Cortes orçamentários nas Universidades Federais: mitos e verdades

Em frente à quantidade de informações que circulam nas redes sociais sobre os cortes orçamentários nas Universidades Federais, o reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pedro Curi Hallal, listou mitos e verdades sobre o assunto. “Já me posicionei publicamente contra os cortes, pois tenho certeza de que o investimento em educação é a única solução para o futuro do Brasil”, destaca.

Veja os pontos listados pelo reitor:

1. Os cortes orçamentários não começaram agora. Eles vêm sendo observados há anos.
VERDADE. Em 2015 o valor previsto de custeio para a UFPel era de R$ 81 milhões e foi recebido somente R$ 77 milhões. Em 2016, a previsão de R$ 83 milhões foi honrada. Em 2017, a previsão era de R$ 72 milhões e novamente foi cumprida. Já em 2018, a previsão de R$ 74 milhões foi honrada. Nesse ano, a previsão é de R$ 74 milhões novamente, e somente temos disponíveis R$ 51 milhões após os cortes anunciados na semana passada.

Se o valor de R$ 81 milhões de 2015 tivesse sido corrigido apenas pela inflação, o orçamento de custeio da UFPel em 2019 deveria ser de R$ 102 milhões. No orçamento de capital, as perdas são maiores ainda. Em 2015, o orçamento previsto era de R$ 16 milhões e foram recebidos somente R$ 11 milhões. Em 2016 e 2017, a previsão de R$ 8 milhões foi cumprida. Já em 2018 a previsão de 6 milhões também foi honrada. Para 2019, a previsão era de R$ 9 milhões, dos quais apenas R$ 2 milhões estão disponíveis após os cortes anunciados na semana passada. Novamente, se os R$ 16 milhões de 2015 fossem corrigidos apenas pela inflação, o orçamento de capital para a UFPel em 2019 deveria ser de R$ 20 milhões.

2. Quando os cortes foram feitos em outros governos, as Universidades ficaram caladas.
MENTIRA. Em 2015 (Governo Dilma), os servidores da UFPel entraram em greve para reversão dos cortes. O mesmo ocorreu em várias outras Universidades. Em 2017 (Governo Temer), novamente a gestão da UFPel denunciou os cortes orçamentários e inclusive manifestou que, caso mantidos, a UFPel não honraria com suas contas até o final do ano. Em resumo, as Universidades sempre se posicionam quando têm seu orçamento reduzido, independentemente do governo.

3. As Universidades são mal administradas e não sabem lidar com cortes orçamentários.
MENTIRA. Conforme pode ser observado no item 1, o orçamento de custeio da UFPel, que deveria ser de R$ 102 milhões em 2019 é, na verdade, de R$ 74 milhões, sem contar com os cortes. Ora, certamente todos sabem que os principais gastos só aumentaram nesse período. Por exemplo, todos os contratos de serviços terceirizados, que consomem 1/3 do orçamento de custeio da UFPel, sofrem repactuações anuais previstas em lei. A conta de luz da UFPel, como a de todo mundo, aumentou consideravelmente nesse período. Para se adequar à nova realidade financeira, a UFPel adaptou todos os seus contratos de serviços terceirizados, gerando uma economia de mais de R$ 10 milhões em apenas dois anos. A conta de telefone caiu pela metade. Foi preciso reduzir inclusive a quantidade de bolsas de ensino, pesquisa e extensão em 2017. As licitações do Restaurante Universitário, realizadas em 2017 e 2018, reduziram o custo médio por refeição em mais de 30%.

4. A UFPel pode encerrar suas atividades em setembro?
VERDADE. O orçamento da UFPel, planejado com a devida antecedência, foi preparado com base na expectativa da Lei Orçamentária Anual. Não há hoje qualquer possibilidade de readequar os contratos mais onerosos para a instituição no meio do ano. Há dinheiro para pagar as contas da UFPel até o final de agosto. A partir de setembro, caso os cortes não sejam revertidos, a Universidade não conseguirá pagar a conta de luz, os contratos de terceirização e a alimentação dos Restaurantes Universitários, só para citar os principais itens de dispêndio da UFPel. No caso dos investimentos, uma Universidade não fecha por falta de recursos, mas fica sucateada.

5. Se os gastos forem explicados, o governo não fará os cortes.
MENTIRA. As contas das Universidades Federais são auditadas anualmente pelo Tribunal de Contas da União. Além disso, a UFPel sofre auditorias anuais da Controladoria Geral da União. Nos dois últimos anos, as contas da UFPel foram aprovadas por esses órgãos. O orçamento 2019 da Universidade foi inserido no sistema em 2018, de forma que o próprio governo federal aprovou o planejamento orçamentário da UFPel para esse ano. Os cortes implementados semana passada foram lineares, e aplicados igualmente a todas as Universidades Federais. Ou todos os gestores são incompetentes, ou não houve qualquer diferenciação nos cortes de acordo com a qualidade da gestão.

MANIFESTAÇÃO DO FÓRUM DE DIRETORES DA UFPEL

 

Manifestação do Fórum de Diretores da UFPel

Todos devem ter direito a seus argumentos e concepções, desde que intelectualmente honestas.

Na sexta-feira passada nos defrontamos com um ataque inconsistente e intelectualmente desonesto contra as Ciências Humanas e Sociais, primeiramente com um argumento econômico, o de respeitar os recursos públicos, como se as áreas visadas fossem ricamente aquinhoadas pelo orçamento das Universidades Públicas.

No dia seguinte, o discurso mudou, mostrando as raízes obscurantistas e intelectualmente desonestas do mesmo: ‘não podemos manter cursos que fazem política’, ou seja, a fundamentação, se assim podemos chamar, era meramente ideológica, e mais uma vez intelectualmente desonesta.

Os recursos públicos aplicados nessas áreas são escassos, os alunos não são da ‘elite’, ao contrário, como demonstram vários dados relativos às áreas, e, se há quem faça política, isso não é uma prerrogativa dos cursos das áreas. Mas a verdade não importa, importa sim o preconceito, o fundamentalismo, a ideologia rasteira e a falta de informação, a mesma falta de informação que afirma que as Universidades Públicas não fazem pesquisa, apenas as privadas, contrariando todos os índices reconhecidos.

Mais do que nunca, as Ciências Humanas e Sociais são parte incontornável da produção e inovação científica. Como afirma Diogo Shelp (UOL, 26/04/2019), a interdisciplinaridade é a regra, e as Humanas e Sociais desempenham um papel muito importante no desenvolvimento do conhecimento em suas múltiplas nuanças. Basta estar informado para saber. Nós queremos conhecer, pensar, compreender e analisar a vida, as pessoas, a sociedade e o mundo, e isso requer mais que aprender a ler, escrever e contar.

Cabe questionar sobre o tipo de projeto de país e de cidadão que se espera construir quando a área de humanidades é renegada e combatida, quando se despreza a reflexão, a capacidade crítica, o conhecimento já produzido sobre a cultura e o pensamento. Se a opção é essa, seguramente só se conseguirá construir um país e um conjunto de cidadãos que serão o espelho das autoridades circunstanciais que a afirmam como projeto. É isso que queremos enquanto cidadania?

Existem posições que defendem uma ressecção das Universidades Públicas, começando pelas Humanidades. Nós queremos a ressecção racional do obscurantismo e do anti-intelectualismo vigente em alguns extratos da sociedade. Para isso, a necessidade real das Humanas e Sociais, não apenas nas Universidades, mas em todo o ensino básico.

NOTA DE REPÚDIO

 

 

NOTA PÚBLICA DA SBPC EM DEFESA DAS CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Grupo de Pesquisa sobre a Epistemologia Naturalizada de W.V. Quine

Nesta quarta-feira (03/04/2019) serão iniciadas as atividades do Grupo de Pesquisa “Epistemologia Naturalizada de W.V. Quine” em homenagem ao cinquentenário da publicação de Naturalized Epistemology. O grupo de pesquisa será coordenado pelo Prof. Dr. Ricardo Navia e os encontros serão quinzenais com duração de 02 horas cada.

Mesa redonda sobre Agostinho de Hipona

O PPGFil promoverá uma mesa redonda sobre Agostinha de Hipona, que terá a seguinte composição:

Prof. Dr. Nilo Silva (UFCA): “A noção de Interioridade da alma, representada no “verbum mentis” em Santo Agostinho”

Prof. Dndo Matheus Vahl (UFPel): “A questão da responsabilidade moral a partir da teoria da interioridade de Santo Agostinho”.

O evento terá lugar na sala 316 do IFISP, no dia 10/12/2018, às 14:00.

Banca para Professor Titular

Na próxima terça-feira, 13/06, às 16:00, o professor Clademir Araldi, do Departamento de Filosofia, defenderá seu Memorial Acadêmico para promoção à Professor Titular diante da banca formada pelos professores Jarbas Vieira (UFPel), Delamar Dutra (UFSC), Álvaro Valls (UNISINOS) e Luciano de Jesus (PUCRS).

Maiores informações, abaixo.

Colegiado dos Cursos de Filosofia e Centro de Artes realizaram a ‘Olimpíada de Filosofia’

Promovido pela Coordenação dos Cursos de Filosofia da Ufpel e pela Direção do Centro de Artes, representados respectivamente pelo Professor Pedro Leite e pela Professora Úrsula Rosa da Silva, e em parceria com Universidade Católica de Pelotas (UCPel) representada pela Professora Adriane Da S. Machado Möbbs, realizou-se no dia 20 de outubro a “XI Olimpíada de Filosofia do Rio Grande do Sul 2018” no Centro de Artes da UFPel. Inserido na Comemoração dos 50 anos da Ufpel o evento ocorreu pela primeira vez na cidade de Pelotas e contou com mais de 150 participantes entre estudantes e professores. Entre outras, participaram Escolas de Porto Alegre (EMEF Moradas da Hípica e EMEF Neusa Goulart Brizola), de Jaguarão (Colégio Estadual Carlos Alberto Ribas), de Novo Hamburgo (IFSul-NH), Turuçu (Escola Simões Lopes Neto) além das escolas de Pelotas, Colégio Pelotense, Escola Santa Rita, CIEP Osmar da Rocha Grafulha, bem como estudantes e professores da UFPel, UCPel, IFSul-Pelotas, PUCRS e UFRGS. Destaque especial a participação internacional da comitiva vinda da Colômbia com as Professoras Clara Liliana Rodríguez Almanza, Profa. Norma Leidy Ramírez Cárdenas e o estudante Juan Ignacio Arango Ramírez que fez a leitura de sua “Carta a Simón Bolívar”. A Organização agradece a presença e a colaboração de todos e todas.
Fica o convite para a Olimpíada de Filosofia de 2019.

PPGFil promove evento ‘Obrigação Moral e Punição’

O Programa de Pós-Graduação em Filosofia promove o evento ‘Obrigação Moral e Punição’ com o Professor Lloyd Steffen (Lehigh University – USA). O mesmo ocorrerá de 15 a 19/10, das 14 às 17:30, na sala 206 do IFISP.

As inscrições são gratuitas, e podem ser feitas através do e-mail goat.ufpel@gmail.com. Maiores informações podem ser encontradas em: https://wp.ufpel.edu.br/ebarbosa/seminario-obrigacao-moral-e-, e https://www.facebook.com/events/1348504015285108/

CTC – CAPES aprova Doutorado em Sociologia

O IFISP passa a contar com mais um Doutorado, o de Sociologia.

As propostas de cursos novos, após avaliação pelas respectivas áreas, foram analisadas durante a 178ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES), ocorrida entre os dias 27 e 31 de agosto.

O IFISP cumprimenta a Coordenação e o quadro docente do Programa por essa realização.

Com isso, o IFISP passa a possuir 03 Doutorados e 03 Mestrados, além de 05 Cursos de Graduação e uma Especialização EaD.

PPGCPol no 11º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política

Durante o 11º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política foi anunciada a nova diretoria da Associação. O PPGCPol tem o prazer de informar que a  profa. Luciana Ballestrin, docente do PPGCPol, integra a diretoria.

No mesmo evento foi divulgado o resultado do Prêmio Vitor Nunes Leal – Livro. O PPGCPol tem a satisfação de comunicar que o livro “1961-1964: A Ditadura Brasileira em Dois Golpes” (Ed. Appris, 2017), do prof. Daniel de Mendonça, docente do PPGCPol, foi agraciado com o segundo lugar na premiação.

Daniel Eslabão doa documento histórico do IFISP

O ex aluno do IFISP, prof. Daniel Eslabão doou o discurso de Inauguração do antigo Instituto de Sociologia e Política – atual Instituto de Filosofia, Sociologia e Política -, de autoria de Mozart Victor Russomano, em 1958.

O IFISP agradece o desprendimento e a generosidade do prof. Eslabão.

Agência, Deliberação e Motivação – Novo Lançamento do NEPFIL

Organizado pelos professores Evandro Barbosa e João Hobuss, o livro  Agência, Deliberação e Motivação acaba de ser publicado pelo NEPFIL online. Em conformidade com a política editorial e o compromisso com a divulgação de pesquisas filosóficas relevantes, todos os livros do NEPFIL online são disponibilizados para download gratuitamente. Clique na imagem e faça o download de seu exemplar.

Defesa de tese para professor titular do IFISP

O professor Alvaro Barreto, do Departamento de Sociologia e Política (DESP), defende tese acadêmica no dia 10 de abril, às 14h30min, na sala 206 do IFISP, com vistas à promoção para professor titular.

A tese, intitulada “Partido Independente do Uruguai: raízes político-institucionais, características programáticas e organizacionais”, será avaliada por uma banca formada por quatro professores titulares: Maria Thereza Rosa Ribeiro (UFPel), Céli Pinto (UFRGS), Jussará Prá (UFRGS) e Emil Sobottka (PUCRS).

 

V Congresso Internacional de Filosofia Moral e Política

O Programa de Pós-Graduação em Filosofia do IFISP – UFPel realizará de 06 a 09 de novembro de 2017 o V Congresso Internacional de Filosofia Moral e Política, cujo tema será “Agência, Deliberação e Motivação”, com o apoio da CAPES.

O evento contará com a participação de professores e pesquisadores do Brasil, Estados Unidos e Itália.

Maiores informações podem ser obtidas na página do Congresso:

wp.ufpel.edu.br/cimfp

 

II Colóquio de Filosofia e Pensamento Político

Os Programas de Pós-Graduação em Ciência Política e Filosofia do IFISP – UFPel promovem a segunda edição do “Colóquio de Filosofia e Pensamento Político”, que tem como objetivo refletir sobre os temas “Corrupção política, Violência social e Políticas públicas” no contexto de uma abordagem multidisciplinar.

Veja a programação: II Colóquio de Filosofia e Pensamento Político

Translate »