indivíduo para individuo; sendo assim necessário estímulos diários para recuperação das conexões das células do bulbo olfatório até o cérebro. Dispor de produtos com aromas marcantes (canela, mentol, florais, limão) em recipientes sem identificação (teste cego) e pedir que a pessoa com anosmia e ageusia identifique, pode ser uma alternativa para a recuperação dos sentidos, assim como observar alimentos e lembrar dos seus aromas e sabores, auxiliando no exercício da memória olfativa.  Um treinamento caseiro como estes pode ser realizado de 1 ou 2 vezes por dia e observar a evolução ao conseguir identificar os cheiros.

  • Conectando Conhecimento – Nº3

    O trabalho intitulado como “Efeito da temperatura na germinação induzida sobre as propriedades tecnológicas e sensoriais de arroz integral” foi publicado no SIMEALI – IV Simpósio de Engenharia de Alimentos (UFMG) e este foi considerado como relevância acadêmica na área de Controle de qualidade: análise sensorial, química de alimentos e análise de alimentos.

    A germinação é utilizada para melhorar a qualidade nutricional através de mudanças que ocorrem internamente no grão. Para isso, alguns fatores são cruciais para acontecerem essas mudanças, como: elevada atividade de água, temperatura ideal para cada cultivar e ausência de danos na estrutura causados por insetos. Entretanto, a germinação também propicia alterações em algumas propriedades, podendo não serem desejáveis para o grão. Desta forma, objetivou-se com este estudo avaliar o efeito da germinação induzida de cultivares de arroz em temperaturas diferentes, bem como avaliar os seus efeitos sobre as propriedades tecnológicas e sensoriais dos grãos de arroz. As cultivares IRGA 430 e Titan CL foram submetidas ao processo de germinação durante 24 horas, havendo variações na temperatura (25 ºC e 30 ºC). Estes foram submetidos à análise de cocção, perfil texturométrico e avaliados sensorialmente através do teste de dominância temporal de sensações.  As cultivares que passaram pelo processo de germinação obtiveram os menores tempos de cocção, sendo 19,2min para a cultivar Titan CL com 25 ºC de germinação. A amostra mencionada também obteve o maior valor para o parâmetro dureza, no perfil texturométrico, visto que a germinação aumenta a resistência ao esmagamento no processo de mastigação do arroz. Resultado esse encontrado no teste sensorial, visto que a sensação “firme” foi a dominante para a amostra. Já na IRGA 430 com germinação a temperatura de 25 ºC, a sensação dominante foi “macio”. Diferenças na composição podem ser atribuídas ao processo de germinação, além da cultivar ser um fator que pode interferir nessas variações.

  • Conectando Conhecimento – Nº2

    O trabalho intitulado como “Caracterização de açúcares por diferentes métodos em produtos da cana-de-açúcar da região sul do Brasil” foi publicado no 11º Simpósio de Alimentos que aconteceu neste ano de 2021.

    A cana-de-açúcar (Saccharumofficinarum L.) é industrialmente utilizada para a produção de açúcar e álcool, sendo o Brasil o maior produtor mundial (EMBRAPA, 2016). Dentre os açúcares, os mais utilizados são o açúcar refinado, cristal, demerara, mascavo, dentre outros. No Brasil, o Regulamento Técnico do açúcar do MAPA apresenta valores referências para os parâmetros dos açúcares produzidos em nível industrial, destinados à alimentação, definindo o seu padrão oficial de classificação, com os requisitos de identidade e qualidade (MAPA, 2018). O açúcar refinado, também citado como açúcar de mesa ou branco, é o produto extraído da cana-de-açúcar e concentrado até 99,9% de sacarose (SEGUÍ et al., 2015). O açúcar cristal é apresentado na forma de cristais grandes e transparentes, para dissolvê-los em água é mais difícil que os demais. Açúcar demerara é um produto de cor escura, que não passa pela etapa de centrifugação ou turbinagem, onde os cristais contêm melaço e mel residual da própria cana-de-açúcar. A rapadura é definida como produto sólido obtido pela concentração a quente do caldo de cana (Saccharumofficinarum L.) podendo ser adicionado de outros ingredientes desde que não descaracterizem o produto (ANVISA, 2005). O açúcar mascavo é o açúcar bruto do caldo de cana. É composto por sacarose (principalmente), glicose, frutose e demais componentes do caldo. Obtido na temperatura de 120 a 125 °C, atingindo a concentração de 90° a 95° Brix. Objetivou-se caracterizar açúcares por diferentes métodos de avaliação pela determinação de sólidos solúveis totais (°Brix) por refratometria, açúcares totais e redutores por titulação, e por último, açúcares individuais (glicose, frutose e sacarose) por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência em produtos da cana-de-açúcar.

    No processamento dos açúcares a medida dos redutores é importante, pois quanto maior a porcentagem de redutores maior é a tendência de defeitos. Pode-se observar variação nos teores de açúcares totais, redutores e ao avaliar individualmente o teor de glicose, frutose e sacarose, pois os resultados dependem do método utilizado. Por refratometria obteve-se a medida de todos os sólidos solúveis totais, incluindo açúcares e não açúcares, não sendo um método específico, no entanto para amostras mais puras é uma medida mais próxima do teor de sacarose. Por titulação não foi possível quantificar os açúcares redutores nas amostras de refinado, cristal e demerara, devido a maior pureza em termos de sacarose não redutor. Por HPLC foi possível avaliar os açúcares individuais, sendo um método mais específico, em geral os teores de sacarose foram concordantes com a literatura e a legislação.