Início

3º Festival Internacional de Videodança do RS – FIVRS

CONVOCATÓRIA 2022

Português (PDF) | English (PDF)

INSCRIÇÕES PORROGADAS ATÉ  30 DE JUNHO DE 2022 

Este edital tem por objetivo selecionar produções audiovisuais de videodança – no amplo espectro de sua acepção – para o 3º Festival Internacional de Videodança do RS – FIVRS 2022, evento realizado pelo Programa de Pós-Graduação Mestrado em Artes Visuais (PPGAVI) e Curso de Dança, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), e pela Fundação Ecarta. A avaliação e seleção dos trabalhos serão realizadas por uma comissão internacional convidada.

PARTICIPAÇÃO
● Maiores de 18 anos, de qualquer nacionalidade;
● Cada participante poderá inscrever APENAS UMA videodança;
● Videodanças realizadas em grupo ou por coletivos deverão ser inscritas por uma única pessoa, responsável então pela inscrição;
● Não serão aceitas produções anteriores ao ano de 2020;
● Cada proponente é responsável pelos direitos referentes à trilha sonora e às imagens das videodanças inscritas;
● O ato da inscrição autoriza que a videodança seja utilizada para fins de divulgação do FIVRS;
● O ato da inscrição autoriza que a videodança passe a integrar a videoteca do FIVRS;
● O ato da inscrição autoriza que a videodança seja exibida em mostras do FIVRS, no Brasil e no exterior, com fins culturais, artísticos e educativos, e sem fins lucrativos;

CARACTERÍSTICAS DA VIDEODANÇA
● Temática livre;
● Curta duração – duração máxima de 10 (dez) minutos, incluídos os créditos;
● Os trabalhos podem ser apresentados em quaisquer uma das extensões padrão utilizadas atualmente (AVI, MOV, WMV, MP4, etc), compressão H264 ou H265, taxa mínima de bitrate de 5MB, e resolução mínima de 720p (HD) – sugerimos 1280x720p.

SELEÇÃO
● A seleção das videodanças será realizada por uma comissão avaliadora convidada;
● O festival se reserva o direito de não aceitar trabalhos que sejam lesivos aos Direitos Humanos;
● A lista com as videodanças selecionadas será divulgada no dia 01 de agosto de 2022 nas páginas institucionais do PPGAVI (UFPel) e da ECARTA, bem como nas redes sociais do FIVRS e da ECARTA.

INSCRIÇÕES
● As inscrições devem ser realizadas até o dia 13 de junho de 2022 pelo formulário: https://forms.gle/b13CLG6byovo4qjY6

CRONOGRAMA
29 abril 2022 Lançamento do edital
29 de abril a 13 de junho de 2022 Submissão dos trabalhos (prorrogado até 30 de junho)
01 de agosto de 2022 Resultado da seleção
01 de setembro a 11 de setembro de 2022 Exibição na ECARTA

ORGANIZAÇÃO
Diretoras
Carmen Anita Hoffmann – UFPel
Rosângela Fachel – UFPel
Comissão organizadora
Carmen Anita Hoffmann – UFPel
Rosângela Fachel – UFPel
Carlise Scalamato – UFSM
Rebeca Recuero – UFPel
Luana Arrieche Echevengua – UFPel
Hamilton Bittencourt – UFPel
Marcos Júlio Fuhr – Fundação ECARTA
André Venzon – Fundação ECARTA
Valéria Ochôa – Fundação ECARTA
Stela Pastore – Fundação ECARTA
Elisabete Crucillo – Fundação ECARTA

REALIZAÇÃO
Programa de Pós-graduação Mestrado em Artes Visuais – PPGAVI, e Curso de Dança da Universidade Federal de Pelotas – UFPel
Fundação ECARTA

APOIADORES
Curso de Dança Licenciatura da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM
Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo – MALG
Red Iberoamericana de Investigación en Narrativas Audiovisuales – Red INAV
Proyecto Corporalidad Expandida
LEPPAIS. Laboratório de Ensino, Pesquisa e Produção em Antropologia da Imagem e do Som – UFPel

Contato
Email: fivrs.videodanca@gmail.com
https://www.facebook.com/1o.FIVRS/
https://www.instagram.com/fivrs.videodanca/

FIVRS

A Videodança é uma arte híbrida que imbrica as linguagens das artes do vídeo, da dança, do corpo e do movimento em um amplo espectro de conformações que, em sintonia com as transformações tecnológicas, socioculturais e artísticas, está em constante devir, expandindo-se e ressignificando-se em diferentes ambientes e plataformas, e, pouco a pouco, definindo seu espaço no campo das artes nacional e internacional. Com uma mirada que emerge do sul do Brasil, o FIVRS tem com desejo promover e visibilizar reflexões e debates acerca da videodança e de suas mutantes e mutáveis conformações.

O Festival Internacional de Videodança do Rio Grande do Sul – FIVRS nasceu do encontro dos projetos de investigação das professoras pesquisadoras Rosângela Fachel e Carmen Anita Hoffmann, como uma proposta artística e curatorial extensionista, realizada no âmbito do Mestrado em Artes Visuais e do Curso de Dança da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) em parceria com a Fundação Ecarta de Porto Alegre e com o apoio da Red Iberoamericana de Investigación en Narrativas Audiovisuales – RedINAV, do Curso de Dança Licenciatura da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), e do Museu Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo – MALG, com o intuito de investigar e de promover a videodança na região sul do Brasil.

Contato
Email: fivrs.videodanca@gmail.com

Selecionados 2022

Em sua terceira edição, o Festival Internacional de Videodança – FIVRS 2022, homologou 142 inscrições, oriundas de 27 países: Alemanha, Argélia, Argentina, Áustria, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Israel, Itália, Malásia, México, Polônia, Portugal, Rússia, Tanzânia, Uruguai e Venezuela – e de 16 estados do Brasil: Alagoas, Amazonas, Bahia, Brasília, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. As videodanças homologadas foram apreciadas pela comissão avaliadora convidada, formada por: Alexandra Dias (Brasil), Ana Sedeño Valdellós (Espanha), Daniel Aires (Brasil), Denis Angola (Brasil/Finlândia) e Natacha Muriel López Gallucci (Argentina/Brasil), que realizou as indicações que resultaram na seleção das 47 produções que apresentamos a seguir:

4’33” Of Sentence (2022, 04’33), de Silvia Marcantoni Taddei e Massimo Sannelli – Gênova, Itália

A Portrait (2022, 7’12), de Vilma Tihilä e Kauri Sorvari – ​ Helsinque, Finlândia

A que passo você está de perder o controle? (2020, 2′). de Pedro Carcereri e Rômulo Vlad – Juiz de Fora, Brasil

Acerca de una desolación (2021, 10′), de Martín Alonso A. Reyes Catalina Balcázar – Punta Arenas, Chile

Anamnese (2021, 7′), de Sarah Gouveia de Assunção e Nathaly Benicio Lima dos Santos – São Paulo, SP, Brasil

Anhelo – Flores a Oxum (2021, 3’28), de Dinah Schonhaut, Dolphin X-Ray, Guido Piotrkowski e Eva Soibelzohn – Buenos Aires, Argentina

Ballet Pandémico Establet (2020, 10′), de Silvina Helena Grinberg, Diego Marcelo Gómez, Liza Karen Taylor e Martín Berra – Buenos Aires, Argentina

Caixa de areia (2020, 3’07), de Diogo Angeli Theotonio – Campinas, SP, Brasil

Confinamento (2021, 7’18), de Fernando Vidal – Araucária, Paraná, Brasil

Crónicas de cuatro cuerpos en un espacio sin contexto (2021, 8’38), de Fausto Jijón Quelal e Ángel Ruiz – Ciudade do México, México

Cura ancestral (2022, 5’53), de Monica Seffair, Wilton Oliveira (imagens), Keandro Santos (edição de imagens) – Parintins, Amazonas, Brasil

De cuerpos y heridas (2021, 7’30), de Sandra Camila Torres Ferrer e Sofia Estupiñán – Bogotá, Colombia

Desmoronamento da Vontade pela Vontade (2020, 2’29), de Carolina Cony Dariano da Rosa e Ricardo Dias Gomes (música) – Rio de Janeiro, Brasil

Desyerbe (2020, 1’37), de Miguel Ángel González – Colômbia, Bogotá

Duo de Sune (2022, 5’14), de Sâmya de Lima, Matheus Carneiro e David Leão – Fortaleza, Ceará, Brasil

Erêkauã (2021, 1′), de Paulo Accioly Lins de Barros – Maceió, Brasil

Esistenza x Gioia (2022, 8’44), de Andrea Hackl – Áustria / Amsterdam

ExiT (2021, 5’45), de Simone Cita Kieltyka e Peter Heinrichs – Colônia, Alemanha

Falar demais, chiclete azeda (2022, 3’20), de Luiz Guilherme Guerreiro, Cacau Gondomar, Casul, Cayo Almeida, Diogo Nascimento, Giselda Fernandes, Hilton Berredo, Ique Moraes, Luciana Barros, Luiz Guilherme Guerreiro, Maicon Lima, Mana Lobato, Marlúcia Ferreira, Raquel Oliveira, Samy, Tais Almeida e Wagner Cria – Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Fresta Poética:Tempo (2022, 7’25) Dança sem Fronteiras, Fernanda Amaral (direção), Fernanda Amaral e Felipe Oliveira (concepção), Ana Mesquita, Fernanda Amaral, Lucinéia Felipe, Gabriel Domingues, Icaro Rodrigues Grave, Carmen Estevez (performance), Cintia Domingues (artista convidada), Sérgio Zurawski (Música) – São Paulo, SP, Brasil

Grapiúna (2021, 7′), de Giltanei Amorim (concepção e Argumento), Aldren Lincoln e Giltanei Amorim (roteiro), Aldren Lincoln, Gilmar Silva, Giltanei Amorim, Verusya Correia (elenco), Victor Quixabeira e Souza (direção de fotografia e montagem), Táken Roveran (Imagens aéreas), Wilson Oliveira (fotografia still), Chico Neves (trilha sonora) – Pojuca, Bahia, Brasil

heart beats (2021, 4’07), de Anabella Lenzu – Argentina / New York, USA

Heart of Glass (2021, 5’08), de Clara Vieira Silveira,Bolívar Alencastro e Ricardo Tetzner – Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Innesti (Grafts) (2021, 8′), de Filomena Rusciano – Sant’Agata De’ Goti / Itália

Límites (2020, 5’28), de Paula Quintas Santos e Margherita Morell – Santiago de Compostela, Espanha

Limítrofe (2021, 2’54), de Luiz André Cancian e Letícia Guimarães – Garibaldi, RS, Brasil

Monster (2021, 1′), de Mwinyimkuu Abdallah Mwinyimkuu – Zanzibar, Tanzânia

Murmullos (2020, 2’45), de Diego Martínez, Guadalupe González e Jerónimo Barriga – Cidade do México, México

Na árvore preta da minha deusa (2022, 4′), de Cristina Barreto de Menezes Lopes, Mateus Huber e Mariel Azoubel – Campinas, SP, Brasil

Niebościan. Freedom lives in a head (2022, 4’59), de Jagoda Turlik – Varsóvia, Polônia

noisy actions (2022, 10′), de Osvaldo Cibils – Uruguai / Barcelona, España

NowHere (2022, 5’13), de SueKi Yee – Malásia / Kiel, Alemanha

One Two Three (2020, 10′), de Victoria Donnet – Miscon, França

Rassvet (2022, 4’33), de Jader Monteiro e Ester Magalhães – São Paulo, SP, Brasil

Reflexo (2022, 3’08), de Davidson José Martins Xavier, Bernardo Morais e Caju Mateus brasileira – Aparecida de Goiânia, Goiás, Brasil

Renascente (2022, 8′), de André Rosa, Ana Cláudia Viana (performance), Meyriane Costa (voz em off), Gustavo Wanderley (roteiro e direção) – Natal, RN, Brasil

Retalhos: quando a cidade nos atravessa (2022, 8’52), de Maryah Monteiro, Diego de Almeida, Douglas Froemming, Maryah Monteiro – São Paulo, SP, Brasil

Ruína do Futuro (2022, 4’50), de Ramon Zagoto, Dorottya Czakó, Bárbara Veronez, Gabriela Moriondo e Marcos Neves – Vitória – Espírito Santo, Brasil

Saída 124 F (2020, 9’03) de Bruno Alexandre, Teixeira Alarcon, Bruno Alarcon, Clarissa Monteiro, Diego Pires, Hector Souza, Jaqueline Silva, Letícia Teixeira, Luiz Fernando Picanço, Mariane Araújo, Marília Gabriela Sales, Matheus Leitão, Maycon Douglas, Nália Costa e Thiago Aguiar – Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brasil

Seliberation #2 (2021, 5’53), de Estela lapponi – São Paulo, SP, Brasil

Sonho de valsa (2022, 4’30), Joana Ribeiro e Paulo Motta (direção e roteiro), Joana Ribeiro (performance), Paulo Motta (montagem), Joana Ribeiro (fotografia), Maria Helena Del Pozzo (piano) – Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, Brasil

Sylphides 3.1 (2022, 4′), de Diego Mac – Porto Alegre, RS, Brasil

Tactile: the part of the body (2021, 6’30), de Gabriel Ledón Flores – Tijuana, Baja California, México

Toda força que habita (2021, 5’11), de Marcelo Cabrera, Tati Missel, Airton Tomazzoni – Imbé, Brasil

Vers la flamme (2021, 6′), de Blas PAYRI – Valência, Espanha

View behind the curtain (2021-2022, 6’06), de Johannes Christopher Gerard e Jana Schmück – Holanda / Alemanha

Within (2021, 8’04), de Anna Bajjou – Polônia

Comissão avaliadora

Alexandra Dias é artista da dança e professora da Universidade Federal de Pelotas/RS. É PhD em Dança pela University of Roehampton (Reino Unido). Seu trabalho se baseia em processos de prática-como-pesquisa, tendo como ênfase o estudo do corpo e dos processos contemporâneos de composição coreográfica. Sua pesquisa tem como foco a dança solo e a antropofagia, abrangendo ainda temas como a performatividade e a educação somática. Recebeu o Prêmio Funarte Petrobras Klauss Vianna de Dança e o Prêmio Açorianos de Melhor Produção pelo espetáculo Instruções para Abrir o Corpo em Caso de Emergência, juntamente com os artistas Michel Capeletti e Tatiana da Rosa. Foi diretora da Cia. Olhar do Outro de Pelotas com a qual realizou os espetáculos Olhar do Outro e Palco de Feiras. Em 2018 fundou a OUTRO Danças, um grupo que tem como interesse a pesquisa em torno da ventura antropofágica, criando trabalhos que transitam entre a dança, o teatro, o cinema e a performance. Com a OUTRO realizou o solo BITCH, o espetáculo e a videodança CÃES, financiados pelo Procultura, e atualmente está desenvolvendo o espetáculo ANIMAL NOTURNO.

 

Ana Sedeño Valdellós é criadora e diretora audiovisual com doutorado em Comunicação Audiovisual e Professora do Departamento de Comunicação e Publicidade Audiovisual da Universidade de Málaga (Espanha). Suas linhas de pesquisa incluem as relações entre música, meios audiovisuais e as práticas audiovisuais na cena contemporânea sob uma perspectiva histórica e/ou educativa, com ênfase em produções artísticas, como videojockey, mapping e videodança. É autora dos livros Lenguaje del videoclip (2002), La música contemporánea en el cine (2005), Historia del videoarte en España (2011) e Análisis del cine Contemporáneo: Estrategias estéticas, narrativas y de puesta en escena (2013).

 

Daniel Aires é artistas e pesquisador de Danças e visualidades multimídia. Doutor e Mestre em Artes Cênicas pelo Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAC-UFRGS); Especialista em Dança (UFRGS); Licenciado em Dança (UFRGS); Bacharel em Artes Visuais pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

 

 

Denivan Costa de Lima, conhecido como Denis Angola, é alagoano da Cidade de Maceió, possui graduação em dança Licenciatura pela universidade Federal de alagoas-UFAL (2011), e Contramestre de Capoeira e Ogan do terreiro de Oxumaré, dançarino e pesquisador em dança com foco na negritude, diretor de espetáculos de dança numa perspectiva contemporânea e Videomaker. Contemplado em alguns prêmios de fomento à dança, como Prêmio Alagoas em cena – Espetáculo URUBUMBAGUELÉ; Prêmio Klauss Vianna – Projeto Urucungo em Cena Urbanas; Prêmio Eris maximiano – Espetáculo SARAVÁ; Atualmente desenvolve um projeto de vídeodança com alguns artistas negros da cidade de Maceió. TRANCOSUS: conto dos corpos. Em 2022, publicou o livro URUCUNGO: Dança Negra Encruzilhada Branca.

 

Natacha Muriel López Gallucci é Professora de Filosofia no ICHCA na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Professora dos Programa de Pós-graduação em Artes (ICA UFC) e do Profartes Capes (URCA). Pós Doutora em Artes Bolsista PNPD, CAPES PPGArtes UFC. Doutora em Filosofia pelo IFCH, UNICAMP e Doutora em Multimeios pelo IA, UNICAMP. Mestre em Filosofia pelo IFCH, UNICAMP. Possui Licenciatura em Filosofia e Especialização em Pedagogia pela Universidade Nacional de Rosario (UNR, Argentina). Certificado internacional de Estudos Afro Latino Americanos pelo ALARI Harvard. Bacharelado em Danças pela Escola Nacional de Danças Nigélia Sória Rosario Argentina. Pesquisadora associada à ABRACE Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas e Membro da SOCINE Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual. Pesquisadora Associada da ANDA. Coordena o Grupo FiloMove: Grupo de Pesquisa Filosofia, Artes e Estéticas da América Latina. Coordenadora do FiloMove Filosofia Artes e Estéticas da América Latina (www.Linktr.ee/filomove) e do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Artes da América Latina (ICHCA UFAL).

Organização

DIRETORAS
Carmem Anita Hoffman – UFPel
Rosângela Fachel – UFPel

COMISSÃO ORGANIZADORA
Carmen Anita Hoffmann – UFPel
Rosângela Fachel – UFPel
Carlise Scalamato – UFSM
Rebeca Recuero – UFPel
Luana Arrieche Echevengua – UFPel
Hamilton Bittencourt – UFPel
Marcos Júlio Fuhr – Fundação ECARTA
André Venzon – Fundação ECARTA
Valéria Ochôa – Fundação ECARTA
Stela Pastore – Fundação ECARTA
Elisabete Crucillo – Fundação ECARTA

REALIZAÇÃO
Programa de Pós-graduação Mestrado em Artes Visuais – PPGAVI – UFPel
Curso de Dança – Centro de Artes – UFPel
Fundação ECARTA

APOIADORES
Curso de Dança Licenciatura da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM
Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo – MALG
Red Iberoamericana de Investigación en Narrativas Audiovisuales – Red INAV
Proyecto Corporalidad Expandida
LEPPAIS. Laboratório de Ensino, Pesquisa e Produção em Antropologia da Imagem e do Som – UFPel

CONTATO
Email: fivrs.videodanca@gmail.com