O QUE É A PATRIMÔNIOS INVISIBILIZADOS?

A exposição Patrimônios Invisibilizados: Para Além dos Casarões, Quindins e Charqueadas é concebida pelo projeto de pesquisa Margens: Grupos em Processos de Exclusão e suas Formas de Habitar Pelotas/RS em parceria com a Bibliotheca Pública de Pelotas.

Nessa exposição digital queremos te apresentar diferentes grupos que habitam a cidade de Pelotas/RS e que a constroem diariamente, valorizando patrimônios não oficiais.

Pelotas é conhecida pelas suas charqueadas e casarões antigos, que contam uma história única e excludente da construção da cidade. Já aqui, as narrativas são das periferias, comunidades negras, mulheres, da comunidade LGBTI+ e de trabalhadoras sexuais. Te apresentamos uma cidade vivida, a partir de fotografias, vídeos, músicas, desenhos, colagens, entre outras narrativas dos próprios grupos.

Pelas abas desta exposição, você irá transitar por uma cidade construída por e para todas/os/es. Uma cidade movimento, que pulsa, vibra e é múltipla.

UMA CIDADE QUE SE TRANSFORMA DIA E NOITE!

DDD 53,

mais de 300 mil habitantes e uma área de 1609 km², Pelotas é uma cidade localizada no Sul do Rio Grande do Sul, à beira da Lagoa dos Patos, foi local de entrada dos navios que traziam pessoas escravizadas para a região.

Com as paredes dos casarões históricos levantadas por mão de obra escravizada, tornou-se

capital do charque e “exportadora nacional de viados”

Conhecida como a “Princesa do Sul” e por ser a segunda cidade mais úmida do mundo, construiu sua identidade em cima das narrativas da época do charque. Ainda hoje é representada por um imaginário pautado nos doces finos, casarões e charqueadas do século 19.

Mas essa também é uma cidade negra, formada por tantas casas de religiões de matrizes africanas, a dita cidade gay, que carrega nos seus patrimônios mais esterilizados possíveis, as marcas de seus excluídos/as/es (comunidades negras, comunidades de periferia, mulheres, LGBTI+s, etc).

A Bibliotheca Pública Pelotense

é uma associação civil fundada em 1875. Ao longo desses 139 anos, vem prestando diversos serviços de promoção e acesso à cultura, educação e cidadania em Pelotas e região. Em 1904 foi fundado um museu histórico responsável por contar a história da formação social na região sul, através de diversos discursos dos povos que passaram por aqui.

O MHBPP é um dos setores mais antigos da Bibliotheca, e após ser restaurado em 2012, conta com o Espaço de Arte Mello da Costa,  voltado para a produção artística de Pelotas e região.

Atualmente,

o Museu Histórico atende cerca de 09 mil pessoas ao ano e conta com uma diversa agenda de exposições e eventos como a  Semana Indígena, Primavera dos Museus, Dia do Patrimônio, Semana das Crianças com exposição dos Trabalhos das crianças do Centro de Referência de Assistência Social, Outubro Rosa, Feira do Livro e Semana da Consciência Negra.

Em 2018 foi firmada a parceria entre o GEEUR e a BPP, foram pensadas diversas atividades, a fim de mostrar os vários tipos de grupos sociais existentes em Pelotas, assim como as várias tipologias e discursos que o museu trabalha, transmitindo o passado e  presente através do cotidiano.