Notícias
  • Geografia se reúne para discutir falta de professores

    Reunião será às 19 H, no Campus da Geografia

    Hoje, sexta-feira, às 19 H, está marcada uma reunião do Departamento de Geografia com os estudantes do curso para discutirem acerca do problema da falta de professores para terminar o semestre de 2016/2 em algumas disciplinas do curso. O COCEPE foi comunicado da reunião pelo professor Sidney Vieira, Diretor do ICH, que recebeu a comunicação oficial do Chefe do Departamento, professor Robinson Pinheiro. Em seguida, o Diretor formulou convite para representante do COCEPE esteja presente a fim de discutir as possibilidades existentes.

    O impasse foi gerado em função da rescisão do contrato de Professor Substituto que ocorreu em janeiro. Com isso, as disciplinas Organização do Espaço Mundial II (0060228), Epistemologia II (0060011) para a Licenciatura em Geografia, Técnicas de Elaboração de Trabalho Científico (0060328), Organização do Espaço Mundial II – B (0060290) e Ecologia de Sistemas (0060304) para o Bacharelado em Geografia ficaram sem professor. Em reunião do Departamento de Geografia, realizada em 16/02/2017, ficou decidido que os professores do departamento não têm como atender a tais disciplinas, tendo em vista que isso provocaria um aumento na carga de trabalho dos envolvidos acima do aceitável.

    A reunião na sexta-feira, proposta pelos acadêmicos representantes dos estudantes no Departamento, servirá para informar aos alunos de modo mais detalhado a situação e analisar propostas que possam viabiizar a continuidade das aulas e a finalização do semestre. De qualquer modo, se houver nova proposta, deverá ser submetida à apreciação do departamento, que deliberou por não atender as disciplinas.

    Logo após a reunião o Diretor do ICH, juntamente com o Chefe do DGeo e o Coordenador do Colegiado do Curso de Geografia, professor  José Álvaro Martins, reiniciaram conversas no sentido de sensibilizar os professores envolvidos com a área de Geografia Humana na busca de uma solução. Ocorre que, do ponto de vista administrativo, não há qualquer possibilidade de manter o contrato de Professor Substituto que foi rescindido e a contratação de outro professor levaria mais temnpo do que se dispõe para o término do semestre, não restando alternativa a não ser que os professores assumam, em caráter emergencial e com prejuízo às atividades atuais, as disciplinas à descoberto.

    O Cehefe do Departamento de Geografia alerta para o fato de que mesmo a solução imediat do probblema não elimina a falta de professores na área de Geografia Humana e que, possivelmente, o problema venha a se agravar quando da distribuição das disciplinas para 2017/1.

  • Museu da Colônia Maciel sofre com desabamento do telhado

    Prof. Fábio Vergara Cerqueira se manifesta sobre desabamento do museu

    A coordenação do Museu Etnográfico da Colônia Maciel noticia, com pesar, o desabamento do telhado do prédio em que o museu se situa, no núcleo urbano da Vila Maciel. O fato ocorreu na noite de segunda-feira, de 13.02.2017. Pessoas da comunidade local averiguaram a situação do prédio na manhã do dia seguinte, tendo ocorrido divulgação de fotografias para tornar público o acontecimento e sua gravidade, pelo que agradecemos à sra. Cândida S. Portantiolo. Diante da informação, no turno da tarde, uma equipe técnica, com integrantes da Prefeitura Municipal de Pelotas e da Universidade Federal de Pelotas, acompanhados da Defesa Civil, se deslocaram até a Vila Maciel para averiguar a situação. Verificou-se risco de desabamento, razão pela qual se faz alerta de que a população não se aproxime do prédio. O primeiro passo será o escoramento, cujo procedimento está sendo difinido entre a Prefeitura Municipal de Pelotas, a Defesa Civil, a Universidade Federal de Pelotas e o Corpo de Bombeiros. Somente após este, mediante criteriosa análise das condições de segurança, proceder-se à remoção de telhas e demais destroços do desabamento. Numa etapa seguinte, com uma equipe formada por profissionais e estudantes das áreas de conhecimento envolvidas (História, Museologia, Conservação & Restauro), com a cooperação dos quatro museus do Circuito de Museus da Serra dos Tapes (Museu De Morro Redondo, Museu Gruppelli e Museu Colonia Francesa), fará o trabalho de retirada meticulosa do acervo, deslocando-o para outro espaço, em que se possa, com rigor técnico, realizar a restauração do que for possível recuperar. As duas reservas técnicas não foram atingidas. Ontem, sob supervisão, foi feita retirada dos objetos conservados na reserva técnica anexa ao prédio. Este material foi deslocado para outro local, na própria Vila Maciel, em condições de segurança. Por parte da equipe do museu, os primeiros procedimentos estão sendo tomados pela arqueóloga Luciana Peixoto , posto que me encontro afastado para pós-doutoramento fora do país. Por parte da prefeitura, o Secretário Municipal de Cultura, sr. Giorgio Ronna, e a arquiteta Liciane Almeida, acompanham com todo empenho e dedicação cada passo a ser tomado. Por parte da universidade, temos recebido apoio total do diretor do ICH, Prof. Dr. Sidney Gonçalves Vieira , assim como da administração superior, por meio do Magnífico Reitor, Prof. Dr. Pedro Hallal, assim como do Pró-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento, Prof. Dr. Otávio Martins Peres, e do assessor do Reitor, Prof. Dr. Alexandre Gastal . Na Vila Maciel, contamos a sempre com a atenta colaboração da família Casarin, por meio da Loeci, Marli e Neiva. Desde a divulgação do infortúnio, temos recebido inúmeras mensagens de apoio. Tenho certeza que o museu superará, e renascerá mais forte. Certamente será a hora de um novo abraço, bem forte, com a comunidade local, como ocorreu na fundação do museu. É triste que o ano comemorativo dos dez anos de funcionamento do museu seja marcado por este fato. Mas nós, UFPel, temos um compromisso com a comunidade da Vila Maciel e redondezas, com a memória destes descendentes de imigrantes italianos, assim como de outras origens, que batalharam para construir nossa história, geração após geração. Juntos, superaremos!

     

  • Novas informações sobre Professores Substitutos na Economia, Geografia e Museologia

    As notícias divulgadas sobre os Professores Substitutos nos Cursos de Economia, Geografia e Museologia não se concretizaram. Em função de expedientes próprios da administração pública federal se tornou impossível alocar os professores nas vagas nas quais se pretendia que eles fossem alocados.

    Economia

    Um Professor Substituto do Curso de Economia teve seu contrato rescindido e não há vaga na qual possa ser alocado. Ainda que houvesse vaga, a rescisão rompeu o vínculo do contrato, impedindo que ele possa continuar. Aqui, o próprio Departamento de Economia irá assumir as disciplinas do Professor Substituto, por intermédio de um redistribuição interna, de modo a garantir o encerramento do semestre. No próximo semestre, outro Professor Substituto poderá ser contratado para o Departamento de Economia na vaga de Professor Efetivo afastado.

    Geografia

    Ocorreu algo semelhante ao caso da Economia na Geografia, pois houve a rescisão do contrato do Professor Substituto em janeiro de 2017. Também aqui, em função da rescisão, se trona impossível a continuidade da contratação. Outro Professor Substituto poderia ser chamado, mas não há tempo hábil para efetivar a contratação antes do final do semestre, em virtude de prazos legais que precisam ser cumpridos. Também a Geografia tem uma vaga de Professor Efetivo que poderá ocupar com um substituto no próximo semestre. Para o término de 2016/2 o Departamento de Geografia terá que redistribuir a carga horária do Professor Substituto cujo contrato foi rescindido.

    Museologia

    Aqui, novamente, temos uma situação semelhante, o contrato do Professor Substituto foi rescindido em face do retorno do professor afastado cuja vaga estava sendo ocupada. Não há vaga na qual se possa dar continuidade ao contrato que, de qualquer modo, não poderia ser continuado face a rescisão. A solução será, novamente, o Departamento de Museologia, Conservação e Restauro assumir  a responsabilidade pelas disciplinas, atribuindo-as, possivelmente, ao Professor Efetivo que retornou do afastamento.

    Por que ocorrem tais situações com os Professores Substitutos

    Ocorre que todo Professor Substituto é contratado em uma vaga de Professor Efetivo. Portanto, tal contrato só pode se dar quando o Professor Efetivo não se encontrar em atividade (deverá estar em afastamento, licença ou aguardando contratação). Assim, o próprio contrato estabelece esse vínculo, de modo que não há rescisão necessária, haja vista que o contrato se extingue automaticamente com o preenchimento da vaga. Como o substituto está no lugar de um efetivo é condição necessária que o efetivo primeiro gere a vaga para que depois ela possa ser ocupada. Por isso ocorre de não haver vaga para alocação de alguns substitutos, em função de que seus contratos só podem ser alocados em vagas que tenham surgido antes de suas contratações.

    O COCEPE está organizando, juntamente com a PROGEP, a efetiva correspondência entre a vaga gerada e o substituto contratado, com vistas a evitar que problemas da natureza do que estamos enfrentando voltem a acontecer. Nesses casos, a maior parte dos substitutos estavam ocupando vagas cujos efetivos não tinham correspondência. Um substituto da Economia estava na vaga de um efetivo da História, por exemplo, ou seja, a contratação do efetivo não elimina a demanda do substituto. Espera-se que tal  correspondência seja mantida, a fim de que não tenhamos soluções emergencias como a que estão sendo tomadas agora.

    A solução encontrada, de que os professores em atividade assumam as tarefas dos substitutos cujos contratos encerraram, só é possivel em função da disponibilidade dos professores dos departamentos envolvidos em assumir mais encargos, além dos que já tinham. Em muitos casos, isso representará uma sobrecarga de trabalho, justificada diante da necessidade de que os alunos tenham o final de semestre sem problemas.

  • Economia terá problemas com final de contrato de Substituto. Geografia teve problema solucionado.

    Professor Substituto de Economia teve contrato rescindido

    Infelizmente um problema que era da Geografia acabou passando para a Economia: a rescisão de contrato de Professor Substituto. Um contrato da Economia teve que ser rescindido, haja vista que a vaga na qual o professor estava foi preenchida. A vaga era em outra área que não a Economia. Ocorre que ao distribuir as vagas de substitutos não se observou a correspondência entre o afastado e o contratado, resultando em problemas dessa natureza. Assim, o Departamento de Economia terá que absorver as disciplinas que estavam sob o encargo do Professor Substituto que teve o contrato rescindido, pelo menos para que se possa terminar o semestre. Para o próximo semestre, já está prevista a contratação de um Professor Substituto, na vaga de um professor efetivo da Economia que se encontra afastado, desta vez, até que oprofessor efetivamente retorne.

    Professor Substituto de Geografia continuará até o final do semestre

    Por outro lado, a situação na Geografia pode ser resolvida. O Professor Substituto que teria seu contrato rescindido foi alocado na vaga de  outro professor. Assim, os alunos terão suas aulas garantidas até o final do semestre, sem interrupção. Para o próximo semestre o Departamento de Geografia terá que analisar como atender a todas as disciplinas.

  • Geografia poderá ter várias disciplinas sem professor neste final de semestre (2016/2)

    A situação na Geografia não está nada tranquila neste final de semestre. O término de contratao de Professor Substituto em vaga de Professor Efetivo que foi ocupada, pode trazer muitos transtornos a várias turmas. Ocorre que o contrato fora firmado para atender a 16 horas/aula e a vaga na qual o professor foi contratado acaba de ser preenchida por um professor que não é da mesma área.

    O Departamento de Geografia já informou que é impossível distribuir a carga horária do professor substituto neste semestre entre os professores que estão em atividade e que não possui outra vaga para solicitar a prorrogação do ocncurso. Por intermédio da Direção do Instituto de Ciências Humanas (ICH) as negociações estão sendo feitas com o Conselho Coordenador do Ensino, da Pesquisa e da Extensão (COCEPE) da UFPEL, para que se encontre uma solução.

    A intenção da Direção e do COCEPE é a de prorrogar o contrato existentes permitindo, pelo menos, o término do semestre. A dificuldade está em encontrar uma vaga disponível na universidade que atenda a todos os requisitos legais para dar continuidade ao contrato. O risco que se corre é que, no momento, os alunos estão efetivamente sem professor para acabar o semestre nas disciplinas referentes ao contrato.

    Esperamos que a solução possa ser encontrada ainda nesta segunda-feira (13/02/17), para que não haja interrupção de aulas para um grande número de alunos.

     

  • História contemplada com recursos do PROEQUIP

    O que é o PROEQUIP

    O PROEQUIP é um edital anual que busca apoiar os cursos de graduação presenciais da UFPel para qualificar seus laboratórios de ensino e bibliotecas.

    Recursos serão encaminhados para os Cursos de História

    O edital de 2016 foi realizado em duas chamadas e os cursos de História Licenciatura e Bacharelado participaram da chamada II, sendo ambos contemplados com recursos que serão destinados à qualificação de 5 laboratórios já existentes. Os recursos dos dois cursos somam R$ 164.688,68, os mais bem qualificados no PROEQUIP nesta edição.

    Parabéns à comunidade da História pela conquista.

  • Veja aqui as plantas do Campus II do ICH

    Desde que ficou definida a mudança dos Campus da Canguru e do Salis Goularte do ICH para o Campus II do ICH, na Rua Almirante Barroso, 1202, temos trabalhado juntamente com a Pró-Reitoria de Planejamento (PROPLAN) no sentido de encontrar o melhor uso e ocupação daquele novo espaço.

    A PROPLAN tem elaborado diversas propostas de uso em função das inúmeras visitas que têm sido feitas ao local. Com o intuito de tornar mais transparente o processo de uso e ocupação do Campus II do ICH, estamos disponibilizando, a seguir, o acesso às plantas do prédio, bem como das informações e dados sobre a mudança proposta. Ainda que tenhamos um prazo exíguo para definir a localização dos setores no novo campus é importante que todos analisem e façam as proposições pertinentes, pois, na medida do possível, se está tentando contemnplar todas as demandas e sugestões.

    É preciso lembrar, de todo modo, que o Campus II trata-se de um prédio existente e, certamente, não contemplará todas as demandas como as desejamos.

    Veja a seguir as plantas e proposta para o Campus II do ICH

    1o_pavimento(1)

    2º pavimento(1)

    3°paviemto(1)

    00 Proposta 31.01.17

  • Tudo sobre o Campus II do ICH

    Onde fica o Campus II do ICH?

    Trata-se do prédio locado pela UFPel junto à Universidade Católica de Pelotas (UCPel), que está localizado na Rua Almirante Barroso, 1202. Naquele local funcionou, originalmente, o Colégio Diocesano de Pelotas e, mais recentemente, diversas áreas da UCPel, conhecido como Campus II da Católica.

    Por que a UFPel alugou esse prédio?

    Há mais de quatro anos o ICH vem solicitando um local definitivo para os setores instalados no Campus ICH da Rua Lobo da Costa 1877, a Canguru, tendo em vista a série de problemas jurídicos e administrativos que envolve o uso daquele local. No final da gestão anterior da Reitoria, o ex-Reitor, prof. Mauro Del Pino, iniciou as tratativas para a locação daquele espaço da UCPel, o que foi concretizado, ainda em sua gestão. Portanto, a locação daquele espaço foi uma decorrência da necessidade do ICH frente a insegurança do uso da Canguru.

    Por que se trata de mais um prédio alugado?

    A atual administração da UFPel assumiu já com o contrato de locação firmado. Entretanto, o atual reitor, prof. Pedro Hallal, já manifestou a intenção da UFPel na compra do prédio. De qualquer modo, a locação junto à UCPel foi feita de maneira correta, sem que tenhamos que passar pelos sobressaltos do uso que tínhamos na Canguru. Trata-se de um contrato por cinco anos, no mínimo.

    Por que a Geografia foi envolvida nesse processo?

    Ocorre que por força de determinação do Governo Federal e legislação correspondente não é possível contratar novas locações. Assim, a universidade entrou com um processo solicitando autorização para substituição de locações. Entretanto, o valor do aluguel do Campus II é muito maior do que o valor que se paga à Canguru. A maneira que se encontrou de alugar aquele prédio foi juntando o valor pago em outros imóveis. Assim, a UFPel propôs trocar três prédios alugados (Canguru, Sales Goularte e PRAE) por um único prédio, o Campus II. Por isso a necessidade de que a Geografia também faça parte do processo.

    Como foi feita distribuição dos espaços no Campus II?

    O pessoal técnico da Pró-Reitoria de Planejamento, sob a orientação do Pró-Reitor professor Otávio Peres, foi responsável pela elaboração das propostas de uso e ocupação do Campus II. A proposta inicial se baseou em um critério de correspondência de espaços, ou seja, todos os espaços existentes na Canguru e no Sales Goularte deveriam ter um espaço correspondente no Campus II. Em alguns setores houve ganho de área enquanto em outros a área a ser ocupada será menor.

    Feita a distribuição por correspondência a proposta foi sendo ampliada na tentativa de colocar no Campus II mais setores da Geografia, atualmente no Campus da Alberto Rosa. Depois, outros locais foram sendo alocados de acordo com o interesse da própria Pró-Reiotria de Planejamento. O mapa de uso atual ainda está em discussão e terá que ser definido logo para que se inicie o processo de instalação da infraestrutura necessária para o funcionamento do prédio.

    Quais outras Unidades estão no Campus II?

    A própria Universidade Católica de Pelotas permanecerá com alguns espaços por mais um ano. Trata-se de área destinada à TV UCPEL, cuja mudança é mais complexa. A TV UCPEL está localizada em um prédio dentro do Campus II. Além da Católica, a Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE), da UFPel, que ocupava prédio alugado na Avenida Bento Gonçalves, passou a ter uma área localizada no prédio do Campus II. Depois, o ICH, com os setores da Geografia, Museologia, Conservação e Restauro e Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural. Setores da Faculdade de Educação (FaE) que estavam na Canguru também foram alocados no campus. Os demais espaços não utilizados ficaram para a Pró-Reitoria de Planejamento fazer a distribuição. Os setores da Geografia do ICH Alberto Rosa não foram todos alocados no Campus II, em função da inadequação dos espaços restantes.

    Quando começará o uso efetivo do prédio?

    O prédio já está em uso. Todo o processo de matrícula de 2017/1 para os alunos ingressantes está sendo realizado naquele local. Algumas salas de aula foram montadas e estão em uso para cursos que tiveram problemas de sala para concluir o semestre 2016/2.

    A partir da definição dos usos para os demais espaços, a Pró-Reitoria de Planejamento providenciará a instalação da infraestrutura necessária para cada ambiente (água, luz, telefone, internet, etc.). Todos os setores que estavam nos Campus do ICH da Rua Lobo da Costa, 1877 (Canguru) e do ICH da Rua Félix da Cunha, 520 (Salis Goularte), inclusive as aulas dos cursos desses Campus, deverão estar prontos para uso no início do próximo semestre, em 24 de abril.

     

     

  • Conselho Departamental define data das próximas reuniões

    Na reunião realizada no dia 01 de fevereiro de 2017 o Conselho Departamental (CD) do Instituto de Ciências Humanas (ICH) definiu as datas das próximas reuniões do órgão. Todos os membros do CD já ficam automaticamente convocados para as reuniões agendadas, aguardando apenas os pontos para as respectivas pautas.

    No horário das 14 H 30 min ocorrerão as reuniões ordinárias e suas respectivas pautas, no horário das 16 H 30 min serão realizadas as reuniões para analisar os pedidos de afastamento para realização de atividades esporádicas e para tratar dos projetos de Ensino, Pesquisa e Extensão.

    São as seguintes as datas agendadas:

    23/02/17, quinta-feira

    20/03/2017, segunda-feira

    25 de abril, terça-feira

     

    Eventualmente poderão ser marcadas reuniões extraordinárias para tratar de assuntos urgentes.

  • Direção do ICH e PROPLAN tratam do Campus II do ICH

    Em reunião realizada no dia 01/02/17, quarta-feira, a Direção do ICH, representada pelos professores Sidney e Sebastião, estiveram reunidos com a Pró-Reitoria de Planejamento, com a presença dos professores Otávio e Denis, para discutir aspecto referentes ao uso e ocupação do Campus II do ICH, localizado na Rua Almirante Barroso, 1202.

    A proposta efetivada pela Proplan com a anuência da Direção contempla todos os espaços existentes nos Campus da Canguru e Salis Goularte. Grande parte dos profissinais das áreas de Museologia, Conservação e Restauro já estiveram no local e estão acompanhando o desenvolvimento da proposta fazendo as sugestões possíveis de serem atendidas. Na próxima semana, está marcada uma visita com os servidores docentes e técnicos administrativos da Geografia, dia 07/02, às 17 H, para apresentação concreta da proposta e visitação das salas. Os alunos dos cursos de Geografia, Museologia e Conservação e Restauro também estão convidados para partciparem do processo.

    A Proplan está tomando as providências para que no início do próximo semestre todos os setores em mudança estejam instalados, por isso a importância dos servidores conhecerem o local e manifestarem as sugestões possíveis para que tudo esteja a contento.