Início do conteúdo

Informe 1

A cidade de Pelotas celebrou entre os dias 16 e 17 de agosto de 2014 a 2º Edição do Dia do Patrimônio, tendo como tema “A Herança Cultural Africana”. Durante o evento, vários prédios históricos foram abertos ao público, e foram promovidas palestras, oficinas, roteiros, exposições, ações artísticas e culturais.

No dia 17, o Museu da Colônia Francesa, localizado no Quilombo Alto do Caixão, 7º Distrito de Pelotas, recebeu a Antropóloga e Arqueóloga Louise Prado Alfonso, coordenadora adjunta do Museu Arqueológico e Antropológico (MUARAN) e pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGAnt) da UFPel. Ela abordou o tema “Identidade, Patrimônio e Arqueologia”, ministrado por meio de uma oficina junto à comunidade. Esses tiveram a oportunidade de pensarem em ações contra o preconceito, e visando a inclusão social das comunidades negras por meio do patrimônio.

A oficina foi importante para a inclusão das comunidades negras nos museus da cidade de Pelotas, e  por ser uma das primeiras ações voltadas para estas comunidades nos museus da zona rural pelotense.

Segundo Eliana Souza, representante do Museu da Colônia Francesa:

Para nós integrantes da equipe de trabalho do Museu foi um trabalho gratificante e muito rico, pela troca de informações entre palestrantes e ouvintes, a troca de experiência foi muito produtiva por ambas as partes.O Museu da Colônia Francesa vem há algum tempo expandindo a idéia de integração das etnias daquela localidade. No entorno temos descendentes indígenas , africanos, franceses , italianos e alemães cada um com sua história que se integram umas as outras naturalmente. O Museu vem buscando a interatividade com a comunidade de forma que eles se sintam representados e apropriem daquele espaço com o sentimento de pertencimento”.

A participação da Comunidade do Alto do Caixão foi iniciada por meio de uma exposição mediada pela pesquisadora Cristiane Ávila que realizou sua pesquisa de mestrado junto à comunidade, seguida de uma oficina com a temática “Patrimônio cultural quilombola e dinâmica com a comunidade negra rural do Alto do Caixão”.

As oficinas geraram uma parceria inédita do Museu da Colônia Francesa com a comunidade do Alto do Caixão, e também uma parceria com o MUARAN para uma exposição de longa duração abordando grandes grupos formadores da diversidade cultural da região. A abertura do museu para esta diversidade tem papel fundamental na inclusão do negro na região.

Redação: Taciane Silveira Souza; revisão técnica: Pedro L. M. Sanches; Louise P. Alfonso.

Publicado em 01/09/2014, em Sem categoria.