SIMPEP 2017- neste ano foram 5 artigos aprovados

Neste ano tivemos 5 trabalhos aprovados no SIMPEP, os quais possuem forte vinculação com as atividades do LABSERG (Laboratório de Segurança e Ergonomia) e NEPEA (Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Acessibilidade). Estes trabalhos vem como uma ação inicial que pretende consolidar o recém formado NUMESA (Núcleo Multidisciplinar em Ergonomia, Segurança e Acessibilidade). Os artigos nasceram dos esforços conjuntos de colaboradores apoiando-se em várias frentes de pesquisa que vem ocorrendo nos últimos anos e que constam com a inestimável participação do alunos.
Segue abaixo lista dos trabalhos aprovados. Após a realização do evento (08 a 10 de Novembro) os artigos aprovados são inseridos em nos anais do congresso e disponibilizados para consulta online.
.
AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÃO UNIVERSITÁRIA NA CIDADE DE PELOTAS-RS. RODEGHIERO NETO, I.; PEREIRA, L.A.; FRANZ, L.A.S.; ANDRADE, I.F.
ACESSIBILIDADE EM ÁREAS LIVRES PÚBLICAS: UM ESTUDO DE CASO DO PARQUE DOM ANTÔNIO ZÁTTERA QUANTO AO USUÁRIO IDOSO. RODEGHIERO NETO, I.; PUREZA, J.B.; MONTELLI, C.C.C.; BROMBILLA, D.C.; ANDRADE, I.F.
UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO QUANTO AOS PRINCIPAIS TÓPICOS DE ERGONOMIA RELACIONADOS AO TRABALHO DE FRENTISTAS. SMANIOTTO, G.Y.; DIAS NETA, C.T.; SOUZA, A.B.C.; BAGIOTTO, J.R.M.; FRANZ, L.A.S.
ANÁLISE DOS RISCOS DECORRENTES DE POSTURAS DESFAVORÁVEIS ENTRE METALÚRGICOS SOLDADORES EM UMA EMPRESA DO RAMO NAVAL. DA ROSA, M.K.; SMANIOTTO, G.Y.; SOUZA, A.B.C.; ANDRADE, I.F.; FRANZ, L.A.S.
INVESTIGAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO EM UMA EMPRESA DE PRODUÇÃO DE ESQUADRIAS. TABIM, V.M.; SMANIOTTO, G.Y.; ANDRADE, I.F.; GOMIDE, D.S.; FRANZ, L.A.S.

Exoesqueletos como apoio à manutenção de cargas no trabalho

Esta é GENIAL, para não dizer MUIIIITO GENIAL!!! Leia toda a reportagem abaixo e veja que interessante não só a interação da Universidade com a sociedade que a rodeia, mas as ideias envolvidas em torno da Ergonomia e suas aplicações. Ao ver essas notícias não há como não sonhar em chegar a algo perto disso sem sair de minha Universidade e região. Veja o vídeo e leia agora mesmo esta reportagem superinteressante!! Prof FRANZ
.
Loja de construção nos EUA equipa funcionários com exoesqueletos: estoquistas que passam boa parte do dia carregando latas e caixas agora têm ajuda de uma armadura mecânica para erguer itens muito pesados
.
Se você é geek e mora em Christiansburg – município de 17,8 mil habitantes no estado norte-americano de Virgínia –, prepare seu coração (e arranje uma desculpa para comprar uma lata de tinta).
A rede de lojas de material de construção Lowe’s, a segunda maior do mundo no ramo, escolheu sua filial na pacata cidade dos EUA para fazer um teste que parece mais adequado à oficina de Tony Stark. Quatro funcionários do estoque – cuja rotina consiste em erguer sacos de cimento, caixas de azulejos e outros produtos com potencial para dar uma bela dor nas costas – receberam exoesqueletos para evitar problemas ortopédicos.

Sim, é isso que você ouviu: exoesqueletos. As armaduras, que não pesam mais que uma mochila e são macias e confortáveis, envolvem o corpo dos estoquistas e aumentam sua força, resistência e velocidade em tarefas desgastantes do dia a dia, como descarregar caminhões. Elas foram desenvolvidas pelo laboratório de inovação da Lowe’s em parceria com Alan Asbeck, engenheiro mecânico da Universidade Virginia Tech especializado em wearables – o termo, em inglês, define acessórios tecnológicos que podem ser vestidos como roupas.
“Nos últimos quatro ou cinco anos, dispositivos de assistência ao ser humano se tornaram uma área de interesse”, afirmou Asbeck à assessoria da universidade. “Nossa tecnologia é diferente porque inclui elementos macios e flexíveis, e nossa abordagem é única porque colocaremos nossos protótipos em uma situação real por um longo período de tempo.

Para avaliar os benefícios do esqueleto na prática e aperfeiçoar seus pontos fracos, os pesquisadores não fazer perguntas diretas aos participantes do teste. Esse tipo de questionário gera respostas pouco específicas, e o fato de que a tecnologia é uma novidade com jeito de ficção científica pode fazê-la parecer mais eficiente do que realmente é.
Em vez disso, cada um deles levará para o estoque, junto com os exoesqueletos, um medidor que registra a atividade cerebral durante o horário de trabalho – e que revela em quais atividades e movimentos o equipamento realmente ajudou (ou não). “Quando você pergunta o que alguém achou de um filme, as pessoas geralmente dizem que ele foi bom”, afirmou Kyle Nel, da Lowe’s, à CNN. “Mas há partes do filme que são melhores ou piores que outras, e é isso que nós vamos descobrir.”
O princípio de funcionamento é simples. Os feixes que compõem as costas da armadura são feito de fibra de carbono, um material leve e flexível. Quando o estoquista se abaixa para pegar um objeto pesado em uma das prateleiras inferiores, a estrutura se curva e acumula energia, da mesma forma que um arco e flecha quando é armado. Na hora de retornar à posição inicial, já com o peso nos braços, a fibra, por causa da tensão acumulada, “puxa” o funcionário de volta para a postura adequada – como a flecha ao ser lançada, só que em câmera lenta.
Como as pernas e os ombros ficam atados à estrutura, eles também são forçados a seguir um movimento pré-determinado, ideal do ponto de vista ortopédico. Dessa maneira, o peso é distribuído da maneira adequada por cada parte do corpo da pessoa, e nenhum membro recebe uma pressão desnecessária.

“Projetos como esse dão a engenheiros que passam o dia inteiro sentados no escritório uma oportunidade de ir além e ajudar outras pessoas”, afirmou Taylor Pesek, um dos alunos que integraram a equipe de Asbeck. “Minha formação é em robótica, que é uma área com tecnologia incrível, mas que não estará disponível em nosso cotidiano tão cedo. O bacana desse exoesqueleto é que ele já está ajudando as pessoas conforme é desenvolvido.”
.

Posts mais antigos «