TESES

Teses no campo da Análise de Discurso defendidas no Programa de Pós-graduação em Letras das Universidade Católica e Federal de Pelotas (PPGL – UFPel/UCPel):

 

19

MARIA INÊS GONÇALVES MEDEIROS CORDEIRO. MOVIMENTAÇÕES DE SENTIDO NO DISCURSO POLÍTICO DE JOSÉ IVO SARTORI (2020)

MARIA INÊS GONÇALVES MEDEIROS CORDEIRO

Resumo: Partindo do referencial da Análise de Discurso pêcheuxtiana, teoria da linguagem que se consubstancia na inter-relação da língua(gem), da história (ideologia) e dos processos inconscientes na constituição dos discursos e dos sujeitos, o presente estudo propõe-se à análise de movimentações discursivas em enunciados produzidos por José Ivo Sartori durante os períodos pré-eleitoral (2014) e pós eleitoral (2018). Buscamos mostrar que essas movimentações no discurso político originam-se de processos ideológicos, ainda que inconscientes, engendrados a partir de formações imaginárias que atravessam e sustentam as práticas políticas. Estamos entendendo por movimentações discursivas as movimentações de sentido que ocorrem no discurso do antes (do candidato) e do depois (do governador), as quais demonstram que o sujeito do discurso se move entre diferentes lugares sociais e diferentes posições-sujeito, afetado simultaneamente pela ordem da língua, da ideologia e do inconsciente. Os procedimentos teórico-analíticos desta tese procuram apreender e compreender as movimentações discursivas como resultantes de tomadas subjetivas de posições políticas que negociam/contornam as diferentes condições de produção do discurso. Essas movimentações dizem respeito às posições ditas, mas não assumidas, fato típico do discurso político cuja característica é a dissimulação. O alcance do objetivo central deste estudo dá-se, portanto, por duas vias: 1) pela compreensão de formas do dizer não assumidas (dissimuladas), que tornam o impossível da eleição em possível e que se encontram em enunciados produzidos por José Ivo Sartori, enquanto candidato a governador na campanha eleitoral de 2014; 2) pela observação das formas de dizer como tomadas de posição assumidas nas declarações pós-vitória e nos enunciados da pré-vitória em virtude da mudança das condições de produção. Mediante a perspectiva discursiva de filiação pêcheuxtiana, diferentes materialidades são colocadas em questão, em busca da compreensão de como se dá a produção e movimentação de sentidos no discurso político em questão, ou seja, que diferentes efeitos de sentido são apreensíveis em diferentes condições de produção. Sob os pressupostos teóricos da AD, empreendemos uma discussão sobre os processos discursivos da prática política, em cuja materialidade discursiva incidem as representações subjetivas e as sóciohistóricas.

ACESSE AQUI

 

18

MEMÓRIA E RESISTÊNCIA: UM ESTUDO SOBRE O PRÉ-CONSTRUÍDO E O DISCURSO TRANSVERSO ATRAVÉS DA IRONIA EM MAFALDA (2020)

LUCIANE BOTELHO MARTINS

Resumo: Criada inicialmente como garota-propaganda de uma empresa de eletrodomésticos, Mafalda, a personagem de Quino, depois de ser rejeitada e guardada por dois anos, ganha a admiração do público leitor argentino e passa a circular em revistas e jornais de 1964 a 1973, período de forte repressão impretado pela Ditadura Militar Argentina, marcado por três golpes de estado – 1966, 1970 e 1971. A emergência da personagem dá-se nesse contexto político de regime de exceção, colocando em pauta, num movimento de resistência através da ironia, temas como democracia e direitos humanos sem interdição da censura. O presente trabalho visa à compreensão dos processos discursivos em funcionamento na ironia, considerando o papel da memória e da história e atentando, sobretudo, para dois funcionamentos do interdiscurso: o pré-construído e o discurso transverso. A reflexão desenvolve-se sobre um arquivo formado por seis tirinhas e um cartaz, cuja seleção obedeceu à relação do discurso da personagem com o Aparelho Repressivo de Estado (ALTHUSSER, 1983), representados nas figuras do policial e do militar, em consonância com o propósito da pesquisa.

ACESSE AQUI

 

17

DA TELA À TRAMA. O EFEITO METAFÓRICO E A HETERONORMATIVIDADE NA SÉRIE DE TELEVISÃO ‘SESSÃO DE TERAPIA’ (2019)

ANE CRISTINA THUROW

Resumo: Nosso intuito, neste trabalho, é compreender os efeitos de sentido produzidos no discurso do personagem sujeito-paciente, Felipe, da série de televisão “Sessão de Terapia”, a partir das pistas encontradas na materialidade discursiva de enunciados presentes em sete episódios da terceira temporada dessa série, as quais desenredam o fio que (des)conecta os efeitos metafóricos ao discurso heteronormativo. Os pressupostos teóricos baseiam-se na Análise de Discurso (AD) de filiação pecheuxtiana. Consideramos que o discurso é palavra em movimento (ORLANDI, 2012a), e o sujeito, atravessado pelo processo histórico-ideológico e pelo inconsciente, significa em certas condições. Pela regulação dos modos de dizer do sujeito, presente nas práticas discursivas terapêuticas, observamos saberes que revelam (ou não) a normatização e a adequação aos padrões de gênero estabelecidos em sociedade. Nosso estudo visa à descrição e à interpretação do modo de funcionamento do discurso do personagem sujeito-paciente, a partir da observação dos efeitos metafóricos de sequências discursivas, considerando a questão de gênero. Nossa preocupação está em trabalhar com as (in)visibilidades do discurso do personagem, cuja identidade de gênero corresponde a de uma parcela socialmente silenciada da população. As análises mostram que os efeitos metafóricos em jogo representam subjetivamente a identidade sexual do sujeito-paciente e se apresentam como sintomas em seu dizer. Esses sintomas originam-se do atravessamento da ideologia heteronormativa na constituição subjetiva e identitária do sujeito com a consequente censura social, fazendo emergir a “verdade” do inconsciente e o desejo recalcado. Os efeitos metafóricos observados, entendidos na perspectiva discursiva pecheuxtiana, produzem indícios da contraidentificação do sujeito-paciente com a FD heterossexual e da identificação com a FD homossexual. A partir dos efeitos metafóricos, novos processos discursivos são produzidos e consequentemente novos efeitos de sentido relativos à ruptura dos saberes estabilizados da ideologia heteronormativa e capitalista, constituindo subjetivamente a identidade homossexual do sujeito-paciente.

ACESSE AQUI

 

16

OS FUNCIONAMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E DE RESISTÊNCIA MATERIALIZADOS NA TATUAGEM FUTEBOLÍSTICA (2019)

NAIARA SOUZA DA SILVA

Resumo: Na presente pesquisa, a partir do referencial teórico da Análise de Discurso de tradição pecheuxtiana, questiona-se o funcionamento do futebol em nossa sociedade, seus mecanismos ideológicos e seu papel na (re)produção de determinados sentidos e estereótipos, ao mesmo tempo em que se busca compreender o modo como ele interpela os sujeitos torcedores. No trabalho, assume-se o entendimento de que o futebol excede a prática esportiva e a forma de entretenimento, funcionando como um processo que pode forjar tensões entre instâncias distintas, capaz de instaurar discursos que fazem funcionar o motor da ideologia. Trata-se, em especial, dos dois clubes predominantes que compõem o clássico da cidade de Pelotas, situada no interior sul do estado do Rio Grande do Sul (RS), nominados Esporte Clube Pelotas e Grêmio Esportivo Brasil. Nesse viés, o tema do estudo refere-se ao futebol enquanto um potente dispositivo de interpelação, podendo até funcionar similarmente como um aparelho de estado conforme preceitos althusserianos dado seu caráter ideológico na reprodução das condições de produção. Assim, a problemática que fomenta a presente investigação diz respeito à relação existente entre futebol e ideologia, e como tal relação constitui os sujeitos tatuados torcedores dos dois clubes futebolísticos pelotenses. Objetiva-se, nesse caso, analisar os discursos, materializados na/pela língua e na/pela tatuagem, (re)produzidos por esses sujeitos na tentativa de se compreender o funcionamento da ideologia e do inconsciente no contexto futebolístico da cidade. O arquivo da pesquisa abrange, portanto, depoimentos de sujeitos tatuados torcedores, homens e mulheres, a respeito da sua relação com seu time, e também, de sua relação com o time adversário, somado a fotografias de tatuagens que esses sujeitos materializaram em seus corpos, alusivas a um dos dois times em questão. Trabalha-se, precisamente, com a língua e com o corpo-tatuado como formas materiais de subjetivação e textualização discursiva e, dessa forma, entende-se que se o sujeito se identifica com a língua para poder dizer, ele também se identifica com o seu corpo para significar no espaço em que vive. Logo, compreende-se que é na materialização do discurso, por meio de sua formulação e textualização que a memória se atualiza. Materializado, o discurso circula e movimenta-se, e nesse trajeto dos dizeres, é preciso observar o funcionamento do que é produzido, repetido, apagado e/ou renovado. Em outras palavras, ao analisar as entrevistas dos sujeitos tatuados torcedores áureo-cerúleo e rubro-negro e as tatuagens futebolísticas, deseja-se entender o que foi dito, o que se repete, o que se apaga, o que rompe, o que renova. Para tanto, observam-se dois funcionamentos discursivos selecionados na leitura do arquivo, sejam eles: o funcionamento da formação
discursiva e o funcionamento de sobredeterminação. Observada a identificação dos sujeitos torcedores com seu clube, acredita-se que o estudo dos processos de subjetivação que os mesmos se utilizam para significar possibilita a compreensão do funcionamento ideológico da própria sociedade.

ACESSE AQUI

 

15

LA MADRE EM LEI: SUJEITO E SENTIDO NO DISCURSO DA LUTA PELA TERRA (2018)

CRISTINA ZANELLA RODRIGUES

Resumo: A proposta da presente tese de doutorado é, a partir da Análise do Discurso pechêuxtiana, apresentar uma análise de duas leis: Ley nº 71/2010 (Lei de Derechos de La Madre Tierra) e a Ley nº 300/2012 (Ley Marco de La Madre Tierra y Desarrollo Integral para Vivir Bien), promulgadas no Estado Plurinacional de Bolivia e observar como a concessão de uma subjetividade jurídica à Madre Tierra irrompe na ordem do discurso jurídico positivista movimentando uma série de efeitos de sentido. A Madre Tierra passa a ser sujeito de direito e sua descrição legal fazem ecoar, do lugar da voz dos povos indígenas, uma cosmovisão como discurso da resistência contra o silenciamento de uma memória, a vir a ser atualizada no acontecimento da urgência em buscar outra forma de convívio e de produção de energia devido ao aumento da temperatura do planeta. O gesto de interpretação sobre o nomear e o descrever a Madre Tierra desnudaram o movimento de luta ideológica e de disputa de sentidos a partir do embate discursivo funcionando num texto de lei.

ACESSE AQUI

 

14

O DISCURSO DE ÓDIO NA DEMOCRACIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DO PROCESSO DE REJEIÇÃO E DE DESTITUIÇÃO DA PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF (2017)

MARIANA JANTSCH DE SOUZA

Resumo: Esta pesquisa parte do anseio de pensar, no plano da linguagem, como os valores e direitos fundamentais de liberdade e de igualdade circulam socialmente. Estes, juntamente com a dignidade humana, constituem a espinha dorsal de toda nossa ordem jurídica. Diante de conflitos sociais que põem em questão o modo como funcionam tais valores, nesta pesquisa, buscamos compreender diferentes movimentos discursivos imbricados nesse processo – antagonismo, repetição, regularização, deslocamento, entre outros. A partir desse ponto inicial, decidimos analisar a repercussão da eleição presidencial de 2014. Ao longo do processo teórico-metodológico de configuração do corpus discursivo, conformamos o que chamamos, nesta pesquisa, de processo político, jurídico e social de rejeição e de destituição de Dilma Rousseff fortemente marcado pelo discurso de ódio. Assim, nosso olhar analítico se volta para os movimentos de rejeição e de destituição de Dilma Rousseff, de um lado, e para os movimentos de resistência, de outro; bem como para o discurso de ódio produzido em meio a esses movimentos. Trabalhamos, então, com duas formações discursivas: uma que representa os movimentos discursivos de rejeição e de destituição e outra, que representa os movimentos de resistência. Para realizar esses propósitos de pesquisa, nosso corpus é composto por manifestações de cidadãos brasileiros publicadas nas redes sociais em repercussão ao resultado eleitoral de 2014 e por bordões produzidos ao longo de processo de destituição de Dilma. São manifestações que põem em jogo uma certa ideia de liberdade e de igualdade em relação à atuação de cada cidadão no processo democrático de escolha de representantes políticos. Nossas reflexões sustentam-se nos pressupostos teóricos da Análise de Discurso (AD) tal como concebida por Michel Pêcheux e desenvolvida por Eni Orlandi no Brasil.

ACESSE AQUI

 

13

A POSSIBILIDADE DE INSERÇÃO E APLICABILIDADE DA ANÁLISE DE DISCURSO NA FORMAÇÃO JORNALÍSTICA: UMA REVISÃO TEÓRICA COM VISTAS À ANÁLISE DA COBERTURA DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS DE 2014 NO BRASIL (2017)

EDUARDO SILVEIRA DE MENEZES

Resumo: A tese de doutorado, aqui apresentada, analisa a cobertura das eleições presidenciais de 2014, no Brasil, tratando de questões ligadas à inserção e aplicabilidade da análise de discurso pecheuxtiana no âmbito da formação jornalística. Considerando o funcionamento discursivo do jornalismo brasileiro, nas suas diferentes formas de materialização, podemos identificar contribuições significativas da AD para o exercício da referida prática profissional. Ao realizarmos tal análise, em grupos de comunicação inscritos em FD’s antagônicas (FDI/Grupo Folha e FDCI/Rede Brasil Atual), identificamos gestos de interpretação importantes para se repensar o fazer jornalístico. Com vistas a melhor organização desta pesquisa, optamos por dividi-la em quatro capítulos. No primeiro, apresentamos o corpus analítico e definimos a metodologia empregada, ressaltando que a análise do material selecionado se dá no transcorrer de todo o trabalho. O segundo capítulo dedica-se a uma (re)leitura das principais teorias do jornalismo sob o viés da AD. Tal percurso teórico nos permite compreender as proximidades – e, sobretudo, os distanciamentos – entre as correntes de pensamento em voga, hoje, no processo de formação dos jornalistas brasileiros. A partir daí, discorrermos sobre a pertinência da inclusão da teoria discursiva que estamos propondo no processo de formação do profissional da área. Com o terceiro capítulo, passamos a demonstrar a natureza heterogênea dos textos jornalísticos, avançando nos gestos de interpretação necessários para se pensar a atuação do sujeito jornalista, redefinindo conceitos e demonstrando, por meio de diferentes materialidades discursivas, como se dá a produção de sentidos no jornalismo brasileiro. Consideramos, para tanto, a inter-relação das mídias digital, impressa, radiofônica e televisa, tendo em vista que o atual contexto da produção e circulação de notícias se dá por meio das condições de produção próprias da Comunicação Mediada pelo Computador (CMC). Sendo assim, embora o ciberjornalismo não seja o foco deste estudo, algumas de suas características são rediscutidas, sob a ótica da AD, permitindo-nos desenvolver o conceito de acontecimento ciberjornalístico. O quarto – e último – capítulo desta tese faz um apanhado de toda a pesquisa. Realizamos, assim, o deslocamento de dois conceitos fundamentais para a teoria do jornalismo: editor (porta-voz) e fontes (sujeitos fonte). Como efeito de conclusão, apresentamos um caminho possível para dar continuidade à proposta de contribuição da análise de discurso pecheuxtiana para a formação jornalística, considerando as diferentes – e sempre mutáveis – materialidades constitutivas desta atividade profissional.

ACESSE AQUI

 

12

CASAMENTO HOMOAFETIVO NO BRASIL: GÊNESE DE UM NOVO DISCURSO (2017)

GUSTAVO KRATZ GAZZALE

Resumo: Esta tese analisa o voto do relator do julgamento do Supremo Tribunal Federal brasileiro, Ministro Ayres Britto, sobre a possibilidade de reconhecimento de união estável e do casamento entre pessoas do mesmo sexo. O trabalho tem como referencial teórico o Direito, especialmente o Direito de Família, e a Análise de Discurso de orientação francesa, formulada por Michel Pêcheux. Trata-se de um olhar sobre o funcionamento de um discurso que marcou o começo de uma nova prática, de uma nova perspectiva de convivência social, à luz do Direito, entre e com as pessoas que têm uma orientação sexual homoafetiva. O desenvolvimento do conceito de memória discursiva, e o peculiar funcionamento da decisão enquanto acontecimento discursivo, possibilitam entrever novas redes de memória sobre a homoafetividade. O tema do presente estudo −o relacionamento afetivo entre pessoas do mesmo sexo− foi apagado pela coletividade, pela cultura, pela tradição religiosa. Um apagamento que se refletiu durante séculos na cultura ocidental, inclusive na linguagem, que não dispunha sequer de designações sem conotação pejorativa, como a que permeia o termo homossexualismo, por exemplo. Esta tese trata da transformação de um discurso socialmente estabilizado e legitimado pelas instituições (um discurso normatizado) em outro até então apócrifo e não reconhecido, em relação ao tema da união estável e do casamento homoafetivos. A ruptura proporcionada pela decisão inaugura um novo discurso institucional que proporciona a possibilidade de uma nova prática jurídica. O encontro do evento (o julgamento) com uma memória (a memória afetiva e solidária para com as pessoas homoafetivas) e a história autoriza a conclusão de que a decisão do Supremo Tribunal Federal aqui analisada, por todas as suas consequências – entre elas a de estabelecer novas redes de memória –, configurou um Acontecimento Discursivo com repercussões significativas na sociedade brasileira.

ACESSE AQUI

 

11

DAPARALAXE DO OBJETO AO MOVIMENTO DO NÓ SUBJETIVO. O PARADOXO DO OLHAR COMO RESPOSTA AOS DISPOSITIVOS DO (IN)VISÍVEL. EXERCÍCIOS TEÓRICO-ANALÍTICOS COM IMAGEM EM ANÁLISE DE DISCURSO (2017)

MARCHIORI QUADRADO DE QUEVEDO

Resumo: O presente trabalho propõe-se a discutir como analisar imagens, a partir dos pressupostos teóricos da Análise de Discurso, com vistas a ver refletidos, nesse gesto de leitura, o conceito de sujeito advindo da psicanálise e o conceito de sujeito advindo do materialismo histórico, bem como as implicações decorrentes. Para tanto, recorreu-se à noção de nó subjetivo para dar conta desse entrelaçamento de filiações teóricas, pontuando o movimento (retroativo) dos sentidos como um dos elementos centrais ao tratamento da questão. Determinante da paralaxe do objeto, esse movimento do sujeito – que, na condição de efeito, vê/olha/repara – é o rastro espectral no qual se radica a condição paradoxal do olhar – resposta incontornável (e, em certa medida, sempre outra) a todo dispositivo de (in)visibilidade.

ACESSE AQUI

 

10

EXCESSO E PRODUÇÃO DE INSTABILIDADE: UMA ANÁLISE DO DISCURSO DE ORGANIZAÇÃO DOS JOGOS RIO 2016 (2017)

DIEGO VIEIRA BRAGA

Resumo: Na presente pesquisa, a partir do referencial da Análise de Discurso Pêcheuxtiana, examinamse fatos de linguagem relativos à produção de sentidos sobre os organizadores e o trabalho de organização em um relato institucional dos preparativos para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. Esses fatos são reconhecidos como formas de excesso com base na sistematização teórico-metodológica de Ernst-Pereira (2009), mas problematizados quanto ao funcionamento discursivo que essa mesma reflexão prevê. Assim, propõe-se que o excesso, cujo funcionamento previsto concerne à estabilização de sentidos e ao estabelecimento da relevância de saberes interdiscursivos, pode funcionar também produzindo instabilidade. Com preocupação diacrônica, conduz-se o estudo por meio da configuração de um construto teórico denominado “Discurso de Organização dos Jogos Rio 2016” (DO 2016) e da análise de sequências discursivas extraídas de um corpus de arquivo constituído de formulações do presidente do comitê organizador durante o período dos preparativos (2009-2016). Assumindo a premissa que interpretações feitas sobre o Brasil têm implicações na interpretação do trabalho organizatório, argumenta-se que o excesso consiste em efeito material do modo como tensões circunstanciais e sócio-históricas atravessam a “Formação Discursiva da Organização” (FDO), sítio de significância a partir do qual o organizador em questão se constitui em sujeito do DO 2016 e que é instaurado com o acontecimento histórico da eleição do Rio de Janeiro como cidade-sede dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. As tensões circunstanciais resultam de alternâncias conjunturais nacionais do período; as sócio-históricas decorrem da discrepância entre sentidos depreciativos que já constituem um imaginário sobre o Brasil e aqueles que os organizadores reivindicam para significar positivamente o trabalho desenvolvido e, direta ou indiretamente, (re)significar o País. Portanto, em sua face estabilizadora, o excesso sinalizaria para uma interpretação preservada de associações indesejáveis tanto com sentidos desfavoráveis devido às oscilações conjunturais quanto com aqueles que se constituíram historicamente e hoje vigoram no imaginário social. No entanto, constata-se a formação de pontos de acumulação instáveis (PÊCHEUX apud MALDIDIER, 2003) no modo de o sujeito enunciador se representar, via recorrência de emprego da primeira pessoa do plural, e no modo de representar o trabalho de organização, por meio de continuidades e descontinuidades na produção de expansões léxicosintáticas e de hesitações e reformulações genéricas em torno de determinados significantes. No primeiro caso, o excesso desestabiliza efeitos de homogeneidade de vozes e de socialização da responsabilidade pela organização dos eventos; no segundo, compromete a estruturação/regularização de outra rede de enunciados que funcione como memória discursiva. A pesquisa traz indícios de que a imaginária sustentação, via excessos, da consistência conceitual de uma posição-sujeito perante tensões que constituam e afetem a configuração de uma formação discursiva pode, inadvertidamente, produzir uma instabilidade interna ao trabalho discursivo com os sentidos.

ACESSE AQUI

 

9

O DISCURSO DE RESSIGNIFICAÇÃO DA HISTÓRIA: O ATENTADO DA RUA TONELEIRO (2017)

FELIPE ALVES PEREIRA AVILA

Resumo: A década de 50 para Getúlio Vargas estava sendo difícil. A ―volta nos braços do povo‖ não foi suficiente para lograr o apoio da Câmara dos Deputados. O homem que esteve à frente da Revolução de 1930, instaurou a ditadura do Estado Novo e governou o país por quase 19 anos, com uma interrupção entre 1945 e 1950, perdia o seu protagonismo. Carlos Lacerda, jornalista e líder da UDN1 , símbolo e motor contrário ao sistema da época, constantemente publicava o que considerava falhas do governo Getúlio, que, em sua expressão, havia criado um ―mar de lama‖. Através desse cenário, no dia 5 de agosto de 1954, ocorre na Rua Tonelero, no Rio de Janeiro, o atentado à sua vida. Esse atentado resultou na morte do Major Rubem Vaz que, junto com um grupo de oficiais, estranhamente fora designado para fazer sua guarda pessoal naquele dia. A investida culminaria, dezenove dias mais tarde, no suicídio do Presidente da República, Getúlio Vargas. Ao receber a notícia, no Palácio do Catete, de que Lacerda sofrera um atentado à bala em frente a sua residência em Copacabana, Vargas profere a seguinte frase: ―Esse tiro que acertou o major Vaz acertou-me pelas costas”. A proposta deste trabalho é analisar, sob o viés da Análise de Discurso de filiação pecheuxtiana, enunciados presentes nos jornais, O Globo, Diário Carioca, Tribuna da Imprensa e A Última Hora de agosto de 1954, visando apontar a participação militar no discurso midiático que culminaria mais tarde no suicídio do presidente Getúlio Vargas. É utilizada, como base teórica de análise, a proposta da releitura do nó borromeano, aqui designado de nó de ressignificação que enlaça, indissociavelmente os conceitos de Acontecimento, Memória e História. Utilizamse também, como princípios analíticos, os conceitos de falta, excesso e estranhamento, concebendo como pressuposto de ordem histórica a influência da mídia no suicídio de Getúlio Vargas e a possível influência do discurso militar nesses veículos. São levados em consideração elementos da materialidade linguística que possibilitam o reconhecimento dos elementos de saber que estão em jogo, provenientes de diferentes regiões do interdiscurso, nos processos discursivos observados. As análises permitem a identificação de representações ligadas a um imaginário que atua no processo simbólico através de saberes relacionados a diferentes Formações Discursivas, possibilitando reconhecer diferentes saberes construídos pela mídia. As sequências discursivas de referência apontam para a posição dos veículos midiáticos em questão acerca da abordagem do Atentado da rua Tonelero que tem como consequência o suicídio de Getúlio Vargas.

ACESSE AQUI

 

8

SENTIDO(S) NO/DO “MENSALÃO” À LUZ DA ANÁLISE DE DISCURSO: CONTRIBUIÇÕES DA MATERIALIDADE PROSÓDICA (2017)

JAEL SÂNERA SIGALES GONÇALVES

Resumo: Situada no entremeio da Análise de Discurso de linha francesa (AD) e da ciência fonética, esta Tese pretende apresentar o processo de construção de um dispositivo metodológico para a consideração da prosódia como materialidade significante do discurso do Ministro-Relator do “Caso Mensalão”. “Mensalão” é o nome dado ao suposto esquema de compra de apoio político do Congresso Nacional que teria ocorrido a partir de 2002, denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF), originando a Ação Penal 470 (AP 470) julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), instância máxima de decisão no ordenamento jurídico brasileiro. Buscamos compreender, no discurso do Ministro-Relator, que pistas fonético-prosódicas podem contribuir para o entendimento das construções dos efeitos de sentido do discurso e, a partir disso, pretendemos discutir se o “Caso Mensalão” pode ser considerado como um acontecimento discursivo. Para esse gesto de interpretação, o arquivo do qual se constrói o corpus discursivo tem dois documentos: o Acórdão, publicado pelo Supremo Tribunal Federal, com os textos preparados pelos Ministros da Corte para leitura e/ou com a transcrição do que tenha sido dito sem previsão no Plenário; e os vídeos com a gravação da transmissão ao vivo do julgamento, pela TV Justiça, disponíveis no canal oficial do STF no YouTube. O domínio enunciativo para o recorte dos enunciados é a Representação do Discurso Outro, assim definido devido ao excesso das palavras do outro no discurso do Ministro-Relator, especialmente no Relatório-Denúncia, quando relata os dizeres da acusação, e no Relatório-Instrução Probatória, quando relata os dizeres da defesa. Nesse domínio, considerando que os dois documentos do arquivo constituem um texto-escrito-a-ser-lido (X) e um texto lido-a-ser-transcrito (Y), questionamos como, na relação entre (X) e (Y), dão-se os processos de constituição do sentido no discurso do Ministro-Relator. Nossos gestos de leitura e escuta do arquivo, através da descrição enunciativa e fonético-prosódica dos enunciados, conduzem-nos a identificar possibilidade de resistência na ideologia jurídica, mesmo que tal resistência seja apagada do discurso de divulgação jurídica na sociedade do espetáculo – é na e pela materialidade sonora que emerge um sujeito dividido, polêmico, negado pelo efeito de unidade que busca causar o império do Direito. O “Caso Mensalão” agita e rompe rituais do aparelho ideológico e repressivo, de que o STF é uma instituição, o que consideramos como índice do acontecimento discursivo. Por fim, argumentamos que falta, excesso e estranhamento são efeitos produzidos na construção do dispositivo metodológico para consideração da prosódia como materialidade.

ACESSE AQUI

 

7

SENTIDOS EM DESALINHO: O FANTASMA DA LIBERDADE ENTRE A EVIDÊNCIA E O EQUÍVOCO (2015)

JANAÍNA CARDOSO BRUM

Resumo: A análise de obras cinematográficas é, desde o reconhecimento do cinema como arte no início do século XX, feita por diversas áreas do conhecimento, desde áreas que se dedicam especialmente a essa arte até áreas mais distantes, como a filosofia e a sociologia. Da mesma forma, são inúmeros os trabalhos que se debruçam sobre o Surrealismo, movimento identificado normalmente às vanguardas artísticas do início do século XX, e sobre a obra cinematográfica de Luís Buñuel, surrealista reconhecido mundialmente. Todavia, em análise de discurso (AD), são poucos os trabalhos que se dedicam ao cinema, bem como à arte em geral e, assim, a Luís Buñuel e ao Surrealismo. Este foi um movimento artístico emblemático do período entre-guerras na Europa que teve reflexos não só, mas também na América Latina. Mais do que isso, como nenhum outro movimento, foi capaz de integrar pintores, escritores, cineastas e dramaturgos sob os pressupostos do materialismo histórico e da psicanálise, de forma a exceder seu âmbito e influenciar produções artísticas diversas até a contemporaneidade em várias partes do mundo. Dessa forma, este trabalho propõe-se a analisar o filme surrealista O fantasma da liberdade, dirigido por Luís Buñuel em 1974. A partir dele, pretende-se estabelecer um modo de trabalhar discursivamente obras de arte, especialmente cinematográficas, porquanto esse campo estético constitui-se sobre materialidade diversa da verbal, embora compartilhe com ela algumas características. Sob os pressupostos teóricos da análise de discurso fundada por Michel Pêcheux, aliados a conhecimentos de outros âmbitos teóricos, empreender-se-á uma discussão sobre o tratamento da arte em AD e tentar-se-á compreender as relações entre estética, materialismo histórico e psicanálise engendradas na obra, bem como os processos de produção de sentidos que regem seu funcionamento significante. Esses processos parecem funcionar através do recurso ao absurdo e à estrutura onírica, de forma a questionar o estatuto de evidência dos universos logicamente estabilizados, de modo a tenderem à polissemia, ainda que seja a partir do eixo parafrástico que os processos discursivos polissêmicos se estabeleçam. Esse questionamento da evidência que, a princípio, rege o funcionamento discursivo d’O fantasma da liberdade, filme no qual os sentidos do senso comum são suspensos a fim de dar lugar a sentidos outros, parece, ainda, apontar para um tipo de acontecimento singular, que não pode ser identificado ao acontecimento discursivo, já que se dá em um campo discursivo específico, o das artes, sem necessariamente, com isso, instaurar novas discursividades no todo da formação social. No presente trabalho, pretende-se investigar a natureza desse acontecimento singular que parece ser específico do discurso artístico.

ACESSE AQUI

 

6

OS PROCESSOS HISTÓRICOS DE REAFRICANIZAÇÃO E DE DESAFRICANIZAÇÃO NO DISCURSO SOBRE ZÉ PILINTRA (2014)

PATRÍCIA DE OLIVEIRA PEREIRA LIMA

Resumo: Este trabalho tem por objetivo investigar o funcionamento do discurso sobre o Zé Pelintra, “entidade” da religião umbandista, considerando a articulação dos sentidos relacionados aos processos de “desafricanização” e “reafricanização” do negro no Brasil. Para tanto, utiliza-se do referencial teórico da Análise de Discurso de linha francesa, ciência interpretativa que se ocupa de questões ligadas ao processo sócio-histórico de produção dos sentidos. As relações entre esses movimentos são analisadas mediante a observação de práticas discursivas, ligadas a processos de designação, presentes nos recortes selecionados, remetendo-as à memória discursiva. Os mecanismos intra e interdiscursivos aí envolvidos permitem evidenciar aspectos contraditórios presentes na constituição dessa personagem, produzindo diferentes efeitos de sentido.

ACESSE AQUI

 

5

MENTIRA OU VERDADE? MARCAS PROSÓDICAS ASSINALANDO SENTIDOS NO DISCURSO DO TRIBUNAL DO JÚRI (2013)

CLÓRIS MARIA FREIRE DOROW

Resumo: O presente trabalho filia-se à Análise de Discurso de tradição pecheutiana, teoria que não concebe os sentidos de forma literal nem os sujeitos como origem do dizer. Isso porque se situam no domínio da ideologia e são afetados pelo funcionamento do inconsciente. É nessa perspectiva que se analisa o discurso jurídico da defesa em um tribunal de júri. Por um lado, esse discurso subordina-se às normas do Direito as quais provocam a ilusão de liberdade e de igualdade entre os indivíduos, utilizando, para tanto, leis, rituais e mecanismos discursivos específicos. Esses mecanismos traduzem a pretensa neutralidade e objetividade do texto da lei, o qual busca, através da “literalidade” dos significantes e da determinação de direitos e deveres inerentes ao convívio social, legar, ao indivíduo, uma suposta segurança. Por outro, dada a necessidade de argumentação a favor da ré do processo em pauta, o discurso da defesa investe-se de uma subjetividade (representada) num jogo de fazer crer. Esse jogo é afetado pela memória afetivo-prosódica-discursiva, noção teórica cuja pretensão é considerar, no âmbito da interdiscursividade, os efeitos da prosódia que se encontram irremediavelmente ligados à afetividade e, portanto, à subjetividade. Nesse contexto, avulta em importância a questão da “verdade” e da “mentira”, preocupação fundamental deste trabalho que procurou concebê-las em sua dimensão discursiva. Para isso, fez-se, inicialmente, um percurso por diferentes áreas do conhecimento até ressignificá-las, considerando os pressupostos da Análise de Discurso. Feita essa delimitação teórica, buscou-se, nas análises, mediante a observação da materialidade prosódica, compreender os efeitos de sentido derivados de um discurso de embate, cuja finalidade é a comprovação da inocência da ré. As análises evidenciam o funcionamento dos processos discursivos envolvidos na argumentação da defesa, mostrando, através dos elementos prosódicos, os efeitos de “verdade” e de “mentira” que se fazem presentes.

ACESSE AQUI

 

4

SER MULHER: O SUJEITO DO DESEJO NA FRONTEIRA ENTRE O SAGRADO E O PROFANO (2013)

JANDIRA AQUINO PILAR

Resumo: Esta tese apresenta a pesquisa sobre a representação discursiva de gênero de freiras e de prostitutas. O estudo, que colocou em diálogo a Análise de Discurso francesa (AD) e os Estudos Feministas, problematiza a noção essencializadora de identidade feminina no espaço sagrado e no profano e a aborda sob o viés da subjetividade. A intenção foi, sob os pressupostos da AD, identificar saberes e demandas que constituem freiras e prostitutas face aos processos de interpelaçãoidentificação em um momento histórico em que as condições sociais tensionam a condição subjetiva. Para a realização da pesquisa, foi constituído um arquivo de falas com as respostas dadas pelas mulheres dos dois grupos à pergunta “O que é ser mulher?”. Do arquivo, foram recortadas SDRs (sequências discursivas de referência), as quais foram analisadas sob a categoria de posição-sujeito. Com as análises das SDRs, verificou-se que freiras e prostitutas se identificam com a ideologia vigente, mas também se contraidentificam, ocupando posições-sujeito heterogêneas e divergentes. A partir dessas posições-sujeito, foi possível não apenas discutir as relações de gênero vivenciadas pelas freiras e pelas prostitutas, mas também elencar semelhanças e diferenças entre as mulheres dos dois grupos e semelhanças e diferenças entre as mulheres do mesmo grupo. Diante desses resultados, é possível concluir que freiras e prostitutas ressignificam o “ser mulher” nos seus espaços discursivos.

ACESSE AQUI

 

3

ENTRE A (DES)ORGANIZAÇÃO URBANA, UM AUTOMÓVEL-CORPO E UM DISCURSO ITINERANTE: O DIZER DOS ADESIVOS (2012)

ELISANE PINTO DA SILVA MACHADO DE LIMA

RESUMO: Esta tese constitui-se num estudo sobre o discurso dos adesivos afixados nos automóveis, prática discursiva contemporânea resultante da relação sujeito-automóvel, em que esta passa a funcionar como um outro corpo do sujeito, sendo também construído discursivamente. Essa reconfiguração, atravessada pela tecnologia, expressa, pelo modelo, pela marca, pelo ano e pelo modo como é conduzida, determinadas posições-sujeito dentre tantas afetadas pelo modo de vida capitalista. A publicização de formulações em automóveis produz sentidos, revelando traços da constituição do sujeito, materializando saberes e interpelando interlocutores desconhecidos. Fazendo parte da narratividade urbana, os adesivos compõem um discurso itinerante, caracterizado pela mobilidade e constante troca de interlocutores, através do qual o sujeito convoca o outro à interlocução, significando e sendo significado. Assim, utilizando-se como base teórica e metodológica a Análise de Discurso, na tradição de Michel Pêcheux, pretende-se mostrar os “gestos de interpretação” que subjazem à relação sujeito-automóvel-adesivo, bem como o modo de funcionamento deste último que, acompanhando o movimento do automóvel, revela uma trajetória de sentidos.

ACESSE AQUI

 

2

ENTRE A PRIVAÇÃO E O SILENCIAMENTO: O SUJEITO DO DESEJO NA TRAMA DISCURSIVA DE TODO SOBRE MI MADRE (2010)

MARIA THEREZA VELOSO

Resumo: Este trabalho propõe algumas reflexões analítico-discursivas sobre a privação/falta constitutiva e os efeitos do silenciamento social sobre subjetividades formadas à margem da sociedade de consumo característica do período de transição do século XX ao XXI. O corpus é composto por recortes discursivos fílmico-imagéticos, tomados do filme Todo sobre mi madre, do diretor espanhol Pedro Almodóvar, e foi analisado tendo como suporte teórico os fundamentos da Análise do Discurso.

ACESSE AQUI

 

1

O TEMPO DISCURSIVO NA CONSTITUIÇÃO DO IMAGINÁRIO DO TRABALHADOR NO DISCURSO DA CUT (2010)

RENATA SILVEIRA DA SILVA

Resumo: Na presente pesquisa, sob a ótica da Análise do Discurso de linha francesa (AD), dissertamos sobre o discurso sindical da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Focalizamos, nessa prática discursiva revolucionária, a imagem do tempo – o tempo discursivo, avaliada como predominante e inter-relacionada à formação imaginária do destinatário – o trabalhador. Pressupomos que o imaginário é lacunar devido à existência do real e propomo-nos a investigar a manifestação das brechas provocadas por essa última instância na imagem do tempo, o qual funciona duplamente: ora estabilizando, ora desestabilizando o dizer. Para o estudo da produção discursiva da Central, consideramos dois períodos históricos: a década de 80, caracterizada pela ação conflitiva do sindicalismo cutista, e a década de 90, marcada pela ação mais negociadora e conformada à ordem vigente. Feita essa delimitação, uma das questões norteadoras é a diferença do tempo discursivo nessas duas fases, marcadas por circunstâncias sócio-históricas antagônicas. Nos anos 80, vive-se o ápice do “novo sindicalismo”, período inédito nas lutas trabalhistas do qual surgiu a CUT. Nos anos 90, há a crise do mundo do trabalho, com relações progressivamente mais flexíveis, o advento do neoliberalismo e uma mudança na tática de confronto adotada pela Central em seus primórdios. Embora existam condições de produção diferenciadas, a CUT mantém no fio do discurso indícios da manutenção da imagem do tempo, significada no interior de uma formação discursiva (FD) sindicalsocialista. Um dos propósitos é indagar essas regularidades e, a partir do estatuto lacunar das evidências imaginárias, pensar como a temporalidade só funciona como estabilizadora para o sujeito por causa do “imaginário linguístico”. Como percurso teórico-analítico, primeiramente apresentamos a evolução da noção de imaginário nas três fases da linha teórica à qual nos filiamos e expomos desdobramentos previstos para esse conceito, pressupondo a incompletude do dizer. Secundariamente, dada a relevância da rede de memória para a constituição de uma temporalidade própria nos discursos, tratamos da memória discursiva e argumentamos em prol da mobilização de uma memória “afetivodiscursiva”. Posteriormente, resgatamos abordagens do tempo advindas da Filosofia (CASTORIADIS, 1982), da Teoria da Enunciação (BENVENISTE, 1989), da perspectiva discursiva (ZOPPI-FONTANA, 1997), da Semiótica Narrativa e Discursiva (FIORIN, 1999) e da Geografia-Marxista (HARVEY, 2001). O propósito dessa revisão da literatura é subsidiar a reflexão a respeito do tempo na AD. Após expormos objeções e articulações possíveis entre essas abordagens e a nossa filiação teórica, tratamos brevemente da história da Central Única dos Trabalhadores e, mais apuradamente, recobramos elementos importantes à compreensão do “novo sindicalismo” e do “neoliberalismo”; assim, melhor explicitamos os dois períodos históricos selecionados. No item dedicado ao corpus da pesquisa, discorremos sobre a constituição da formação discursiva de referência e o dispositivo de interpretação criado. Nas análises discursivas, demonstramos as articulações previamente propostas e, por fim, na conclusão, sintetizamos as respostas a questões norteadoras e demonstramos como a “continuidade” das relações históricas de exclusão dos trabalhadores deixa de ser um elemento de saber da FD capitalista, atravessa fronteiras e instaura-se na FD sindical-socialista.

ACESSE AQUI