Formação de opinião pública

Todas as medidas de segurança foram tomadas!

Ao que tudo indica, o retorno à modalidade presencial é iminente, já sendo a realidade de alguns. Parece que os altos índices de contágio e uma média de mais 2 mil mortes por dia cedeu lugar para “quando as escolas vão reabrir”. Aos professores que contestam, indica-se sua substituição por outros, afinal, quem liga para as demandas diárias da educação escolar? Seriam os professores descartáveis? Ou ainda, recicláveis?
É provável que já tenhamos ouvido sobre o conceito dos três “Rs” – reduzir, reutilizar e reciclar. A máxima é pensada a partir da ideia de que nada se perde, tudo se reutiliza e se refaz. Nesse sentido, os professores também são descartáveis, digo, recicláveis, quando chegam ao fim da sua “vida útil”, é só colocar na lixeira correta e esperar que esse produto retorne para as prateleiras remodelado conforme as novas exigências do momento.
Comparar os professores a materiais recicláveis é tão cruel quanto pedir (para não dizer exigir) que voltem ao presencial munidos apenas de protocolos vazios e álcool gel. É tão cruel quanto pedir que voltem a trabalhar sabendo que muitos colegas morreram por estarem ali, nas mesmas condições e fazendo a mesma coisa que se pede a eles que façam agora. É tão cruel quanto o nosso silêncio frente ao desmonte da educação, frente ao retorno da Educação Infantil às suas bases assistencialistas, frente à minimização desta etapa educacional como direito das crianças e não só de suas famílias.
Às professoras e aos professores de Educação Infantil, sabemos da importância de estar com as crianças, do contato e da presença, mas sabemos também que precisamos pensar em vocês, cuidar de vocês e também, por vocês, ficar em casa, já que este não é o momento de retornarmos!

Abrir as escolas seria como voltar a tempos muito antigos, quando um adulto se sacrificava por uma comunidade inteira para cuidar das crianças do lugar. Esta herança, hoje, ainda pesa sobre a docência, exigindo que os professores sejam os mártires ou super-heróis, capazes de se colocar em risco para salvar outros. Não podemos ignorar a falta de condições mínimas para estar nas escolas neste momento, assim como não podemos normalizar as indicações de que protocolos de segurança são só burocracias, o que importa é abrir as escolas.
Educação Infantil se faz na interrelação cuidado e educação, não com máscaras, álcool em gel e protocolos que servem única e exclusivamente para que possam dizer “estamos fazendo todo o possível”, “todas as medidas de segurança foram tomadas”.
Todas as medidas de segurança foram tomadas?
Imagem @affonso.alisson


‘PROFESSORA E SUPER-HEROÍNA’

Quantos de nós nunca ouvimos dizer que as professoras são super-heroínas? Quantos de nós já não ficamos emocionados com relatos de professores que assumiram mais responsabilidades do que se imagina ser humanamente capaz, mas deram a volta por cima e com esforço e dedicação mudaram a vida das crianças e alunos?
Aplaudimos a sobrecarga de trabalho dos professores. Esperamos que eles se virem com o mínimo possível e que, de preferência, tirem de seus salários os materiais necessários para suas práticas.
Mesmo agora no cenário pandêmico em que nos encontramos, momento em que, supostamente, tornamo-nos mais empáticos, ainda assim somos incapazes de ver a pessoa do outro lado da tela. Mesmo agora, tendo acesso a uma pequena parte da casa e da vida dos professores, através de vídeos, fotos e chamadas, parecemos esquecer que antes e juntamente com qualquer coisa, esses profissionais são pessoas, com sonhos, desejos, famílias, cobranças, expectativas … pessoas, não super-heróis.

Ainda que sem a intenção, incentivamos a precarização do trabalho dos professores. Inconscientemente, fomos construindo e cultivando a imagem do professor ideal, o “Professor Super-herói”. Aquele que faz muito com e por pouco. Aquele que faz apenas por amor. Aquele que vive para a docência, deixando família, amigos, sonhos … para segundo plano. Dissolver essa visão de professor não é fácil. O mito do professor super-herói está nos filmes, nos livros, nas séries, nos jornais, nas redes sociais. Ele está enraizada em nós e é constantemente fomentado pela cultura que produzimos e consumimos.

Como contribuir com a desmistificação desse personagem criado e amplamente midiatizado? Como então mostrar apoio aos professores e às práticas excepcionais que estes desenvolvem? Como contribuir com o encerramento desse ciclo? Desapegar de ideias cristalizadas e buscar desfazer construções sociais exige reflexão, tempo e estudo. É pôr-se em um estado de permanente reflexão sobre aquilo que chega até mim, sobre aquilo que entendo sobre o sentido da docência e sobre o que reproduzo com minhas condutas.

Colocar-se no lugar do profissional é uma boa maneira de começar. Como você lidaria com essas expectativas? Como você reagiria frente a essas cobranças?
Foto encontrada em: https://comunidadesebrae.com.br/empreendedorismo-feminino/mulheres-em-home-office-vamos-falar-um-pouco-mais-sobre-isso


‘Se fosse fácil, perderia o valor’

Quando criança, ouvimos que ‘se fosse fácil, perderia o valor’ como um incentivo para seguirmos em frente, não desistir na 1ª dificuldade. Pois ‘as dificuldades são o tempero das conquistas’, ‘só tem graça, se for difícil’.
E a cada vez que ouvimos essas coisas ou algo semelhante, aumentamos a cobrança sobre nossas ações e a culpa sobre aquilo que conseguimos sem esforço ou sofrimento. O peso sobre nossos ombros fica cada vez maior na medida em que crescemos. Quando adultos, já não sabemos pensar na facilidade como uma virtude. E tudo se repete quando vamos ensinar nossas crianças.
As possibilidades de quebra deste ciclo de crenças sobre o valor da dificuldade está nas indagações e recusas vindas das próprias crianças. Quando nos desapegamos de nossas certezas, somos capazes de reconhecer a sabedoria da infância. A cada vez que apresentamos este mundo aos mais novos, temos a oportunidade de nos reinventar, de permitir que a aprendizagem possa ser uma experiência fácil e significativa ao mesmo tempo. É o significado – e não o sofrimento – que torna o caminho interessante e com valor! 


‘Tem que sofrer pra aprender’

Quantos de nós crescemos ouvindo ‘tem que sofrer pra aprender’, ‘somente sofrendo, você vai valorizar o que tem’, etc.? E agora, mesmo desejando uma vida sem sofrimento para as nossas crianças, nos pegamos, vez ou outra, repetindo essas ideias. É como se aquelas vozes ainda ecoassem em nossas cabeças e nos dessem segurança para que aquilo que aprendemos de forma difícil seja sempre lembrado por nós.

Temos visto que muitos daqueles que foram ensinados através do sofrimento, se negam agora a continuar aprendendo. Preferem abandonar a escola a seguirem sendo ignorados em suas necessidades de conhecer. Outros, tentam replicar esse sofrimento às novas gerações, como um padrão de normalidade e/ou prova de afeto.

E se pudéssemos dizer a todas as pessoas que passam por nossa infância que descobrimos um outro caminho para continuar aprendendo? Diferentes teorias nos mostram que aprender tem a ver com relacionar o que é novo com aquilo que já sabemos. Não precisamos mais sofrer para valorizar o que aprendemos, pois temos um acúmulo de sabedoria que cresce a cada dia e honramos todo novo saber que desenvolvemos.
Aprender é um processo que requer respeito, confiança, envolvimento e é assim que apoiamos cada criança em suas necessidades e ritmos.


Aprendi assim e deu certo.

Vamos aproveitar que hoje é quinta-feira – dia de #tbt – e recordar um pouco sobre as atividades típicas dos jardins de infância de décadas atrás. Você tem boas memórias daqueles tempos? E da escola? E das professoras?
No recorrer destes anos, muitas coisas aconteceram. Você cresceu, estudou tanto e merece estar onde está agora, diante de outras crianças. São outros tempos, assim como há indicações de outras formas de ser e estar na escola da infância.
Sabemos que muitos medos, inseguranças, mágoas e tantas crenças rondam essa mudança de percepção. Afinal, você aprendeu assim e deu certo.
Mas, e se fosse possível você olhar para sua professora na infância e agradecer por todos os aprendizados que ela lhe trouxe e por toda a base que ela lhe ajudou a construir? Agora, você consegue se colocar sobre esta base com segurança e perceber tantas outras coisas que estão no seu horizonte.
As crianças de hoje também merecem experimentar coisas novas, serem vistas como são (e não como imagens refletidas de uma infância passada). Acolha e apoie as crianças de hoje. Talvez seja a melhor maneira de fazer as pazes com a sua criança interior, com o seu passado escolar.


‘Apanhei e não morri’

Não morreu, mas enfrenta problemas no relacionamento com os pais!
Não consegue dizer “eu te amo” olhando nos olhos,
E essa frieza dói tanto que respinga na relação com seus filhos!

Não morreu,
Mas precisa curar sua infância na terapia
E sente que seria mais amoroso se tivesse recebido amor em vez de tapas

Não morreu,
Mas se tornou uma pessoa violenta e explosiva com seu companheiro e filhos.

Não morreu,
Mas acha natural a violência e enxerga nela uma forma de educar.

Não morreu,
Mas até hoje não sabe o que fazer com sentimentos como a raiva ou a tristeza.

Não morreu,
Mas é inseguro, não acredita em si mesmo e não consegue se aceitar do jeito que é.

Toda criança merece uma infância que não precise ser curada mais tarde.
Não basta não morrer.

Ninguém veio ao mundo só para ser um sobrevivente.
Uma criança que apanha não deixa de amar aos pais, deixa de amar a si mesma.

Texto: @quartinhodadany
Adaptação: @marielimarcioli