Venha assistir as apresentações do III Congresso de Inovação Tecnológica da UFPel

 

 

 

 

Entre os dias 22 e 25 de outubro de 2019 estará ocorrendo a terceira edição do Congresso de Inovação Tecnológica da UFPel.

Os trabalhos serão apresentados no Auditório B da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel no  Campus Capão do Leão.

O evento visa estimular o ecossistema de inovação da universidade, abrindo espaços para a apresentação de trabalhos relativos ao desenvolvimento tecnológico, transferencia de tecnologia e inovação.

Dados sobre o Ranking THE 2020, demonstram que nos últimos três anos a UFPel cresceu significativamente na capacidade de interação com o setor produtivo.

Espera-se que este congresso, aliado a outras iniciativas, contribuam para o crescimento da interação da UFPel com a sociedade, demonstrando a contribuição desta instituição para desenvolvimento social e econômico da região e do país.

Confira aqui a programação de apresentação dos trabalhos:
CLICK AQUI PARA CONFERIR A PROGRAMAÇÃO CIT 2019

Mais informações sobre Inovação podem ser encontradas no site da Coordenação de Inovação Tecnológica

Inscrições abertas para a 1ª edição do Ciclo de Palestras ABIFINA

A ABIFINA convida a todos para a 1º edição do Ciclo de Palestras, sobre o tema Biodiversidade.

Este é o primeiro de uma série que acontecerá a cada três meses, sempre com um tema diferente.

O tema da 1ª edição abordará temas relativos à pesquisa e à produção de medicamentos a partir da biodiversidade, incluindo a importância econômica da biodiversidade brasileira, a inovação realizada por empresas do setor farmacêutico e a necessidade da interação academia-empresa.
Acesse o relesse do evento, o programa e faça a sua inscrição.

UFPel cresce no ranking de transferência de tecnologia do THE 2020

Os dados do ranking de melhores universidades da revista britânica Times Higher Education (THE), uma das mais importantes em avaliação do ensino superior do mundo, divulgados nesta quarta-feira, 11, demonstram que o Brasil superou Itália e Espanha e subiu da 9ª para a 7ª posição entre os países com mais representantes no ranking. Os dados deste levantamento incluem 1396 universidades de 92 países. Dentre os quesitos avaliados estão ensino, pesquisa, citações, internacionalização e transferência de tecnologia (industry income).

Neste último item, a UFPel praticamente não figurava. De zero a 100 pontos pontuava apenas 1.1 no ranking de 2018 referente aos dados do ano de 2017. No ranking de 2019 a UFPel saltou para 34 pontos e agora em 2020 aumentou para 34.4.

Esses dados referem-se à capacidade de uma universidade de ajudar a indústria com inovações, invenções e consultoria, o que se tornou uma missão central da academia global contemporânea – aliada ao ensino, pesquisa e extensão.

Esse escore busca mensurar a atividade de transferência de conhecimento, observando quanto de receita de pesquisa uma instituição obtém da indústria, comparada com o número de funcionários acadêmicos que emprega. Na UFPel, esse crescimento está relacionado com as patentes e os licenciamentos em biotecnologia, agrárias e saúde. O faturamento das empresas incubadas pela instituição contribui, ainda, para esse escore.

Essa pontuação sugere até que ponto as empresas estão dispostas a pagar por pesquisas e a capacidade de uma universidade de atrair financiamento no mercado comercial – indicadores úteis da qualidade institucional.

Em comparação com outras instituições do Brasil e do exterior, a UFPel está aproximando-se das principais instituições do mundo.

Embora na metodologia usada pelo ranking THE a transferência de tecnologia represente apenas 2.5% do total da pontuação, a UFPel apresenta pontuação significativa em outros quesitos, o que leva a universidade a ser a 9ª melhor do Brasil.

“Em 2019 a UFPel completa 50 anos de existência. As principais universidades brasileiras ainda não completaram um século de existência. Embora o desenvolvimento tecnológico e a inovação tenham se disseminado apenas nos últimos anos na UFPel – principalmente após a Lei de Inovação de 2004 – podemos perceber que a instituição tem buscado cada vez mais a relação com a sociedade, o que é demonstrado por estes dados, uma vez que o escore de transferência de tecnologia está bem próximo daquele de universidades como USP e UFRGS, as quais têm tradição estabelecida nesta área”, considera o coordenador de Inovação Tecnológica da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação da UFPel, Vinícius Campos.

Ele lembra que, recentemente, o Ministério da Educação (MEC) propôs o programa Future-se para as IFES. “De acordo com o MEC, o programa se alicerça numa proposta de induzir as IFES a incrementarem radicalmente a sua capacidade de interação com a indústria e setor produtivo, e o financiamento em parte por este setor da sociedade. Fora todas as falhas e armadilhas do programa, a ideia central da proposta parte do pressuposto que as universidades federais não possuem interação com o setor produtivo. De acordo com estes dados podemos observar que a premissa do programa Future-se está errada. As universidades públicas brasileira já interagem com o setor produtivo. Em alguns casos, em níveis similares às principais universidades do mundo como Harvard (Figura 2), demonstrando desconhecimento do atual governo federal”, sublinha.

Para o coordenador, estes resultados do THE não demonstram apenas o crescimento da UFPel na sua interação com o setor produtivo nacional nos últimos 2 anos. “Demonstram, claramente e com dados, que a universidade pública brasileira respeita a comunidade na qual está inserida e trabalha para melhorias desta em todos os seus aspectos”, sentencia.

UFPel deposita sua primeira patente na Austrália

Fruto da parceria entre o Centro de Ciências Químicas, Farmacêuticas e de Alimentos da UFPel com a empresa australiana de tecnologia Selenium Therapeutics, a nova patente representa mais um importante passo rumo a internacionalização e à consolidação da UFPel como agente de inovação.

Parceria entre Universidade Federal de Pelotas e Biopolix

A Universidade Federal de Pelotas está dando mais um importante passo rumo à interação com o meio produtivo e ao estímulo à inovação tecnológica, através do novo projeto de prestação de serviços tecnológicos, ofertado em parceria com a empresa Biopolix.

Nesse projeto serão realizadas a capacitação de alunos de graduação e pós graduação para análise de biopolímeros polissacarídeos (xantana), através da oferta de serviços de consultorias e emissão de laudos nas áreas de testes de insumos utilizados em bioprocessos fermentativos, teste de microrganismos, controle de qualidade em biopolímeros polissacarídeos entre outras diversas aplicações, cujo uso crescente vem ampliando a demanda por serviços e pessoal especializado na realização deste tipo de análise onde a UFPel é referência técnica, reconhecida nacional e internacionalmente.

De acordo com a coordenadora do projeto, Profa. Dra. Angelta Moreira, as ações especificas de treinamento, consultoria e análise serão realizadas visando o desenvolvimento tecnológico das indústrias do setor no país, a formação de mão de obra qualificada e o desenvolvimento tecnológico da própria UFPel, uma vez que o projeto viabilizará o contato permanente com novas situações e problemas técnicos a serem solucionados, fomentando o desenvolvimento de novas pesquisas na área.