Informações sobre o Projeto

Sob a ótica da Arquitetura, dentre as muitas estratégias possíveis para a adoção de práticas sustentáveis, a naturação urbana apresenta-se como um importante alternativa. A naturação urbana é o tratamento vegetativo de superfícies construídas, mediante o uso de plantas adaptadas às condições bioclimáticas locais. A vegetação é um elemento de extrema importância na regulação e equilíbrio de condições climáticas extremas e influi no conforto térmico e no consumo energético quando assume funções de controle da radiação solar direta, umidade e movimento de ar. A esse papel de controle climático, pode ser adicionada a possibilidade de cultivo de alimentos. O plantio de hortaliças, condimentos e ervas medicinais vem ganhando os espaços urbanos das cidades brasileiras. A tendência, que também tem adeptos em metrópoles internacionais, algumas vezes é consequência do pouco tempo disponível para o lazer. O cultivo de especiarias em casa e/ou no meio urbano passa a ser uma das poucas formas de contato com os elementos da natureza, caracterizado como Paisagismo Produtivo. Sendo assim, a naturação urbana pode gerar espaços naturais dentro dos centros urbanos, promovendo o conforto térmico em duas escalas: a urbana e a da edificação. Por outro lado, a adição de vegetação para consumo alimentar a superfícies edificadas pressupõe um esforço multidisciplinar, no sentido de responder tecnicamente às escolhas por substratos de cultivo adequados, espécies adaptadas aos diferentes climas e consequentemente, por uma física construtiva que sirva de suporte à produção alimentar. Esse projeto busca incrementar parcerias internacionais em torno a esse tema (Universidade Politécnica de Madrid e a empresa Intemper na Espanha, e Universidade de Lund, na Suécia), criando banco de dados relativos ao estado atual da arte na esfera internacional, e produzindo guias de cultivo sobre áreas edificadas, que atendam a diferentes regiões climáticas, apontando potencialidades e fragilidades das soluções investigadas. Os trabalhos deverão trazer informações, também nos aspectos de desempenho energético de edificações e do clima do espaço urbano a partir dessas superfícies vegetadas. Na área das engenharias há iniciativas importantes realizadas pela UFPel, em colaboração com grupos radicados na Inglaterra, França, Suécia, Espanha, Espanha, Estados Unidos, Canadá e Polônia a exemplo da degradação catalítica de poluentes e conversão de biomassa em energia, as quais se almeja robustecer.