Notícias
  • Coredesul e Núcleo de Desenvolvimento Sustentável visitam a Reitoria

    O reitor da UFPel, Pedro Hallal, recebeu, nesta segunda-feira (13), visita dos representantes do Conselho Regional de Desenvolvimento da Região Sul (Coredesul) e do Núcleo Regional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (PNUD) da ONU. Na oportunidade, acompanhado do assessor da Reitoria, Gilberto Loguercio Collares, do pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento, Otávio Peres,  e do diretor da Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim (ALM), Bruno Vieira, o reitor reafirmou os compromissos e o papel estratégico da UFPel para o desenvolvimento regional do extremo sul do Brasil.

    A presidente do Coredesul, Roselani Silva, destacou as atribuições e desafios do Conselho, além da necessária presença e articulação das ações entre as instituições. Roselani também ressaltou a forma responsável com a qual a equipe do professor Hallal desenvolveu e participou da elaboração das propostas da Instituição, inseridas no processo de atualização do Plano de Desenvolvimento da Região Sul (2017-2030), tais como a reforma do Grande Hotel, os blocos 2 e 3 do Hospital-Escola, Parque Urbano UFPel-Anglo, o Mercosul Multicultural (espaço de eventos da UFPel) nas antigas instalações da Brahma, Planetário da UFPel, a Casa dos Museus, nas antigas instalações da Laneira, e o projeto de um Sistema de Mobilidade Interuniversitária UFPel Anglo-Centro/Pelotas-Capão do Leão.

    Dos representantes do Núcleo Regional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (PNUD) da ONU, Suzana Neves, João Francisco Neves e Maurício Pinto da Silva (UFPel), o reitor e equipe conheceram as principais ações e projetos já desenvolvidos, ouviram o destaque da importância da Universidade e o reforço da necessidade da conjugação de esforços para uma agenda comum, com a participação de professores, técnicos e alunos de diversos cursos, em diferentes frentes para o estabelecimento de ações para o alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (2016-2030).

    De acordo com o professor Maurício, o desafio do Núcleo Regional é viabilizar a participação da sociedade e das diversas Instituições no processo de municipalização, potencializando o atingimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável na área de abrangência do Coredesul em áreas como a erradicação da pobreza, segurança alimentar e agricultura, saúde, educação, igualdade de gênero, redução das desigualdades, energia, água e saneamento, padrões sustentáveis de produção e de consumo, mudança do clima, cidades sustentáveis, proteção e uso sustentável dos oceanos e dos ecossistemas terrestres, crescimento econômico inclusivo, infraestrutura e industrialização, governança.

    De acordo com Suzana Neves, o Núcleo Regional dos ODS, estabelecido desde dezembro de 2014, tendo como Instituição ancora o Coredesul, buscará alcançar todos os municípios da zona sul do Estado, sendo a cooperação da UFPel e da Agência de Desenvolvimento da Lagoa Mirim fundamental, para viabilizar ações e projetos relacionados, agora, aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), emanados desde a Conferência Rio+20.

  • Barragem Eclusa será subsidiada pelos Ministérios da Integração e dos Transportes

    A Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo continua vinculada à Universidade Federal de Pelotas (UFPel), porém seu custeio será feito pelos ministérios da Integração Nacional e dos Transportes. A decisão foi tomada em reunião na Casa Civil, quando estiveram reunidos o reitor da UFPel, Mauro Del Pino, o diretor da Agência da Lagoa Mirim, Gilson Porciúncula, e representantes de diversos órgãos ligados ao Governo Federal.

    A UFPel já vinha negociando a questão desde 2014. Transferida para a Universidade por um decreto de 1994, quando foi extinta a antiga Superintendência do Desenvolvimento da Região Sul (Sudesul), a Barragem Eclusa se mantinha com receita oriunda de uma taxa para amortizar a Barragem do Chasqueiro. No entanto, em 2013 o valor deixou de ser pago. Desde então, a UFPel precisou desembolsar o recurso para a manutenção e a operação da Barragem Eclusa. De lá para cá, já foram investidos R$ 2,4 milhões – montante pelo qual a UFPel já foi restituída.

    Como a projeção de operação e manutenção – que não são ligadas a atividades de ensino, pesquisa e extensão -, é de R$ 1,5 milhão por ano, a Universidade permaneceu em constantes negociações para encaminhar a questão.

    Durante a reunião na Casa Civil, que ocorreu no dia 29 de novembro, a decisão foi de que a UFPel prossegue com a responsabilidade de manter e operar a Eclusa – atividades ligadas à Agência de Desenvolvimento da Lagoa Mirim. Porém, a responsabilidade financeira será dividida entre os dois ministérios.

    Papel
    Localizada próximo à extremidade nordeste do Canal São Gonçalo, a Barragem foi construída há quase 40 anos com a finalidade de evitar a intrusão das águas oceânicas na Lagoa Mirim, assegurando assim a qualidade de suas águas. Ao impedir a salinização, tem o papel de garantir a irrigação das plantações de arroz no estado e também no Uruguai. Além disso, tem papel fundamental ao também evitar a salinização da água que abastece o município de Rio Grande.

    Representação
    Além da delegação da UFPel, estiveram na reunião representantes da Subchefia de Articulação e Monitoramento da Casa Civil, do Ministério da Integração Nacional, do Ministério do Planejamento, do Ministério do Meio Ambiente, do Ministério da Educação, do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes e do Ministério das Relações Exteriores.

  • UFPel vai a Brasília em busca de recursos

    O reitor Mauro Del Pino, acompanhado do pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento, Luís Osório Rocha dos Santos, e do diretor da Agência da Lagoa Mirim, Gilson Porciúncula, estiveram em Brasília na terça-feira (20), mantendo reuniões nos Ministérios da Educação e da Integração Nacional e na Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), na busca de recursos para a UFPel.

    O primeiro encontro foi realizado no MEC, com a chefe do Departamento de Desenvolvimento das Instituições Federais de Ensino Superior, Dulce Tristão, e com a Coordenação Geral de Orçamento deste Departamento, para tratar do uso integral do orçamento da Universidade ainda em 2016. “50 por cento do nosso orçamento de capital, cerca de R$ 8 milhões, e cinco por cento do orçamento de custeio, cerca de R$ 3 milhões, estão contingenciados, ou seja, não foram liberados”, conta o reitor.

    Ainda no encontro realizado no MEC, a delegação da UFPel pediu a recuperação de recursos investidos pela Universidade no Hospital Escola, que foram R$ 21,6 milhões de 2014 a 2016; e outros R$ 2,4 milhões investidos na Barragem-Eclusa do São Gonçalo, de 2013 a 2016. “Todos estes recursos serão investidos nas necessárias atividades de ensino, pesquisa e extensão da Universidade”, observou o reitor.

    Também durante a reunião, a equipe da UFPel reafirmou a necessidade de a Universidade receber R$ 5,3 milhões para a conclusão das obras da Faculdade de Meteorologia, entre outras solicitações.

    Barragem e Eclusa

    20160920_151943Na tarde da terça-feira, a reunião ocorreu no Ministério da Integração Nacional, onde compareceram representantes também dos Ministérios da Educação, dos Transportes, incluindo do Dnit, e das Relações Exteriores, da Advocacia Geral da União, da Superintendência do Patrimônio da União (SPU) e da Cooperativa dos Arrozeiros da Barragem do Chasqueiro (Coodic).

    Na reunião, foi relatada a amortização dos investimentos realizados na barragem do Chasqueiro quando do começo da operação, na década de 80, e a UFPel prestou contas e debateu o futuro dessa barragem e da Barragem-Eclusa do São Gonçalo. Com a amortização, a UFPel deixa de receber recursos para a Barragem-Eclusa. Desde 2014, a UFPel vem investindo recursos próprios na manutenção e operação dessas estruturas. “Hoje não temos mais orçamento para isso”, reflete Del Pino. Para tentar resolver a questão, a ideia é propor, através da Secretaria de Irrigação do Ministério da Integração Nacional, ao Ministro da Casa Civil da Presidência da República, Eliseu Padilha, a análise de uma forma de custeio da operação da barragem.

    Ebserh

    _mg_6421Na Ebserh, a reunião foi com o presidente Kléber Morais, com o vice–presidente Laedson Silva e com a consultora jurídica Andrea Sebião. Foram pautados temas como a administração de pessoal do Hospital Escola, quando a UFPel solicitou a devolução dos R$ 21,6 milhões investidos no HE e tratou sobre a definição de um instrumento legal que permita a continuidade de repasse de recursos da UFPel para o Hospital, em função de não ter sido totalizado, em abril, o que estava planejado em termos de contratação de pessoal com a devida gestão por parte da Ebserh.

    Ainda no encontro na Empresa, a UFPel solicitou a liberação de R$ 6 milhões, também em 2016, para as obras já iniciadas do Bloco 3 do novo Hospital Universitário, mais valores para serem usados nestas obras no próximo ano e também novos recursos para serem aplicados em 2017 nas construções dos Blocos 1 e 2 do novo HE.

  • ALM promove curso de Fundamentos em Piscicultura de Água Doce

    O Laboratório de Piscicultura da Agência da Lagoa Mirim (ALM) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) irá ministrar curso de “Fundamentos em Piscicultura de Água Doce”. A atividade ocorre nos dias 10, 11 e 12 de junho, para alunos do curso de Medicina Veterinária.

    Serão disponibilizadas 15 vagas e os alunos pernoitarão no alojamento do Laboratório, visto que o cronograma será concentrado nos três turnos.

    O curso será ministrado pelo professor Ricardo Robaldo e serão abordados assuntos como espécies cultivadas no país, qualidade de água, uso e manutenção de equipamentos, manejo em piscicultura (densidade, nutrição e biometrias), e predadores e doenças.

    Para mais detalhes, o contato pode ser feito pelo e-mail ricardorobaldoufpel@gmail.com.

  • Agência Lagoa Mirim: diretor vai à Brasília apresentar projetos

    A excelência de atuação da Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim (ALM) foi temática para apresentações realizadas pelo seu diretor, Gilson Porciúncula, em diversos órgãos governamentais localizados na capital federal em visita recente. Porciúncula participou de agendas no Ministério das Relações Exteriores, no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes e na Agência Nacional de Águas.

    O primeiro encontro do qual o diretor participou foi a 10ª Reunião de Alto Nível da Nova Agenda de Cooperação e Desenvolvimento Fronteiriço Brasil-Uruguai (RAM), realizada pela Divisão América Meridional do Ministério de Relações Exteriores. Durante a RAM, foi apresentado relatório de atividades da ALM e também foi construída proposta para que a Agência realize atividades de capacitação para que sejam replicados os estudos de viabilidade na área de saneamento em cidades fronteiriças, seguindo o exemplo dos dois municípios de Aceguá, tanto do lado brasileiro quanto uruguaio.

    Durante a mesma estada, ocorreu a 118ª reunião da Comissão Mista Brasileiro-Uruguaia para o Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim (CLM), durante a qual Porciúncula foi designado como secretário-executivo do grupo. Ele também pode, na ocasião, apresentar propostas de implementação de dois projetos na região, um deles sobre piscicultura, outro de enogastronomia.

    Outras duas agendas envolveram a barragem-eclusa do Canal São Gonçalo. A primeira, no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), relaciona-se com o termo de cooperação entre o órgão e a UFPel para manutenção e operação da estrutura. Já na Agência Nacional de Águas (ANA), o diretor da ALM encontrou-se com o coordenador da área de monitoramento com o intuito de buscar equipamentos para o monitoramento da Lagoa Mirim e do Canal São Gonçalo, de forma a facilitar a operação da barragem.

  • UFPel mostra projetos da Eclusa para técnicos do Ministério dos Transportes

    A Universidade está recebendo a visita de dois técnicos do Ministério dos Transportes que vieram conhecer in loco a situação da Barragem Eclusa do São Gonçalo, sob a administração da Agência de Desenvolvimento da Lagoa Mirim (ALM) da UFPel. O diretor do Departamento de Programas de Transportes Aquaviários do Ministério, Paulo Sérgio Souza, e o engenheiro Wilson Coelho Filho, também do MT, estão sendo recepcionados pelo diretor da ALM, Gilson Porciúncula, e pela equipe técnica da Agência. Na tarde desta quarta-feira (16), o reitor Mauro Del Pino participou de reunião com os dois, na sede da ALM, quando foram apresentados projetos de operacionalização, manutenção e revitalização da Barragem.

    Tramitam no Ministério, desde setembro de 2015, dois projetos relativos à Barragem, protocolados no órgão pela ALM. O primeiro, de operacionalização e manutenção, num total de R$ 3,2 milhões para dois anos, ganhoustatus de prioridade no Ministério e a ideia é que seja assinado um Termo de Cooperação que viabilize o trabalho. Esta proposta já passou por duas avaliações técnicas no Ministério. O outro projeto, de revitalização e no valor de R$ 8 milhões, conforme o diretor da ALM, está em stand by.

    A preocupação da UFPel é que com a ativação da hidrovia Uruguai-Brasil a movimentação no São Gonçalo vai aumentar. Hoje a barragem faz quatro operações de eclusagem por dia, número que deverá crescer com a hidrovia. E o tempo de uso da barragem também é um fator que deve ser levado em conta, tem 39 anos.

    Falando aos técnicos do Ministério, o reitor Mauro Del Pino ressaltou a importância da visita in loco e a necessidade de atendimento dos projetos. No encontro desta quarta à tarde, o diretor da ALM fez uma apresentação dos projetos protocolados no MT. Para a manhã desta quinta-feira, está prevista uma visita à Barragem, que fica junto ao campus Capão do Leão da UFPel.

  • Seminário apresenta planejamento estratégico para Agência Lagoa Mirim

    A tarde da última quinta-feira (3) foi tempo para pensar a atuação da Agência de Desenvolvimento da Lagoa Mirim. Estiveram reunidos representantes das Universidades Federal e Católica de Pelotas, do Consulado do Uruguai e da Delegação Uruguaia da Comissão Mista para o Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim, do Conselho Regional de Desenvolvimento, do Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor, da Fundação Estadual de Proteção Ambiental e do Comitê de Águas da Bacia Lagoa Mirim-São Gonçalo.

    A principal discussão da reunião foi a apresentação do planejamento estratégico proposto para a ALM e seu plano de reestruturação. O trabalho foi desenvolvido por uma consultoria externa contratada pelo Ministério da Integração Nacional e pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura, ligado à Organização dos Estados Americanos. O profissional contratado, autor dos dois documentos, é Fábio Ferraz, que vem trabalhando há alguns meses com esse intuito.

    Abrindo o seminário, o reitor da UFPel, Mauro Del Pino, relembrou que a Agência passa por um momento de transição, onde a administração das barragens das quais a ALM é responsável passa por um processo de restruturação, por meio dos Ministérios da Integração Nacional e Ministério dos Transportes, o que alterará as receitas da organização. Desta forma, ele acredita que essa proposta de planejamento estratégico será uma possibilidade para que a ALM possa transformar-se em uma verdadeira agente para o desenvolvimento da região.

    Ferraz deu seguimento à programação com a apresentação do diagnóstico realizado durante suas visitas à ALM e apresentou o planejamento estratégico em forma de mapa de objetivos, a partir de cinco perspectivas de ação: cumprimento da missão, relação com beneficiários e parceiros, financeira, processos internos e aprendizado e crescimento. Além disso, o consultor propôs indicadores e metas para cada um desses objetivos. Eles incluem a captação de novos projetos, parceiros e recursos.

    Outras ideias colocadas foram a formulação de uma metodologia de gestão de projetos, capacitação do corpo técnico, criação de um Centro de Pesquisas e Estudos sobre Desenvolvimento Regional, algo que pode ser concretizado por meio de um programa de pós-graduação, e a transformação do Laboratório de Piscicultura em Centro.

    Devido à proposta do planejamento estratégico, e para chegar aos seus objetivos, o consultor elaborou também uma proposta de reestruturação da ALM, que atingiria campos como a própria organização da agência, a sua área financeira e as relações institucionais.

    As ideias trazidas por Ferraz agora serão apreciadas pela Administração Central da UFPel e, caso venham a ser levadas adiante, passarão por votação no Conselho Universitário.

  • Futuro das barragens sob gestão da UFPel é tema de reunião em Brasília

    20150825_151532Na última semana, o reitor da Universidade Federal de Pelotas, Mauro Del Pino, e o diretor da Agência de Desenvolvimento da Lagoa Mirim, Gilson Porciúncula, estiveram na capital federal, Brasília, para uma reunião que integrou membros de diversos ministérios para definirem estratégias para a gestão das barragens que estão sob responsabilidade da UFPel. A Universidade administra duas dessas estruturas na região: a Barragem do Arroio Chasqueiro, localizada em Arroio Grande, e a Barragem-Eclusa do Canal São Gonçalo, em Capão do Leão.

    Realizado no dia 25 de agosto, o encontro reuniu, na Secretaria Nacional de Irrigação, representantes dos ministérios da Educação, da Integração Nacional, do Planejamento, Orçamento e Gestão, das Relações Exteriores e dos Transportes. Também esteve presente o deputado federal Fernando Marroni.

    A principal pauta tratada na reunião foi a responsabilidade da administração e da gestão financeira das barragens. No caso da Barragem do Chasqueiro, o decreto que repassou a estrutura à UFPel após a extinção da Superintendência de Desenvolvimento da Região Sul (Sudesul) previa o pagamento, por parte da cooperativa de arrozeiros, do valor de amortização dos investimentos feitos pelo governo federal para a criação da estrutura. Atualmente, a equipe da Universidade, por meio da Agência Lagoa Mirim, estuda os valores já repassados para verificar como está o andamento desse processo.

    No entanto, é justamente por meio deste repasse que a Universidade mantém a manutenção da estrutura e a operação da Barragem-Eclusa. Antecipando-se ao momento em que o valor deixará de ser pago, a UFPel protocolou junto ao Ministério dos Transportes dois pedidos de recursos: um para a revitalização da estrutura, tais como, comportas, sistemas de acionamento e as janelas by-pass, além da construção de duas novas comportas, no valor de R$ 7,9 milhões, e outro, no valor de R$ 3,7 milhões, para financiar sua operação e manutenção por 24 meses.

    Mas, como encaminhamento da reunião realizada na última semana, o Ministério da Integração Nacional sinalizou a inclusão de uma rubrica orçamentária para o próximo ano para o apoio operacional da ALM e o Ministério dos Transportes ficou de analisar até esta semana a possibilidade de que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) assuma a responsabilidade financeira da Barragem-Eclusa.

    Uma herança da Sudesul

    Em maio de 1994, por meio de decreto presidencial, foi transferido da antiga Sudesul para a UFPel o acervo técnico-científico, os bens patrimoniais e os projetos vinculados ao Plano de Desenvolvimento Integrado da Bacia da Lagoa Mirim. Os bens foram transferidos por meio de cessão de uso, e, entre estes, estão o Distrito de Irrigação da Barragem do Chasqueiro e a Barragem-Eclusa do Canal São Gonçalo, projetos estratégicos para o desenvolvimento da região.

    Neste mesmo tratado foi definido que a Universidade prestaria apoio administrativo, técnico e financeiro para a execução do Tratado da Lagoa Mirim, um acordo de cooperação binacional entre Brasil e Uruguai para o aproveitamento dos recursos naturais e o desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim, promulgado por decreto em 1978. Entre as obrigações da UFPel definidas por este documento, estavam que se mantivesse o convênio relativo ao projeto da Barragem do Chasqueiro e que as receitas geradas por este convênio fossem transferidas exclusivamente em projetos e atividades definidos como prioritários pela Seção Brasileira da Comissão Mista Brasileiro-Uruguaia para o Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim (SB/CLM), para atender ao tratado.

    Um desses projetos prioritários são a operação e a manutenção da Barragem-Eclusa do Canal São Gonçalo, atualmente sob gestão da Agência de Desenvolvimento da Lagoa Mirim, financiada por meio das receitas geradas pelo convênio da Barragem do Chasqueiro.

    Em julho de 2012, a Cooperativa dos Proprietários do Distrito de Irrigação da Barragem do Chasqueiro (Coodic) solicitou à Secretaria Nacional de Irrigação (Senir) a análise dos recursos investidos na implantação do perímetro de irrigação e das amortizações realizadas. Em junho de 2013, a Senir solicitou para à ALM a prestação de contas do processo de amortização dos investimentos no perímetro. A partir dos dados encaminhados pela Agência, a Secretaria indicou, por meio de nota técnica, que a UFPel defina um Grupo de Trabalho para encaminhar a análise financeira final para concluir sobre débitos ainda existente a serem pagos pela Coodic.

     

     

  • Reunião em Montevidéu traz avanços para Hidrovia Brasil-Uruguai

    reuniaomontevideuA sede do Ministério de Transportes e Obras Públicas do Uruguai, na capital do país vizinho, Montevidéu, recebeu nos últimos dias do mês de julho, 30 e 31, a 9ª Reunião da Secretaria Técnica da Hidrovia Brasil-Uruguai. O evento reuniu os representantes de diversos organismos envolvidos nas iniciativas empenhadas em implantar esse novo espaço de transporte entre os dois países, entre eles os embaixadores do Brasil no Uruguai e do Uruguai no Brasil e das Marinhas dos dois países.

    Representando a Seção Brasileira da Comissão Mista da Lagoa Mirim, o diretor da Agência de Desenvolvimento da Lagoa Mirim, Gilson Porciúncula, também teve papel de destaque na reunião. O gestor do órgão, ligado à Universidade Federal de Pelotas, apresentou as demandas da região sul do estado do Rio Grande do Sul em relação à hidrovia. Entre os pontos, esteve os aspectos operacionais da Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo em relação ao projeto, inclusive a necessidade de sua revitalização para uma plena utilização.

    Além das pautas apresentadas pelo diretor da Agência Lagoa Mirim, também foram debatidos pontos fundamentais do início do funcionamento da estrutura. Uma das principais foi a dragagem do sangradouro do Canal São Gonçalo, local onde se encontra a ligação entre esta e a Lagoa Mirim. De acordo com Porciúncula, este é um dos principais entraves que impedem o funcionamento imediato da Hidrovia: como no local há um aumento de velocidade de escoamento da água, devido ao estreitamento geográfico, de lagoa para canal, ali acaba ocorrendo um grande acúmulo de materiais no leito. Dessa forma a dragagem é essencial. Outros procedimentos semelhantes também devem ser realizados no porto de Santa Vitória do Palmar e de cidades uruguaias. Na reunião, foi relatado que as licitações para a dragagem já estão avançadas e que as obras devem ocorrer ainda no primeiro semestre de 2016.

    Outros temas levantados pela reunião foram os projetos de viabilidade técnica, econômica e ambiental, cujos estudos já foram apresentados. O planejamento ambiental da Hidrovia, com elementos como o plano de prevenção de poluição e de contingência, igualmente foram incluídos na pauta.

  • Diretor da ALM entrega projeto de revitalização da Eclusa ao Ministério dos Transportes

    ministeriotransporteNa última quinta-feira (2), o Diretor da Agência de Desenvolvimento da Lagoa Mirim, Gilson Porciúncula, entregou para o coordenador geral de Hidrovias e Portos Interiores do Ministério dos Trasnportes, Gleilson Mendes Nunes, duas propostas, uma de operação e manutenção e outra de revitalização, da Barragem-Eclusa do Canal São Gonçalo. Essa coordenação é vinculada ao ministério, dentro da estrutura do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT).

    Os documentos foram conferidos e aceitos como início do processo para um termo de cooperação e de abertura de uma discussão sobre as instituições responsáveis pela operação e manutenção da Barragem-Eclusa.

    Chasqueiro

    Ainda nesse dia, Porciúncula se reuniu com a coordenadora geral de Sustentabilidade de Projetos de Irrigação do Ministério de Integração Nacional, Jaqueline Barbosa Dutra, juntamente com assessor do coordenador geral de Programas Macrorregionais, Paulo Rocha Neto. Nesta reunião foram apresentados documentos para prestação de contas sobre o processo de amortização da Barragem do Chasqueiro.

    Na manhã de sexta feira (3), o diretor participou do encontro preparatório à 9ª Reunião da Secretaria Técnica da Hidrovia Uruguai-Brasil, no Palácio do Itamaraty, onde destacou a grande demanda da região sul do estado para com hidrovia, as quais foram motivo de audiência pública na Assembleia Legislativa gaúcha no mês de abril. Ele também aproveitou o evento para solicitar o apoio dos responsáveis pelo projeto da hidrovia para os encaminhamentos necessários junto ao Ministério do Transporte para acelerar os tramites dos projetos de operação, manutenção e revitalização da Barragem-Eclusa do Canal São Gonçalo.