Público-alvo

Os clientes atendidos pelo LINSE são empresas construtoras, profissionais autônomos da área da construção civil (projeto e construção), proprietários (pessoa física ou jurídica), órgãos e empresas públicas, sendo atualmente oferecidos os serviços de avaliação da eficiência energética de edifícios comerciais, de serviços e públicos.

Empresas de Construção Civil

A construção civil avançou mais de 10% nos últimos anos no país, segundo dados do sindicato da categoria do Estado de São Paulo. Por conseguinte, o setor foi considerado um dos carros-chefe do crescimento econômico no Brasil.

Devido aos grandes investimentos que vêm sendo realizados, seja por parte do governo ou do setor privado, a quantidade de construtoras também aumentou.  Para se destacarem, empresas estão contratando profissionais cada vez mais capacitados, se preocupando com questões de eficiência energética e utilizando materiais de construção de qualidade. Além do mais, as construtoras que aderirem ao Programa Brasileiro de Etiquetagem terão a certificação como diferencial competitivo.

Órgãos e Empresas Públicas

Para o setor público, o uso eficiente e racional de energia elétrica é uma atitude fundamental, pois além de contribuir na redução de custos, representa um importante exemplo de combate ao desperdício para os demais setores da sociedade, difundindo a ideia de que a economia expressiva de eletricidade é sinônimo de eficiência e desenvolvimento sustentável para o país, em termos sociais, ambientais e econômicos.

Por meio do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica – PROCEL, a Eletrobrás tem incentivado a apresentação de projetos, em nível nacional, com o objetivo de melhorar a eficiência das edificações públicas quanto ao uso da eficiência da energia elétrica.

Proprietários

É evidente que o mercado imobiliário, nos últimos anos, vivencia uma fase de profissionalização e competitividade no âmbito nacional, impulsionados pela estabilidade econômica, pelo aumento dos planos de financiamentos e oferta e procura das edificações em todas as cidades do Brasil. E os programas da etiquetagem podem ajudar o consumidor a entender o que ele está comprando.

A expectativa é que a etiqueta para edificações mude as rotinas do mercado imobiliário e determine o aparecimento de uma nova geração de proprietários, mais preocupados com os níveis de eficiência energética.

Além disso, a etiqueta trará outras vantagens aos proprietários como a valorização dos imóveis e a redução nos gastos com energia elétrica, trazendo além dos ganhos ambientais, ganhos econômicos.