Início do conteúdo
Exercício domiciliar

Definição
Exercício Domiciliar é a possibilidade de substituição da frequência às aulas por atividades orientadas fora do ambiente acadêmico. 
É permitido substituir a frequência às aulas por exercícios domiciliares, resguardada a qualidade do trabalho acadêmico, nos seguintes casos:
a) à aluna gestante que, por ordem médica, esteja impedida de frequentar as atividades acadêmicas;
b) licença maternidade e paternidade, em prazo condizente com a legislação vigente;
c) ao discente com afecções congênitas ou adquiridas, infecções, traumatismos, doenças infectocontagiosas ou outras condições caracterizadas por incapacidade física, incompatível coma frequência normal às atividades acadêmicas;
d) ao discente com deficiência, quando não for possível sua integração ao ambiente acadêmico. Neste caso a solicitação de tratamento excepcional deverá ser renovada a cada período letivo, mediante a apresentação de laudos médicos.
A concessão de tratamento excepcional fica condicionada à possibilidade de garantia de continuidade do processo didático-pedagógico.
Não será concedido exercício domiciliar ao discente matriculado em regime especial, e ao discente matriculado nos componentes curriculares que ofereçam:
I – estágio curricular;
II – práticas laboratoriais ou ambulatoriais;
III – atividades cuja execução não possa ocorrer fora do ambiente acadêmico;
IV – demais atividades cuja natureza seja incompatível como exercício domiciliar.

Como solicitar
O tratamento excepcional deverá ser protocolado junto à perícia médica da UFPel acompanhada de laudo médico, com base em requerimento emitido até o quinto dia posterior ao início da ocorrência do fato impeditivo.
A perícia encaminhará parecer acerca da solicitação ao colegiado de curso, que deverá avaliar a possibilidade pedagógica de realização das atividades em regime domiciliar.
Na impossibilidade de realização dos exercícios domiciliares o colegiado deverá encaminhar a recomendação de trancamento.

 Fluxograma

Etapa Responsável Procedimento
1 Discente – Entregar atestado e solicitar exercício domiciliar na perícia médica;
2 Perícia Medica – Emitir parecer;
– Encaminhar ao colegiado do curso.
3 Colegiado de curso – Avaliar a condição pedagógica do exercício domiciliar;
– Informa ao discente e docente responsável.
4 Discente – Combinar com o docente responsável pelo componente curricular o cronograma de atividades, dentro do período letivo.
5 Docente – Registrar o diário de classe o regime concentrado;
(Nos casos em que não for possível ao docente informar o aproveitamento acadêmico no fechamento da turma, este deverá ser enviado à CRA através de formulário padronizado para informação de notas.).
6 CRA – Registrar a correção de nota/frequência, quando necessário.