Início do conteúdo
    Notícias
  • CTI disponibilizará módulo para gestão de projetos de ensino

    No início de agosto, a Coordenação de Tecnologia da Informação (CTI) disponibilizará acesso ao recém desenvolvido módulo de Projetos de Ensino. O módulo, resultado de uma parceria entre a CTI e a CPP/PRG, é mais uma funcionalidade presente no novo sistema de gestão da Universidade, o projeto Cobalto.

    Segundo Cássio Carvalho, Analista de Tecnologia da Informação da CTI que implementou este módulo, “as novas funcionalidades foram desenvolvidas visando atender as normas e as necessidades dos/as Coordenadores/as e Avaliadores/as (equipe técnica da CPP/PRG) dos respectivos Projetos de Ensino”.

    Em estrita observância à Resolução COCEPE 01/08, que normatiza os Projetos de Ensino no âmbito da UFPEL,  o Cobalto apresentará aos/as Coordenadores/as de Projeto as seguintes funcionalidades: cadastro e envio de propostas de projetos de ensino; cadastro e envio de relatórios parcial e final; solicitação de alterações; cadastro e solicitação de certificados. Com relação ao perfil dos Avaliadores, destacam-se: avaliação de projetos; avaliação de relatórios; avaliação de solicitações de alteração; avaliação de certificados.

    Além de receber notificações por e-mail, coordenadores e avaliadores poderão visualizar um histórico das tramitações relacionadas a cada projeto, incluindo os pareces emitidos pela equipe da PRG.

    A Técnica em Assuntos Educacionais da Coordenadoria de Programas e Projetos, Eugênia Antunes Dias, considera que o uso do sistema proporcionará um aumento significativo na qualidade do serviço, pois o sistema impedirá o envio de propostas em desacordo com a norma, fato este bastante comum no sistema atual e que acaba por aumentar o tempo de tramitação, já que os processos são devolvidos aos/as Coordenadores/as para a realização dos ajustes necessários. Igualmente “O sistema qualifica os Projetos de Ensino revitalizando sua importância, especificamente no tocante ao aprimoramento do ensino de graduação”, menciona Eugênia.

    A parceria com a PRG vai além do módulo de projetos de ensino, pois a Pró-Reitoria será pioneira na utilização de mais uma aplicação  do Cobalto. O helpdesk, até então usado exclusivamente pela CTI, expandiu suas funcionalidades para contemplar diversas unidades da UFPel. Esta iniciativa colaborativa beneficiará a comunidade de usuários através do contato direto com as equipes envolvidas na resolução dos problemas.  Isso permitirá que a equipe técnica da CTI avalie solicitações de ajuda e, quando conveniente, as reencaminhe para a unidade adequada.

    O Cobalto é um sistema de informação baseado em software livre e, embora em fase de desenvolvimento, já dispõe de diversos módulos em uso pela comunidade acadêmica da UFPEL: Gestão de Recursos Humanos; Projetos de Pesquisa; Projetos de Ensino; Acadêmico da pós-graduação; Concessão de benefícios da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis; Administração do restaurante; Indicadores; Gerenciamento das carteiras de identificação; Helpdesk;

  • CTI comunica instabilidade no link de internet

    A Coordenação de Tecnologia da Informação (CTI) comunica que, segundo informações do PoP-RS, fornecedor do link de internet da Universidade, houve um rompimento na fibra óptica entre Santa Catarina e Paraná. Por este motivo, alguns sites não estarão acessíveis a partir da Instituição, assim como os websites e serviços da UFPel poderão ficar indisponíveis para algumas regiões do Brasil e do mundo. A previsão de restabelecimento da fibra é após as 12h desta quarta-feira(10).

  • Lançado o novo portal da UFPel

    Em cerimônia na tarde desta quarta-feira (3), no auditório da reitoria, a UFPel colocou no ar o novo portal da Universidade. O projeto realizado em conjunto pela Coordenadoria de Comunicação Social (CCS) e pela Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI) foi pensado para dar acesso às informações mais procuradas e importantes, organizando a informação de forma fácil e dinâmica.

    Durante a cerimônia o coordenador da CCS, Sérgio Sarkis Yunes, salientou a parceria entre os dois setores que resultou em um ótimo trabalho. “O novo portal não foi pensado somente para ser mais bonito ou mais acessível, foi pensado para ser uma nova ferramenta para a comunidade acadêmica”, disse.

    A coordenadora da CTI, Amanda Argou, também deu destaque ao trabalho colaborativo feito pelas duas equipes dentro da própria Universidade. “O novo portal da UFPel não é uma solução comprada, é trabalho feito em casa”, finalizou.

    O vice-reitor Carlos Mauch falou sobre a nova cara da UFPel que agora será apresentada ao público externo. “Esta é a nova cara da UFPel, mas não é apenas uma imagem, é um todo que está sendo qualificado”, disse. Para o reitor Mauro Del Pino algumas inovações do novo portal como os espaços para auditoria, auditoria interna e acesso a informação fazem a comunicação da Universidade mais dinâmica e eficaz. “Mudamos a cara da Universidade para alcançar os anseios da comunidade acadêmica”, finalizou.

    O Portal
    O novo Portal usa o software livre wordpress. O site é apenas a primeira etapa da construção do novo universo virtual da UFPel. Em constante aprimoramento, o portal mostra uma nova proposta de integração da universidade com a comunidade, que privilegia a transparência, a clareza e o acesso à informação. Para isso, o novo Portal possui uma identidade visual limpa para não atrapalhar na clareza das informações.

    De acordo com o designer responsável pelo site, Eduardo Montagna, no topo da página foi utilizado o menu drop-down, parecido com uma lista, que elimina a necessidade de vários clics.

    Logo abaixo existe um slider, ferramenta importante para destacar conteúdos em um site. De acordo com Montagna, este espaço será utilizado para destacar o que acontece de mais importante na universidade no momento.

    Uma solução encontrada pela equipe para filtrar as informações foi a separação do que é realmente notícia dos informes acadêmicos e dos informes administrativos, agora cada um terá seu espaço facilitando a busca. “Além de separar informes de notícias, agora a última escolha do usuário permanece como preferência no próximo acesso”, disse Amanda Argou.

    Outro espaço importante do site é para os dois principais veículos de comunicação da Universidade, O Jornal da UFPel e a Rádio Federal FM, que poderão ser acessados diretamente da página principal.

    O site também possui banners de acesso direto para as informações mais procuradas no Portal. “Era uma necessidade, já que no antigo site era muito difícil encontrar as informações”, disse Montagna.

    Outra novidade é a possibilidade de busca em documentos escaneados e a barra de acesso às mídias sociais da UFPel, como o Twitter e o Facebook.

    Amanda Argou ainda salientou a acessibilidade do novo portal. O usuário pode trocar o tamanho da fonte e também modificar o contraste do site de acordo com sua necessidade visual. “O próximo passo é tornar o site acessível para portadores de necessidades especiais visuais”, informou.

    Até o fim deste ano letivo, as páginas das pró-reitorias e dos órgãos ligados à administração Superior deverão também exibir seus novos layouts, no mesmo padrão da página inicial da universidade.

  • Está no ar o novo portal da UFPel

    Está no ar o novo site da UFPel. Moderno, com acesso direto às informações mais procuradas e importantes, o novo portal reflete a mudança em andamento na Instituição, desde janeiro, quando a atual gestão começou suas atividades.

    O trabalho é uma realização conjunta das Coordenações de Tecnologia da Informação (CTI) e de Comunicação Social (CCS) e usa o software livre wordpress. O site é apenas a primeira etapa da construção do novo universo virtual da UFPel. Em constante aprimoramento, o portal mostra uma nova proposta de integração da Universidade com a comunidade, que privilegia a transparência, a clareza e o acesso à informação.

    Até o fim deste ano letivo, as páginas das pró-reitorias e dos órgãos ligados à Administração Superior deverão também exibir seus novos layouts, no mesmo padrão da página inicial da Universidade.

  • Redecomep: Assinatura da CEEE impulsiona projeto de ligação de unidades por fibra óptica

    A assinatura do diretor-presidente da CEEE (Companhia Estadual de Energia Elétrica), Sérgio Souza Dias, na última semana, além da ratificação da nova gestão da UFPel ao projeto, com a reassinatura do reitor Mauro Del Pino, tornará realidade a ligação dos prédios da Universidade por fibra óptica, aumentando sensivelmente a qualidade dos serviços prestados na área de internet. Além da estabilidade e da segurança proporcionadas pela nova rede, a velocidade deverá aumentar, em média, em dez vezes, passando de cem mega para um giga.

    O avanço será proporcionado pela adesão da UFPel à Rede Comunitária de Educação e Pesquisa de Pelotas (Recop). A Rede é constituída também pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Riograndense (IFSul), pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel), pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e pela Prefeitura Municipal de Pelotas.

    A rede é um projeto do Redecomep, que é uma iniciativa do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), coordenado pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). Terá 45 quilômetros de fibras ópticas, que formarão um anel central e outro denominado Coletor Federais, com derivações para atingir os pontos mais distantes das instituições.

    Redecomep
    A Redecomep tem como objetivo implementar redes de alta velocidade nas regiões metropolitanas do país servidas pelos Pontos de Presença da RNP. O modelo adotado baseia-se na implantação de uma infraestrutura de fibras ópticas própria voltada para as instituições de pesquisa e educação superior e na formação de consórcios entre as instituições participantes de forma a assegurar sua auto-sustentação.

    A execução do projeto fica a cargo da Organização Social RNP (RNP-OS), que contará com recursos da Finep. O projeto inclui a implantação, em conjunto com as instituições de pesquisa e educação superior, de infraestrutura de fibras ópticas (próprias ou por meio de cessão de direitos), equipamentos para a rede lógica e a gestão administrativa dos projetos de cada rede metropolitana.

    Após a implantação de cada rede metropolitana, a gestão da sua operação, seu custeio e sua sustentabilidade ficarão a cargo das instituições usuárias. Assim, outro objetivo do projeto é estimular a formação de consórcios, de modo a assegurar a sua auto-sustentação.

    Programas específicos para treinamento e capacitação na operação das redes ópticas também estão sendo planejados a fim de preparar o pessoal técnico das instituições de pesquisa e educação e dos Pontos de Presença da RNP para o gerenciamento e operação da nova infraestrutura.

    O convênio para a construção da rede inclui a participação da CEEE, visando à redução de custos na manutenção da infraestrutura, cessão de postes e a possibilidade de cooperação mútua em projetos de pesquisa. A assinatura da empresa era o que faltava para alavancar o início da implantação.