MIDIARS na 10th International Conference on Social Media and Society

Felipe Soares, integrante do grupo, esteve em julho no Canadá, onde apresentou um dos trabalhos desenvolvidos pelo grupo na  10th International Conference on Social Media & Society aconteceu entre 19 e 21 de julho na Ryerson University em Toronto.  O evento foi uma ótima oportunidade para receber feedback sobre a pesquisa, além de conhecer o trabalho de outros pesquisadores de diversos lugares do mundo e os projetos desenvolvidos pelo Social Media Lab, grupo parceiro do Midiars.

O artigo “Asymmetric Polarization on Twitter and the 2018 Brazilian Presidential Elections” (Polarização assimétrica no Twitter e as eleições presidenciais brasileiras de 2018) buscou compreender as dinâmicas de polarização em conversações no Twitter durante as eleições presidenciais do último ano. Foram analisadas as interações de quase 3 milhões de tweets, divididos em quatro datasets. No trabalho, os pesquisadores  identificaram dois grupos principais nas conversações analisadas, um bastante centrado em Jair Bolsonaro (que chamamos de pró-Bolsonaro) e outro composto pelo resto da rede, que compartilhava um sentimento contrário a Bolsonaro (e, por isso, chamamos de anti-Bolsonaro). Os resultados apontam  mostram que o grupo anti-Bolsonaro deu maior visibilidade a veículos de mídia e teve um consumo mais variado deles, incluindo veículos jornalísticos tradicionais do Brasil e até mesmo veículos estrangeiros. Já o grupo pró-Bolsonaro deu pouca visibilidade a veículos de mídia, tendo preferência por veículos que claramente apoiaram o candidato durante a campanha. Este tipo de comportamento representa o conceito de polarização assimétrica, cunhado por pesquisadores da Universidade de Harvard. A ideia de polarização assimétrica se aplica quando há dois grupos antagônicos em uma conversação política em mídias sociais, mas um deles possui comportamento mais radicalizado, limitando o acesso a veículos jornalísticos tradicionais e dando preferência a veículos hiper-partidários.

MIDIARS apresenta pesquisa no INTERCOM SUL 2019

Nesta última semana, as bolsistas de graduação do MIDIARS, Lisandra Miranda e Camila Santos participaram do Intercom Júnior, evento de pesquisa da graduação do INTERCOM SUL 2019, que aconteceu na UNIRITTER, em Porto Alegre. As  pesquisadoras tiveram o trabalho “Análise das conversações no Twitter a partir de notícias dos jornais brasileiros sobre a violência contra a mulher” aceito para o evento.  A seguir, um pequeno resumo da pesquisa que foi apresentada, feito pela Lisandra.

O artigo focou na violência contra a mulher e a maneira que os jornais brasileiros por meio de suas notícias relatam esse tipo de violência. O objetivo foi analisar a conversação dos usuários a partir das notícias postadas no Twitter dos jornais brasileiros sobre a violência contra a mulher. Como objetos da pesquisa foram destacados dois casos de 2018 no Brasil de feminicídio, sendo eles o caso de Stéfane Gomes, morta a facadas pelo companheiro no Rio Grande do Sul, e Tatiane Spitzner, agredida e atirada do quarto andar do prédio onde morava pelo marido no Paraná. Sendo esses casos relacionados aos conceitos de autores como Foucault (1960), Bourdieu (1999) e Žižek (2009), sobre discurso e violência simbólica. 

As metodologias empregadas foram de análise de co-ocorrência, que tem objetivo de identificar os termos que mais ocorreram nas respostas e suas conexões como os outros, e a análise de conteúdo das conversações, que permite a classificação dos sentidos dos dados obtendo os significados deles. Sendo métodos de análise escolhidos para evidenciarmos a violência simbólica dentro das conversações dos usuários a partir desses casos de feminicídio.

Os resultados obtidos apontam para o desfoque da conversa dos casos de feminicídio. Em que, temos o apagamento das vítimas nas conversações, como no caso de Spitzner os jornais e a conversão a mostraram somente como a advogada e o mesmo acontece com Gomes, que tem seu nome substituído pelo substantivo jovem. Também, os usuários saem do foco de discutir sobre os casos de feminicídio e focam em discussões paralelas, como porte de arma e pena necessária para cada um dos homens dos casos. 

Dessa forma, foi evidenciada a presença da violência simbólica dentro da conversação dos usuários em relação os casos de feminicídio de Stéfane Gomes e Tatiane Spitzner a partir de notícias sobre esses atos de violências contra a mulher. 

A manifestação no Twitter sobre #DitaduraNuncaMais

Por Felipe Soares

Por meio do porta-voz da presidência, Jair Bolsonaro (PSL) determinou ao Ministério da Defesa que faça as “comemorações devidas” no dia 31 de março pelos 55 anos do golpe que iniciou a ditadura militar brasileira em 1964. No Twitter, diversas manifestações utilizaram #DitaduraNuncaMais como forma de protesto ao posicionamento de Bolsonaro, assim a hashtag esteve entre os trending topics durante o dia 26 de março – um dia após a declaração de Bolsonaro. Foram coletados tweets que utilizaram a hashtag até o meio dia de 26 de março para observar as características das manifestações a partir de um recorte da rede. Abaixo está a representação da conversação no Twitter a partir deste recorte, com destaque para os usuários que receberam mais RT em suas mensagens nos dados coletados.

A rede de conversação sobre #DitaduraNuncaMais tem como característica o alto número de RT. A grau médio da rede é 3,194 e os 11.668 nós realizam 18.631 conexões, o que indica que muitos dos usuários aparecem apenas retuitando mensagens de outros. Isto também é visível na representação da rede, já que mesmo em um núcleo central com mensagens que produzem um discurso bastante homogêneo, é possível identificar diversos módulos, todos com um ou poucos usuários de grande destaque – como Marcelo Freixo no módulo verde e Igor Julião no módulo dourado. Esta característica indica que muitos usuários compartilhavam mensagens de apenas um dos “influenciadores” com maior visibilidade da rede, formando como que “caudas” nos pequenos módulos. Já aqueles que fazem parte do centro do núcleo foram os que compartilharam mensagens de mais de um usuário dentre os “líderes de opinião”.

O conteúdo das mensagens com maior visibilidade na conversação é bastante homogêneo. De modo geral, a rede tem posicionamento político bastante vinculado a tendências de esquerda. Dentre os usuários com maior grau de entrada, ou seja, os que receberam mais RT e menções, quatro são políticos do PSOL: Marcelo Freixo, maior grau de entrada da rede, David Miranda, segundo maior, Talíria Petrone e Sâmia Bomfim. As mensagens destes usuários são bastante críticas a Bolsonaro e lembram as barbáries ocorridas durante o período ditatorial, como nos exemplos abaixo.

Além de políticos, a rede também conta com presença de jornalistas e veículos de mídia. A razão da presença de @jairbolsonaro entre os usuários com maior grau de entrada está justamente na menção ao seu usuário, como no tweet de The Intercept Brasil (abaixo). Dentre os veículos de mídia, BuzzFeed Brasil é o que recebeu maior visibilidade na rede, já dentre os jornalistas, William de Lucca é o que teve mais mensagens compartilhada nos dados coletados.

A presença de políticos, jornalistas e veículos de mídia é uma tendência em rede de conversações políticas, já que fazem parte de uma espécie de elite entre os influenciadores. Ainda assim, entre os usuários com maior visibilidade também aparecem pessoas públicas conhecidas por sua atuação em outras áreas, como o jogador de futebol Igor Julião, terceiro maior grau de entrada da rede, e a cantora Maria Rita. Suas mensagens seguem a tendência das anteriores e destacam a crueldade do período militar.

Dentre os usuários com maior visibilidade na rede apenas um possui posicionamento político associado a direita no contexto brasileiro. O movimento político Livres aparece de forma periférica na rede, na parte superior direita (em cinza, cor utilizada para representar nós que não estão nos oito principais módulos da rede). Mesmo que o movimento tenha posicionamento político divergente dos principais usuários da rede, a mensagem do Livres mantém o padrão de crítica a comemoração dos 55 anos do golpe militar.

De forma geral, a rede é bastante crítica ao posicionamento de Bolsonaro e a comemoração dos 55 anos do golpe militar – o que poderia ser esperado em função do teor da hashtag. A maioria dos usuários mais centrais na rede estão associados a posicionamentos de esquerda no espectro político brasileiro e fazem questão de relembrar as barbáries do período militar em suas mensagens.

A coleta dos tweets foi realizada com o software NodeXL. Para a análise da rede e sua visualização foi utilizado o software Gephi. Na análise, foi utilizada a métrica de grau de entrada para identificar os usuários com maior visibilidade, já que este cálculo indica quem recebeu mais menções e RT. Esta métrica está representada no grafo pelo tamanho dos nós. Também foi utilizada a métrica de modularidade, que identifica grupos em que as conexões entre os nós são mais densas. Os módulos são representados na rede por suas cores.

 

Retrospectiva 2018 – Artigos do MIDIARS

Em 2018 o grupo conseguiu correr atrás e publicar várias coisas sobre as pesquisas desenvolvidas no Lab. Alguns dos artigos (quem quiser cópia pode enviar um email:

Discurso Político, Polarização,  Desinformação e Fake News:

• Recuero, Raquel; ZAGO, Gabriela, SOARES, Felipe B. . Mídia Social e Filtros Bolha nas Conversações Políticas do Twitter. In: Joaquim Fialho, José Saragoça, Maria da Saudade Baltazar, Marcos O. dos Santos. (Org.). Redes Sociais: Para uma Compreensão Multidisciplinar da Sociedade. 1ed.Lisboa: Edições Sílabo, 2018, v. 1, p. 119-142.
• SOARES, Felipe B. ; Recuero, Raquel ; ZAGO, Gabriela . Influencers in Polarized Political Networks on Twitter. In: International Conference for Social Media and Society (SMSociety)., 2018, Copenhagen, Denmark. Proceedings for the International Conference for Social Media and Society Copenhagen, Denmark, 2018. p. 1-10.
• Recuero, Raquel; ZAGO, Gabriela ; SOARES, Felipe B. . Using social network analysis and social capital to identify influencer roles on polarized political conversations on Twitter. In: INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR MEDIA AND COMMUNICATION RESEARCH (IAMCR), 2018, Oregon, USA. Proceedings of the INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR MEDIA AND COMMUNICATION RESEARCH 2018, 2018. p. 1-10.
• Recuero, Raquel; Zago, Gabriela ; SOARES, Felipe B. . Political Fandoms and Superparticipants in Political Conversations on Twitter. 2018. (Apresentação de Trabalho/Congresso).
• Recuero, Raquel. Analyzing Public Conversations in Social Media. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).
• SOARES, F. B.. Hashtags ativistas e a estrutura de redes sociais no Twitter. In: XXVII Encontro Anual da Compós, 2018, Belo Horizonte. Anais do XXVII Encontro Anual da Compós. São Paulo: Compós, 2018.

Os influenciadores na discussão sobre a saída de Cuba do Mais Médicos

por Felipe Soares

No dia 14 de novembro Cuba deixou de fazer parte do programa Mais Médicos. A decisão repercutiu em grande escala no Twitter – Mais Médicos se manteve entre os trending topics brasileiros ao longo do dia. Na discussão, formaram-se dois grupos: um grupo associado à direita (roxo) e demonstrando apoio ao presidente eleito Jair Bolsonaro e outro grupo próximo da esquerda (verde) criticando o posicionamento do político que causaram a saída de Cuba do programa. Para esta análise, foram observados os 30 usuários com maior grau de entrada em cada grupo – ou seja, os usuários que receberam mais visibilidade na discussão. O objetivo é identificar que tipos de influenciadores são mais importantes para cada um dos grupos.

Figura 1: Rede de conversação sobre a saída de Cuba do programa Mais Médicos

 

Os nós (usuários) mais centrais foram divididos em cinco categorias: 1) políticos; 2) organizações políticas; 3) jornalistas; 4) veículos jornalísticos; 5) outros, que inclui páginas de humor, páginas de conteúdo político, artistas e usuários em geral. A distribuição em cada grupo foi a seguinte:

Tabela 1: Distribuição dos influenciadores nos grupos

  Direita (roxo) Esquerda (verde)
Políticos 5 9
Organizações políticas 1 0
Jornalista 2 6
Veículos jornalísticos 3 5
Outros 19 10

A distribuição entre os grupos possui algumas distinções. Enquanto o grupo da direita dá especial atenção a usuários da categoria “outros”, no grupo da esquerda políticos, jornalistas e veículos jornalísticos também possuem visibilidade. Há também grande diferença no tipo de veículo jornalístico que aparece em cada grupo. No grupo da esquerda aparecem veículos internacionais e a mídia tradicional brasileira. Já no grupo da direita estão presentes somente veículos partidários.

No grupo da esquerda aparecem: Deutsche Welle Brasil, Folha de S. Paulo, G1, Estadão e BBC Brasil. Os dois primeiros são, respectivamente, 7º e 11º nós com maior grau de entrada – o que indica que receberam bastante visibilidade na rede. Ainda aparecem seis jornalistas de grupos de mídia distintos, incluindo veículos internacionais e mídia tradicional brasileira.

No grupo da direita, entre os veículos de conteúdo jornalístico, aparecem apenas: O Antagonista, Renova Mídia e Conexão Política. Os três são veículos que produzem conteúdo com caráter partidário. Além disso, O Antagonista, veículo com maior visibilidade, é somente o 17º em grau de entrada no grupo. Da mesma forma, os dois jornalistas que recebem visibilidade no grupo são críticos tradicionais do PT e participaram da campanha pró-Bolsonaro durante o período eleitoral.

Entre os políticos na rede, no grupo da direita quem recebem principal destaque é Jair Bolsonaro (nó com maior grau de entrada da rede), acompanhado por seu filho Carlos. Ainda no grupo da direita, o MBL aparece com o segundo maior grau de entrada do grupo (e quarto na rede). Já na esquerda, há distribuição de visibilidade entre partidos como PSOL, PT e PC do B, com Guilherme Boulos e Manuela D’Ávila em destaque – respectivamente segundo e quarto maior grau de entrada do grupo.

Na categoria “outros”, no grupo da direita aparecem páginas como Caneta Desesquerdizadora e Socialista de Iphone, que produzem conteúdo crítico à esquerda. Ainda estão presentes usuários que costumam receber destaque em conversações políticas entre os usuários conservadores, como Flavio Morgenstern e o músico Roger Machado.

Já no grupo da esquerda, entre os “outros” aparecem a ferramenta Moments Brasil, do Twitter, o site Youtube, além de usuários que também frequentemente aparecem com destaque em conversações políticas. Há, ainda, a página Quebrando o Tabu que produz conteúdos diversos, especialmente vinculados a diversidade e direitos humanos.

 

O que isso quer dizer?

Há um desequilíbrio entre os influenciadores (as contas com mais visibilidade) nos grupos de esquerda e direita. Enquanto a esquerda busca entre suas fontes veículos jornalísticos e jornalistas internacionais ou consolidados no Brasil, a direita dá preferência ao conteúdo partidário. Da mesma forma, o alto índice de usuários da categoria “outros” mostra o fortalecimento de um discurso menos institucionalizado e com mais fontes alternativas no grupo da direita. Enquanto na esquerda há veículos entre os nós mais centrais, na direita sua presença é mais periférica (mesmo com conteúdo partidário).

Isto tem influência no conteúdo que circula nestes grupos. Entre os usuários de direita, há um discurso mais padronizado, fortemente alinhado com Jair Bolsonaro (que tem grande destaque na rede) e com fontes, incluindo veículos e jornalistas, alinhados ao político. Na esquerda, por outro lado, o conteúdo é mais diversificado, contando com fontes internacionais, com veículos tradicionais da mídia brasileira e maior diversidade entre os jornalistas.

 

Método de coleta e análise

Para esta análise, foram coletados 39.780 tweets com o auxílio do software NodeXL. A coleta foi realizada a partir dos termos “mais médicos”. A análise foi realizada no software Gephi. Duas métricas foram analisadas: grau de entrada, que permitiu identificar os usuários com maior visibilidade; e modularidade, que separou os usuários da rede em grupos conforme suas interações na rede. O grau de entrada é representado pelo tamanho dos nós e a modularidade pelas cores dos grupos.

Os discursos de Bolsonaro e Haddad no primeiro e segundo turno      

Por Felipe Soares

 

No próximo domingo, dia 28 de outubro, o Brasil vai definir seu próximo presidente. Com o objetivo de analisar o discurso dos candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) durante o primeiro e o segundo turno, foram coletados todos os tweets e retweets dos dois presidenciáveis nos últimos 34 dias, entre 15 de setembro (quando Haddad criou seu perfil no Twitter) e 25 de outubro.

O que se observa dos dados é que Bolsonaro manteve um discurso centrado no antipetismo e no sentimento de mudança. Haddad mostrou maior variação temática, tendo Lula como figura central no primeiro turno. Já no segundo turno o petista focou a campanha no antagonismo com seu adversário e na defesa da democracia.

As mensagens dos candidatos no Twitter foram separadas por dois períodos: até o dia 7 de outubro, quando ocorreu a votação em primeiro turno; e após esta data, quando começaram as campanhas do segundo turno. O passo seguinte foi realizar uma análise de conteúdo e de co-ocorrência entre os termos mais frequentes nas mensagens. Para visualização desta análise, foram formados quatro redes de conceitos, que serão analisadas da seguinte forma: 1) tweets de Bolsonaro no primeiro turno (237 mensagens); 2) tweets de Bolsonaro no segundo turno (304 mensagens); 3) tweets de Haddad no primeiro turno (448 mensagens); e 4) tweets de Haddad no segundo turno (456 mensagens).

Confira a seguir a análise completa.

 

O discurso de Bolsonaro

Figura 1: rede de conceitos de Bolsonaro no primeiro turno

O antipetismo é uma das bases do discurso de Bolsonaro durante o primeiro turno. “PT” aparece no grupo roxo de conceitos, associado também a termos como “lama”, de mensagens que sugerem que o PT deixou o país na “lama”, “fim” e “mentiras”. Outro termo presente é “corrupção”, que Bolsonaro associa ao PT e se coloca como um candidato não envolvido em esquemas ilícitos. O discurso contrário à esquerda também aparece no grupo verde em que estão os conceitos “esquerda” e “adversários”. Há, ainda, menções a Lula no grupo azul, em que estão os termos “presidiário” e “cadeia”.

Baseado na associação do PT com os problemas do Brasil, inclusive a corrupção, Bolsonaro se lança como o candidato da mudança. Esta ideia aparece no uso de conceitos como “mudar”, bastante central na rede, e “resgatar” (ambos no grupo roxo). Este último também aparece como ideia de resgatar valores importantes para o brasileiro. Dentre estes valores estão entidades como “Deus” e “família”, também bases fortes do discurso de Bolsonaro.

A questão do atentado ao candidato, ocorrido em 6 de setembro, não aparece com muita força na rede. Isto se dá também em função da data inicial de coleta, estabelecida em 15 de setembro, já que antes desta data Haddad não possuía seu Twitter oficial de campanha. Ainda assim, os termos “atentado” e “hospital” aparecem no módulo verde.

O grupo laranja possui alguns conceitos com fortes associações, como pode ser visto pelo tamanho das arestas que os conectam (quanto maiores as arestas, maior a frequência com que os termos aparecem nos mesmos contextos). Os principais são “obrigado”, “forte” e “abraço”. Estas palavras aparecem com muita frequência quando Bolsonaro compartilha mensagens de apoiadores, mostrando também que a reprodução de mensagens de apoio foi uma de suas estratégias durante a campanha.

Outro grupo que possui arestas pesadas entre conceitos é o módulo preto, composto somente por três termos. Dois destes representam mais uma das estratégias utilizada pelo candidato: a realização de transmissões ao vivo (“live”) pelo “Facebook”. Estas ocorriam também em função do estado de saúde do candidato, que estava hospitalizado e não podia realizar campanha nas ruas.

A visualização geral dos termos mais utilizados pelo candidato revela também que Bolsonaro não focou seu discurso em propostas. Sobre temáticas deste tipo, podem ser identificados os termos “economia” e “impostos” no grupo verde água, reforçando as ideias liberais da equipe do candidato. “Segurança” (grupo roxo) também aparece como uma das áreas de foco do candidato.

 

Figura 2: rede de conceitos de Bolsonaro no segundo turno

 

No segundo turno, Bolsonaro centraliza ainda mais o seu discurso no antipetismo. “PT” assume maior centralidade na rede de conceitos em função de sua coocorrência com outros termos em diversos contextos. “PT” segue fortemente associado a “cadeia” e “bandidos”, reforçando a ideia do partido como corrupto e de Haddad como um candidato guiado por Lula, que está preso.

“Violência” que não tinha destaque nos tweets de Bolsonaro durante o primeiro turno passa a assumir posição mais central no segundo turno. Um dos contextos de seu uso é relacionado mais uma vez ao “PT”, que aparece entre as conexões mais fortes do conceito. Isto ocorre porque Bolsonaro argumenta que a violência cresceu durante o período de governo petista, citando inclusive a violência a minorias – as quais o PT historicamente defende. O conceito também aparece em função de ataques violentos associados a apoiadores do candidato, como o assassinato de um mestre de capoeira após o homem declarar que votou no PT. O site #VítimasDaIntolerância também reúne diversas acusações do tipo.

Bolsonaro, por sua vez, se isentou de culpa por atos violentos e afirmou em entrevista que quem foi vítima de violência foi ele próprio: “Esta pergunta não deveria ser invertida? Quem levou a facada foi eu. Um cara lá, que tem uma camisa minha, comete um excesso, o que eu tenho a ver com isso? Eu lamento. Peço ao pessoal que não pratique isso, mas eu não tenho controle sobre milhões de pessoas que me apoiam. Agora, a violência vem do outro lado, e eu sou uma prova viva disso”. Reafirmando isto também em seu Twitter.

Outro conceito bastante conectado a “PT” é “fake news”. Esta aparece em dois contextos: criticando seus opositores de espalhar informações falsas sobre Bolsonaro; e desmerecendo as acusações apresentadas em reportagem da Folha de S. Paulo de uso de caixa 2 para espalhar mensagens de ataque ao PT via whatsapp, ironizando inclusive adversários (como o próprio “PT” e também o “PSOL”, no grupo laranja) por reproduzirem a informação. O termo “mentiras” (módulo laranja) também aparece algumas vezes neste contexto.

Termos como “abraço”, utilizado em compartilhamentos de mensagens de apoiadores, e “Facebook”, plataforma utilizada também para campanha e transmissões ao vivo, voltam a aparecer. Da mesma forma, “Deus” e “família”, entidades defendidas por Bolsonaro continuam a receber destaque no seu discurso.

Novamente propostas de governo não recebem destaque nas mensagens de Bolsonaro. O termo “saúde” se refere a saúde do próprio candidato, que foi reavaliado em função de sua recuperação durante o segundo turno. Além de “economia”, agora aparece também “educação”. Já os temas sobre segurança perdem destaque.

 

O discurso de Haddad

Figura 3: rede de conceitos de Haddad no primeiro turno

 

No primeiro turno, a estratégia discursiva de Haddad foi associar seu nome a Lula, ex-presidente pelo PT. Isto fica claro por dois motivos: 1) o conceito “Lula” é bastante central na rede, é o segundo termo que aparece em mais contextos (atrás apenas de “Brasil” – “Haddad” é o sexto); e 2) a conexão entre “Haddad” e “Lula” é a mais forte da rede, o que indica que foram os termos que mais apareceram em coocorrência. Há também forte conexão entre “Lula” e “presidente” – por exemplo, “presidente” aparece associado a “Lula” quase duas vezes mais que a “Haddad”. Isto ocorre porque este sempre menciona aquele como “presidente Lula”.

Haddad também menciona sua vice, “Manuela” D’Ávila – este tipo de menção não ocorre nas mensagens de Bolsonaro (que não cita seu vice). As referências Manuela, porém, ocorrem em contextos pouco variados, sendo mais frequentes em algum tipo de atividade de campanha, por isto a associação com os termos “caminhada” e “ato”, todos no módulo laranja.

Diferentemente do que ocorre com Bolsonaro, um dos focos do discurso de Haddad são os projetos de governo. Estes aparecem principalmente em termos presentes no grupo rosa e com especial atenção a “educação” (também associada com “prouni” e “universidades”) e “empregos” (associado ainda com “trabalho” e “trabalhador”). Haddad ainda toca em temas como “economia” e “direitos”, presentes no módulo verde.

Associado aos projetos de governo de Haddad e seu plano para o Brasil está o termo “retomar”, que auxilia a compreender o tipo de discurso proposto pelo candidato. A base de sua ideia está em retomar o crescimento do Brasil, aproximando esta retomada com ênfase nos dois mandatos de Lula e também aos programas sociais desenvolvidos pelo PT.

O fundamento da “democracia” também está bastante enraizado no discurso do petista. A defesa da democracia aparece como uma temática em diversos contextos e é usada como um valor básico das propostas e do ideal de país apresentados por Haddad. Além disso, no discurso, Bolsonaro é apresentado como um candidato contrário aos fundamentos democráticos.

Aparecem ainda na rede, no módulo azul, os termos “fake” (news – notícias falsas), “mentiras” e “denuncie”. Estes conceitos estão conectados na rede porque Haddad menciona informações falsas que estavam sendo produzidas durante a campanha e incentiva seus seguidores a denunciar este tipo de prática.

Figura 4: rede de conceitos de Haddad no segundo turno

 

O discurso de Haddad muda bastante seu foco no segundo turno. “Bolsonaro”, também muitas vezes mencionado como “adversário” passa a ser uma figura central nas mensagens. Um dos pontos frequentemente mencionados por Haddad foi a decisão de Bolsonaro de não participar de “debate” durante o segundo turno. Estes dois termos possuem a conexão mais forte da rede, o que mostra que são os dois termos mais utilizados em conjunto.

“Bolsonaro” e “adversário” também estão associados a “mentiras” e “whatsapp”. Haddad acusa Bolsonaro de construir sua campanha com base em mentiras sobre o petista vinculadas via whatsapp. Haddad cita, inclusive, fontes de veículos jornalísticos para realizar esta crítica, como a própria reportagem da Folha de S. Paulo anteriormente mencionada.

“Adversário” também aparece associado a “ditadura”, o que leva a outro argumento central de Haddad no segundo turno: a “defesa” da “democracia” (ambos no grupo verde escuro). Estes termos possuem a segunda conexão mais forte da rede. “Democracia” também está entre os termos mais mencionados por Haddad em seus tweets e é o quinto que aparece em mais contextos na rede. A indicação de Bolsonaro como um candidato antidemocrático, já presente no discurso de Haddad no primeiro turno, é intensificada. Desta forma, o candidato se constrói como a alternativa democrática no pleito. “Democracia” também aparece associada a valores como “liberdade” e “diálogo” no módulo verde escuro.

O foco em uma candidatura do campo democrático retira a figura de “Lula” do papel central que possuía no primeiro turno. Além do núcleo argumentativo na democracia, Haddad também assume um papel mais central como o candidato que representa este campo. O termo “presidente”, por exemplo, agora está fortemente associado ao candidato. Haddad também se preocupa mais em construir a si mesmo como candidato, apresentando-se como “professor”, inclusive em mensagem no Dia dos Professores. Até mesmo o logo de campanha muda do primeiro para o segundo turno (imagens abaixo).

 

Figuras 5 e 6: logos de Haddad no primeiro e segundo turno

 

Por fim, Haddad segue utilizando o Twitter para apresentar seus projetos de governo para áreas como: “educação”, “segurança”, “economia”, “emprego” (“trabalho”), além de mencionar “direitos” relacionados a estas e outras áreas. Estes termos formam o grupo roxo, que tem como principais conceitos “propostas” e “projeto”. Neste grupo aparece ainda “violência” que está principalmente associada a violência de militantes de Bolsonaro, em atos de violência física e em estratégias violentas (também discursivamente) por eles apoiadas.

 

Análise geral

Bolsonaro mantém uma mesma estratégia principal ao longo da campanha: o antipetismo. Este já está presente em suas mensagens no primeiro turno e é ainda mais forte durante o segundo turno. O candidato associa os problemas brasileiros, em especial a corrupção, ao partido e se apresenta como a via da mudança para isto.

No segundo turno, o discurso de Bolsonaro acaba tocando também em outros temas. Um deles é associado a fake news, em função da reportagem da Folha de S. Paulo que o acusa de ter utilizado caixa 2 para espalhar informações falsas sobre o PT. Bolsonaro desmerece a publicação e ainda acusa seus adversários de espalhar fake news sobre ele. Da mesma forma, “violência”, em decorrência de diversos atos violentos após o dia 7 de outubro, aparece nas mensagens de Bolsonaro no segundo turno. O candidato, porém, se exime de qualquer responsabilidade por estes atos.

Haddad, ao contrário de Bolsonaro, tem estratégias distintas no primeiro e segundo turno. Enquanto no primeiro turno associa fortemente sua imagem a Lula, no segundo turno Bolsonaro passa a ser central como um personagem antagônico. Neste cenário a defesa da democracia também entra como um argumento central no discurso de Haddad, que se estabelece de forma mais central como candidato e chama todo o campo democrático para demonstrar apoio a sua candidatura, já que a constrói como a única via democrática no pleito.

Haddad também dá destaque para suas propostas e seu plano de governo – ao contrário do que faz Bolsonaro. Este poucas vezes menciona propostas e quando o faz se resume a poucos temas, como economia e educação. Já Haddad mantém parte de suas mensagens focadas em apresentar projetos para diversas áreas, como educação, segurança, economia, emprego e ainda na defesa de direitos.

De forma geral, Bolsonaro é monotemático, focando principalmente no antipetismo. Haddad tem variações em seu discurso, destacando em suas mensagens o apoio de Lula, a defesa pela democracia, o antagonismo de Bolsonaro e ainda suas propostas de governo. Enquanto Bolsonaro se move pela ideia da mudança, Haddad destaca a retomada do crescimento, associando-o principalmente a gestão de Lula durante o primeiro turno e a defesa da democracia no segundo.

É importante mencionar que o Twitter é apenas um dos meios de campanha dos candidatos. Outros espaços e comunicação e mesmo as campanhas por meio de militâncias também tomam parte central nos significados explorados pelos candidatos durante o período eleitoral. Ainda assim, o discurso institucionalizado dos candidatos no Twitter permite vislumbrar algumas das principais características de suas campanhas.

 

Coleta e análise

Os tweets foram coletados diretamente dos perfis dos candidatos com o auxílio do plug-in Web Data Research Assistant. A análise de conteúdo e contingência foi realizada por meio do site Textometrica. A visualização dos grafos foi feita no Gephi. Foram utilizadas duas métricas para a análise: 1) grau (representado pelo tamanho dos nós), que identifica as vezes que um conceito aparece associado a outros nas mensagens analisadas (quanto maiores os nós, em mais contextos os conceitos aparecem); 2) modularidade (representada pela cor dos grupos), que facilita na identificação de conceitos que aparecem mais frequentemente em um mesmo contexto.

#DiadosProfessores em período eleitoral: apropriação da hashtag para campanha

Por Felipe B. Soares

 

Em período de forte debate político, o dia dos professores mais uma vez polarizou a rede de conversação no Twitter. A #DiadosProfessores foi utilizada por apoiadores de Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL), os dois candidatos que disputam o segundo turno na corrida pela presidência do Brasil. As mensagens, de forma geral, defendiam o candidato apoiado pelos usuários ou criticavam o adversário.

Na representação da rede de interações no Twitter é possível observar a estrutura polarizada (Figura 1). Na parte esquerda do grafo estão os apoiadores de Haddad, enquanto na parte direita estão os que defendem Bolsonaro. Há bastante densidade dentro dos grupos, mas poucas conexões entre eles, reforçando o contexto de polarização entre os usuários. Isto significa que aqueles que fazem parte de um grupo não interagem com os que fazem parte de outro.

Figura 1: Estrutura polarizada da rede

 O conteúdo dos tweets coletados também foram analisados e neles foram observadas as coocorrências entre: 1) as menções aos dois presidenciáveis; 2) os outros indivíduos mencionados; e 3) as principais hashtags. Esta análise gerou o grafo abaixo, que contém os principais conceitos utilizados pelos usuários na conversação (Figura 2).

Figura 2: Rede de conceitos

 O grafo de conceitos mostra a presença de diversas hashtags ativistas, confirmando o uso do dia dos professores como reforço da campanha dos presidenciáveis entre seus grupos de apoio. Entre as hashtags de suporte a Haddad estão #elenão, que representa o movimento iniciado por mulheres contra Bolsonaro, #haddadprofessor, que destaca a profissão do candidato, e #maislivrosmenosarmas, lançado pelo partido PSOL, que também aparece no grupo de apoio a Haddad na rede de interações (na cor laranja). Não aparece nenhum hashtag de apoio claro a Bolsonaro – na rede de conceitos, no grupo azul, aparece #bol卐onaro, que utiliza a suástica como crítica ao candidato. No núcleo pró-Bolsonaro, a única hashtag com maior caráter ativista é #ptnuncamais. Aparece ainda no módulo pró-Bolsonaro a #professoraheley, como menção a Heley Batista, professora que faleceu ao salvar alunos de um incêndio.

A presença de mais hashtags de a apoio a Haddad indica que a rede em geral estava mais propícia a apoiar este candidato no #DiadosProfessores, mesmo entre os usuários que estão fora dos módulos centrais (compostos, em geral, pelos usuários mais ativistas). Isto é reforçado porque apenas em uma das principais mensagens do módulo pró-Haddad há presença de hashtag de apoio ao candidato (como será apresentado na sequência desta análise). Ou seja, as outras hahstags foram especialmente usadas em um número maior de tweets que alcançaram menores índices de RT. Além disso, o módulo de apoio a Haddad é maior do que o grupo que defende Bolsonaro. O primeiro tem mais de 30% dos usuários da rede, enquanto o segundo tem menos de 25%. O resto dos usuários está espalhado em grupos periféricos menores ou isolados (quando apenas utilizam a hashtag e não mencionam ou retuítam outros e nem são mencionados ou retuitados).

No grupo de apoio a Haddad na rede de interações (cores laranja e vermelho) aparecem em destaque a @midianinja, nó com maior grau de entrada de rede (cálculo que indica os usuários que receberam mais menções e RT), @calu_barros, @delucca e @haddad_fernando. Enquanto os três primeiros receberam maior visibilidade em função de RT, o usuário de Haddad atingiu alto grau de entrada em função das diversas menções que recebeu. Ou seja, muitos usuários deste grupo mencionaram Haddad em suas mensagens, dando visibilidade ao candidato.

Entre os tweets que mais repercutiram no grupo pró-Haddad quem recebe bastante destaque é Paulo Freire, um dos ícones da educação no Brasil. As principais mensagens também apresentam críticas a Bolsonaro. Alguns exemplos são os tweets de @midianinja  e @delucca (ao clicar nos nomes dos usuários é possível acessar os tweets diretamente no Twitter) (Figuras 3 e 4).

 

Figuras 3 e 4

Já no grupo de apoiadores de Bolsonaro aparecem em destaque @eisenhower27, segundo maior grau de entrada da rede de interações, @desesquerdizada, @lobaoeletrico e @jaircapitao. Estes dois últimos aparecem bastante conectados porque @jaircapitao cita @lobaoeletrico em um de seus tweets, que repercutiu por meio de RT. O usuário de Bolsonaro no Twitter não recebeu visibilidade por meio de menções, ao contrário do que ocorre no módulo pró-Haddad, em que o candidato petista aparece com destaque.

Dentre os tweets com maior repercussão no grupo pró-Bolsonaro recebem destaque a crítica a Haddad, e a lembrança a Haley Batista. Esta é lembrada por ter salvado diversas crianças de incêndio em Janaúba. As mensagens que mencionam Haley foram acompanhadas por #professoraheley, como nos tweets de @desesquerdizada e @jaircapitao (Figuras 5 e 6):

Figuras 5 e 6.

Para a coleta dos tweets que formaram as redes desta análise foi utilizado o software NodeXL. Para a análise de coocorrências da rede de conceitos, foi utilizado o textometrica. Para a formação visual dos grafos foi utilizado o software Gephi. Nas duas redes as métricas utilizadas foram modularidade e grau. A modularidade serve para identificar os módulos mais densos nas redes, possibilitando identificar usuários que interagiram mais entre si (na rede de interação) e conceitos que apareceram mais frequentemente em conjunto (na rede de conceitos). Na rede de interações, as conexões são assimétricas (ou seja, um nó pode interagir com outro sem que essa conexão seja recíproca), por isto foi observado o grau de entrada para identificar os usuários que receberam mais menções e RT. Já na rede de conceitos, as conexões são simétricas (quando dois conceitos aparecem um uma mesma mensagem, eles necessariamente possuem o mesmo tipo de conexão), portanto foi observado simplesmente a métrica de grau, que permitiu observar os nós que aparecem em mais contextos. Nos grafos, a modularidade é identificada pela cor dos grupos, enquanto o grau (grau de entrada) é representado pelo tamanho dos nós.

Roger Waters e #elenão: conversações sobre o primeiro show no Brasil

Por Felipe Soares

 

O músico Roger Waters realizou seu primeiro show no Brasil em 9 de outubro, em São Paulo. O ex-baixista da banda Pink Floyd incluiu Jair Bolsonaro, candidato à presidência do Brasil, em lista de políticos neofascistas apresentada no telão durante o show, depois ainda exibiu a #elenão no mesmo telão. Parte do público apoiou a manifestação do músico, enquanto outra parte reagiu com vaias. No Twitter, usuários repercutiram sobre o acontecimento.

Para esta análise, foram coletados tweets que falavam sobre “Roger Waters” com o auxílio do software NodeXL. Com o objetivo de observar que tipo de discurso foi produzido na rede, foi realizada uma análise de conteúdo com foco na coocorrência de palavras a na categorização. Para isto, foi utilizada  a ferramenta textometrica. Por fim, foram criadas duas redes de conceitos no Gephi, uma delas que mostra as coocorrências de forma mais geral e outra normalizada, que foca nos conceitos com conexões mais densas (facilitando a identificação de termos fortemente conectados). As métricas utilizadas para visualização dos grafos foram grau, que mostra os termos com uso em mais contextos, e modularidade, que facilita a observação de conexões mais fortes entre os conceitos. O grau é representado pelo tamanho dos nós e a modularidade pela cor.

Figura 1: Rede total de conceitos

Figura 2: Rede de conceitos normalizada

A maior parte da rede reproduz um discurso que ironiza os apoiadores de Bolsonaro, que vaiaram Waters. Termos como “Lei Rouanet”, “comunista” e “comunistas” aparecem neste sentido. Comunistas, inclusive, é utilizado em um tweet de alta circulação que diz atualizar a lista de comunistas segundo os apoiadores de Bolsonaro, lista esta que seria composta também por Alemanha, ONU, Google, Madonna, The Economist, New York Times, Papa Francisco, dentre outros. Da mesma forma, Lei Rouanet aparece em diversos tweets que ironicamente afirmam que Waters seria beneficiado pela lei e, por isso, criticava Bolsonaro.

Outra relação bastante forte entre os conceitos da rede se dá entre “Wall” e “construção civil”. Estes termos aparecem bastante associados já no grafo geral, mais à direita em cor verde água – no grafo normalizado os termos aparecem bem ao centro. “Wall” foi utilizada tanto para se referir ao álbum do Pink Floyd “The Wall” quanto para “Another Brick in the Wall”, música do mesmo disco e uma das mais famosas da banda. O álbum e a música possuem críticas ao fascismo, além de fazerem referência a eventos como a Segunda Guerra Mundial. Com base nisso, os usuários que demostram apoio a Waters, informam (novamente de maneira irônica) aos que vaiaram o artista que as músicas não são sobre construção civil (já que wall significa parede ou muro em inglês).

O conceito “Ultraje a Rigor” também aparece na rede, mais uma vez devido ao uso de humor. Neste caso, os usuários afirmam que os apoiadores de Bolsonaro foram ao show do Roger errado, já que quem defende o político é Roger Moreira, do Ultraje a Rigor. Em várias destas mensagens, os apoiadores do político são chamados pejorativamente de “bolsominions”, por isto estes termos aparecem conectados no grafo normalizado.

Outro termo utilizado para criticar quem vaiou Waters é “fascistóides”, que no grafo normalizado aparece (em laranja) conectado a “estudem”, “história” e “terceiro Reich”, fazendo menção ao nazismo e que os críticos do músico deveriam estudar mais a história. O nazismo também é lembrado já que o “pai” de Waters foi “morto” por “nazistas” na Segunda Guerra, fato também mencionado em diversos tweets e que forma o grupo verde água do grafo normalizado. Outra crítica aos apoiadores de Bolsonaro aparece na relação entre “fake news”, “whatsapp” e “bizarrice” (próximos nas duas redes), utilizados em tweet com alta visibilidade que defende que Waters iria se posicionar em função “bizarrice” que ocorre no país e que os que defendem Bolsonaro deveriam seguir com as fake news no aplicativo Whatsapp se não querem ouvir as críticas.

Aparecem associados no grupo verde na parte esquerda superior do grafo geral os conceitos “militar”, “feio” e “ditadura”, que foram ditos por Waters ao defender seu posicionamento. O músico deu a seguinte declaração, que também foi reproduzida em tweets: “Sou contra o ressurgimento do fascismo. E acredito nos direitos humanos. Prefiro estar num lugar em que o líder não credita que a ditadura é uma coisa boa. Lembro das ditaduras da América do Sul e foi feio”.

entre os que criticaram Waters, as coocorrências mais fortes são “gringo”, “bosta” e “lacrador”. O termo lacrador é utilizado de forma pejorativa em relação a Waters – lacrador vem sendo utilizado para criticar principalmente artistas que se manifestam com posicionamentos associados com pensamentos próximos da esquerda. Alguns usuários, inclusive, utilizam os três conceitos para atacar Waters e mencionam que Roger Moreira é um ícone do rock melhor que o britânico.

Outros conceitos que aparecem associados a críticas ao músico são: “helenão” e “lacrar”. “Helenão” foi o modo alternativo como os críticos ao movimento #elenão se referiram a este para não citar a hashtag. Na rede de conversação analisada, ele aparece principalmente em mensagens que ironizam a atitude de Waters e destacam a vaia do público. Da mesma forma, “lacrar” foi utilizado principalmente em tweets que afirmam que o músico tentou “lacrar” e acabou sendo vaiado, além de mencionarem que Waters teria ofendido seu público ao tentar “lacrar” criticando Bolsonaro. De forma geral, nos tweets críticos ao músico, o destaque é dado para as vaias que recebeu.

#Debate SBT: Análise

por Felipe Bonow Soares

No dia 26 de setembro a SBT (em parceria com Folha de S. Paulo e Uol) transmitiu mais um debate entre os presidenciáveis. Participaram Alvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Marina Silva (Rede). O debate iniciou às 17h45 e terminou pouco antes das 19h25. Durante este período ocorreram três blocos de perguntas e respostas. Para mais uma análise sobre a repercussão do debate no Twitter, foram realizadas quatro coletas com o auxílio do software NodeXL. A primeira às 17h45, para observar a mobilização prévia. As outras três ao final de cada bloco (18h15, 18h40 e 19h25). O termo utilizado na coleta de dados foi #DebateSBT.

Nesta análise, foram observados dois tipos de redes a partir de cada conjunto de dados selecionado. A primeira análise observa a rede e o uso de menções e RT, possibilitando observar a mobilização das militâncias dos candidatos e quais páginas repercutiram mais. No segundo tipo de rede, todos os tweets de cada uma das coletas foram extraídos e foi realizada uma análise de conteúdo, identificando os termos mais frequentes e as co-ocorrências entre eles (quando aparecem juntos no mesmo tweet), utilizando para isto o site textrometrica como ferramenta de auxílio. Para esta análise, foram selecionados entre os termos dos tweets: 1) nomes dos candidatos; 2) nomes de partidos; 3) nome de veículos de mídia; 4) nomes de outros políticos e usuários mencionados na conversação; e 5) hashtags.

Nos dois tipos de redes as métricas analisadas foram grau e modularidade. Na rede de menções e RT, o grau de entrada (representado pelo tamanho do nó) serve para mostrar as contas que mais repercutiram na conversação, enquanto na rede de conceitos, o grau (também representado pelo tamanho do nó) mostra os termos que foram mais utilizados em conjunto com outros. Nas duas redes, a modularidade mostra nós que estavam mais conectados, possibilitando a identificação de grupos de usuários (na rede de menções e RT) ou termos (na rede de conceitos) que possuem conexões mais densas entre si. Na rede de conceitos ainda é possível observar o peso das arestas (conexões), que indica os termos mais frequentes na rede (quando observado o peso da conexão com a hashtag utilizada para coleta – #DebateSBT).

Redes pré-debate (17h45):

O destaque nas duas primeiras redes vai para a mobilização de militantes de Ciro Gomes. Além de nó com maior grau de entrada na rede de menções, diversas hashtags de apoio ao candidato aparecem na rede de conceitos. Mais do que isso, #ciro12 é o termo com maior peso de aresta da rede, acompanhado em seguida por #uolnasurnas, #cironosbt e menções a Ciro Gomes. Ou seja, dos quatro termos mais mencionados na conversação, duas são hashtags de apoio a Ciro Gomes e um é o próprio candidato. Isto demonstra a mobilização de sua militância a seu favor. Aparecem ainda hashtags de outros candidatos, assim como seus nomes, mas com menor destaque.

Redes ao final do primeiro bloco (18h15):

Ao final do primeiro bloco, Ciro Gomes continuava com bastante destaque na rede. Seu usuário do Twitter era o nó com maior grau de entrada na rede de menções e, na rede de conceitos, #ciro12 seguia como a aresta de maior peso em relação a #DebateSBT e menções a seu nome com o terceiro maior peso. Quem também ganhou destaque foi Cabo Daciolo, que cresceu na rede de menções e se tornou o nó com o segundo maior peso de aresta na rede de conceitos. Ou seja, ainda que sem a característica de militância (como no uso das hashtags de apoio a Ciro Gomes), Daciolo passou a se destacar na rede, com muitos usuários falando sobre o candidato. Também é interessante mencionar a presença de outros políticos na rede de conceitos, como Michel Temer, Renan Calheiros e Lula, que foram citados no debate entre os candidatos.

Redes ao final do segundo bloco (18h40):

Na rede de menções, Ciro Gomes perdeu espaço para Fernando Haddad, que aparece também associado aos nomes de Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer (mencionados durante o debate na TV). Importante mencionar que na rede de menções aparece o usuário @aosfatos que verificava as declarações do candidato ao vivo, em parceria com a transmissão do debate. Isto demonstra que o fact checking das afirmações dos candidatos também repercutiu nas conversações.
Na rede de conceitos, quem acabou se destacando ainda mais durante o segundo bloco foi Cabo Daciolo, que se tornou o nó com maior peso de aresta na relação com #DebateSBT. A #ciro12 passou ao segundo lugar e menções a Ciro Gomes permaneceram em terceiro. Em quarto e quinto aparecem respectivamente as menções a Marina Silva e Fernando Haddad. Este, apesar de ter seu usuário como mais mencionado, não atingiu tamanha repercussão nas outras menções a seu nome (sem reproduzir o usuário do Twitter). Mais uma vez, Temer, Calheiros e Lula estão entre os conceitos mais frequentes, agora acompanhados pelo nome de Aécio Neves (todos também mencionados pelos candidatos no debate).

Redes ao final do debate (19h25):

Na rede de menções ao final do debate se destacam associados Guilherme Boulos e Cabo Daciolo. Este também é, mais uma vez, o conceito que possui maior peso de aresta com #DebateSBT (desta vez com grande distância aos outros conceitos, indicando que o termo gerou grande repercussão nas conversações). Isto se deve principalmente ao debate entre os dois candidatos ocorrido no terceiro bloco. Na troca de perguntas e respostas com Guilherme Boulos, Cabo Daciolo mandou beijo para sua mãe e para sua esposa e disse amar todas as mulheres brasileiras. O episódio gerou muito conteúdo irônico/humorístico na rede de conversação no Twitter, fortalecendo o destaque ao candidato do Patriota durante o debate (que já vinha sendo destacado em tweets com teor humorístico).

A #ciro12 e menções a Ciro Gomes seguiram como segundo e terceiro nós com maior peso de aresta com #DebateSBT, mostrando que a militância do candidato se manteve ativa até o final do debate. Desta vez, quem aparece em quarto é Guilherme Boulos, devido ao acontecimento mencionado acima. Já na rede de menções, @aosfatos novamente aparece com seu trabalho de fact checking ao vivo durante o debate.

O que isso quer dizer?

Algumas conclusões podem ser destacadas a partir do que foi observado nas redes que representam as conversações durante o #DebateSBT. Cabo Daciolo alcançou grande destaque durante o debate, especialmente na repercussão (humorística) de suas declarações. A candidatura de Daciolo parece ter se tornado uma espécie de meme nas conversações do Twitter. É interessante observar que não surgem hashtags de apoio ao candidato e ele sequer tem destaque em função de sua militância nos momentos prévios ao debate, mas sua participação acaba gerando enorme repercussão durante as discussões entre os candidatos.

Por outro lado, quem mostra forte presença de militância é Ciro Gomes. O candidato apareceu em destaque antes do início do debate e durante este, tendo sempre seu nome e hashtags de apoio entre os termos mais mencionados nas conversações. Os outros candidatos não mostraram presença tão estável de sua militância, de forma que hashtags como #haddadélulanosbt, #boulosnosbt, #geraldo45 e #marinanodebatesbt aparecem com menor destaque nas conversações.

Destaque também para políticos como Michel Temer, Renan Calheiros, Lula e Aécio Neves, que surgem entre os termos mais utilizados nas conversações quando são mencionados pelos candidatos em perguntas ou respostas. A presença deles entre os conceitos mais frequentes da rede reforça o uso do Twitter como segunda tela, quando usuários assistem o debate (na televisão ou mesmo em plataformas como Twitter e Youtube) e usam o Twitter para comentar sobre o que acontece.

#DebateAparecida: A presença fez diferença

por Felipe Soares

A TV aparecida transmitiu ontem, 20 de setembro, mais um debate entre os presidenciáveis. O debate teve início às 21h30. Como destaque, este foi o primeiro debate que Fernando Haddad (PT) participou, após assumir a cabeça da chapa com a impugnação da candidatura de Lula. Jair Bolsonaro (PSL), hospitalizado, não participou, bem como Cabo Daciolo (Patriota), que alegou conflito de agenda.

Assim como no debate da RedeTV!, em 17 de agosto, foram coletados tweets que utilizaram a hashtag oficial do debate (#DebateAparecida) ao longo da transmissão. As coletas ocorreram a cada 30 minutos: 1) 22h, no início do segundo bloco; 2) 22h30, ao final do segundo bloco; 3) 23h, próximo ao final do terceiro bloco; 4) 23h30, no meio do quarto bloco; 5) meia noite, no início do quarto bloco; e 6) 0h30, minutos após o final do debate. Para a coleta de dados foi usado o NodeXL.

As características das redes seguem o que já foi visto em debates anteriores. Há muito uso do Twitter como segunda tela, gerando diversos tweets periféricos ao núcleo da rede, onde aparecem os candidatos. A dificuldade de fazer as mensagens dos candidatos circular em redes mais amplas também parece ter se mantido, já que a métrica de modularidade (que permite identificar grupos de interação mais densos e verificar também o quanto de trocas há entre os módulos) se manteve alta. Em todas as redes, a modularidade ficou em torno de 0,7. Isto mostra que há interação dentro dos módulos, mas raramente as conexões criam “pontes” entre estes grupos, mantendo-os estruturalmente mais isolados. Assim, as mensagens dos candidatos tendem a reverberar apenas nas redes de seus militantes.

Alguns aspectos específicos do #DebateAparecida também podem ser destacados.

  • Fernando Haddad, participando pela primeira vez de um debate, alcançou durante toda a transmissão grande destaque na rede, mantendo-se sempre entre os nós com maior grau de entrada (aqueles que receberam mais menções e RT no Twitter). Em outros debates, Lula, então apresentado como candidato do PT, aparecia geralmente de forma periférica, enquanto Haddad raramente alcançava algum destaque. Lula e Dilma Rousseff apareceram desta vez associados a Haddad em alguns momentos da conversação, principalmente mais próximo ao final do debate.
  • Guilherme Boulos (PSOL) novamente contou com uma militância bastante ativa e continuou entre os nós com maior grau de entrada das redes.
  • Da mesma fora, Ciro Gomes (PDT) se consolidou como um dos candidatos mais comentados durante o debate.
  • Os outros candidatos participantes, Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB), Alvaro Dias (Podemos) e Henrique Meirelles (MDB), oscilaram na forma como apareciam nas conversações, em alguns momentos com destaque e em outros com pouca visibilidade.
  • Jair Bolsonaro (PSL), que costumava ter grande visibilidade durante os debates, desta vez apareceu de forma periférica durante a maior parte do tempo. O candidato só alcançou alto grau de entrada nas últimas duas redes, quando foi citado no debate por Marina Silva, Henrique Meirelles e Guilherme Boulos. Neste momento, parte de sua militância se tornou mais ativa e o candidato voltou a aparecer em destaque. Ainda assim, é interessante observar que a ausência do candidato, que está hospitalizado, diminuiu bastante a repercussão de seu nome no Twitter.
  • Cabo Daciolo (Patriota), que também costumava ter reverberação de seu nome em consequência de sua participação nos debates, acabou apagado das conversações em função de sua ausência.
  • João Amoêdo (NOVO) também costumava ter militância bastante ativa, especialmente antes do início dos debates, já que não participa destes (visto que seu partido não conta com pelo menos cinco parlamentares no Congresso). Desta vez, porém, o candidato aparece de maneira bastante periférica apenas na primeira rede, desaparecendo nas seguintes.

Deste modo, destaca-se a importância da presença dos candidatos no debate para maior visibilidade na rede.  Candidados presentes acabam por tornar-se os mais comentados, e ganham visibilidade também na rede. Aqueles que não participaram, entretanto, ou não receberam o destaque usual nas conversações ou não apareceram.

Grafo 1: 22h

Grafo 2: 22:30

Grafo 3: 23h

Grafo 4: 23:30h

Grafo 5: 00h

Grafo 6: 00:30h