1) CHARQUEADAS

Pelotas iniciou às margens do Arroio Pelotas, onde as Charqueadas, propriedades rurais voltadas para o abate de gado e para a produção da carne seca e salgada (o charque), se estabeleceram.

Charqueada São João:

Foi construída entre 1807 e 1810 e hoje representa um dos mais belos e íntegros exemplares da arquitetura do Ciclo do Charque. Em 1820, hospedou o naturalista francês Auguste de Saint-Hilaire.

A Charqueada São João também serviu de cenário para as gravações da “Casa das Sete Mulheres”.

Charqueada São João

Maiores informações sobre a charqueada podem ser obtidas clicando aqui.

2) CENTRO HISTÓRICO

Praça Coronel Pedro Osório e Construções Históricas do entorno:

A Praça Coronel Pedro Osório é a principal praça da cidade. Ao redor dela iniciou o segundo loteamento da cidade de Pelotas, por volta do ano 1812.  A praça apresenta oito entradas que conduzem até o centro onde se encontra um chafariz chamado “As Nereidas”. Este foi importado da França pela Companhia Hydráulica Pelotense, em 1875. O chafariz “As Nereidas” substituiu o pelourinho, erguido em 7 de Abril de 1832, como símbolo da autonomia do Município. Entre os monumentos da Praça, se destacam as obras do escultor pelotense Antônio Caringi, que foi criador do monumento ao Coronel Pedro Osório, o monumento à Mãe Pelotense e o Relógio Solar.

No entorno da praça se encontra o maior número de exemplares arquitetônicos construídos no período entre 1870 e 1930. Entre as construções do entorno, destacam-se a Prefeitura de Pelotas, a Bibliotheca Pública Pelotense, o Theatro Sete de Abril, o Clube Caixeiral, a Casa da Banha, a Empresa de Pompas Fúnebres Moreira Lopes, o Grande Hotel, o antigo prédio do Banco do Brasil, além dos casarões das tradicionais famílias de charqueadores. Atualmente, o casarão 8 abriga o Museu do Doce. Ainda próximo da praça encontram-se o Theatro Guarany, o Mercado Público, o prédio do antigo Lyceu Rio-grandense, e o Centro de Integração do Mercosul.

Fonte das Nereidas, na Praça Cel. Pedro Osório

Casarões históricos no entorno da praça

Mercado Público de Pelotas:

Construído em 1847 em estilo neo-clássico, ostenta uma torre de metal com um relógio e um farol, importados de Hamburgo, na Alemanha. Esta torre faz uma alusão à famosa Torre Eiffel. No Mercado é possível provar os famosos doces de Pelotas, comprar os aparatos para um bom chimarrão, comer um lanche ou mesmo uma refeição mais requintada, e ainda acompanhar algumas das muitas manifestações culturais e artísticas que acontecem neste local (o samba do Mercado, o chorinho do Mercado, entre outras).

Mercado Público de Pelotas

Catedral Metropolitana São Francisco de Paula:

Iniciada em 1913, sofreu várias alterações, e sua configuração atual data de 1951. Internamente destacam-se as pinturas murais de Aldo Locatelli e Emilio Sessa, e os elementos decorativos de Adolfo Gardoni. Aldo Locatelli ficou conhecido pelo seu magnifico trabalho. Foi contratado depois para pintar a Catedral de Porto Alegre, o Palácio Piratini e a Igreja de Caxias do Sul. Mas sua obra maior está na Catedral de São Francisco de Paula, que originou sua vinda diretamente da Itália a fim de executá-la.

A Catedral abriga a imagem de São Francisco de Paula, de origem artística desconhecida, tendo sido trazida da Colônia do Sacramento.

Catedral Metropolitana São Francisco de Paula

Vista do interior da Catedral

Catedral Anglicana do Redentor (Igreja Cabeluda):

Construída em estilo gótico-céltico, a Catedral da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil abriu suas portas ao público em 1892. É conhecida como a “Igreja Cabeluda”, por ser coberta por uma vegetação trepadeira do tipo hera. Ao longo do ano, esta vegetação muda de cor e perde as folhas, fazendo com que a igreja vá ficando diferente com o passar das estações. Sua torre possui 27 metros de altura. Os vitrais vieram de Nova York, e apresentam motivos com símbolos e textos bíblicos. A elevação a catedral ocorreu em 1988.

Igreja Cabeluda

3) ORLA DA LAGUNA DOS PATOS

A área urbana de Pelotas conta com três núcleos de ocupação na orla da Laguna dos Patos: a Colônia de Pescadores Z-3, o Balneário dos Prazeres (ou Barro Duro), e o Laranjal. Quem vem à Pelotas, tem de conhecer a Laguna dos Patos !

Laranjal:

A orla do Laranjal certamente é um dos locais preferidos dos pelotenses. Uma caminhada pelo calçadão, uma pedalada pela ciclovia, um chimarrão à sombra de uma figueira, um passeio pelo trapiche, a prática de esportes náuticos ou simplesmente uma boa conversa em uma mesa de bar ou de um restaurante são os vários motivos que trazem as pessoas até o Laranjal.

Orla do Laranjal

4) OUTROS LOCAIS NA ÁREA URBANA

Museu Municipal Parque da Baronesa:

Localizado em uma propriedade histórica, o Museu Municipal Parque da Baronesa, inaugurado em 1982, tem como missão guardar e preservar bens de valor histórico e cultural, que representam os usos e costumes da nossa sociedade abrangendo as últimas décadas do séc.19 até as primeiras décadas do século XX, bem como a comunicação e exposição ao público, para promoção do conhecimento e educação, a serviço da sociedade e de seu desenvolvimento.

A casa da Baronesa

Maiores informações sobre Museu Municipal Parque da Baronesa, clique aqui.

Shopping Pelotas:

O Shopping Pelotas está localizado no cruzamento das Avenidas Ferreira Viana e São Francisco de Paula, no bairro Areal. Oferece diversas opções de compras, alimentação, lazer e serviços.

Shopping Pelotas

Endereço: Av. Ferreira Viana, 1526, Areal.
Horários:
Segunda a Sábado – das 10h às 22h;
Domingos e feriados: Praça de alimentação, cinema e lazer – das 11h às 22h; Lojas – das 14h às 20h

5) COLÔNIA

O município de Pelotas possui uma grande área rural, que os pelotenses chamam de “colônia”. Um passeio pelas estradas rurais da “colônia” pode reservar boas surpresas: bons restaurantes e cafés coloniais, belas cachoeiras, arquitetura peculiar, pousadas e recantos.

Distrito Vila Nova

Cachoeira do Imigrante

Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe

Restaurante Gruppelli

Para maiores informações sobre a colônia de pelotas, clique aqui.

6) OUTROS LOCAIS DE INTERESSE

Rio Grande:

Apesar de ser o município vizinho a Pelotas, a distância entre as sedes é de cerca de 69km. Rio Grande é conhecida pelo seu Porto, pelos molhes da barra da Laguna dos Patos, pela praia do Cassino, pela Estação Ecológica do Taim, entre outros atrativos.

Molhes de Rio Grande

Fronteira Internacional Jaguarão (Brasil) / Rio Branco (Uruguai):

A fronteira internacional Jaguarão (Brasil) / Rio Branco (Uruguai) fica distante cerca de 142km de Pelotas. Neste local, a Ponte Internacional Barão de Mauá faz a ligação entre os dois países. Rio Branco é conhecida pelos seus free-shops, onde os turistas aproveitam para comprar os mais diversos produtos a preços atrativos. Em Rio Branco, ainda é possível provar um pouco da culinária uruguaia, muito conhecida pela qualidade de suas carnes, queijos, doce de leite, entre outras especialidades.

Ponte Internacional Barão de Mauá

Fronteira Internacional Chuí (Brasil) / Chuy (Uruguai):

A fronteira internacional Chuí (Brasil) / Chuy (Uruguai) fica distante cerca de 267km de Pelotas. Para chegar ao Chuí, é preciso percorrer a histórica região dos antigos “Campos Neutrais“, passando também pela Estação Ecológica do Taim. As cidades irmãs de Chuí e Chuy são conhecidas pelos free-shops, mas também pelos cassinos e pelas parillas (restaurantes de carnes feita na grelha, ao estilo uruguaio). Vale ainda fazer uma visita à Barra do Arroio Chuí, onde o Brasil começa (ou termina).

Barra do Chuí