Início do conteúdo
Estação de Aquicultura

Criação

A Estação de Aquicultura da Agência para o Desenvolvimento da Lagoa Mirim (ALM) iniciou suas atividades em 1983, como unidade associada à Barragem do Arroio Chasqueiro, localizada no quilômetro 600 da rodovia BR-116, que liga Pelotas à Jaguarão, distando a 83 km da UFPel. 

Características Técnicas

Sua estrutura funcional engloba uma unidade de manutenção de reprodutores em sistema de recirculação de 25m3 (in door); uma unidade de manutenção de casais e desova; baterias de incubadoras cilindrico cônicas (50–150L/fluxo contínuo); 36 unidades (1m3) para larvicultura e 42 viveiros escavados (≈15.000m2 lâmina d’água) para produção de zooplâncton, alevinagem, engorda e manutenção de reprodutores. Esta estrutura tem capacidade de produção estimada em torno de 1 milhão de alevinos/ano.

Importância

A Estação tem como meta principal o fomento ao desenvolvimento regional da piscicultura, podendo executar projetos de desenvolvimento e repasse de tecnologia e de produção de alevinos para repasse a produtores e órgãos de pesquisa.

Alguns trabalhos recentes têm sido desenvolvidos com espécies nativas e exóticas já introduzidas na Bacia do Atlântico Sul. Dentre as nativas, estão o jundiá Rhamdia quelen e os peixes-rei de água doce Odontesthes humensis e Odontesthes bonariensis, e como espécie exótica introduzida a carpa capim, Ctenopharingodon idella e a Tilápia, em especial do gênero Gift.

Mais recentemente a Agência da Lagoa Mirim, junto a sua Estação de Aquicultura, estabelece um termo de acordo de cooperação com a Cooperativa dos Pescadores de Santa Isabel, COOPESI, de Arroio Grande-RS, com a intenção de promover ações que apontem ao desenvolvimento da cadeia produtiva do peixe na bacia hidrográfica da Lagoa mirim. Outra ação, nesse sentido, é o Projeto “Inovação em Aquicultura nas relações fronteiriças para o desenvolvimento regional: geração de linhagem de tilápias tolerantes ao frio através de epigenômica” coordenado pelo Prof. Vinicius Campos, membro da Comissão Técnica de Apoio à Coordenação da ALM, que trata em promover a expansão da produção sustentável de tilápias em ambientes de baixa temperatura no RS através da geração de uma linhagem tolerante ao frio baseado em marcadores epigenéticos.