Notícias
  • ST 1: REFLEXÕES REGIONAIS: TRABALHO, POLÍTICA E HISTÓRIA MILITAR

    COORDENADOR: PROF. EDGAR GANDRA​

    09/11, ÀS 14HS, ICH, SALA 323

     

     

    1. A IMPORTÂNCIA DA FUNDAÇÃO DA COLÔNIA DO SACRAMENTO PARA A COROA PORTUGUESA

    José Carlos Pöppl Filho

    A apresentação tem por objetivo a compreensão dos motivos que levaram a Coroa portuguesa a estender os seus domínios ao rio da Prata, com a fundação da Colônia do Sacramento em 1680, materializando o retorno lusitano ao Prata após a União Ibérica e buscando reestabelecer os fortes vínculos comerciais existentes durante aquele período com os mercados de Buenos Aires, do Paraguai e do Alto Peru. Para tanto, a delimitação do domínio português por fronteiras naturais impulsionou a expansão lusa na América em direção ao sul, tendo como meta as margens do rio da Prata, beneficiando-se de imprecisões nas demarcações dos tratados de limites firmados entre as duas coroas ibéricas.

     Palavras-chave: Região platina; fronteira; expansão.

     

    1. ESPANHÓIS NA FRONTEIRA SUDOESTE DO RIO GRANDE DO SUL: A ESTÂNCIA E O FORTE DE SANTA TECLA

    Ivan Cesar dos Santos Pinheiro

    A apresentação pretende abordar a história e a constituição da Estância e do Forte de Santa Tecla e seu contexto, desde o período das Missões Jesuíticas até a assinatura do Tratado de Badajoz, no município de Bagé e sua relevância para a história do Rio Grande do Sul e da América Latina. Dados coletados através de pesquisas realizadas no intuito de descrever aspectos da história e da estrutura da Estância, posto avançado de São Miguel das Missões, e do Forte, recuperando-se a história e memória do sítio e do material que foi lá encontrado e o que ainda está desaparecido, desde as pesquisas realizadas nos anos 1970, serão apresentados através de mídia eletrônica. Com isso, buscaremos compreender, sistematizar e lançar um olhar sobre questões que permanecem abertas há mais de um século entre os pesquisadores interessados no tema.

     

    1. A ASSOCIAÇÃO DE MARINHEIROS E A “CIDADE VERMELHA”: MOBILIZAÇÃO E REPRESSÃO EM RIO GRANDE-RS NO CONTEXTO DO GOLPE CIVIL-MILITAR DE 1964

     

    Robert Wagner Porto da S. Castro

    Em se tratando de um tema ainda tão “vivo” na história brasileira, o golpe civil-militar de 1964, vem cada vez mais sendo objeto de estudo na área da historiografia. Entretanto poucas análises buscam ampliar o debate no sentido de abarcar o desenrolar dos acontecimentos desse período fora dos grandes centros do país. Neste sentido, o presente trabalho constitui-se em uma breve releitura da mobilização da Associação de Marinheiros e Fuzileiros Navais do Brasil (AMFNB) e seus desdobramentos na cidade gaúcha de Rio Grande-RS, durante o tensionado ano de 1964, especialmente no contexto da repressão conduzida pela Marinha do Brasil nessa cidade. Destarte, considerando algumas especificidades da urbe riograndina, e ainda, do momento político do país à época, bem como, a trajetória de alguns militares e ex-militares enquanto membros ou apoiadores da AMFNB. Analisaremos as conexões entre a mobilização dos marinheiros e lideranças riograndinas, e a repressão que se abateu sobre a cidade no ano de 1964, no contexto da radicalização do movimento dos marinheiros naquele mesmo ano. Buscando evidenciar os desdobramentos da mobilização desses militares e a eventual atuação da AMFNB em Rio Grande-RS. Desse modo, o presente trabalho busca contribuir para um melhor entendimento acerca do alcance do movimento dos marinheiros, bem como, da maneira como foi conduzida a repressão em Rio Grande-RS ainda nos instantes de consolidação do golpe.

     Palavras-chave: Associação de Marinheiros e Fuzileiros Navais do Brasil. Cidade de Rio Grande. Golpe Civil-Militar.

     

    1. FORÇA SOCIAL DA MARINHA: AS AÇÕES PEDAGÓGICAS EM RIO GRANDE /RS QUE MUDAM A VIDA DOS JOVENS BRASILEIROS (1998-2017)

    Laryssa Celestino Serralheiro

    O presente artigo tem como meta analisar os diferentes tipos de projetos que a Marinha de Guerra vêm executando frente à comunidade jovem no Brasil meridional, em específico, no Rio Grande do Sul, nas Cidades de Rio Grande e São José do Norte, pelo viés de jovens do sexo masculino e feminino na idade da faixa etária entre 14 a 17 anos, utilizando seus dois principais pilares: disciplina e hierarquia com cunho pedagógico, projetos esses mais conhecidos como Renascer e Ametista. Nesta pesquisa utilizamos revistas da instituição, relatórios ministeriais, relatos dos integrantes e ex-integrantes dos projetos e várias obras significativas para a completude do trabalho.

    Palavras-Chave: Projetos, Rio Grande do Sul, jovens.

     

    1. E FOI DESSA FORMA QUE NASCEU E FOI NOTICIADO O PRIMEIRO ORGÃO DE FORMAÇÃO MILLTAR NAVAL NO EXTREMO SUL DO BRASIL

    Cosme Alves Serralheiro / Jorge Antonio Dias

    Esse trabalho feito a quatro mãos aborda parte do processo de consolidação do regime imperial onde redundou na criação do corpo de Imperiais Marinheiros e posteriormente das Companhias de Aprendizes-Marinheiros, entre elas a Companhia de Aprendizes do Rio Grande do Sul (1861). Evento significativo para a cidade de Rio Grande, noticiado nas páginas do principal jornal da cidade O Diario do Rio Grande, que, por ter seu porto em expansão, contribuiu para formar a Armada naquela região. A instalação da Capitania do Porto (1846) e da Companhia de Aprendizes na cidade gerou a necessidade de captação/recrutamento de jovens oriundos das camadas mais baixas da sociedade, os considerados como “desclassificados sociais”, para treinamento com o intuito de tripular os vasos de guerra. Dessa forma a cidade de Rio Grande com seu porto em expansão entra no roteiro, mediante seu porto em expansão, do regime vigente, como local de captação de jovens sobre vulnerabilidade social. Nesta pesquisa utilizamos Jornais, Relatórios Ministeriais e várias obras significativas para completude do trabalho.

    Palavras-Chave: Recrutamento, Companhia de Aprendizes, Rio Grande do Sul

     

    1. A HEREDITARIEDADE NA CARREIRA MILITAR: UM ESTUDO ATRAVÉS DO MÉTODO PROSOPOGRÁFICO

    Fabíola Peres de Souza

    Na pesquisa que segue, pretendemos demonstrar a partir das referências historiográficas e da composição de um corpus documental concebido por meio da aplicação do método prosopográfico, um estudo de caso que exterioriza a hereditariedade da profissão no Exército. Dessa maneira, analisaremos a carreira dos militares gaúchos :Nelson Etchegoyen, Alcides Gonçalves Etchegoyen, Léo Guedes Etchegoyen e Ciro Guedes Etchegoyen. A trajetória desses indivíduos foi acompanhada por meio da construção do corpus documental, composto de: dados gerais da filiação, ascensão à patentes, ocupação e formação ao longo da carreira.

    Palavras-chave: carreira militar, hereditariedade, prosopografia

     

    1. AS MARIAS QUE TECEM OS AMANHÃS

    Caroline Duarte Matoso

    O presente trabalho tem como objetivo discorrer acerca da pesquisa que desenvolvo enquanto discente do Programa de Pós-Graduação em História pela UFPel. Nele busco averiguar as experiências femininas na fábrica têxtil Rheingantz entre os anos de 1920 a 1930, década de relativo crescimento econômico da empresa e, consequentemente, de introdução expressiva de mão de obra. Acompanhando a composição de trabalhadores (as) dos setores têxteis, HORNES (2013) aponta a estimativa de 80% de mulheres no número total de trabalhadores (as) da fábrica Rheingantz. Porém como se desenvolveu a introdução da mulher no ambiente fabril? Diante dessa pergunta, procurarei a responder através do estudo em fontes orais e documentais, salvaguardadas no CDH – Centro de Documentação Histórica.

    Palavras-chave: mundo do trabalho, relações de gênero, fábrica Rheingantz.

     

    1. ALEXANDRE CASSIANO DO NASCIMENTO: UMA ANÁLISE DO PAPEL DE MEDIADOR POLÍTICO NA PRIMEIRA REPÚBLICA.

    Kevin Retzlaff dos Santos

    Durante o século XIX, mais especificamente na segunda metade em diante, a cidade de Pelotas viveu seu apogeu político e econômico, propiciando assim a formação de uma importante elite regional. Tais famílias atuaram nos mais diversos espaços daquela sociedade, sempre visando manter seu status e privilégios. Assim sendo, é analisando mais de perto as relações sociais desses atores locais que buscamos realizar a nossa pesquisa. O presente trabalho faz parte de um projeto mais amplo que tem como finalidade analisar a elite política local entre 1850 e 1950. É com o apoio da FAPERGS que buscamos dar continuidade a esta pesquisa, que tem na trajetória política do pelotense Alexandre Cassiano do Nascimento e seu papel como mediador político entre a elite local e a república, e será o tema central do presente trabalho.

    Palavras-chave: Política, Elite, Cassiano do Nascimento

     

    1. AS RELAÇÕES TRABALHISTAS NOS HOTÉIS EM PELOTAS A PARTIR DOSPROCESSOS – ANÁLISE DA DÉCADA DE 1950

    Larissa Plamer Teixeira

    Resumo: O presente artigo tem por objetivo analisar as relações de trabalho dos hotéis pelotenses a partir dos processos trabalhistas, referentes a década de 1950. Assim, abordando os principais motivos destes processos, as relações trabalhistas entre empregador e empregado e os aspectos em comum entre as causas dos hotéis identificados. Este trabalho é um recorte do projeto de pesquisa “A História da Hotelaria em Pelotas na Primeira Metade do Século XX”. A metodologia utilizada foi uma pesquisa documental, sendo a principal fonte os processos trabalhistas, pertencentes ao Núcleo de Documentação Histórica da UFPel. No início do século XX Pelotas passa por uma grande crise econômica, e a falência da indústria saladeiril, com isso, muitos estabelecimentos hoteleiros tiveram de fechar suas portas. Porém, no início da década de 1930, tem-se uma reestruturação da economia pelotense, colocando o município como um polo da região sul, e fazendo com que os hotéis já existentes se desenvolvessem e novos fossem inaugurados. Identificou-se diversos processos trabalhistas da década de 1950, nota-se que a maioria destes é referente ao não pagamento do salário e/ou diretos trabalhistas, como horas extras e férias. Pode-se identificar com estes documentos, o nome do proprietário, localização do estabelecimento, nome, idade, endereço e ocupação dos empregados, para assim, evidenciar os cargos existentes nos hotéis neste período. Considera-se os processos trabalhistas uma importante fonte, com aspectos significativos para se formar a história da hotelaria no século XX.

    Palavras-chave: História da Hotelaria; Processos Trabalhistas; Pelotas.

     

    10. ESCRAVIDÃO NA CHARQUEADA BOA VISTA, DÉCADA DE 70 EM PELOTAS – RIO G. SUL (SÉCULO XIX)

    Patrícia Buss Farias dos Santos

    O presente projeto de pesquisa está voltado para a análise do plantel de escravos na charqueada Boa Vista, na década de 1870, que pertencia ao senhor Aníbal Antunes Maciel e sua esposa Felisbina Antunes Maciel. Nesta época esse estabelecimento possuiu aproximadamente 150 escravos.

    Minha contribuição para esse tema será trazer ao cenário historiográfico uma abordagem ainda não realizada de forma aprofundada para o estudo das charqueadas, a fim de analisar a relação dos escravos com os seus senhores, os seus costumes e o seu cotidiano no trabalho. Portanto, não realizarei uma análise econômica nas charqueadas, mas procurarei compreender e identificar os mecanismos de sobrevivência destes bravos cativos.

     

    1. FALTA DE MOTIVAÇÃO: PERSPECTIVAS E LIMITES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UFPEL

    Zani Furtado de Borba

    Este resumo é parte de uma pesquisa ainda em andamento e em fase inicial cujo objetivo visa analisar e tentar encontrar (retirar) possíveis respostas para questões do porque as pessoas procrastinam, como esta acontece, quais motivos e atitudes a causam e conseqüências geradas. É uma atitude bastante tolerada pela sociedade, embora gere críticas e auto – criticas, transtornos existenciais e psicológicos para o individuo e seus familiares. Inclusive, questionar se o desenvolvimento desta deve-se a hereditariedade, a patologias, processos fisiológicos e/ou simples preguiça. Sem contar um estudo sobre a principal área (pelo menos parece) em que a procrastinação mais atua: a área acadêmica, Humanas, Exatas e da Natureza. Os dados colhidos podem indicar uma deficiência na formação de futuros professores, mas outros dados se fazem necessários para que se possa chegar a uma conclusão.

    Palavras Chave: procrastinar; distratores; patologias

     

    12. TRAJETÓRIA SOCIAL E POLÍTICA DE BENTO GONÇALVES DA SILVA

    Iago Silva da Cruz

    O trabalho tem como objetivo apresentar a forma como Bento Gonçalves da Silva, chefe militar e abastado estancieiro fora biografado na historiografia tradicional, que se dedicou a retratar de forma densa e descritiva os grandes feitos do líder durante a revolta. A proposta não será a de reescrever a biografia de Bento Gonçalves, mas compreender partir de sua trajetória social, política e econômica, e partimos da ideia de caudilhismo para analisar as formas que se davam essas relações sociais desses líderes militares, em um contexto fronteiriço de guerra com as demais camadas populares a fim de entendermos suas ideias, a qual grupo social estava incluído e seu cabedal político e econômico. Através de fontes como listas de batismos, inventários post-mortem e também das correspondências, buscaremos discutir o papel desses líderes na construção do Estado.

    Palavras-chave: Trajetória – Caudilhismo – Bento Gonçalves da Silva.

     

    1. AS MARCAS DA DITADURA CIVIL-MILITAR NA HISTÓRIA LOCAL DE PELOTAS/RS

    Sinara Veiga Faustino

    O presente resumo, trata de uma pesquisa ainda em andamento que tem como objetivo analisar como a ditadura civil-militar em Pelotas-RS deixou uma marca na tessitura social da cidade, assim a pesquisa trabalha também com patrimônio cultural, tratando de locais de memória que de alguma maneira ficaram no imaginário social como símbolos. O foco principal é o resgate de memória de acontecimentos que envolveram tanto pessoas do movimento estudantil como também trabalhadores e outras pessoas que não necessariamente participavam de algum grupo organizado, mas que de alguma forma lutaram na resistência contra o governo militar instaurado. Passados 50 anos do golpe que marcou a história do país, se torna cada vez mais importante resgatar as memórias dos 21 anos de governo ilegítimo. Mesmo com a abertura de arquivos, com a Comissão Nacional da Verdade que trouxe muitas informações a público, é possível encontrar um grande número de pessoas que desconhecem as razões e consequências do golpe de 64. A memória é algo que se constrói individual ou coletivamente sendo mutável e suscetível a transformações e novas interpretações, assim, se trata de um tema que deve continuar sempre sendo abordado, jamais esquecido ou silenciado.

    Palavras-chave: Ditadura civil-militar – Memória – Resistência

     

     

  • ST 2: HISTÓRIAS LOCAIS E SUAS MULTIPLICIDADES DE FONTES

    COORDENADORA: PROF.A VIVIANE SABALLA

    09/11, ÀS 14HS, SALA 102, ICH

     

    1. HISTORICIDADE E PATRIMONIALIZAÇÃO EM PELOTAS ENTRE 1970 E 1990: FONTES DE PESQUISA

    Eduardo Roberto Jordão Knack

    Entre as décadas de 1970 e 1990 é possível perceber duas visões sobre o espaço urbano pelotense que entraram em conflito: o presentismo dos agentes da urbanização e o preservacionismo de memorialistas e intelectuais. Esse momento marca o avanço da modernização urbana, pautada pelo progresso e pela aceleração da experiência temporal. Em resposta a essa reconfiguração urbana, entre 1980-1990 diferentes setores da comunidade promoveram ações sistemáticas para preservação do patrimônio cultural. É plausível indicar uma crise de historicidade que afetou, entre outros aspectos, a formação urbana e visual da cidade, caracterizada pela a arquitetura moderna, de um lado, e pela preservação do patrimônio edificado, por outro. O presente trabalho propõe uma reflexão sobre como observar, em diferentes fontes de pesquisa, esse embate entre diferentes percepções sobre uma experiência temporal caracterizada pela aceleração da vida urbana e suas transformações. Uma que caracterizava uma cidade moderna e progressista, impulsionando a verticalização, urbanização e industrialização, e outra com foco no “resgate” da memória e do patrimônio, voltado para preservação do passado materializado em edificações da cidade. Entre as fontes analisadas estão documentos políticos (processo de tombamento, atas da câmara de vereadores), publicações comemorativas e revistas ilustradas.

     

    1. OS IMPACTOS DO TURISMO EM PELOTAS NO PERÍODO DE 1999 A 2000 A PARTIR DO JORNAL DIÁRIO POPULAR – PELOTAS/RS.

    Dalila Rosa Hallal / Pierre Chagas

    O presente trabalho tem como objetivo compreender como o jornal Diário Popular retrata os impactos (positivos e negativos) do turismo no município de Pelotas/RS. Utilizamos o jornal Diário Popular, disponível na Biblioteca Pública de Pelotas, como fonte de pesquisa. Neste artigo iremos nos deter nas reportagens dos anos de 1999 e 2000. Historicamente o Turismo vem causando impactos econômicos, ambientais, e socioculturais tanto negativos quanto positivos, também chamados de custos e benefícios que atingem todas as partes envolvidas. Com vistas a atender os objetivos do estudo, foram analisadas todas as reportagens que versavam sobre turismo. No ano de 1999 foram identificadas várias reportagens referentes ao tema Turismo, na sua maioria salientando aspectos referentes aos atrativos do município de Pelotas, destacando principalmente as vantagens econômicas da atividade turística. Salienta-se que não foram identificados outros aspectos (impactos) significativos do Turismo, nem culturais, nem ambientais e nem sociais. No ano de 2000 as reportagens também salientam principalmente aspectos econômicos positivos da atividade turística, contudo, algumas reportagens salientam outras vantagens do Turismo, como cultural – o turismo pode preservar a cultura e revitalizar o centro da cidade; e ambiental – pode preservar os recursos naturais. Pode-se perceber que o jornal aborda somente aspectos positivos do turismo no período analisado. A fonte jornalística permitiu ampliar os horizontes para novas reflexões e problemáticas nos conhecimentos sobre a história do turismo em Pelotas.

    Palavras-chave: Impactos; Turismo; Pelotas.

     

    1. A CIDADE DE PELOTAS E SEUS GRUPOS SÓCIO-OCUPACIONAIS: POSSIBILIDADES DE PESQUISA A PARTIR DE UM ALMANACK ADMINISTRATIVO DE 1914

    Jéssica Rodrigues Bandeira Peres

    No presente trabalho, buscarei demonstrar as diferentes maneiras que podem ser utilizadas para explorar um documento do início do século XX, sobre a cidade Pelotas. A fonte mencionada é o “Anuário administrativo, agrícola, profissional, mercantil e industrial da Republica dos Estados Unidos do Brasil”, de 1914, que se trata de uma obra estatística e de consulta, fundada em 1844, por Eduardo Von Laemmert. O anuário traz uma lista com as profissões, o comércio e a indústria Pelotense.

    Os primeiros anos do século XX apresentam uma nova conjuntura política e socioeconômica para a cidade. A abolição da escravatura, a proclamação da república, a decadência das charqueadas, a urbanização, a industrialização e o surgimento de uma classe operária são fatores de destaque para o período. Também no inicio deste século, vários grupos de imigrantes estão chegando à cidade, alguns para substituir a mão de obra escrava, que iria se concentrar principalmente nas fabricas na parte urbana de Pelotas.

    Um dos possíveis métodos de utilizar essa fonte é o estudo dos sobrenomes de imigrantes ou filhos de imigrantes que estão na lista do anuário, podendo analisar se essas pessoas que chegaram à cidade estavam assumindo lugares de donos de comércios, indústrias, se ocupavam lugar nos pequenos negócios. Pode-se utilizar esta fonte também para compreender melhor as atividades profissionais que dominavam a vida na cidade. Portanto, buscarei realizar uma história social que dê conta das estratificações sociais, dos grupos profissionais, das ocupações econômicas e de como as pessoas faziam uso dos espaços da cidade.

    Palavras-chave: Pelotas- profissões- cidade

     

    1. A HISTÓRIA DESCARTADA DA PRAÇA CIPRIANO BARCELOS (PELOTAS, RS)

    Letícia Nörnberg Maciel

    O trabalho em questão tem origem na dissertação recentemente defendida pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia (UFPel) intitulada “Tem lamentos desses negros que foram enforcados aqui”: Estudo arqueológico da Praça Cipriano Barcelos (Pelotas, RS). Através do estudo de louças e cerâmicas exumadas da Praça Cipriano Barcelos no ano de 2014, assim como pela pesquisa em jornais do séculos XIX e XX e atas da Câmara de Vereadores de Pelotas do século XIX, foi possível compreender os usos atrelados à praça em questão ao longo dos dois últimos séculos por grupos social e economicamente marginalizados como escravos, ex-escravos, lavadeiras, operários, dentre outros, bem como as mudanças de ordem física que a praça e o seu entorno sofreram desde o final do século XIX até o aterramento do arroio Santa Bárbara, na década de 1960. Foi possível inferir que os grupos negros da cidade utilizavam a Praça Cipriano Barcelos como um espaço para manifestarem suas práticas religiosas – evidente que não lhes era proibido usufruir ou transitar em outras áreas da urbe, porém é como se a eles fosse designada aquela região a oeste do centro, a antiga periferia. Suas práticas religiosas representavam uma das formas mais significativas de manutenção da identidade cultural, assim como no período anterior à abolição representavam uma forma de resistência à escravidão.

    Palavras-chave: Arqueologia; Praça Cipriano Barcelos; cultura material.

     

    5. A ELITE POLÍTICA DE PELOTAS APÓS O CICLO DO CHARQUE, NO INÍCIO DO SÉC. XX COMO PROBLEMA DE PESQUISA

    Daniel de Souza Lemos

    Pelotas é uma cidade com pouco mais de duzentos anos de história e, apesar da jovialidade que a caracteriza de uma perspectiva temporal, observam-se lacunas em sua historiografia. Principalmente no campo da história política a partir do Século XX, após o final do ciclo econômico do charque, quando a cidade possuía um grupo dominante/dirigente bem definido. Esta elite se preocupava, sobretudo com a manutenção e com a reprodução, de seus recursos e de seus privilégios, bem como da ordem social da cidade na época. De tal forma que resta sem resposta uma importante pergunta: A elite política pelotense conseguiu manter-se no poder, reproduzir-se e recrutar novos atores entre os seus membros e descendentes, após o fim do ciclo econômico do charque e da escravidão? O presente trabalho aborda algumas possibilidades metodológicas para suprir essa lacuna e responder a questão levantada, entre outras.

    Palavras-chave: Elites, Metodologias, Pelotas

     

    6. PROCESSOS CRIME: UM PANORAMA SOBRE SANTA VITÓRIA DO PALMAR E A FRONTEIRA

    Karina Marques Gomes

    A presente pesquisa objetiva analisar os processos crime da cidade de Santa Vitória do Palmar datados entre 1884 á 1903, visando averiguar os dados contidos nos processos, dados esses que nos possibilitam perceber como se davam as relações sociais existentes entre brasileiros e orientais no extremo sul do Rio Grande do Sul (Santa Vitória do Palmar/Chuí). Serão abordados também alguns dados fundamentais sobre os municípios em questão, o uso e análise de processos crime e a fronteira como fator importante para os vínculos ali estabelecidos. Através de análise dos processos e revisão bibliográfica pretende-se elaborar uma pesquisa quantitativa e qualitativa com base em estudos que se apropriam desta temática.

    Palavras Chave: Processos crime, fronteira e relações sociais.

     

    7. OS REGISTROS DE IMIGRANTES ITALIANOS NA PARÓQUIA DE SANTO IGNÁCIO DA FELIZ (1877-1900)

    Fabiano Neis

    A presente comunicação almeja elencar e refletir sobre os registros eclesiásticos dos imigrantes italianos realizados pelos padres que atenderam a Paróquia de Santo Ignácio da Feliz entre os anos de 1877 a 1900. E importante ressaltar que os registros eclesiásticos, de batismo, de matrimonio e de óbito, cumpriram tal papel. A igreja de Santo Ignácio da Feliz foi elevada a posição de paróquia em 25 de julho de 1877. O Bispo Dom Sebastião Dias Laranjeira nomeou como primeiro pároco, o padre italiano, Bartolomeu Tiecher já que este também falava o idioma alemão e poderia atender tanto a colônia alemã quanto a colônia italiana, Fundos de Nova Palmira – Nova Milano que desde o ano de 1875 recebia imigrantes italianos

    Palavras-chave: Imigração Italiana, Registros Paroquiais, Santo Ignácio da Feliz

     

    8.     AS PARTICIPAÇÕES ÉTNICAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DA VILA NOVA 7º DISTRITO DE PELOTAS – RS.

    Eliana Menezes de Souza

    Este artigo apresenta resultados parciais da dissertação de Mestrado em História, desenvolvida na Universidade Federal de Pelotas. A pesquisa envolve a comunidade da Vila Nova, 7° Distrito de Pelotas, e tem como objetivo identificar os grupos étnicos que ali se estabeleceram e suas contribuições no período de sua formação. Para alcançar os objetivos fez-se uso da metodologia de história oral, na realização de entrevistas, bem como transcrição e análise das mesmas que serviram de suporte para o entendimento das questões étnicas que permearam a formação daquele espaço. Além das entrevistas faz-se uso de outras fontes como: fotografias, arquivos, atas e inventários. A pesquisa aponta que a primeira família que se estabeleceu na região foi a de Edmundo Bachini, descendente de italianos, na década de 1930, sendo desta família a primeira casa construída na Vila Nova, o primeiro armazém, o primeiro salão de baile, o primeiro grupo escolar e o primeiro time de futebol, ou seja, os descendentes italianos participaram das atividades econômicas, sociais e educacionais da localidade. Da mesma forma, a família Crochemore, franceses que chegaram em 1933, deu sua contribuição, sendo dela a primeira ferraria, a primeira olaria, a primeira carpintaria, a primeira fábrica de conservas, o primeiro posto de gasolina fazendo com que a Vila Nova obtivesse desenvolvimento econômico e atraísse moradores para a localidade. Na mesma época ocorreu a chegada da família Charnaud, descendente de alemães que trabalhavam na produção agrícola.

    Palavras-chave: Etnia; Zona Rural; Vila Nova

     

    9. OS CONVITES DE CASAMENTO NA TRADIÇÃO POMERANA

    Débora Hartwig Wendler

    A pesquisa aqui apresentada está sendo desenvolvido no grupo de pesquisa História da Alfabetização, Leitura, Escrita e dos Livros Escolares (HISALES – PPGE/FaE/UFPel), no acervo das Escritas Pessoais e Familiares. Este trabalho objetiva descrever um objeto simbólico e material vinculado à tradição pomerana: os convites de casamento. Essa descrição será feita considerando o suporte e a prática cultural tanto do casamento quanto do convidador, o “hochtijdsbirar”. O casamento faz parte dos ritos de passagem, os quais são de “fundamental importância para os pomeranos” (BAHIA, 2011). A metodologia utilizada é a pesquisa documental, na qual são analisados e problematizados os convites de casamento da tradição pomerana.

    Palavras-chave: tradição pomerana, casamento pomerano, convidador

     

    10. REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO EM CARTILHAS E PRÉ-LIVROS GAÚCHOS (1948-1977): AS MENINAS E AS MULHERES EM QUESTÃO

    Indiara Gaia da Silva

    A temática da representação de gênero nos livros didáticos tem sido objeto de estudo pelo menos desde final dos anos de 1970 (DEIRÓ, 1981). Na tradição desses estudos, o objetivo deste trabalho é identificar em cartilhas e pré-livros produzidas por autoras gaúchas, entre os anos de 1948-1977, representações de gênero, enfatizando os estereótipos ali reproduzidos de menina. Entende-se que tais representações repercuti na vida adulta da mulher. As cartilhas e pré-livros fazem parte de um dos acervos do grupo de pesquisa HISALES (FaE/UFPel) e somam um total de 16 exemplares. O recorte temporal é em razão da significativa produção sob a chancela do Centro de Pesquisa e Orientações Educacional, ligado a Secretária da Educação/RS.

    Palavras-chave: Gênero. Comportamento. cartilhas e pré-livros.

     

    11. PROBLEMATIZANDO CONCEPÇÕES DE CAMPO NOS CADERNOS ESCOLARES

    Leticia Sell Storch

    O trabalho tem por objetivo problematizar os textos encontrados em 21 cadernos de uma aluna que estudou do pré-escolar à 4ª série (entre os anos de 1991 e 1995) em um contexto urbano no município de Rio Grande/RS. A pesquisa é realizada no acervo de cadernos de alunos do Grupo de Pesquisa História da Alfabetização, Leitura, Escrita e dos Livros Escolares (HISALES/FaE/UFPEL). A proposta justifica-se com o intuito de saber qual a concepção de campo que encontramos nos cadernos escolares de alunos desse acervo específico. Com a procura dos chamados “textos rurais” foram encontrados textos autorais, textos escritos pelos professores, exercícios e desenhos que remetiam ao contexto do campo. De modo geral, é possível perceber, nestes cadernos analisados, que a temática do campo foi tratada de forma homogênea, não demonstrando a diversidade existente.

    Palavras-chave: Educação do campo; Textos rurais; Cadernos escolares

     

    12. OS REFLEXOS DA ATUAÇÃO DE PADRE DE PADRE REINALDO WIEST NAS CIDADES DE PELOTAS E PIRATINI – RS

    Ticiane Pinto Garcia

    Este trabalho propõe-se analisar as especulações iniciais de uma futura dissertação de mestrado. A referida pesquisa pretende discutir a presença e o legado de Padre Reinaldo Wiest nos cotidianos em que atuou, nas cidades de Pelotas e Piratini, no Estado do Rio Grande do Sul. Além de ser considerado formador de opinião para esses paroquianos, a ele são atribuídos diversos milagres. Milagres estes que fizeram com que essas comunidades fossem motivadas logo após sua morte em 1967, a organizarem-se para uma possível caminhada em prol de sua beatificação. A pesquisa tratará dos aspectos da trajetória que possivelmente proporcionaram a constituição de uma devoção popular a este padre nas duas cidades acima.

    Palavras-chave: Representatividade – Trajetória – Devoção

     

    1. ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DE TESTAMENTOS E INVENTÁRIOS DA SECRETARIA DA FAZENDA DE PELOTAS (1864 A 1966)

    Cleoni Lima de Avila/ Secundino José Rosa

     

    Em atividade desde 2002, em 12 de maio de 2015, o Núcleo de Pesquisa em História Regional recebeu a doação de Livros de Registros da Secretaria da Fazenda de Pelotas, Inventários e Testamentos, dos anos de 1864 a 1966, com interrupções, totalizando 35 livros. O presente Projeto de Ensino objetiva a organização do acervo, a fim de torná-lo acessível aos pesquisadores. As etapas do projeto de organização do acervo são: higienização, acondicionamento, descrição e divulgação do projeto. Dentro das atividades Práticas da disciplina de Organização de Arquivos Históricos e Arquivos Especiais duas ações foram encaminhadas: a higienização e um levantamento parcial das informações contidas nos livros. Foi criada uma tabela Excell com os seguintes dados: Testador, Sexo, Data do Óbito, Data do Testamento, Data da Aprovação, Data da Abertura, Observações.

    Palavras-chave: Acervo, Testamentos, Inventário