Início do conteúdo
Ingresso 2014/1

Daiana Rezende Machado

  • Orientador: Dr. Flávio Roberto Mello Garcia
  • Coorientadora: Drª. Adrise Medeiros Nunes
  • Projeto de Pesquisa: Bionomia de Anastrepha fraterculus (Wied., 1830) (Diptera: Tephritidae) em manga (Mangifera indica L.) e eficiência do óleo de nim como repelente
  • Resumo: O Brasil apresenta uma grande diversidade de moscas-das-frutas, sendo o gênero Anastrepha o mais expressivo, com 115 espécies presentes no país. Entre as espécies, Anastrepha fraterculus (Wiedemann, 1830) e Ceratitis capitata (Wiedemann, 1824) são consideradas as principais pragas, devido a grande importância econômica. Os danos causados pelas moscas-das-frutas ocorrem devido à oviposição e o desenvolvimento das larvas no interior dos frutos. O manejo tem sido feito por meio de iscas tóxicas compostas de proteína hidrolisada associada a um inseticida e também pelo uso de produtos químicos aplicados em cobertura. No entanto, diante das exigências do mercado consumidor, novas alternativas de controle estão sendo estudadas. Estudos básicos sobre a biologia das espécies neotropicais de moscas-das-frutas são de extrema importância para a compreensão das estratégias de controle e ciclo de vida dessas espécies. Desta forma o trabalho teve como objetivo avaliar os aspectos biológicos de A. fraterculus em frutos de manga (Mangifera indica L.) e avaliar a eficiência do óleo de nim como repelente em frutos de pêssego [Prunus persicae (L.)]. Os experimentos foram realizados no Laboratório de Ecologia de Insetos pertencente a UFPel em condições controladas de temperatura (25+2ºC), umidade relativa (70+10%) e fotofase (12 horas). Para o estudo da biologia de A. fraterculus em dieta natural, foram utilizados frutos de manga, os insetos foram provenientes da criação mantida no laboratório. Foram utilizadas 10 gaiolas polietileno (50 x 40 x 40cm), sendo que em cada uma foram colocados 30 casais com idade de 15 dias, e uma manga por um período de 24 horas. Para os ensaios relacionados à utilização do óleo de nim foi avaliada a repelência/preferência de oviposição de A. fraterculus em frutos de pessegueiro tratados com solução aquosa de óleo de nim (Azadiractina A/B 12g/L), na concentração de 1%, através de imersão dos frutos, em testes de livre escolha. Concluiu-se que a mosca‑das‑frutas sul‑americana completa o ciclo biológico em frutos de manga, sendo este um bom hospedeiro para esta espécie. Azamax® (azadiractina A/B 12g/L), na concentração de 1% possui ação de repelência para oviposição de A. fraterculus.
  • Palavras-chave: Biologia, Controle, Mosca-das-frutas sul-americana.
  • Download (PDF)

Flávia do Sacramento

  • Orientador: Dr. Uemerson Silva da Cunha
  • Coorientadores: Dr. Flávio Roberto Mello Garcia e Dr. Sandro Bonow
  • Projeto de Pesquisa: Caracterização de genótipos de morangueiro quanto à resistência à Tetranychus urticae Koch (Acari: Tetranychidae)
  • Resumo: O ácaro-rajado Tetranychus urticae (Acari: Tetranychidae) é considerado a principal praga da cultura do morangueiro e têm seu controle dificultado pela baixa eficiência dos produtos empregados, populações resistentes a acaricidas e ao alto potencial reprodutivo dessa praga. Sendo assim, o uso de plantas resistentes é considerado uma alternativa ideal de controle, uma vez que permite a manutenção da praga em níveis inferiores aos de dano econômico, minimizando o impacto ambiental do uso de acaricidas e diminuindo os custos de produção. Deste modo, objetivou-se determinar a reação de genótipos de morangueiro à infestação de ácaro-rajado, principal praga da cultura. Para tanto, foi avaliado o desenvolvimento do ácaro em experimento de biologia, teste de não-preferência para alimentação e oviposição com chance de escolha em laboratório e teste de tolerância em casa-de-vegetação. Para ambos os experimentos os genótipos de morangueiro demonstraram influencia no desenvolvimento e na não-preferência para alimentação e oviposição do ácaro- rajado, assim como tolerância a esta praga. Portanto, dentre os genótipos avaliados, alguns expressaram resistência ao ácaro-rajado, “Santa Clara” antibiose, “Burkley” e “Festival” antixenose e “Vila Nova” e “Campinas” tolerância.
  • Palavras-chave: ácaro-rajado, antibiose, antixenose, tolerância.
  • Download (PDF)

Franciele Casarin Maciel

  • Orientador: Dr. Flávio Roberto Mello Garcia
  • Coorientadora: Drª. Adrise Medeiros Nunes
  • Projeto de Pesquisa: Ação de óleos essenciais de Syzygium aromaticum e Thymus vulgaris sobre Sitophilus zeamais e Tribolium castaneum em laboratório
  • Resumo: Os grãos armazenados estão sujeitos ao ataque de pragas dentre as quais destacam-se os insetos. Estes, por sua vez causam danos irreversíveis aos grãos, pois influenciam de maneira negativa na qualidade, no consumo do produto final e depreciação comercial. O controle destas pragas em armazéns é realizado geralmente através de inseticidas sintéticos. No entanto, hoje há uma busca por controles alternativos, como o uso de óleos essenciais. Desta forma, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência dos óleos essenciais de Syzygium aromaticum (cravo-da-india) e Thymus vulgaris (tomilho) no controle de Sitophilus zeamais e Tribolium castaneum. Nos experimentos utilizando S. zeamais placas de Petri, contendo 20 gramas de grãos de milho íntegros, foram pulverizadas com soluções contendo óleo essencial de cravo-da-índia, como também em ensaios separados utilizando óleo essencial de tomilho nas concentrações de: 0,25; 0,5; 0,75; 1,25; 2,5; 5; 10 e 20%, um tratamento com Tween® 20 a 0,5% e testemunha tratada com água destilada, nos ensaios com T. castaneum em vez de grãos de milho foi utilizado papel filtro forrando o fundo das placas, sendo realizada quatro repetições para cada tratamento e dez insetos em cada placa, não sexados com idades de 15 a 20 dias. Logo após, as placas foram acondicionadas em câmara climatizada com temperatura, umidade e fotofase controladas sendo observadas na 1ª, 2ª, 3ª, 12, 24, 48, 72 e 96 h após o início da aplicação. Os resultados para S. zeamais mostraram que logo após às 24 h de tratamento o óleo de cravo-da-índia na concentração de 20% foi eficiente 100% no controle dos insetos e nos tratamentos com óleo de tomilho na concentração de 20% após 72 h foi eficiente 100% assim como, na concentração de 10% após 96 h de tratamento. A concentração letal média (CL50) de óleo para causar a mortalidade de 50% dos insetos corresponde a 69,56 μL mL-1 do óleo de cravo-da-índia e 88,0 μL mL-1 de óleo de tomilho. Para T. castaneum o óleo de cravo-da-índia teve eficiência de 100% após a 2ª h de tratamento na concentração de 20% e com mesma eficiência após 48 h a 10% do respectivo óleo essencial. O óleo de tomilho foi eficiente 100% após a 3ª h de tratamento na concentração de 20% de óleo. A CL50 do óleo para causar a mortalidade de 50% dos insetos corresponde a 37,44 μL mL-1 de óleo de cravo-da-índia e 51,67 μL mL-1 para o óleo de tomilho. Portanto, os óleos essenciais são promissores como uma ferramenta alternativa no controle de insetos-praga em grãos armazenados.
  • Palavras-chave: insetos-praga; inseticidas botânicos; método alternativo
  • Download (PDF)

Giovani Smaniotto

  • Orientador: Dr. Dori Edson Nava
  • Coorientadores: Drª. Ana Paula Schneid Afonso da Rosa e Drª. Gabriela Inés Diez-Rodríguez
  • Projeto de Pesquisa: Variabilidade de parâmetros biológicos e genéticos de Cotesia flavipes (Cameron, 1891) (Hymenoptera: Braconidae) no Brasil
  • Resumo: A cultura da cana-de-açúcar tem grande importância socioeconômica para o Brasil, uma vez que é fonte de matéria prima para a fabricação de açúcar e etanol. Dentre os principais problemas, destaca-se a ocorrência de Diatraea saccharalis (Fabricius, 1794) (Lepidoptera: Crambidae) que tem demandado medidas de controle, principalmente com o endoparasitoide Cotesia flavipes (Cameron, 1891) (Hymenoptera: Braconidae). Estima-se que a área de cana-de-açúcar tratada com liberação de C. flavipes seja de três milhões de hectares, mas há dúvidas sobre a sua eficiência. Estudos de variabilidade em populações de parasitoides são importantes, uma vez que quanto maior a variabilidade maior será a possibilidade de selecionar linhagens para serem utilizadas no manejo. Assim, a avalição dos parâmetros biológicos de
    populações e o uso da biologia molecular poderão auxiliar na determinação da variabilidade das populações de parasitoides. O trabalho teve como objetivo conhecer a variabilidade de populações de C. flavipes em diferentes temperaturas, avaliando-se parâmetros biológicos e usando a técnica de reações em cadeia da polimerase (PCR). Para a avaliação dos parâmetros biológicos foram utilizadas cinco populações de C. flavipes, coletadas no Paraná (PR), Minas Gerais (MG), Alagoas (AL) e duas populações de São
    Paulo (SPI e SPII). As temperaturas utilizadas foram de 10, 15, 18, 20, 22, 25, 30 e 32ºC, sendo a umidade relativa do ar de 70±10% e fotofase de 12 horas. Para avaliar a variabilidade com PCR, além das populações utilizadas para a determinação dos parâmetros biológicos foram acrescidas as populações de
    Goiás (GO) Pernambuco (PE) da Paraíba (PB). Para tanto as amostras de C. flavipes foram preservadas em álcool 95% e mantidas a -20ºC. O DNA genômico foi extraído do inseto segundo protocolo Dneasy Blood & Tissue (Qiagen, Valencia, CA, EUA). Os genes avaliados foram mt 16S rDNA e n28S rDNA. As análises de PCR foram realizadas em termociclador Eppendorf Mastercycler Gradient. Determinou-se que a duração do período ovo-adulto foi inversamente proporcional à temperatura na faixa térmica de 18 a 30ºC. Nas
    temperaturas de 10, 15 e 32ºC não ocorreu desenvolvimento. A maior porcentagem de insetos emergidos ocorreu na faixa de temperatura de 25ºC (valores) a 28ºC, para todas as populações. Outro parâmetro que sofreu influencia da temperatura foi a razão sexual. O limiar térmico inferior de desenvolvimento ou temperatura base (Tb) para o período ovo-adulto variou de 9,73 e 11,15ºC, para as populações de SPII e MG, respectivamente, enquanto a constate térmica variou de 273,97 a 301,2 graus dias para as populações de SPII e MG, respectivamente. As oito populações que tiveram os genes avaliados formaram três grupos distintos. Por tanto, as populações de C. flavipes avaliadas apresentaram variabilidade nos parâmetros biológicos quando expostas a diferentes temperaturas, sendo comprovado também quando foi avaliado os genes das diferentes populações.
  • Palavras-chave: Controle biológico, Temperatura, Diatraea saccharalis, PCR, DNA genômico
  • Download (PDF)

Helena Iris Leite de Lima Silva

  • Orientador: Dr. Rodrigo Ferreira Krüger
  • Coorientador:
  • Projeto de Pesquisa: Tabanidae (Diptera) da Planície Costeira do Rio Grande do Sul
  • Resumo: A Planície Costeira vem sofrendo forte pressão antrópica, consequência da especulação imobiliária e agricultura, colocando em risco a fauna existente na região. O estudo taxonômico dos tabanídeos para o estado do Rio Grande do Sul ainda é incipiente, visto os poucos trabalhos realizados com esse objetivo para o estado. Visando contribuir para o aumento deste conhecimento, o presente estudo teve como objetivo fornecer uma lista de espécies de Tabanidae para a Planície Costeira do Rio Grande do Sul, bem como redescrições e ilustrações para as espécies identificadas. Para isso, 140 armadilhas Malaise foram instaladas, distribuídas em 35 áreas da Planície Costeira. Como resultado, foram coletados 3.682 exemplares, distribuídas em 24 espécies e uma variedade, onde três são novos registros para o estado e dez espécies tiveram ocorrência exclusiva dentro de Unidades de Conservação. Foram também realizadas redescrições e ilustrações das espécies identificadas, destas sete não tinham suas terminálias descritas e ilustradas.
  • Palavras-chave: Pampa; Mata Atlântida; tabanídeos; Tabaninae; Chrysopsinae; Pangoniinae.
  • Download (PDF)

Lauren Medina Barcelos

  • Orientadora: Drª. Ana Paula Schneid Afonso da Rosa
  • Coorientadora: Drª. Beatriz Marti Emygdio
  • Projeto de Pesquisa: Biologia de Spodoptera frugiperda, Helicoverpa armigera e Diatraea
    saccharalis em sorgo sacarino
  • Resumo: O sorgo sacarino tem sido motivo de investigação como fonte complementar de matéria-prima para a produção de etanol, principalmente na época de entressafra da cana-de-açúcar, no entanto, tem-se mostrado sensível ao ataque de insetos durante o ciclo de cultivo. Nesse sentido destacam-se as lagartas desfolhadoras e a broca do colmo, pela voracidade e elevado potencial de dano, devido à redução da área fotossintética decorrente da alimentação. Este trabalho teve como objetivo estudar a biologia, estabelecer a tabela de vida, testar a preferência e determinar os índices nutricionais de Spodoptera frugiperda, Helicoverpa armigera e Diatraea saccharalis em sorgo sacarino. Para todos os experimentos foram utilizados os cultivares de sorgo sacarino BRS 506, BRS 509 e BRS 511. Foram determinadas a duração e sobrevivência das fases de ovo, lagarta, pré-pupa e pupa, peso de pupas e lagartas, longevidade, fecundidade e período de pré-oviposição. Apesar de S. frugiperda ter conseguido completar o ciclo nos cultivares BRS 506 e BRS 511 foi baixa a oviposição e viabilidade dos ovos, sendo que no BRS 509 os insetos não ovipositaram. As lagartas de H. armigera quando alimentas com os cultivares de sorgo tiveram duração inferior a 10 dias com 100% de mortalidade. D. saccharalis completou o ciclo biológico em todos os tratamentos, mas quando alimentada com extrato seco de BRS 509 obteve uma taxa líquida de reprodução, capacidade de aumentar em número e razão finita de aumento superior aos demais materiais de sorgo. No teste de preferência alimentar S. frugiperda mostrou-se atraída pelos cultivares BRS 506 e 509, a média nos três cultivares para as lagartas de H. armigera foi muito baixa, já para lagartas de D. saccharalis, houve uma preferência de 37% pelo cultivar BRS 506, esses resultados indicam variação interespecífica. O consumo de alimento por S. frugiperda evidenciou que não houve diferença significativa entre os cultivares de sorgo. Os resultados sugerem que sorgo sacarino não é um bom hospedeiro para as espécies S. frugiperda e H. armigera, já quando incorporado à dieta artificial demonstra-se favorável ao desenvolvimento de D. saccharalis. Baseado nesses dados biológicos recomenda-se para um sistema de produção de grãos os três cultivares de sorgo sacarino, pois havendo ocorrência de S. frugiperda e H. armigera não haverá uma nova prole, por outro lado não é recomendado esses cultivares quando houver a presença de lagartas de D. saccharalis, já que apresentam bom desenvolvimento ao se alimentar com extrato seco de sorgo incorporado a dieta artificial.
  • Palavras-chave: Broca-do-colmo, Índices nutricionais, Lagartas desfolhadoras
  • Download (PDF)

Manoel Daltro Nunes Garcia Junior

  • Orientador: Dr. Anderson Dionei Grützmacher
  • Coorientador: Dr. Flávio Roberto Mello Garcia
  • Projeto de Pesquisa: Diversidade de Odonata na região sul do Rio Grande do Sul, Brasil
  • Resumo: Mundialmente ocorre uma crescente perda da biodiversidade. São inúmeros os fatores causadores da diminuição do número de espécies existentes, entre estes, as ações antrópicas desempenham um papel catalizador no declínio da diversidade. O conhecimento da fauna brasileira é pouco explorado em alguns de seus biomas, entre eles o Bioma Pampa, localizado na porção mais austral do Brasil. Inventariamentos realizados em escala regional são importantes, pois fornecem informações sobre a diversidade local. Desta forma, estudos que visaram o levantamento da diversidade de insetos da ordem Odonata na região sul do Rio Grande do Sul foram desenvolvidos, a fim de se conhecer a composição faunística da região. O objetivo deste trabalho foi incrementar o conhecimento da diversidade de Odonata no estado do Rio Grande do Sul. As coletas de libélulas foram realizadas nos municípios de Capão do Leão, Pelotas e Rio Grande, ocorrendo entre os meses de novembro de 2014 e outubro de 2015, os dados obtidos durante o período resultaram na construção de dois artigos científicos. O primeiro apresenta os resultados do levantamento da diversidade de odonatas na região sul do estado, onde foram coletados um total de 2680 exemplares, representando 45 espécies distribuídas em seis famílias. As famílias Libellulidae e Coenagrionidae foram as mais dominantes, com respectivamente 60% e 30% dos espécimes amostrados. O trabalho ainda resultou em cinco novos registros de espécies para o estado: Progomphus complicatus Selys, 1854, Lestes minutus Selys, 1862, Homeoura ambigua Ris, 1904, Erythemis vesiculosa Fabricius, 1775 e Tauriphila xiphea Ris, 1913. O segundo artigo desta dissertação apresenta a lista de espécies de Odonata parasitadas por ácaros Arrenurus sp. Dugès, 1834 para o estado do Rio Grande do Sul. Neste trabalho foram coletadas 623 libélulas, destas 63 exemplares continham ácaros aderidos ao corpo. A subordem Anisoptera, apresentou o maior número de espécies parasitas, sendo a espécie Miathyria marcella Selys in Sagra, 1857 a mais infectada com um total de 23 indivíduos. O estudo também amplia a lista de espécies de libélulas atacadas por estes ácaros no Brasil, sendo adicionados cinco novos registros de espécies à lista Homeoura chelifera Selys, 1876, Diastatops intensa Montgomery, 1940, Erythrodiplax fusca Rambur, 1842, Pantala flavescens Fabricius, 1798 e Tauriphila xiphea Ris, 1913. Os resultados apresentados no presente estudo foram obtidos a partir de coletas realizadas em uma pequena parcela da região sul do estado, demostrando que a Odonata fauna do Rio Grande do Sul ainda é pouco conhecida, necessitando de maiores estudos que contemplem este grupo.
  • Palavras-chave: Libélulas, insecta, índices faunísticos, bioma pampa
  • Download (PDF)

Paulino Siqueira Ribeiro

  • Orientadora: Drª. Élvia Elena Silveira Vianna
  • Coorientadora: Drª. Patrícia Jacqueline Thyssen
  • Projeto de Pesquisa: Inventariamento, Riqueza e Abundância de Culicinae (Diptera) em Diferentes Ambientes na Planície Costeira do Rio Grande do Sul
  • Resumo: Os mosquitos (Diptera, Culicidae) são os insetos que mais têm atraído atenção à saúde pública. As pesquisas da fauna culicidológica no Estado do Rio Grande do Sul ainda são escassas e merecem atenção devido a sua localização geográfica e proximidade com países como Argentina e Uruguai, podendo indicar a existência de fauna compartilhada e aumentar a potencialidade de transmissão de arbovírus e agentes patogênicos. Desta forma, o objetivo deste estudo é contribuir no inventariamento de espécies de Culicidae das tribos Aedini, Sabethini, Mansoniini e Aedeomyini da Planície Costeira do Rio Grande do Sul, verificando entre elas aspectos ecológicos relacionados à abundância, riqueza e dominância nas áreas amostradas. As coletas de culicídeos foram realizadas no período de Ago/2014 a Mai/2015 em Pelotas (31°45’55.44″S 52°20’15.32″O), Rio Grande (32°17’59.59″S 52°26’47.57″O) e São Lourenço do Sul (31°21’46.26″S 51°58’54.48″O), sendo estabelecidas três áreas ecológicas: rural, urbana e mata. Adotou-se como método de captura, armadilha luminosa CDC/HP (Center for Desease Control) e como método complementar aspirador elétrico manual. A identificação das espécies foi baseada na morfologia externa das fêmeas e nas genitálias dos machos de Culicidae utilizando as chaves dicotômicas especializadas. Foram coletados 9.133 espécimes, destes, 8.239
    do município de Pelotas, 797 de Rio Grande e 97 de São Lourenço do Sul. Foram identificadas 14 espécies, correspondentes a Aedes aff. crinifer; Aedes sp., Psorophora confinnis, Psorophora cilipes, Sabethini sp., Isostomyia lunata/paranensis, Mansonia iguassuensis, Mansonia titillans, Mansonia pseudotitillans, Mansonia sp., Coquillettidia albicosta, Coquillettidia albifera, Coquillettidia shannoni e Aedeomyia squamipennis. As áreas rurais apresentaram a maior frequência de espécimes (71,19%) quando comparadas com as áreas urbanas (0,28%) e áreas de mata (28,52%). Considerando os índices ecológicos, Pelotas apresentou a maior diversidade. De acordo com os índices de riqueza de Jackknife, Pelotas foi o único município que apresentou riqueza observada igual àquela esperada. Dentre as variáveis climáticas, a temperatura foi o fator com maior correlação na riqueza e na abundância de culicídeos. Registra-se pela primeira vez para o Estado a ocorrência de Mansonia iguassuensis, Isostomyia lunata/paranensis, a confirmação específica de Coquillettidia albifera e amplia-se o registro de ocorrência de Aedeomyia squamipennis para a Planície Costeira do Rio Grande do Sul. Espera-se suscitar interesse de continuidade em estudos futuros.
  • Palavras-chave: mosquito; levantamento; taxonomia; diversidade; Brasil.
  • Download (PDF)