DISSERTAÇÕES

Dissertações no campo da Análise de Discurso defendidas no Programa de Pós-graduação em Letras das Universidade Católica e Federal de Pelotas (PPGL – UFPel/UCPel):

 

50

GÊNERO, RISO E VIOLÊNCIA: UM OLHAR DISCURSIVO PARA O HUMOR DE DANILO GENTILI (2020)

BRUNA VITÓRIA TEJADA

Resumo: Nos últimos 60 anos, as relações de gênero e, principalmente, as práticas de exploração e opressão que constituem essas relações, fizeram-se objeto de estudos em diversas áreas de pesquisa. Neste trabalho, em filiação à Análise de Discurso materialista, propomo-nos a discutir o gênero pela perspectiva discursiva, em suas relações sócio-histórico-ideológicas. Realizamos um recorte das relações de gênero para trabalhar as relações de opressão entre o gênero hegemônico, o homem cisheteronormativo, e as mulheres. Investigamos como a utilização do humor no discurso serve à manutenção de pressupostos misóginos, ou, ainda, qual o papel do humor na reprodução da violência contra a mulher. O corpus que serve de análise à pesquisa foi coletado da plataforma Youtube e consiste em um vídeo publicado pelo humorista Danilo Gentili no ano de 2017. Esse vídeo funciona como resposta a uma ação extrajudicial movida pela deputada Maria do Rosário junto à Procuradoria Parlamentar. Pela publicação do vídeo, o humorista é condenado por injúria contra a deputada, em 2019. Entendemos que o vínculo entre violência e humor pode produzir a reprodução da violência de gênero porque, sob a evidência do discurso humorístico, a violência funciona como se fosse brincadeira, marcando um distanciamento entre a produção humorística, a identificação do humorista e daquele que ri, e, assim, a violência é suavizada, garantindo-se sua reprodução. O dispositivo analítico construído para a análise do corpus é elaborado de modo que os elementos não verbais mobilizados na elaboração do vídeo (imagem, voz, gestos, prosódia) também possam ser considerados, pois se entende que estes, em conjunto com os elementos verbais, constroem os sentidos do discurso analisado. O humor é identificado no corpus, principalmente, pelo desencaixe de sentidos entre o que é produzido no nível da linearidade da enunciação e o que é introduzido pelos gestos, pelas entonações e pela inserção de elementos musicais.

ACESSE AQUI

 

49

POR QUE ESPANHOL? O IMAGINÁRIO DE LÍNGUA ESPANHOLA NO DISCURSO DE ALUNOS E PROFESSORES DE PELOTAS-RS E DE JAGUARÃO-RS (2020)

LUISA DA SILVA HIDALGO

Resumo: O presente trabalho tem por objetivo analisar quais formações imaginárias sobre a língua espanhola emergem dos dizeres de alunos e professores da Educação Básica na região sul do Brasil. A principal motivação para o desenvolvimento da pesquisa surgiu após a revogação da Lei n° 11.161/2005, a chamada “Lei do Espanhol”, pela Lei n° 13.415/2017, que instituiu a Reforma do Ensino Médio no país. Como reação a esse fato, surgiu, no Rio Grande do Sul, o movimento #FicaEspanhol, que luta pela valorização e permanência do espanhol nas escolas públicas. O aporte teórico de nossa pesquisa se constitui nas bases epistemológicas da Análise de Discurso de linha francesa. As noções de Formação Imaginária (PÊCHEUX, [1969] 2019) e Formação Discursiva (PÊCHEUX; FUCHS, [1975] 1997), advindas da referida teoria, foram mais mobilizadas ao longo do trabalho. A constituição do corpus se deu a partir da aplicação de questionários escritos, direcionados a alunos e professores de escolas municipais e estaduais de Ensino Fundamental e Médio das cidades de Pelotas-RS/BR e Jaguarão-RS/BR. A cidade de Jaguarão-RS/BR foi escolhida como um dos locais de constituição do corpus por fazer fronteira com a cidade de Rio Branco, no Uruguai (país hispanofalante). Já a cidade de Pelotas-RS/BR foi escolhida por não ser fronteiriça e por ser uma das cidades mais importantes do estado. A partir da análise das sequências discursivas, identificamos duas Formações Discursivas de onde emergem diferentes saberes que sustentam as formações imaginárias de língua espanhola de professores e alunos da educação básica. A primeira delas se refere a uma FD Progressista, da qual emergem sentidos que apontam para um imaginário de valorização e importância da língua espanhola na escola. Além disso, no caso da cidade fronteiriça de Jaguarão-RS/BR, os saberes produzidos nessa FD apontam para um imaginário do espanhol como um elo de integração com os uruguaios. A segunda se refere a uma FD Neoliberal, na qual o inglês é representado, imaginariamente, como superior à língua espanhola. Nessa FD, o inglês é representado como língua franca, capaz de oferecer a oportunidade de comunicação em nível global, sendo a língua espanhola representada como algo desnecessário e dispensável no mundo globalizado.

ACESSE AQUI

 

48

IMAGINÁRIOS DE TRABALHO NA EMERGÊNCIA DO CAPITALISMO: DISCURSO POLÍTICO ENDEREÇADO AOS TRABALHADORES BRASILEIROS (1937/1945) (2019)

SANTIAGO BRETANHA

Resumo: Tomando a Análise de Discurso de linha francesa como locus enunciativo e como campo de trabalho teórico-analítico, o presente trabalho constrói-se sobre o objetivo geral de analisar as representações imaginárias sobre o trabalho no discurso governamental e, em decorrência dessas, suas inter-relações com outra, a de trabalhador. Estabelecidos o político como campo discursivo de referência e o discurso do governante como espaço discursivo da pesquisa, conformam o arquivo quatro pronunciamentos de Getúlio Vargas, então ditador do Brasil, em referência ao dia do trabalhador no período do Estado Novo (1937-1945) e endereçados aos trabalhadores brasileiros; documentos, hoje, codificados pelo arquivo da Biblioteca da Presidência da República em sua forma transcrita. Às análises, apreendemos como regularidade o funcionamento de três imaginários de trabalho na ordem do discurso do governante, o de trabalho como força-motriz para consolidar o Estado, o de trabalho como meio de dignificação do trabalhador frente ao Estado e frente ao governante e o de trabalho como base para a edificação do bem-estar da sociedade. Baseados nesse gesto interpretativo, compreendemos que tais imagens recalcam a luta de classes e negam ideologias dissidentes em prol da “coesão nacional” e do “bem comum”. Imaginários que, enquanto produtos da interpelação ideológica, estão imbricados à consolidação dos Aparelhos de Estado, ao mesmo tempo que fundamentam a manutenção da submissão do trabalho e do proletariado a uma certa ética/razão do Estado, uma razão neurótica em que o trabalhador deve recalcar o gozo e sublimar o trabalho como práxis que lhe garantiria, pela lei de filiação, um lugar de herdeiro do Outro.

ACESSE AQUI

 

47

NÃO TEM CABIMENTO: CORPO E SUBJETIVIDADE NO DISCURSO DE SUJEITOS GORDOS (2019)

VIRGÍNIA BARBOSA LUCENA CAETANO

Resumo: Passamos, atualmente, por um período de grande valorização da imagem corporal. As representações de beleza e saúde veiculadas pela mídia e pelas redes sociais virtuais alimentam estereótipos de corpo perfeito e impõem configurações corporais muitas vezes impossíveis de serem alcançadas. Além disso, ao valorizar de forma extrema a magreza, a sociedade transforma a gordura em um símbolo de derrota moral e o sujeito gordo passa a ser visto como negligente, preguiçoso, incapaz. Partindo disso, em nossa pesquisa objetivamos compreender como se dá a relação entre corpo e subjetividade no discurso de sujeitos gordos, atentando para o imaginário que esses sujeitos têm de si e do outro. Para tanto, nos ancoramos teoricamente na Análise de Discurso de vertente pêcheuxtiana (AD), teoria que articula saberes advindos da Linguística, do Materialismo Histórico e da Psicanálise, nos permitindo, assim, considerar, pelo viés do discurso, a subjetividade tanto em sua constituição individual – considerando a subjetividade determinada pelo Inconsciente – quanto no plano social – observando a forma como o histórico e o político afetam as imagens que o sujeito produz de si e do outro. Nosso corpus é composto por quatro relatos, de autoria anônima, reunidos para um projeto digital intitulado Não tem Cabimento, que é desenvolvido na rede social virtual Tumblr, e tem como objetivo reunir e colocar em circulação depoimentos de sujeitos que passaram por algum episódio de gordofobia. Em nosso processo de análise, identificamos a presença de um excesso de discurso-outro que se lineariza, na materialidade em questão, pelo uso de discurso relatado e operações discursivas de negação. Compreendemos o excesso de discurso-outro como sintoma da falta do sujeito gordo reconhecer para si um lugar de enunciação. Para fins de análise, configuramos como a FD dominante a FD do corpo perfeito, que reproduz as evidências de que o corpo gordo é feio e doente. O sujeito gordo, interpelado por essa FD, não consegue uma identificação com as evidências que a FD produz, pois seu corpo se impõe como uma barreira para o processo de identificação; contudo, o sujeito também não encontra possibilidade de identificação fora da FD dominante. Percebemos, então, que o processo de subjetivação do sujeito gordo é atravessado por uma negação: o sujeito é aquilo que ele não é. Ao contrário de sujeitos que se autoidentificariam com o padrão de corpo determinado ideologicamente, o sujeito gordo precisa se subjetivar pelo avesso da evidência, instaurando, assim, a resistência no interior da formação discursiva dominante.

ACESSE AQUI

 

46

(TRANS)FORMAÇÕES DE GÊNERO: POR UMA ANÁLISE DISCURSIVA DOS PROCESSOS DE TRANSEXUALIDADES (2018)

LAURA NUNES PINTO

Resumo: Com filiação na Análise de Discurso pêcheuxtiana, esta dissertação trata do discurso de um sujeito trans e da possibilidade desse discurso romper com saberes provenientes da norma hegemônica. É a partir da base teórico-analítica da Análise de Discurso pêcheuxtiana (AD) e da base teórica dos Estudos de Gênero que teço olhares, ao longo deste trabalho, a observar os elementos da materialidade discursiva
em sua relação histórica e ideológica constitutiva com vistas à questão da performatividade de gênero, noção essa que propõe desconectarmo-nos da ideia de que a cada corpo corresponderia somente um gênero fixo, ou seja, o efeito do gênero se produz pela estilização do corpo e deve ser entendido como a forma pela qual gestos, movimentos e estilos corporais de vários tipos formam a ilusão de uma subjetividade marcada pelo gênero. Portanto, filiada aos Estudos de Gênero, penso que não há essência ou naturalidade nos gêneros que reproduzimos, esses, nada mais são do que construções discursivas que, ao serem criadas histórica, cultural e ideologicamente, estabelecem performances sociais normalizadas para o que entendemos como homem e mulher. A dissertação está organizada em cinco capítulos: no primeiro, apresento o referencial teórico em que me embaso para compor as análises, tratando de noções pertinentes à AD e aos Estudos de Gênero; no segundo, apresento as condições de produção situacionais e sócio-históricas do discurso trans; no terceiro, descrevo a forma como conduzi metodologicamente este
trabalho trazendo à luz o discurso do sujeito trans entrevistado; no quarto, apresento meus gestos de análise sobre sequências discursivas de uma das entrevistas coletadas; e, no quinto e último capítulo, proponho um efeito de fechamento com base nas análises e nas discussões teóricas apresentadas bem como pondero a validade desta dissertação.

ACESSE AQUI

 

45

O DISCURSO SOBRE A REFORMA DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE DA DIVULGAÇÃO GOVERNAMENTAL (2017)

ALINE REINHARDT DA SILVEIRA

Resumo: Com filiação na Análise de Discurso pecheuxtiana, a dissertação trata do funcionamento do discurso de divulgação governamental sobre a reforma do Ensino Médio. O arquivo e também o corpus foram constituídos a partir da seção “Notícias” do portal do Ministério da Educação (MEC). O período compreendido pela análise tem início em 12 de maio de 2016, quando da tomada do poder pelo governo de Michel Temer, e vai até o contexto de promulgação da Medida Provisória que instituiu a referida reforma, em setembro do mesmo ano. A dissertação está organizada em quatro capítulos. No primeiro, são apresentadas noções essenciais para uma análise em AD, tais como sujeito, sentido e interpretação. No segundo, são abordadas as condições de produção do discurso em análise. O terceiro capítulo trata do discurso de divulgação governamental (DDG), bem como da construção do dispositivo analítico. O quarto capítulo ocupa-se com a análise, empreendendo um movimento teórico-analítico. Esse capítulo está formado por cinco gestos de análise, metodologicamente definidos de forma a contemplar os objetivos específicos. Nesse capítulo, parte-se de uma aproximação do jornalismo com a análise do discurso; examina-se o funcionamento: (i) da repetibilidade; (ii) da exterioridade; (iii) do silenciamento. A partir dessas análises, foi possível chegar a formular a noção de câmara de eco, bem como entender o funcionamento desse discurso enquanto propaganda e, por conseguinte, constituir-se como uma língua de vento. Tal metáfora, em AD, descreve o uso da linguagem para a circulação de mensagens que sirvam à propaganda de Estado, constituídas pelo apelo emocional e caracterizadas pela efemeridade das informações que veiculam – quando assim o fazem.

ACESSE AQUI

 

44

O DISCURSO-OUTRO NO DISCURSO DE DILMA ROUSSEFF: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA SUA CARTA DE DEFESA E DO SEU ÚLTIMO PRONUNCIAMENTO ENQUANTO PRESIDENTA (2017)

ANDRÊSSA DOS SANTOS GALVÃO

Resumo: Na presente dissertação analisa-se, no âmbito da Análise de Discurso (AD) de filiação pecheuxtiana, o discurso da presidenta Dilma Vana Rousseff. Toma-se como corpus empírico a carta de defesa, enviada, pela então presidenta, ao Senado Federal, em 16 de agosto de 2016; e seu último pronunciamento, enquanto presidenta, antes de sua defesa final, em 29 de agosto do referido ano, com o objetivo central de analisar a heterogeneidade discursiva presente nos referidos documentos. Para cumprir tal objetivo, primeiramente, desenvolve-se uma revisão de pressupostos teóricos da Análise de Discurso que são importantes para a análise que será feita. Em seguida, apresenta-se a noção de condições de produção para a AD e as condições de produção do discurso da presidenta, incluindo o modo como se deu o processo de impeachment. Posteriormente, desenvolve-se uma discussão sobre a concepção de heterogeneidade discursiva, trazendo os pressupostos teóricos de Authier-Revuz e autores que se filiam à Análise de Discurso para consubstanciar teórica e metodologicamente a análise. Discutem-se, também, as concepções de formação discursiva e memória discursiva, uma vez que tais noções são fundamentais para a análise. Dando seguimento, analisa-se a heterogeneidade discursiva mostrada (marcada ou não marcada) presente no discurso da presidenta, atentando para: i. as formas de inserção do discurso-outro, bem como seu funcionamento discursivo; ii. as relações de força que estão presentes no discurso de Dilma; iii. os efeitos de sentido decorrentes da heterogeneidade discursiva; iv. o funcionamento do imaginário do sujeito do discurso diante do discurso-outro.

ACESSE AQUI

 

43

MOVIMENTO O SUL É MEU PAÍS E SUAS IMPLICAÇÕES DE SENTIDOS (2017)

STELLA APARECIDA LEITE LIMA

Resumo: Esta dissertação inscreve-se na linha de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Letras, denominada Texto, Discurso e Relações Sociais, e o campo teórico para o seu desenvolvimento está vinculado à Análise de Discurso, com filiação em Michel Pêcheux. A pesquisa estabelece reflexões sobre o Movimento O Sul é o Meu País (OSMP), reconhecido como uma associação cívica que se propõe a viabilizar a emancipação política e administrativa de três estados do sul do Brasil, da República Federativa. O objetivo central é compreender os saberes colocados em circulação pelo Movimento OSMP e, os sentidos que daí advêm. Para tanto, a atenção centrou-se no Manifesto Libertário (2000/2017), documento institucional do grupo. Dado ao objetivo, eis as problemáticas norteadoras do trabalho: como o Movimento sustenta e fortifica o discurso secessionista, mantendo-o vivo? E que estratégias discursivas são utilizadas pelo grupo em promoção de alguns sentidos e não de outros? Para o gesto interpretativo, efetuaram-se recortes que possibilitaram uma amostragem das regularidades presentes no funcionamento discursivo do OSMP, cujos procedimentos metodológicos tomados para análise das sequências discursivas selecionadas são: i. interlocução discursiva; ii. excesso e enunciado dividido; e iii. estranhamento e discurso transverso. O estudo divide-se em cinco capítulos: o primeiro destinado à contextualização do Movimento, tratando a sua constituição e o imaginário que perpassa a materialidade do Manifesto; o segundo, reservado para a compreensão da formação ideológica e da formação discursiva, em que foi configurada a formação discursiva separatista na qual o grupo se inscreve enquanto posição-sujeito OSMP; o terceiro, dedicado à compreensão das condições de produção do discurso separatista; e os dois últimos, propostos para o procedimento analítico-interpretativo. Nesse caminho, se trabalhou os efeitos de sentido produzidos pelo Movimento. Dentre eles, temos sentidos em prol da legitimação e legalidade do discurso separatista, a busca por um efeito de verdade de seus pressupostos ideológicos, e outros, nocivos, que, podem atravessar seu dizer, colocando em risco seu objetivo. Entre ditos e não-ditos, as implicações de sentidos podem se dar quando, ao promover seu ideal, o grupo acaba por disseminar a intolerância em nossa sociedade.

ACESSE AQUI

 

42

BELA, RECATADA E ‘DO LAR’: MOVÊNCIA DE SENTIDOS EM RELAÇÕES DE PARAFRASAGEM HISTÓRICO-DISCURSIVA (2017)

LEONOR LOURO DE FREITAS

Resumo: Esta dissertação analisa a repetição do enunciado Bela, Recatada e “do Lar” em discursos que emergiram após sua publicação na revista Veja em 18 de abril de 2016. A partir dessas repetições, realiza-se um estudo a fim de se chegar aos possíveis efeitos de sentido de alguns enunciados (re)produzidos e, dessa forma, observar a manutenção, o deslizamento e o deslocamento de sentido, as posições-sujeito e a formação discursiva (FD) em que se encontram inscritos. Desse modo, busca-se na teoria da Análise de Discurso (AD) de filiação pecheuxtiana o suporte necessário que fundamenta a análise do corpus discursivo. Para tal, mobiliza, além dos conceitos basilares da AD, as noções de repetição e paráfrase, já que o objetivo principal desta pesquisa é examinar o mesmo e o diferente nos enunciados repetidos e (re)significados. O corpus apresenta, como materialidades discursivas, memes produzidos entre 2016 e 2017 coletados na rede social Facebook e no site de buscas Google, cujo enunciado Bela, Recatada e “do Lar” aparece (re)tomado e (re)formulado.

ACESSE AQUI

 

41

O ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE FUNDÃO EM MARIANA (MG): DO ACONTECIMENTO HISTÓRICO AO ESTUDO DISCURSIVO DE CHARGES (2016)

NATHALIA MADEIRA ARAUJO

Resumo: Na presente pesquisa, subsidiada pela Análise de Discurso vinculada a Pêcheux, tal como vem sendo trabalhada no Brasil, visamos à compreensão do funcionamento discursivo do acontecimento histórico do rompimento da barragem Fundão (MG-2015) localizada no subdistrito Bento Rodrigues, pertencente à Mariana (MG). Para este propósito, primeiramente, refletimos se esta tragédia configura-se em um acontecimento discursivo (PÊCHEUX, 1999) ou em um acontecimento enunciativo (INDURSKY, 2008), e paralelo a isso, analisamos discursos chargísticos produzidos após o rompimento da barragem e publicados em diferentes sites da internet. Na dessuperficialização das materialidades chargísticas que compõem o corpus discursivo, focalizamos a preponderância do “político” na charge, pelos possíveis sentidos de denúncia, crítica, reivindicação e luta nelas produzidos. Ainda, examinamos relações de interdiscursividade presentes nas charges e concebemos os efeitos de humor e de ironia como possibilidades de atravessamento do “político”. Além disso, convém destacar que, ao tratarmos da charge, já a consideramos como gesto de interpretação de um sujeitoautor chargista. Este estudo dividiu-se em quatro capítulos, dois destinados para a mobilização de conceitos teóricos necessários e construção da metodologia, e outros dois, destinados aos gestos interpretativos.

ACESSE AQUI

 

40

LIVRO “PORTUGUÊS LINGUAGENS”: PROPOSTAS DE PRODUÇÃO TEXTUAL – CONTRAPONDO ATIVIDADES ENTRE O LIVRO DO ALUNO E O DO PROFESSOR (2015)

LUCIANO GONÇALVES MORAES

Resumo: O presente estudo tem como objetivo analisar propostas de redação que estão inseridas no livro didático de Língua Portuguesa “Português Linguagens: volume único” dos autores William Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhães, que organizaram o referido livro em torno de três seções essenciais à produção textual: a estrutura dos gêneros, a produção textual desses mesmos gêneros e a expressividade. O nosso propósito é analisar alguns capítulos, a partir de um recorte realizado com base nas propostas mais presentes no âmbito da escola, verificando como são apresentadas e desenvolvidas as propostas para a produção de textos, uma vez que a criação textual apoia-se na leitura, interpretação e depois na escrita. Desta forma, buscamos compreender como são propostas essas questões no livro do professor e posteriormente no livro do aluno. Para isso, recorremos à base teórica da Análise do Discurso de linha francesa, partindo da interpretação que é concebida a partir da história, da linguagem e da psicanálise. O estudo deu-se mediante a realização de algumas etapas. Na primeira, a passagem por todos os capítulos do livro, (62) capítulos, para que pudéssemos nos dedicar apenas aos direcionados à produção textual. Após, foi necessário um recorte, uma vez que agora restaram (18) capítulos voltados à produção textual. E por fim, selecionamos (5) que acreditamos ser os mais direcionados ao que é cobrado em vestibulares, concursos e principalmente no Enem. Partindo de noções desenvolvidas por Pêcheux na Análise do Discurso em especial, a partir das noções de sujeito, formação discursiva e sentido, foi possível compreender e analisar como se dá o encaminhamento da produção textual em ambos os livros.

ACESSE AQUI

 

39

ENSINO PROFISSIONALIZANTE NO BRASIL: DETERMINAÇÕES E ESCAPES (2015)

MARIA INÊS GONÇALVES MEDEIROS

Resumo: O presente estudo centra-se em uma análise discursiva da instituição e representação do Ensino Profissionalizante (EP) no Brasil. Os documentos a partir dos quais elegemos nosso corpus de análise consistem no Decreto nº 7566/1909, no artigo 129 da Constituição Federal de 1937 e na Lei 12.513/2011 de instituição do Pronatec. A análise leva em conta o entrelaçamento da materialidade linguística com as formações imaginárias dos sujeitos aí representados, bem como a memória discursiva. Para tal, mobilizamos os princípios e procedimentos utilizados pela Análise de Discurso de linha francesa. Foram investigados os processos de produção desse discurso, atentando para a constituição e para a especificidade das relações de sentido nos diferentes documentos, sempre levando em conta suas condições sócio-históricas. O estudo divide-se em quatro capítulos: dois destinados à produção de uma leitura do quadro epistemológico e os outros dois, à discussão de um procedimento interpretativo. A análise identificou determinações sócioideológicas e imaginárias envolvidas na construção da discursividade do EP relacionadas não apenas à instituição, mas também à concretude das relações sociais da contemporaneidade, sem, contudo, descartar as possibilidades de escapes.

ACESSE AQUI

 

38

AS QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO NO ENEM 2014: UMA ANÁLISE DISCURSIVA (2015)

JEFERSON DA SILVA SCHNEIDER

Resumo: A linguagem permite ao sujeito discursivo simbolizar e buscar a compreensão da leitura e da interpretação. O contexto da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) revela uma abstração de valores socioculturais, em detrimento dos saberes que são evocados na constituição da linguagem enquanto saber do sujeito que, por vezes, remete a conhecimentos teóricos e sócio-históricos. A valorização do discurso como processo discursivo deve ser a propulsora de novos questionamentos e práticas que tragam para o universo da linguagem novas percepções de como valorizar os saberes educacionais voltando-se, assim, a uma discussão junto às capacidades discursivas propostas pelo ENEM. Na prova, o sujeito aluno avaliado é pensado como detentor de conhecimentos linguísticos e sociais que possibilitam o ato interpretativo direcionado por opções de múltipla escolha. Como sujeitos discursivos, somos fadados a interpretar, mas não de qualquer maneira, pois as nossas filiações ideológicas interferem na constituição de sentido. Assim, partimos dos pressupostos da Análise de Discurso (AD) de linha francesa, para buscar compreender os possíveis efeitos de sentido que podem ser produzidos a partir da materialidade linguística de questões referentes à interpretação na área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias do ENEM/2014, alicerçado às noções próprias da teoria. Com estas questões de interpretação como objeto de pesquisa, buscamos demonstrar as relações de força apresentadas pelo discurso, que produz diferentes efeitos de sentido quando relacionado a suas condições de produção. Com este trabalho, esperamos proporcionar, a partir das análises apresentadas, uma forma de entrecruzar os conhecimentos da AD com a possibilidade de um gesto interpretativo diferenciado através de uma leitura que mobilize, problematize e aflore saberes dos processos de ensino-aprendizagem. Não pretendemos atribuir juízo de valor às questões da prova do ENEM, mas, sim, levantar reflexões sobre a forma de avaliação de múltipla escolha e o papel do discurso dentro das mais variadas formas de exposição de sentidos, pois os sentidos são constituídos pelos interlocutores na sua relação com o discurso. Não podemos deixar de considerar que há sentidos outros e que não se pode balizá-los, pois, acreditamos que o sujeito do discurso demonstra sua interação com o mundo através da linguagem em curso, ou seja, pelo discurso.

ACESSE AQUI

 

37

MAFALDA: GESTOS DE LEITURA A PARTIR DO FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DA INTERROGAÇÃO (2015)

LUCIANE BOTELHO MARTINS

Resumo: Há pouco mais de cinquenta anos, nasce, na Argentina, a personagem que problematizaria uma série de questões de cunho social e político. Ao tornar-se referência a estudos sob o olhar de diferentes áreas e sabendo, pois, que o tema não se esgota, proponho, neste trabalho, algumas reflexões sobre o funcionamento discursivo da interrogação em Mafalda, na perspectiva da Análise do Discurso pecheuxtiana, tal qual vem sendo trabalhada no Brasil. Para tal, mobilizamos alguns conceitos teóricos, entre os quais, destacamos: a leitura na perspectiva discursiva, o silêncio, a falta e o humor na produção de sentidos. Além disso, convém destacar que, ao tratar de textos sincréticos, em que figuram como protagonista uma menina, também mobilizamos conceitos referentes à imagem e ao gênero. Desse modo, com o propósito de contribuir para os estudos do discurso, refletimos sobre um arquivo formado por dez tirinhas, cuja observação leva-nos a duas formações discursivas predominantes, designadas, respectivamente, como formação discursiva anticapitalista e formação discursiva sexista. A análise assinala determinações sócioideológicas e imaginárias envolvidas na construção do humor em Mafalda, a partir da dimensão material linguística e imagética.

ACESSE AQUI

 

36

TATUAGENS: SUJEITOS E SENTIDOS (2014)

NAIARA SOUZA DA SILVA

Resumo: O presente trabalho visa refletir, no âmbito da Análise de Discurso de tradição pêcheuxtiana, sobre o sentido atribuído a algumas tatuagens pela Cartilha de Orientação Policial Tatuagens: Desvendando Segredos, contrapondo-o aos sentidos produzidos por sujeitos que possuem as mesmas tattoos. Compreendemos que se tratam de sentidos produzidos e mobilizados por duas instâncias distintas, uma representada pela Polícia Militar do Estado da Bahia e, a outra, representada por sujeitos tatuados que desconhecem a Cartilha. Para o gesto de interpretação dos sentidos das tatuagens, aqui entendida como espaço onde se materializam discursos, cujos sentidos produzem diferentes efeitos, empregamos princípios e procedimentos utilizados pela teoria a qual nos filiamos na análise da materialidade linguística. O estudo divide-se em cinco capítulos: o primeiro, destinado ao conhecimento da Cartilha; o segundo, reservado para um exercício bibliográfico da tatuagem a fim de compreendermos como foi sua (re)significação até o presente momento; o terceiro, dedicado à teoria da subjetividade, em que refletimos sobre o sujeito; e os dois últimos, propostos para o procedimento analítico-interpretativo. Nesse caminho, trabalhamos os efeitos de sentido produzidos, na medida em que temos sentidos apresentados por um aparelho repressor, num discurso autoritário, e sentidos dados por sujeitos que fazem uso da tattoo, ambos inscritos em formações discursivas distintas e afetados por imaginários também distintos.

ACESSE AQUI

 

35

UMA ANÁLISE SOBRE O DISCURSO DA REVISTA VEJA EM RELAÇÃO ÀS MANIFESTAÇÕES DE JUNHO DE 2013 (2014)

EVELINE ROSA PERES

Resumo: Veja caracteriza-se por ser uma das revistas do grupo Abril editorial com maior número de vendas – a revista de circulação nacional mais vendida – além disso, caracteriza-se também, por apresentar um posicionamento discursivo identificado com as bandeiras das elites do nosso país. Nesta dissertação, analisamos as capas das edições publicadas nos dias 19 e 26 de junho de 2013, os editoriais dessas duas edições, bem como duas reportagens, buscando compreender a aparente mudança discursiva ocorrida na Veja. As edições em estudo possuem como matéria de capa os protestos que surgiram em todo o país no início de junho do referido ano. Movidos, primeiramente, por reivindicações contra o aumento das passagens, esses protestos se estenderam para temas mais amplos como combate à corrupção, aos investimentos bilionários na Copa do Mundo de 2014, à homofobia, entre outras causas que indignam boa parte do país. Sendo assim, neste estudo, partindo do arcabouço teórico da análise de discurso (AD) de filiação pêcheuxtiana, propomo-nos a analisar as construções sintáticas das manchetes, as escolhas das imagens, a disposição e o tamanho das letras, as fotos e as cores escolhidas, buscando responder os seguintes questionamentos: Que condições de produção perpassam a construção dessas capas? Que fatores desencadearam a mudança discursiva das capas entre as duas edições? Como podemos perceber essa virada discursiva na materialidade linguística? Como a revista caracteriza os participantes do Movimento Passe-Livre e como se utiliza da ironia para descaracterizar os objetivos do MPL? Por fim, buscamos compreender se essas manifestações de junho de 2013 se constituíram como acontecimentos discursivos ou enunciativos.

ACESSE AQUI

 

34

ETC. E RETICÊNCIAS: POSSIBILIDADES DE SENTIDOS (2014)

PATRICIA PEREIRA FRANCO

Resumo: A presente pesquisa efetua um estudo discursivo da abreviatura etc. comparada com o sinal de pontuação reticências, pelo viés da leitura, da interpretação e da escritura. Com base na linha teórica da Análise de Discurso de linha francesa, desenvolvemos, primeiramente, uma reflexão acerca das noções mais relevantes para este trabalho. Em seguida, buscamos as concepções linguísticas dos objetos de análise para, a partir disso, pensar em um enfoque discursivo para os mesmos. Feito esse levantamento teórico, partimos para a aplicação de um texto verbo-visual que visava ao preenchimento de sentidos para o etc. e para as reticências. Logo, com base nas análises dos textos produzidos pelos alunos participantes desta pesquisa, efetuamos as análises nas quais foi possível considerar que a maioria deles leu e interpretou o etc. e as reticências de maneira muito semelhante, permitindo-nos escrever que, no funcionamento do discurso, o etc. e as reticências produzem sentidos se não igual, muito próximos, ou seja, os gestos de interpretação, nos dois casos, são muito parecidos.

ACESSE AQUI

 

33

VOCÊ SE VÊ NAQUILO QUE VÊ? REPRESENTAÇÕES DE FAMÍLIA EM COMERCIAIS E SEUS EFEITOS DE SENTIDO (2014)

LUCAS MARTINS FLORES

Resumo: Investigar imagens de família na contemporaneidade faz-se importante, uma vez que sua constituição tradicional vem sendo alterada substancialmente. Embora essa temática tenha passado por várias reflexões em diferentes campos de estudo, propomos discuti-la através do aparato teórico-metodológico da Análise de Discurso de linha francesa, como vem sendo desenvolvida no Brasil, levando em consideração os dizeres midiáticos. Vinculamos à família a questão midiática, porque somos, diariamente, expostos aos comerciais de televisão em que diferentes formações ideológicas se fazem presentes, produzindo efeitos de sentido ligados a diferentes elementos da memória do dizer. Pretendemos, assim, confrontar os ditos midiáticos em relação aos ditos de sujeitos telespectadores, atingindo, através de nosso gesto interpretativo, os efeitos de sentido dessa relação mídia televisiva x sujeito. Para a composição do corpus desta dissertação, primeiramente, trabalhamos com alunos do terceiro ano do Ensino Médio que responderam, através da escrita de um verbete, à pergunta: o que é família? Em seguida, esses sujeitos foram submetidos a dois comerciais de televisão, cada qual, aparentemente, relacionadoa uma formação ideológica diferente – uma moderna e outra contemporânea –, para, então, escreverem um novo verbete. A partir dessas materialidades discursivas e, tendo como parâmetro analítico as modalidades discursivas de Pêcheux (1988) – identificação, contraidentificação e desidentificação –, procuramos analisar o tipo de relação estabelecida pelos sujeitos com os pressupostos ideológicos a(re)presentados.

ACESSE AQUI

 

32

A CIDADE, A POLTRONA E A LINHA: ESTUDOS SOBRE A ESTÉTICA DO FRIO, DE VITOR RAMIL (2013)

GILNEI OLEIRO CORRÊA

Resumo: O presente trabalho aborda a Estética do Frio, criação do compositor, cantor e escritor Vitor Ramil, a partir da leitura do romance satolep, mas não exclusivamente. A pesquisa enfatiza aspectos recorrentes abordados pelo autor, ao longo de sua obra, particularmente no que se refere à cidade, ao sujeito e ao discurso. A investigação identifica e pretende aprofundar três questionamentos. O primeiro é referente ao lugar, pois investiga a relação cidade/discurso. A segunda pergunta é a seguinte: Quando se bate na porta de uma casa em Satolep, quem nos atende? Esse questionamento recomenda a investigação sobre a subjetividade. A terceira pergunta se refere ao discurso utilizado. Esta pergunta objetiva nortear a investigação sobre uma identificada “modalidade enunciativa peculiar” encontrada na obra ramiliana, a qual assumirá, no desenvolvimento da pesquisa, a forma de designada “discurso-escaiola”. Todos os questionamentos são atravessados por conceitos de diferentes áreas do conhecimento e sustentados em premissas da Análise de Discurso, de linha pêcheuxtiana. Por meio dessa pesquisa, espera-se trazer para dentro do âmbito dos estudos acadêmicos de discurso essa singular e instigante vereda da criação literária contemporânea brasileira, a Estética do Frio, de Vitor Ramil.

ACESSE AQUI

 

31

A NEGAÇÃO E O SILÊNCIO NO DISCURSO DE CONFLITO DE RAÇA NO BRASIL (2013)

LUIZ FELIPE MACEDO DOS SANTOS

Resumo: O presente trabalho tem como objetivo analisar os processos discursivos presentes em enunciados do livro Não somos racistas: uma reação aos que querem nos transformar numa nação bicolor, de autoria do jornalista Ali Kamel, que defende a ideia de “democracia racial” como característica presente na formação da nação brasileira. O propósito do estudo é analisar, a partir do fio do discurso, elementos que possam revelar justamente o contrário: a existência do conflito de raça (racismo), enquanto fenômeno ideológico de ordem estrutural, constituindo-se numa distorção que confere privilégios a um determinado grupo em detrimento de outro. Para investigar os dizeres presentes na obra, recorre-se à base teórica da Análise do Discurso de linha francesa, ciência interpretativa que mobiliza questões relacionadas à história, à linguagem e à psicanálise. O trabalho tem o intuito de rever aspectos da formação social brasileira, cuja característica singular é a mistura de raças (miscigenação), o que permite revisitar conceitos acerca de cor, raça, racismo e racialismo. Esses conceitos entrelaçam-se com as noções de memória e história desenvolvidas por Pêcheux na Análise do Discurso. Através delas são analisados os processos de silenciamento e negação discursiva que trabalham, nos enunciados observados, o efeito de inexistência de racismo no Brasil.

ACESSE AQUI

 

30

O DISCURSO CONTRADITÓRIO. UMA ANÁLISE DOS PROCESSOS DISCURSIVOS PRESENTES EM PERFIS NEONAZISTAS NO ORKUT (2013)

FELIPE ALVES PEREIRA AVILA

Resumo: O Orkut é um espaço em que se desenvolvem diferentes práticas discursivas na e sob a determinação de formas históricas de existência. Nele, muitos de seus usuários expõem o imaginário que os constitui como sujeitos. A principal marca dessas práticas é a volubilidade dos sentidos, fato que lhes permite um (re)arquitetar-se constante e simultaneamente um efeito de autonomia. Isso pode ser observado na formação de grupos radicais, como é o caso dos neonazistas. Nessa volubilidade dos sentidos, linearizados através de diferentes formas linguísticas, encontra-se implicado o conceito de contradição, aqui entendido na perspectiva do materialismo histórico. O trabalho toma-o como eixo de análise dos discursos neonazistas presentes no Orkut, cujas fórmulas fracassadas e, até mesmo, criminosas relacionam-se à discriminação e à reintrodução de pressupostos radicais e desvarios doutrinários, amplamente rejeitados no concerto mundial. Os elementos da materialidade linguística são observados a partir desse conceito, o que possibilita o reconhecimento dos elementos de saber em jogo, provenientes de diferentes regiões do interdiscurso, nos processos discursivos observados. As análises permitem a identificação de representações ligadas a um imaginário que atua no processo simbólico através de saberes relacionados a diferentes formações discursivas.

ACESSE AQUI

 

29

REPRESENTAÇÕES DO TEMPO NA PUBLICIDADE DE RELÓGIOS DE PULSO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA (2013)

DIEGO VIEIRA BRAGA

Resumo: O presente estudo efetua uma análise discursiva da representação da temporalidade em dois anúncios publicitários de relógios de pulso veiculados em décadas diferentes. Com base na Análise do Discurso de linha francesa, foram investigados os processos de produção desses discursos, atentando para a constituição e para a especificidade das relações dos sentidos em cada período. A partir de um exercício bibliográfico, foram levantadas formas de apreensão e transformações na experiência temporal na sociedade, sempre em vista das implicações para os sujeitos. A análise identificou determinações sócio-ideológicas e imaginárias envolvidas na construção de discursividades sobre o tempo, que representam não só a instituição, mas também a interpretação material dessa dimensão na concretude das relações sociais.

ACESSE AQUI

 

28

UMA ANÁLISE DISCURSIVA SOBRE O TRATAMENTO DISPENSADO POR PROFESSORES AO ERRO EM LE: UM VIÉS ENTRE TEORIA E PRÁTICA (2013)

MÔNICA FERREIRA RÊGO

Resumo: Neste trabalho, procura-se analisar os processos discursivos envolvidos no discurso do professor de LE sobre a questão do erro, com vistas a identificar, a partir da materialidade linguística, índices que apontem para os diferentes efeitos de sentido aí presentes. Isso ocorreu através da observação do comportamento corretivo dos professores, atuando com seus próprios alunos em aulas de inglês como LE, durante atividades com Foco na Forma e, posteriormente, através de entrevistas nas quais eles são questionados quanto ao seu comportamento frente aos erros cometidos pelos alunos. Os resultados deste trabalho mostram que há um processo de contradição discursiva, marcado linguisticamente. De um lado, percebe-se a presença de formulações similares às que circulam numa FD pedagógica moderna, a qual prioriza a motivação e a comunicação entre os alunos: de outro, nota-se a presença de formulações pertencentes a uma FD pedagógica tradicional, voltada fundamentalmente à atuação do professor que ou aponta os erros como algo gravíssimo e/ou aplica um método em que as aulas ocorrem sempre da mesma forma. O processo de contradição coloca-se em cena no discurso, na medida em que elementos do interdiscurso ora se apresentam num primeiro momento, relacionados a uma FD pedagógica atual, vinculados à abordagem comunicativa de ensino de LE, ora são substituídos por um discurso outro que contradiz tais elementos.

ACESSE AQUI

 

27

DO GESTO DE REPARAR A(À) GESTÃO DOS SENTIDOS: UM EXERCÍCIO DE ANÁLISE DA IMAGEM COM BASE NA ANÁLISE DE DISCURSO (2012)

MARCHIORI QUADRADO DE QUEVEDO

Resumo: O presente trabalho visa a empreender, no âmbito da Análise de Discurso, um exercício de interpretação da imagem, aqui entendida no entrelaçamento da materialidade visual, das formações imaginárias e do trabalho discursivo de leitura. Para tal, mobiliza os princípios e procedimentos utilizados pela teoria na análise da materialidade linguística. O estudo divide-se em sete capítulos: cinco destinados à produção de uma leitura do quadro epistemológico e dois, à discussão de um procedimento interpretativo. Propõe-se a análise da imagem como um gesto de “reparar” – cujo duplo escopo reside em ver o não ver interior ao próprio ver (aforismo althusseriano) e em restaurar o processo discursivo –, realizado a partir de dois exames aqui denominados como de superfície e de superposição.

ACESSE AQUI

 

26

O DISCURSO RELIGIOSO DO CÍRIO DE NAZARÉ: UMA DÍVIDA COM O SAGRADO (2012)

ILDIMAR VIANA ASSUNÇÃO

Resumo: Este estudo compreende reflexões sobre o Discurso Religioso Católico (DRC) sobre milagres com a finalidade de compreender os efeitos de sentido dele derivados. Foi construído a partir da base teórica da Análise do Discurso (AD), na tradição de Michel Pêcheux, envolvendo a relação entre discurso, sujeito e ideologia. Para isso, buscou, por um lado, subsídios de ordem teórica, relacionados ao Cristianismo, em particular à Igreja Católica e ao acontecimento sócio-político-religioso ―Círio de Nazaré‖, realizado anualmente na cidade de Belém do Pará; por outro, desenvolveu noções fundamentais, como formação discursiva, formação ideológica, esquecimento, entre outros, que possibilitaram a construção do dispositivo analítico com vistas à compreensão do funcionamento discursivo de DRC. Esse dispositivo foi utilizado na análise de discursos de mulheres católicas que, no interior do acontecimento, diziam-se curadas, por intercessão da Virgem de Nazaré, configurando, segundo elas, ―milagres‖. Considerando as condições de produção desses discursos, o objetivo do trabalho foi interpretar os efeitos de sentido a partir da observação da materialidade linguística em sua relação com a memória discursiva. Nas análises, buscou-se demonstrar essa relação nos enunciados constituintes do corpus discursivo, observando-se a forma de interpelação que se estabelece nos sujeitos religiosos ao produzirem discursos sobre milagres, atualizando a promessa de salvação a todos que tiverem fé na ―Palavra de Deus‖.

ACESSE AQUI

 

25

ENTRE O FRACASSO E O ÊXITO: HETEROGENEIDADE E DIVISÃO EM DISCURSOS DE SUICIDAS (2011)

LARISSA COSTA KURTZ DOS SANTOS

Resumo: Este trabalho tem como principal objetivo a análise de cartas e bilhetes de suicídio a partir de pressupostos da análise de discurso de linha francesa (AD). Reconhecendo o caráter interdisciplinar da AD, baseamo-nos em conceitos de Michel Pêcheux, mas também de Jacques Lacan, da psicanálise, e Jacqueline Authier-Revuz, do campo da enunciação. Procuramos compreender de que maneiras o suicídio é discursivizado nessas mensagens e que elementos da ordem do interdiscurso determinam o dizer dos suicidas. Foram observados dois grandes movimentos discursivos, que denominamos discurso do êxito e discurso do fracasso, no interior dos quais a FD cristã ou tradicional quase sempre se apresentava como principal influência. Esses discursos por vezes figuravam juntos dentro de uma mesma sequência discursiva, demonstrando a ambivalência do sujeito. Contudo, mesmo nas mensagens que revelavam apenas uma dessas tendências, foi possível identificar pistas da heterogeneidade que constitui todo dizer. Essas não-coincidências apresentaram-se principalmente na forma de negações, operadores concessivos, aspas, alusões, ironia, modalizações, indicando o atravessamento de discursos outros no dizer dos suicidas. No espaço da contradição e do equívoco, o sujeito revelou-se determinado pela ideologia e pelo inconsciente, mas não plenamente assujeitado, por ser capaz de romper com o mesmo através da polissemia. Revelou-se, por fim, um sujeito estruturalmente dividido, que está longe de ser fonte intencional de uma palavra homogênea, conscientemente empregada como instrumento de comunicação. Trata-se, antes, de um ser-em-falta, sempre desejante e incapaz de controlar seu dizer, visto que ele próprio não passa de um efeito de linguagem.

ACESSE AQUI

 

24

PÁGINAS DA VIDA: A DISCURSIVIZAÇÃO DO PASSADO NA NARRATIVA DE SUJEITOS IDOSOS (2011)

MÔNICA FERREIRA CASSANA

Resumo: No presente trabalho, cuja base teórica é a Análise do Discurso de linha francesa, mobilizamos a questão da memória no discurso de sujeitos idosos. Focalizamos as lembranças resgatadas do passado e ressignificadas no discurso, através da observação da temporalidade linguística que manifesta elementos pretéritos – de ordem ideológica e social – representados na linearidade significante. Para tanto, apresentamos noções de memória advindas do campo da filosofia, a partir das perspectivas de Bergson (1990) e Ricœur (2007), e a desenvolvida por Pêcheux (1999) na Análise do Discurso. A partir desses olhares, entendemos que a memória, através das lembranças, possui uma dimensão afetiva, a qual se torna significativa no momento do discurso do falar de si. Apresentamos, paralelamente a essas considerações, a influência da pós-modernidade no discurso de si e na constituição da subjetividade e da identidade de sujeitos na faixa etária dos sessenta e três a setenta e seis anos. Para a constituição do corpus de análise, entrevistamos oito sujeitos idosos. Buscamos demonstrar, em nossas análises, como certas posições ideológicas seguem vigorando socialmente através da identificação de tensões e rupturas derivadas da relação estabelecida entre elementos interdiscursivos inscritos no intradiscurso.

ACESSE AQUI

 

23

ENTRE O DIZER E O NÃO-DIZER: A CHARGE POLÍTICA E A RELAÇÃO COM O SILÊNCIO (2010)

ELZA MARIA D’ATHAYDE

Resumo: O presente trabalho constitui-se num estudo sobre o funcionamento discursivo de cinco charges políticas publicadas no jornal Zero Hora, no período de fevereiro de 2007 a junho de 2009, tendo como referência o silêncio na constituição dos efeitos de sentido. A partir da materialidade linguística, identifica suas formas, marcadas e não-marcadas, considerando as condições de produção. Fundamentado nos pressupostos teóricos da Análise do Discurso (AD) e na concepção de silêncio de Orlandi (1995a), trabalha a charge como acontecimento discursivo, considerando o real da língua em sua relação com o equívoco e o silêncio. O estudo mostra, de acordo com os procedimentos metodológicos adotados, que a charge política, na condição de exemplar de discurso lúdico e por sua relação com o silêncio, institui-se como lugar de processos polissêmicos de significação. Sua relação bastante pronunciada com o silêncio permite, ainda, entrever o que está às margens do que é dito, a relação entre o que é dito e o que funciona no silêncio. Finalmente, a charge política configura-se como um espaço discursivo pleno de silêncios que significam entremeios de sentidos, em que aquilo que não está dito vale mais do que o dito.

ACESSE AQUI

 

22

PALAVRA, MEMÓRIA E IMAGINÁRIO: A CONSTITUIÇÃO DA SUBJETIVIDADE NA CANÇÃO NATIVISTA SUL-RIO-GRANDENSE (2010)

GUILHERME PEREIRA BITTENCOURT

Resumo: Este trabalho examina a representação do sujeito campesino gaúcho nas canções que compõem o DVD Pátria Pampa, de César Oliveira e Rogério Melo, a fim de analisar como se dá a constituição da subjetividade no interior de uma formação discursiva tida como nativista-tradicional e como essa representação acaba agindo na interpelação dos sujeitos sulrio-grandenses. Para isso, são utilizados pressupostos provenientes da Análise do Discurso de linha francesa (AD), no intuito de investigar os discursos nativistas em sua dimensão histórico-social. Esses pressupostos facultam um olhar analítico que alia a observação de elementos da cadeia significante a determinações de caráter ideológico, permitindo um trabalho interpretativo de apreensão da historicidade do sujeito campesino sul-rio-grandense. Mais especificamente, esta pesquisa busca refletir sobre o funcionamento de interdiscursos, focalizando o apagamento e a recorrência de elementos da memória discursiva nas músicas de raiz, em sua relação com as formações imaginárias em jogo na enunciação, e as pistas de reconhecimento de posições-sujeito, ligadas à representação do gaúcho campeiro – homem explorado e discriminado social e financeiramente por outra formação – como herói mítico, ideal de bravura, coragem e força. A partir desses pontos, o processo de mitificação do peãocampeiro é questionado. Reflete-se, então, se esse processo é fundamentado na identificação dos sujeitos com as características e ações historicamente constituídas como pertencentes aos campeiros e/ou em mecanismos de poder que mascaram a ideologia dominante, naturalizando fatos com vistas ao controle e manutenção do status quo. Cabe dizer que as canções de raiz sulinas foram elencadas, neste estudo, por serem concebidas como grande veículo ideológico, à medida que possibilitam a divulgação dos discursos nativistas de maneira bastante popular através da música. Ressalte-se, ainda, que a implementação da análise dá-se a partir da noção de recorte, sendo o corpus analítico deste estudo formado pelas sequências discursivas de referência (sdr) extraídas das referidas canções.

ACESSE AQUI

 

21

AS DUALIDADES BEM/MAL E BELO/FEIO NA CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DO SACI-PERERÊ EM MONTEIRO LOBATO (2009)

PATRÍCIA DE OLIVEIRA PEREIRA LIMA

Resumo: Este trabalho investiga a relação corpo/linguagem por meio da construção discursiva da personagem Saci, na obra O Saci, de Monteiro Lobato, considerando a ambivalência presente em sua constituição quanto ao binômio belo/bem e feio/mal. Para tanto, procura verificar como os elementos intra e interdiscursivos relacionam-se a essa questão com base no referencial teórico da Análise de Discurso de linha francesa, ciência interpretativa que se ocupa de questões ligadas ao processo sóciohistórico de produção dos sentidos. As relações dicotômicas foram analisadas mediante a observação de elementos designativos nos recortes discursivos selecionados, remetendo-os aos elementos da memória discursiva. Os mecanismos intra e interdiscursivos envolvidos nessa relação permitiram evidenciar aspectos contraditórios presentes na constituição dessa personagem, produzindo diferentes efeitos de sentido.

ACESSE AQUI

 

20

“AS MUDAS ROMPERAM O SILÊNCIO” DISCURSO ECOLÓGICO E MOVIMENTO CAMPESINO (2009)

CRISTINA ZANELLA RODRIGUES

Resumo: As mudanças significativas nas relações envolvendo seres humanos e meio ambiente têm abalado o mundo e feito a sociedade refletir acerca da maneira como vem interagindo com a natureza. A concepção segundo a qual os recursos da Terra são inesgotáveis e podem progredir indefinidamente em direção ao futuro não mais se sustenta. Um discurso de resistência que procura denunciar a necessidade de mudança de paradigma, incluindo a transformação na maneira como interagimos com a natureza surge no cenário mundial. Desde então, a questão ecológica vem se tornando um dos principais assuntos, quando se discute o futuro da humanidade. Um acontecimento que está relacionado com essa questão trouxe à tona questionamentos importantes. Trata-se da ação de cerca de mil e quinhentas mulheres da Via Campesina que se desenrolou em 8 de março de 2006, no Horto Florestal da empresa Aracruz Celulose, em Barra do Ribeiro no Rio Grande do Sul. Na ocasião, as mulheres procuraram dar cabo das mudas de eucalipto e danificaram o laboratório mantido pela empresa. Tal acontecimento foi amplamente divulgado na mídia, debatido pelos movimentos sociais, discutido por representantes políticos e pela sociedade, dando início a novos processos discursivos no âmbito do discurso ecológico. O objeto deste trabalho é composto por textos divulgados pelas partes envolvidas – Mulheres da Via Campesina e Aracruz Celulose – através dos quais analisam-se elementos do interdiscurso que aí irrompem e observam-se os movimentos de sentido a partir de posições em formações discursivas diferentes que podem re-significar (se) na relação com o discurso ecológico.

ACESSE AQUI

 

19

DA “FALTA DO DIZER” AO “DIZER DA FALTA”: REFLEXÃO SOBRE A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NA POESIA DE ANA CRISTINA CESAR (2009)

JANAINA CARDOSO BRUM

Resumo: O discurso poético é visto constantemente como lugar privilegiado de reflexão sobre a linguagem, não sendo poucos(as) os(as) poetas que colocam a preocupação com os modos de significar como tema central de suas obras. O trabalho com a linguagem, nesse espaço, gera inquietações várias em torno das relações entre a linguagem e os objetos do mundo. A correspondência entre palavra e coisa é freqüentemente questionada e, mais do que uma inquietação sobre a representação através da linguagem no momento da escritura, torna-se o cerne do trabalho poético. A multiplicidade de sentidos emerge também como um funcionamento do discurso poético, tocando, assim, o silêncio fundante, que, ao mesmo tempo em que evidencia uma incompletude da linguagem, traz à cena a movência dos sentidos. Na poesia da brasileira Ana Cristina Cesar há uma incessante reflexão sobre a linguagem, sendo ela trabalhada em suas (im)possibilidades. A incompletude da linguagem é percebida na obra dessa autora e, assim, apresentam-se, em seus poemas, formas que atestam essa incompletude e o movimento dos sentidos. No presente trabalho, pretendemos observar os processos discursivos que ocorrem quando o sujeito se indaga sobre o estatuto da linguagem e dos sentidos, sob o viés da análise do discurso de linha francesa.

ACESSE AQUI

 

18

ESTRUTURAR A SUBJETIVIDADE E SUBJETIVAR A ESTRUTURA: ANÁLISE DE DISCURSO E NEUROCIÊNCIA NA COMPREENSÃO DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO E DO SENTIDO (2009)

LUCIANA IOST VINHAS

Resumo: Os estudos da linguagem de caráter discursivo possuem uma característica fundamental que os registra em uma posição diferente daquela ocupada pelos estudos desenvolvidos pelas teorias lingüísticas formalistas. Esse lugar teórico de onde as abordagens discursivas falam garante a presença da exterioridade no entendimento dos processos discursivos. Partindo desse pressuposto, tem-se, na análise de discurso de tradição francesa (AD), a atuação de quatro pilares teórico-epistemológicos que constituem essa perspectiva acerca da compreensão do sentido. O discurso e o sentido, o inconsciente e o sujeito, a história e a ideologia, e o sistema lingüístico são elementos oriundos, respectivamente, dos quatro pilares da AD, a saber, a teoria do discurso, a psicanálise freudo-lacaniana, o materialismo histórico-dialético e a lingüística. A teoria garante a interdependência entre esses conceitos, sendo que nela não podem existir separadamente. No entanto, o presente trabalho, de cunho teórico, ao caracterizar a teoria materialista dos sentidos, ou seja, a análise de discurso, interpreta que existe a possibilidade de uma outra região do conhecimento humano fazer parte da conjuntura proposta pelo filósofo francês Michel Pêcheux. Admite-se, portanto, que elementos de caráter neurofisiológico também estariam perpassando o fenômeno lingüístico, os quais podem ser acrescentados à compreensão dos processos discursivos e, principalmente, à constituição do sujeito. Defende-se, dessa forma, uma interlocução entre análise de discurso e neurociência, tendo como alicerce a noção de sujeito, cujas bases sofrerão uma ressignificação ao serem acrescentados pressupostos de ordem neurofisiológica à discussão. Além disso, ao entender o sujeito como, também, neuronal, e não somente ideológico e inconsciente, vislumbra-se a possibilidade de ocorrerem contribuições para a lingüística formalista. Esses dois espaços dos estudos da linguagem, aparentemente distantes e intangíveis, posicionados, de certa forma, em extremidades opostas da lingüística, podem ter suas fronteiras dissolvidas a partir de uma concepção diferenciada de sujeito, conforme apresentada na reflexão. Situa-se o trabalho, a partir das noções levantadas, em um entremeio teórico, não se acomodando em nenhum terreno específico (e seguro) das ciências humanas.

ACESSE AQUI

 

17

LULA LÁ, LULA AQUI: MUDANÇAS DISCURSIVAS NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE A CONDIÇÃO DE CANDIDATO E A DE PRESIDENTE DA REPÚBLICA (2008)

EDUARDO BUGS GONÇALVES

Resumo: Este trabalho consiste numa reflexão acerca do discurso político de Lula a partir dos pressupostos teóricos da Análise de Discurso na tradição de Michel Pêcheux. Parte da hipótese de que ocorreram mudanças significativas no período compreendido entre a sua condição de candidato à Presidência da República e a de Presidente eleito do Brasil. Nessa direção, busca explicitar os mecanismos discursivos responsáveis pelas diferentes posiçõessujeito por ele assumidas e identificar as filiações sócio-históricas, relacionando-as aos acontecimentos aos quais se vinculam. Para isso, foram analisadas formulações retiradas dos debates eleitorais televisivos e de entrevistas dadas para emissoras de televisão na última semana que antecedeu os pleitos eleitorais de 1998, 2002 e 2006, bem como alguns fragmentos do discurso de posse de Lula dos anos de 2003 e 2007. O recorte operado que constitui o corpus discursivo desta dissertação trabalha com a possibilidade de identificar os diferentes lugares ocupados pelo sujeito-enunciador Lula que possam demonstrar mudanças de sua identidade política.

ACESSE AQUI

 

16

FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DAS INTERAÇÕES NO IRC: UM ESTUDO PELO VIÉS DA DESIGNAÇÃO (2006)

RENATA SILVEIRA DA SILVA

Resumo: A presente pesquisa, subsidiada pela Análise do Discurso de linha francesa, visa à compreensão do funcionamento discursivo dos chats realizados através do programa IRC (Internet Relay Chat). Na dessuperficialização da materialidade lingüística, focaliza os nicknames, isto é, as designações responsáveis por marcarem a presença dos sujeitos nos diálogos on-line, supondo que representam as distintas posições-sujeito que podem ser assumidas pelos internautas. A partir dos procedimentos de análise próprios da linha teórica adotada, reflete sobre o ato de nomear e evidencia sua intrínseca orientação interpretativa. Além disso, desvenda o processo de produção de sentidos de um discurso produzido por sujeitos fisicamente ausentes e constata a heterogênea subjetividade de quem dialoga no ciberespaço.

ACESSE AQUI

 

15

AS FRONTEIRAS DE UM DIZER NUMA FRONTEIRA SINGULAR: ENTRE O PODER E O DESEJO DA LÍNGUA, AS REPRESENTAÇÕES DAS ALUNAS FALANTES NATIVAS DE LÍNGUA ESPANHOLA (2006)

CIRCI NAYAR OLIVEIRA LOURENÇO

Resumo: Este trabalho tem como objetivo estudar as representações que alunas falantes nativas de língua espanhola têm do processo ensino-aprendizagem de espanhol, agenciado por professoras falantes nativas de língua portuguesa, na região da fronteira Livramento e Rivera. O corpus utilizado nesta pesquisa foi organizado a partir de um questionário realizado com sete alunas falantes nativas de língua espanhola, na URCAMP (Universidade da Região da Campanha). Por meio da observação de determinadas marcas lingüísticas detectadas no intradiscurso, especialmente o uso do tempo futuro do pretérito e dos verbos “dever” e “preferir”, foi possível acessar as representações das alunas e vinculá-las a uma FD nacionalista. As falantes nativas mostraram-se divididas entre duas posições-sujeito, ora de donas da língua, ora de sujeitos desejantes da língua. Como donas da língua, elas apresentaram uma postura de proteger a cultura e a nação da ameaça de desterritorialização, própria do mundo globalizado, nesse contexto de dispersão do idioma espanhol pelo Brasil. Enquanto sujeitos-desejantes, elas vivenciaram um estranhamento em relação à sua língua e travaram uma luta, em sala de aula, pela posse da língua.

ACESSE AQUI

 

14

IDENTIDAD Y NEGACIÓN: EL DISCURSO CRÍTICO DE ALBERTO ZUM FELDE (2006)

URUGUAY CORTAZZO

Resumo: O presente trabalho propõe-se a refletir sobre a crítica literária de um ponto de vista discursivo. A partir dos textos do crítico uruguaio Alberto Zum Felde tenta-se evidenciar como a produção de sentidos e valores, atribuído às obras literárias provém da inscrição numa formação discursiva que regula os enunciados sobre a identidade latino-americana. A posição do sujeito dentro dessa formação discursiva está definida pela negação de que essa identidade exista no momento presente. Considerando o enunciado “no ser aún” como a formulação de referência, estuda-se o conflito entre as formações discursivas opostas: a colonialista, que impede a emergência da identidade, e a indígena, por não se adaptar às exigências da modernidade. Finalmente estuda-se o funcionamento da negação da identidade no discurso crítico sobre a literatura uruguaia. O resultado paradoxal que aparece é que essa literatura não existe ainda, confirmando-se a operatividade do enunciado de referência.

ACESSE AQUI

 

13

O DISCURSO HUMORÍSTIC O SOBRE O GAÚCHO NAS TIRAS DO LIBÓRIO (2006)

CRISTINA SANTOS FERREIRA FUÃO

Resumo: O mito do gaúcho dos pampas está presente no imaginário coletivo e funciona como base da formação identitária do povo do Rio Grande do Sul. Entretanto, essa mesma figura está presente em piadas e sátiras, possibilitando sentidos outros, diferentes dos postos no discurso oficial. Essa imagem do gaúcho encontra-se nas tiras em quadrinhos do Libório, publicadas no jornal Diário Popular de Pelotas, das quais seis formam o corpus desta pesquisa. Elas enfocam temas como a homossexualidade, a tecnologia e o romantismo. Neste trabalho, busca-se verificar como o imaginário sobre o gaúcho é representado nas tiras do Libório, através dos pressupostos teóricos da Análise de Discurso de linha francesa. A fim de interpretar o funcionamento discursivo das tiras em quadrinho, foi tomada como base de análise as posições- sujeito assumidas pelos protagonistas, procurando identificar elementos que provocam a ruptura ou a cristalização do imaginário gaúcho institucionalizado.

ACESSE AQUI

 

12

ATIVIDADES DE LEITURA: UMA ANÁLISE DISCURSIVA (2005)

JEIZE DE FÁTIMA BATISTA

Resumo: Na presente dissertação, busca-se analisar, com base numa perspectiva discursiva, as atividades de leitura, propostas para alunos do Ensino Fundamental, pelos estagiários do curso de Letras da URI (Universidade Regional Integrada – Campus de Santo Ângelo). O corpus, deste trabalho, constitui-se de oito relatórios das aulas ministradas por esses estagiários e apresentados em fase final de sua prática de ensino, no ano de 2004. O trabalho parte do pressuposto de que as atividades propostas pelos professores é que vão determinar o modo de produção de leitura do aluno. Ou seja, a atividade poderá abrir espaço para o aluno produzir sua leitura ou poderá induzi-lo a uma leitura pretendida pelo professor. Para tanto, o estudo focaliza-se na reflexão das atividades de leitura, constadas nos relatórios, considerando seus efeitos no processo ensino-aprendizagem. Mediante a análise, confirma-se a hipótese inicial deste trabalho, concluindo-se que o discurso autoritário do professor tenta, em maior ou menor grau, induzir e direcionar a leitura dos alunos.

ACESSE AQUI

 

11

O CANTO QUE ENCANTA: NA LINHA DE MONTAGEM, O DISCURSO DA NÃO-MUDANÇA (UM ENFOQUE A PARTIR DA MÚSICA NATIVISTA SUL-RIO-GRANDENSE) (2005)

MARIA THEREZA VELOSO

Resumo: Este trabalho analisa, sob os pressupostos teóricos da Análise de Discurso, a(s) Posição-Sujeito (PS) ocupadas pelo sujeito discursivo em canções nativistas sul-riograndenses representativas de três décadas de realização do Festival da Barranca, evento de características singulares, promovido anualmente em São Borja-RS, Brasil, durante os feriados da Semana Santa. A escolha de canções para constituírem o corpus de análise resultou da percepção da histórica relação do habitante da Fronteira/Missões gaúcha com a música como forma de expressão e de entretenimento, condição que a transforma em fato natural para fornecer pistas da memória discursiva latente no inconsciente coletivo e, conseqüentemente, para avaliar sua importância como discurso conformador da realidade sociocultural e econômica regional.

ACESSE AQUI

 

10

O PROCESSO DISCURSIVO ANAFÓRICO EM REDAÇÕES DE VESTIBULAR (2005)

MARCIA BRATKOSWKI KOSSMANN

Resumo: A presente dissertação reflete sobre os processos anafóricos por nominalização a partir da perspectiva da Análise do Discurso de linha francesa. O corpus constitui-se de seqüências discursivas identificadas a partir de redações dissertativas elaboradas por alunos no vestibular de inverno de um centro universitário localizado na grande Porto-alegre. A pesquisa parte do pressuposto de que por se tratar de um tipo de texto dissertativo, baseado na argumentação, há a possibilidade de se verificar, através desses tipos de anáforas, posições- sujeito que não se submetam ao poder institucional universitário, produzindo-se novos sentidos mesmo num tipo de discurso autoritário. Para isso, focalizam-se as posições– sujeito identificadas na análise da ironia da proposta dissertativa que acompanha o tema da redação, indicando os saberes constitutivos da memória do dizer. Esses saberes, no segundo momento, serão investigados nos processos anafóricos por nominalização nas redações dos alunos, à medida que através desses empregos lingüísticos procura-se observar posiçõessujeito que provoquem rupturas com o discurso institucional. Embora essa possibilidade tenha se confirmado ao longo das análises, não se pode desconsiderar a força da coerção do discurso institucional, tendo em vista a manifestação das posições- sujeito vinculadas a esse tipo de discurso.

ACESSE AQUI

 

9

REPRESENTAÇÕES DA LÍNGUA ESPAÑOLA: NO IMAGINÁRIO DOS PROFESSORES, O AMOR À LÍNGUA MATERNA (2005)

ANA LÚCIA PEDERZOLLI CAVALHEIRO

Resumo: O presente trabalho busca identificar as representações sobre a língua espanhola que vigoram no meio acadêmico, concebidas como registros imaginários dos processos identitários do professor com o idioma, determinados por aspectos ideológicos e inconscientes. Por meio de relatos orais acerca de seus envolvimentos com a língua espanhola – memoriais –, os professores entrevistados atribuem significados e materializam sentidos sobre a língua que ensinam. Através da atividade do memorial, verifica-se que o desenvolvimento da construção de suas identidades enquanto professores de espanhol se dá na relação com a língua do outro. Os professores mostram-se fragmentados em suas identidades de ser em línguas, transitando entre as posições sujeito de língua materna e sujeito de língua estrangeira. Os falantes nativos de espanhol exaltam o laço afetivo e psíquico com a língua materna, enquanto os falantes de português, não menos que estes, explicitam o amor à língua materna na substituição pela língua do outro – a língua espanhola. Com o advento do Mercosul, o espanhol ganha status no Cone Sul e promove novas representações para o idioma, silenciando alguns sentidos. Os sentidos que se mantém emergem na cadeia significante em forma de pré-construídos; são sentidos cristalizados em regiões do interdiscurso determinantes das representações dos professores enquanto sujeitos sócio-históricos. No entanto, em determinados momentos, o sujeito apresenta-se como ser desejante, rompendo o ritual do assujeitamento ideológico e contrapondo-se ao institucionalizado.

ACESSE AQUI

 

8

CIDADANIA E MEIO RURAL: DISCURSOS DE UMA AUSÊNCIA (2003)

MARCOS DE OLIVEIRA TREPTOW

Resumo: A cartilha O problema do leite e a luta dos(as) pequenos(as) agricultores(as), editada pela Via Campesina Brasil em dezembro de 2001, foi um dos instrumentos de convocação dos pequenos produtores de leite às ações políticas de reivindicação, efetuadas por um coletivo de movimentos no mês de março de 2002, como a ocupação da indústria Parmalat na cidade gaúcha de Carazinho. Como resposta, a multinacional Parmalat publicou um apedido, no jornal Zero Hora do dia seguinte à ocupação, intitulado Invasão de fábricas prejudica economia do Rio Grande do Sul, manifestando a inconformidade da empresa com os atos praticados e o prejuízo que atitudes como aquela trazem à economia do Estado. A partir do contexto histórico vivido pelo pequeno produtor de leite, é que se insere a pertinência da análise de ambos os discursos. Se o que os vincula são as questões do mercado e a realidade da exclusão dos produtores, há, no entanto, que examinar as condições da cidadania possível, frente aos condicionamentos histórico-sociais concretos. Assim, definido o problema de pesquisa – Em que medida os discursos relacionados aos movimentos sociais do campo instituem (ou não) a cidadania no meio rural foi realizada a revisão de literatura de três campos do saber: Cidadania e Movimentos Sociais; Análise de Discurso de linha francesa e A Problemática do Leite. Tomada a indeterminação lingüístico-discursiva como procedimento de análise, busca-se verificar a ausência da cidadania no meio rural, marcada no modo de dizer indeterminado de seus agentes.

ACESSE AQUI

 

7

NA (RE)CONSTRUÇÃO DOS SENTIDOS, A INSERÇÃO COMO PRESENÇA DA SUBJETIVIDADE (2003)

SANDRA MARA SILVA NUNES

Resumo: Na presente dissertação, propomo-nos a refletir sobre a presença da subjetividade no resumo escolar dentro da perspectiva da análise de discurso de linha francesa. O corpus constitui-se de resumos elaborados por alunos em fase preparatória para o vestibular. A pesquisa parte do pressuposto de que a filiação sócio-histórica do resumidor pode modificar a realização dessa atividade, impedindo o assujeitamento ao texto-fonte, instaurando o posicionamento e quebrando a idéia de homogeneidade do discurso. Para tanto, focalizaremos nosso estudo nas inserções, objetivando mostrar a ocorrência (ou não) de deslocamentos de sentido produzidos pelo sujeito-resumidor. Esse movimento de deslocamento de sentido caracteriza-se pela heterogeneidade, isto é, pela presença de outros discursos que podem vir a romper com o esperado num gênero textual fortemente marcado pela instituição escolar.

ACESSE AQUI

 

6

UM ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERDISCURSIVAS NO DISCURSO IRÔNICO: O CASE BOM BRIL (2003)

JANE RAMOS DA SILVEIRA

Resumo: Esta dissertação trata do estudo do funcionamento discursivo da campanha publicitária dos produtos de limpeza da marca Bom Bril, realizado a partir da seleção e análise do discurso de quatro propagandas veiculadas na televisão. Para tanto, utilizando-se como suporte teórico e metodológico a Análise de Discurso, descreve-se o processo de construção dos efeitos de sentido das propagandas, apontando para o estudo das relações interdiscursivas, a fim de revelar os elementos que as constituem como um discurso “sedutor” e as inscrevem como integrantes da mais famosa campanha de mídia eletrônica da publicidade brasileira e uma das mais conhecidas do mundo, em todos os tempos. Assim, neste estudo, destacam-se fatos da língua como o equívoco, as rupturas e os deslizamentos de sentido, ocorridos no espaço lúdico de significação instaurado pela ironia, como elementos de que se valem as propagandas para persuadir e gerenciar o comportamento dos sujeitos. Além disso, procura-se mostrar de que maneira esta prática discursiva, objetivando seduzir o sujeito, mobiliza posições desejadas ou assumidas no jogo do imaginário social.

ACESSE AQUI

 

5

SE FORMOS FIÉIS A ELE, ELE CERTAMENTE SERÁ FIEL A NÓS: A CONDICIONALIDADE E O DISCURSO RELIGIOSO DA IGREJA UNIVERSAL DO REINO DE DEUS (2002)

ELISANE PINTO DA SILVA MACHADO DE LIMA

Resumo: Este trabalho compreende um estudo do discurso religioso da Igreja Universal do Reino de Deus, elaborado a partir da análise do discurso de líderes dessa Igreja, veiculado em artigos, livros, jornais e no programa Ponto de Luz, exibido pela Rede Mulher. Para tanto, focalizam-se os enunciados condicionais ou aqueles com matiz condicional, no intento de compreender-se o modo como eles contribuem para o aumento da persuasão nesse discurso. Utilizando-se como suporte teórico e metodológico a Análise de Discurso, procura-se mostrar, ao longo deste estudo, como funciona esse tipo de construção no dizer de um sujeito que, sem reconhecer seu assujeitamento, busca assujeitar outros. Procura-se, pois, mostrar como a língua e a ideologia mesclam-se num discurso que, “em nome de Deus”, consegue assujeitar milhares de indivíduos os quais, abrindo mão de sua liberdade, entregam-se à Igreja, permitindo que suas vidas sejam conduzidas e manipuladas em troca das promessas de cura, salvação e prosperidade. Essa trilogia, que compreende o cerne ideológico da Igreja Universal, materializa-se num discurso que, envolvendo os sujeitos, nega as misérias pessoais e espirituais e afirma a possibilidade de vitória.

ACESSE AQUI

 

4

UMA ANÁLISE DE DISCURSO SOBRE O CASO DAUDT (2001)

SUZANNE REY ZANELLA

Resumo: O assassinato de José Antônio Daudt ocorreu no dia 4 de junho de 1988. À época, o episódio foi amplamente divulgado pela mídia, porque tanto a vítima quanto o suspeito do crime, Antônio Dexheimer, eram pessoas públicas (Deputados e colegas de Bancada da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul). Justamente pela repercussão dada ao caso, chamou-nos a atenção a maneira pela qual ele foi conduzido. Agora, anos passados, temos a oportunidade de analisar, sob a ótica da Análise de Discurso de linha francesa, uma parte do caso registrada em documentos. Essa parte corresponde ao discurso jurídico utilizado no julgamento do caso Daudt, que foi publicado na Revista de Jurisprudência do Estado do Rio Grande do Sul, em agosto de 1990, às páginas 40 a 369. O objeto desta pesquisa foi a análise das falas dos juristas desse processo, com a finalidade de evidenciarmos de que maneira os efeitos de neutralização e de universalização, característicos da linguagem jurídica, estão dispostos no corpus selecionado e que efeitos de sentido daí podem ser depreendidos.

ACESSE AQUI

 

3

A PROPAGANDA E A TERCEIRA IDADE (2001)

LAÍS AMÉLIA RIBEIRO DE SIQUEIRA

Resumo: Este trabalho teve como objetivo principal investigar o modo como a propaganda de cunho publicitário aborda a imagem do Idoso. Para isso, foi utilizado o instrumental teórico da Análise de Discurso, o que possibilitou investigar os efeitos de sentido observados dos elementos presentes na superfície discursiva. Através da desconstrução textual, foi possível identificar os significantes do interdiscurso sobre a Terceira Idade presentes nos textos das propagandas, bem como observar seu funcionamento e articulação com o seu nível discursivo.

ACESSE AQUI

 

2

O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DE CHARGES POLÍTICAS (2000)

ROSELY DINIZ DA SILVA MACHADO

Resumo: O presente estudo visa à compreensão do funcionamento discursivo de charges políticas, através de pressupostos teóricos da Análise de Discurso de linha francesa (AD). Buscando refletir sobre os processos de formação dos sentidos, nesse espaço discursivo específico, consideramos a articulação entre o lingüístico e o ideológico. Com base em um “corpus” constituído de cinco charges, cujo enfoque é a figura do Presidente Fernando Henrique Cardoso, centramos nosso interesse na possibilidade de interpretar o efeito humorístico de tais charges a partir do equívoco na/da língua, pois é através dele (equívoco) que se instaura a imprevisibilidade do sentido e a possibilidade de subvertermos o sentido instituído. Desse modo, observamos na cadeia do significante como se dá o jogo com as palavras, como irrompe o real dos sentidos nesse tipo de discurso. Acreditamos ser o discurso humorístico um meio através do qual os sentidos – que não podem ou não devem ser ditos – são burlados. Assim, constatamos a possibilidade de brincar, jogar ironicamente com as autoridades políticas. A linguagem é vista aqui não em sua evidência, mas em sua opacidade. Isso implica dizermos que estratégias discursivas presentes nas charges podem colocar em cena deslocamentos de sentidos e podem fazer emergir sentidos outros, servindo-se das possibilidades já inscritas na própria língua. Estudarmos o funcionamento das charges, considerando o real da língua, permite-nos trabalhar com uma concepção de sujeito, discurso e língua a partir de uma teoria que contempla a descontinuidade e as falhas que se operam sobre o sentido.

ACESSE AQUI

 

1

GALVEZ, IMPERADOR DO ACRE: RESISTÊNCIA E TRANSGRESSÃO (1998)

BRENDA MARIS SCUR DA SILVA

Resumo: A ironia em Galvez, imperador do Acre, de Márcio Souza, entendida como um jogo de luz e sombra a serviço da resistência e da transgressão, será considerada como um traço de linguagem revelador de uma posição de sujeito determinada, um olhar diferenciado sobre o mundo (o mundo criado pelo Ciclo da Borracha), que demanda a inscrição tanto do produtor como do destinatário num domínio discursivo especial. De fato, ao “arranjar” a narrativa segundo o modelo do romance-folhetim, parodiado, o Autor cria um jogo de luz (o dito) e sombra (o não dito), desestabilizando os processos de produção de sentido através do funcionamento discursivo da ironia. Instaura, assim, um gesto de interpretação em que os implícitos são significados não como “evidências”, mas contrariamente como efeitos que desnaturalizam as regiões de estabilização dos sentidos. Além de desnudar determinados aspectos culturais e sociais, o ironista exerce a crítica através do recurso estético ao qual se dá o nome de folhetim, que é parodiado para revelar tais aspectos, encobertos pelos discursos mais sérios, e muitas vezes bem menos críticos. A ironia surge, interdiscursivamente, como um processo de meta-referencialização e organização de recursos significantes que, participando da constituição do discurso como fato histórico e social, põe em movimento várias posições de sujeito, instaurando materialmente a heterogeneidade, a partir da confluência de discursos, presentes no intradiscurso. Sob o objetivo geral de analisar as marcas de ironia em Garcez, o trabalho é desenvolvido a partir: da (i) discussão das circunstâncias históricas, sociais e econômicas que envolvem a anexação do Território do Acre ao Brasil; (ii) da interpretação das 17 epígrafes que abrem os quatro capítulos de Galvez, examinando as possíveis relações entre os discursos dos autores que assinam as epígrafes (Cervantes, Calderón de La Barca, Galvez e Lope de Vega) e o discurso em Galvez Imperador do Acre; e, por fim, (iii) da análise dos mecanismos produtores do interdiscurso e do intradiscurso irônico e seu papel no conjunto da narrativa.

ACESSE AQUI