Referências

COURTINE, Jean Jacques. Metamorfoses do Discurso Político: as derivas da fala pública. Tradutores Nilton Milanez, Carlos Piovezani Filho. São Carlos: Claraluz, 2006.

ERNST, Aracy Graça. A falta, o excesso e o estranhamento na constituição/interpretação do corpus discursivo. In: SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO, 4, 2009, Porto Alegre, RS. Anais… Porto Alegre: UFRGS, 2009. Disponível em: http://anaisdosead.com.br/4SEAD/SIMPOSIOS/AracyErnstPereira.pdf. Acesso em: 16 fev. 2019.

INDURSKY, Freda. Da heterogeneidade do discurso à heterogeneidade do texto e suas implicações no processo da leitura. In: ERNST-PEREIRA, Aracy; FUNCK, Susana Bornéo (orgs.). A leitura e a escrita como práticas discursivas. Pelotas: Educat, 2001.

ORLANDI. Eni P. Discurso e Leitura. São Paulo: Cortez; Campinas: UNICAMP, 1993.

______. Interpretação; autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996.

______. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

______. Discurso em Análise: Sujeito, Sentido e Ideologia. 2ª ed.Campinas, SP: Pontes Editores, 2012.

PÊCHEUX, Michel. Ouverture du colloque. In: Matérialités Discursives. Colloque des 24, 25, 26 avril 1980. Université Paris X – Nanterre.  Lille: Presses Universitaires, 1981.

______. La frontière absente (um bilan).  In: Matérialités Discursives. Colloque des 24, 25, 26 avril 1980. Université Paris X – Nanterre.  Lille: Presses Universitaires, 1981.

______. O discurso: estrutura ou acontecimento? Tradução de Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, 1990.

______.  Sobre os contextos epistemológicos da Análise de Discurso. Tradução de Ana Maria Dischinger Marshall e Heloísa Monteiro Rosário. In: Cadernos de Tradução – Instituto de Letras – UFRGS, nº 01, novembro / 1998.

______. O papel da memória. Campinas: Pontes, 1999.

ŽIŽEK, Slavoj; DALY, G. Arriscar o impossível. Conversas com Žižek. São Paulo: Martins Editora, 2006.

ŽIŽEK, Slavoj. O deserto do real. São Paulo: Editora Boitempo, 2003.

______. Visão em paralaxe. São Paulo: Editora Boitempo, 2003.

______. Como ler Lacan. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

Clique nos links a seguir e navegue pelo nosso projeto integrador: