Início do conteúdo

Reunião mais uma vez esbarra no quórum

A ausência de representantes dos três segmentos – discentes, técnico-administrativos e docentes – tem dificultado o processo da Comissão de Sistematização da Constituinte Universitária da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Incumbido da missão de elaborar o Projeto Institucional e atualizar o Estatuto e o Regimento Geral, o grupo tem sofrido com as faltas constantes. Já é a terceira vez que a reunião não é realizada devido à falta de quórum.

Conforme a Resolução 33/2014 do Conselho Universitário (CONSUN), perdem o mandato aqueles que tiverem três faltas consecutivas ou cinco alternadas. No fim da semana passada, a Comissão Executiva fez o levantamento das faltas. Perderão o mandato, por conta disso, 11 duplas de representação dos alunos, duas de representação dos servidores e uma dupla de professores. Eles serão informados oficialmente.

Na manhã desta segunda-feira (25), com a reunião já marcada, a Comissão de Sistematização tentou retomar as discussões, que no momento giram em torno de aprovação do texto para apresentação de princípios propostos e a continuidade da discussão a respeito de princípios e fins da UFPel, além da organização de Grupos de Trabalho (GTs). No entanto, até mesmo o volume de pessoas necessário – reajustado em vista das perdas de mandato – não foi o suficiente para que o encontro fosse à frente.

A Comissão de Acompanhamento (CA) deverá chamar novas eleições para a recomposição do quórum. A expectativa é que o pleito seja realizado em junho. Segundo um dos integrantes da Comissão Executiva, Sérgio Christino, não serão convocadas novas reuniões até que os próximos representantes dos segmentos tenham sido eleitos.

Papel fundamental
As mudanças ao longo da existência da Universidade – incluindo sua expansão, que agora atinge a marca de 19,3 mil alunos, 1,3 mil professores e 1,3 mil técnico-administrativos – exigem que os documentos mais importantes sejam reavaliados.

A integrante da CA, Lorena Gill, lembra que existe uma nova conjuntura e os documentos – que, embora tenham sofrido alterações ao longo do tempo, mantêm a essência da época da fundação da UFPel – precisam ser modificados à luz dessas transformações. “O papel deles [representantes dos segmentos na Comissão da Constituinte] é ouvir a comunidade sobre os aspectos mais importantes que devem estar nesses documentos”, pontuou.

Publicado em 25/05/2015, em Sem categoria.